conecte-se conosco


Mulher

Atriz faz ultrassom natural, saiba como o método funciona

Avatar

Publicado

Grávida de seis meses, Giselle Itié compartilhou em seu Instagram a foto de uma sessão de ultrassom natural feita pela parteira mexicana Naolí Vinaver . A imagem retrata o momento especial em que a especialista examina a atriz e desenha o bebê em sua barriga.

Leia também: Estes são os nomes de bebês mais populares de 2019; veja ranking

mulher com bebê desenhado na barriga arrow-options
Reprodução/Instagram

Giselle Itié fazendo o ultrassom natural com a parteira Naolí Vinaver

O ultrassom natural nada mais é do que uma técnica de pintura feita por uma doula ou parteira indicando a posição do bebê na barriga da mãe.  O método ficou conhecido na década de 1990, quando o filho mais velho de Naolí desenhava o futuro irmão que crescia na barriga da mãe.

desenho de bebê na barriga da mãe arrow-options
Reprodução/Instagram/@naoli.vinaver.oficia

Ultrassom natural: representação do bebê na barriga da mãe feita por doulas ou parteiras

Notando a ansiedade da família para conhecer o bebê, a parteira decidiu adotar a prática e passou a fazer desenhos nas gestantes a sua volta.

Leia também: “Eu fiz o parto do meu bebê”, relata mãe que deu à luz no chão do quarto

Com o toque, Naolí identifica a posição, tamanho da criança e ainda examina os batimentos cardíacos. Assim, faz um desenho mais próximo da realidade.

Morando atualmente no Brasil, o objetivo do trabalho de Naolí é humanizar esse momento antes do nascimento , além de contribuir para a conexão entre mãe e filhos.

Leia também: Mãe desabafa sobre a realidade de receber visitas no hospital logo após o parto

Para muitas famílias, o ultrassom natural é uma forma de amenizar a ansiedade e ter o primeiro contato com o bebê .

Comentários Facebook

Mulher

Salão é acusado de fazer blackface ao reproduzir meme da cabeleleila Leila

Avatar

Publicado


source
Salão de beleza é acusado de blackface
Reprodução/Twitter

Salão de beleza é acusado de blackface


Na manhã desta sexta-feira (7) começou a circular nas redes sociais um vídeo de um salão de beleza reproduzindo o  meme da “cabeleleila Leila”. O problema, no entanto, é que os funcionários que apareciam na gravação utilizavam perucas para simular um cabelo crespo e foram acusados de blackface.


“Blackface não é engraçado, a gente tá em 2020. Usar peruca assim e se pintar de escuro além de ser extremamente escroto é racista”, disse um usuário do Twitter. 

Logo após a polêmica começar, o vídeo foi rapidamente tirado do ar. Procurado, o salão LD Beauty Services, localizado em Indaial, Santa Catarina, disse que se pronunciaria logo mais em uma live.


Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Mãe perde guarda da filha após menina passar por ritual do candomblé

Avatar

Publicado


source

Uma mãe de Araçatuba, cidade do interior de São Paulo, perdeu a guarda da filha de 12 anos após a menina passar por um ritual de iniciação no candomblé. Segundo reportagem do Uol, alguns familiares que são contra a religião de matriz africana fizeram denúncias alegando que a jovem era abusada. 

candomblé
Arquivo/Agência Brasil

Mãe perde a guarda da filha após ritual do candomblé

A avó da garota é evangélica e teria feito uma denúncia ao Conselho Tutelar da Cidade, alegando que a menina estava sofrendo maus tratos e abusos sexuais. Após algumas denúncias, os conselheiros foram acompanhados de policiais ao terreiro onde a adolescente estava com a mãe, que é manicure, e tentou explicar que elas não poderiam deixar o terreiro enquanto estivessem passando pelo ritual. Mesmo assim, elas foram levadas ao Instituto Médico Legal (IML), que não identificou hematomas ou lesões corporais. 

A única coisa de diferente na jovem era o cabelo raspado. Ela estava passando por um ritual chamado de “feitura de santo”. Nessa tradição religiosa, a pessoa deve passar 21 dias no terreiro entrando em contato com a religião e raspar o cabelo faz parte do processo, que simboliza um renascimento. 

Mãe e filha foram liberadas, mas foram feitas novas denúncias dizendo que a garota estava sendo mantida à força no terreiro. Os policiais foram novamente ao local, mas não encontraram ninguém, pois a menina já estava em casa com os pais. Após isso, foi feita uma denúncia à Promotoria alegando que o cabelo raspado foi uma lesão corporal e a Justiça interferiu dando a guarda da jovem para a avó materna.

Sem a guarda

Há uma semana a manicure só pode falar com a filha por telefone e em visitas presenciais de cinco minutos. “O pior de tudo é que em nenhum momento ouviram minha filha ou a mim. Simplesmente a tiraram de mim. Eu nunca a obriguei a nada, esse sempre foi o sonho dela. Ela está chorando a todo momento, me liga de dez em dez minutos querendo vir para casa”, disse a mãe da menina. 

“Eu estou arrasada. Já estava antes por conta do preconceito. Agora que tiraram minha filha de mim, tiraram o meu chão. Nunca imaginei passar por isso por conta de religião. Eu estava presente o tempo inteiro, acompanhei tudo, nada de ilegal foi feito, que constrangesse a ela, ou que ela não quisesse, sem consentimento dela, ou sem o pai ou a mãe, foi tudo feito legalmente”, a manicure continuou. 

O Conselho Tutelar e os familiares que estão com a guarda da adolescente não se pronunciaram. Os pais da menina falam que foram vítimas de intolerância religiosa. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) garante a liberdade religiosa e, além disso, a lei nº 13.257, de 2016, garante que pais e mães transmitam suas crenças aos filhos. 

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana