conecte-se conosco


Saúde

Saiba os sintomas do câncer no cérebro, doença que matou vocalista do Roxette

Publicado

Saúde

A cantora sueca Marie Fredriksson , vocalista da dupla Roxette, morreu, aos 61 anos, por causa de um  câncer no cérebro . Em 2002, a artista foi diagnosticada com o tumor após desmaiar dentro de casa. Desde então, ela lutava contra a doença.

Marie Fredriksson arrow-options
Divulgação

Marie Fredriksson, vocalista do Roxette, morreu por conta de um câncer no cérebro, diagnosticado em 2002

O câncer no Sistema Nervoso Central (SNC) — que envolve o cérebro e a medula espinhal — representa de 1,4 a 1,8% de todos tumores malignos no mundo, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca). Cerca de 88% deles são no cérebro.

Os tumores que se desenvolvem no cérebro podem ser primários — quando as células cancerígenas são originárias do próprio tecido cerebral — ou secundários — quando ocorre por causa de metástase de outro câncer , como o de mama, pulmão e pele . Os tipos secundários são os mais frequentes.

Sinais de alerta

Pelo fato de não haver exames preventivos para diagnosticar o câncer no cérebro, é preciso ficar atento aos sinais de alerta. Eles podem surgir em momentos iniciais ou avançados do tumor, já que dependem de onde ele está localizado.

Veja Também  Brasil acumula 141.406 mortes pelo novo coronavírus

Os sintomas mais frequentes são: dor de cabeça muito forte que pode estar associada a náuseas e vômitos, crise convulsiva, alterações de equilíbrio, de visão ou de audição, alterações da fala ou da capacidade intelectual (compreensão, raciocínio, escrita, cálculo, reconhecimento de pessoas).

Leia também: Entenda o que é o tumor retirado do cérebro de Gloria Maria e quais os sintomas

“Se você notou alguns desses sinais, procure um médico. O tratamento precoce é sempre melhor. Não negligencie os sintomas”, orienta Carolina Fittipaldi, médica oncologista da Oncoclínicas.

De acordo com a especialista, a maioria dos diagnósticos ocorre na emergência, quando os pacientes procuram ajuda médica após uma crise de dor de cabeça muito forte ou por causa de um episódio convulsivo. A lesão é identificadas por exames de imagem como tomografia computadorizada e ressonância magnética com contraste.

Fatores de risco

De acordo com o Inca, alguns fatores aumentam a chance de desenvolvimento do câncer cerebral , como exposição a radiação ionizante (profissionais que lidam com raios-X, pessoas que se submetem à radioterapia ou a exames excessivos com radiação) e deficiência do sistema imunológico (que pode ser causada pelo vírus HIV ou pelo uso de medicamentos ou drogas que suprimem o sistema imunológico).

Veja Também  Brasil registra 141.741 mortes por Covid-19, diz boletim oficial

“O tratamento depende muito do tipo de tumor e da localização dele no cérebro. Por tratar-se de uma área nobre é importante que seja avaliado por uma equipe médica especializada que conte com neurocirurgião, oncologista e radio-oncologista, já que para alguns tipos de tumores é necessário complementar o tratamento cirúrgico com radioterapia e/ou quimioterapia. Todos os casos devem ser avaliados de forma individual de acordo com as características do tumor”, diz Carolina.

Leia também: Entenda o que é espondilite anquilosante, doença que afeta o cantor Zé Felipe

Todo o tratamento do câncer de cérebro é conduzido por essa equipe multidisciplinar, que além do neurocirurgião, inclui oncologista clínico, fisioterapeuta, enfermeiro, fonoaudiólogo e nutricionista, por exemplo.

Comentários Facebook

Saúde

Projeto da Coppe/UFRJ e Cefet-MG é selecionado para programa do Pnud

Avatar

Publicado


.

Projeto desenvolvido por professores do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ) e do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG) foi selecionado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) para integrar o programa Explorando o impacto da covid-19 e a resposta política na América Latina e no Caribe, por meio de dados de mobilidade.

Desde que a covid-19 chegou ao Brasil, o Programa de Engenharia de Transportes da Coppe/UFRJ se colocou à disposição do governo fluminense para ajudar no que fosse necessário e vem realizando estudos sobre a relação da doença com a mobilidade, disse o professor Romulo Orrico, coordenador do programa. Foi feita pesquisa também sobre a influência do urbanismo e dos transportes públicos para a covid-19, tomando por base dados disponíveis e as características diversas das cidades norte-americanas de Los Angeles e Nova York, embora essas localidades tenham tomado decisões semelhantes para conter a disseminação do novo coronavírus.

Orrico informou que, em parceria com a empresa Grandata, sediada em São Francisco, nos Estados Unidos, o Pnud obteve dados sobre mobilidade de oito a dez países da América Latina e abriu um edital para pesquisadores que se habilitassem a utilizar aqueles dados para conseguir informações positivas no auxílio ao combate à doença.

Movimentação

O projeto da Coppe e Cefet-MG, intitulado Mensuração da eficácia da política de isolamento social da covid-19 a partir de modelos de demanda de transporte”, coordenado pelo professor Romulo Orrico, vai usar não só os dados sobre mobilidade que serão disponibilizados em uma plataforma criada pelo Pnud e Grandata, mas também dados georreferenciados disponíveis no Brasil. A plataforma visa a facilitar a análise dos movimentos da população durante a pandemia do novo coronavírus, fora de suas residências. “Nós temos que entender exatamente aqueles dados”, disse Orrico.

Veja Também  Projeto da Coppe/UFRJ e Cefet-MG é selecionado para programa do Pnud

Cerca de dez instituições participam do programa do Pnud, sendo uma por país, informou o professor da Coppe/UFRJ. Ele disse  que a missão apresenta dificuldades, uma vez que o Brasil tem mais de 5 mil municípios, com grande variedade de comportamento frente à pandemia. O programa do Pnud estabeleceu prazo de meados de novembro, para as instituições fazerem uma versão preliminar da pesquisa, até metade de dezembro para apresentarem um relatório definitivo do que for conseguido.

A meta do Pnud é compreender melhor os impactos socioeconômicos da pandemia nos países e, assim, poder planejar uma resposta política na região que engloba America Latina e o Caribe. “Eles esperam que se extraia alguma informação positiva para ajudá-los em uma política para a América Latina e o Caribe, em relação à mobilidade no combate à covid”, afirmou Romulo Orrico.

Importância

O coordenador do projeto da Coppe e do Cefet-MG destacou que a iniciativa do Pnud demonstra que é importante estudar esse tema da mobilidade e sua eventual ligação com a pandemia. Disse que se a pesquisa chegar à conclusão de que o transporte público não infecta ninguém, “será muito bom e vai ficar feliz”. Advertiu, entretanto, que a mobilidade trouxe à tona essa relação com a doença. O estudo pode, então, comprovar que o transporte público contribui para infectar as pessoas, mas também concluir que não tem nada a ver. “Ou, ainda, que não foi possível encontrar uma relação”. Em ciência, tudo é possível, observou Orrico.

Veja Também  Como a pandemia pode acelerar a desindustrialização do Brasil

A plataforma criada pela Grandata e pelo Pnud tem uma ferramenta que permite destacar as diferenças percentuais de deslocamentos realizados por usuários em um dia-base e em cada dia anterior e posterior. Isso torna possível determinar o grau de cumprimento do isolamento social de uma população em localidades específicas, como um município, cidade ou país, informou a Coppe/UFRJ, por meio de sua assessoria de imprensa.

O grupo de pesquisadores da Coppe e do Cefet-MG é integrado por cinco professores, além de alunos de graduação, mestrado e doutorado das duas instituições. O Programa de Engenharia de Transportes da Coppe/UFRJ realiza pesquisas sobre mobilidade desde 1979. Em andamento, o programa tem sondagens sobre cidades sustentáveis e veículos elétricos, entre outras.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Como a pandemia pode acelerar a desindustrialização do Brasil

Avatar

Publicado


source

BBC News Brasil

undefined
Camilla Veras Mota – @cavmota – Da BBC Brasil em São Paulo

Desempenho da indústria*. Em países selecionados – janeiro a junho/julho de 2020. *Com ajuste sazonal frente a igual período do ano anterior (exceto China).

A covid-19 parou o mundo e derrubou a atividade industrial em dezenas de países, ricos, emergentes e pobres.

Os dados divulgados neste mês pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Unido) mostram quedas de dois dígitos em todas as regiões.

Levando em consideração o segundo trimestre deste ano, que concentrou a maior parte das perdas, o tombo foi de 12,9% na Ásia, de 16,5% na América do Norte, de 19,3% na Europa e de expressivos 24,2% na América Latina, quando se compara ao mesmo período do ano passado.

No ranking de países elaborado pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) com base dados da Unido e antecipado à BBC News Brasil, o Brasil aparece em 26º lugar entre 43 países, levando-se em consideração o intervalo de janeiro a junho ou a julho, a depender do país.

Nesse intervalo, a atividade industrial contraiu 9,7%, desempenho que coloca o país no lado de baixo da lista, mas ainda à frente de países europeus que amargaram resultados ainda piores: Portugal (-12,1%), Alemanha (-14,5%), Espanha (-15,2%), França (-15,4%) e Itália (-18,3%), que aparece em último lugar.

A magnitude menor pode dar a falsa sensação de que a posição do Brasil é mais confortável.

Mas, para o economista responsável pelo estudo, Rafael Cagnin, mesmo que o país mantivesse os mecanismos que suavizaram os choques negativos da covid-19 e retomasse a agenda de reformas, como a tributária, a situação do Brasil ainda seria “mais adversa”.

Isso porque, avalia ele, a pandemia deve acelerar dois processos que já vinham fazendo o país perder espaço na indústria global.

A indústria 4.0 e o ‘reshoring’

Na última década, o avanço tecnológico permitiu que indústrias em todo o mundo passassem por profundas mudanças.

Processos antes realizados por dezenas de trabalhadores foram automatizados, o armazenamento e processamento de dados em nuvem permitiu que as empresas minimizassem perdas e tornassem alguns processos mais eficientes (o que, em última instância, ajuda a aumentar as margens de lucro).

Veja Também  Brasil registra 141.741 mortes por Covid-19, diz boletim oficial

O Brasil vem passando ao largo dessas transformações, que caracterizam a chamada indústria 4.0.

Mais que isso, o país vem passando por um processo de desindustrialização, diz Cagnin. Isso é visível não apenas pela perda de participação do setor no Produto interno Bruto (PIB), mas também na participação na indústria global e na fatia que os manufaturadores representam nas exportações, que é cada vez menor.

“A desindustrialização é multifacetada e aparece em todos os prismas”, diz o economista.

“Isso pode ser agravado de forma muito profunda com esse salto que pode ser dado agora (pela indústria global)”, ele completa.

Isso porque o uso cada vez mais intensivo de tecnologia na indústria e a transformação do setor devem ser acelerados no pós-pandemia, já que o mundo inteiro estará em busca de recuperar o mais rápido possível as perdas amargas de 2020.

Navio chinês

Arnaldo Alves/ ANPr
O ‘reshoring’ se caracteriza pela aproximação entre produção e mercados consumidores, que reduz custo financeiro e ambiental do frete

E não só isso. O pós-crise também deve intensificar, na avaliação do economista, um processo que vinha se consolidando nos últimos anos, o chamado ” reshoring ” — o contrário do ” offshoring “, o movimento de saída de muitas indústrias de países ricos para emergentes que marcou as últimas décadas.

A lógica do ” reshoring ” não é apenas trazer de volta empregos que foram “exportados”, mas atender a uma exigência cada vez mais forte dos consumidores para que o processo produtivo seja sustentável.

Aproximar a produção dos mercados consumidores reduz os custos de frete e permite que as empresas acompanhem de perto cada etapa da produção e adotem critérios rígidos tanto em relação às leis trabalhistas quanto ao meio ambiente.

“E o plano de recuperação da União Europeia tem claramente um ‘eixo de recuperação verde’, um ‘ green new deal ‘”, destaca, referindo-se ao programa anunciado no último dia 21 de julho, que dá as diretrizes para o orçamento do bloco para os próximos sete anos.

A tecnologia pode facilitar esse processo.

O custo de mão de obra mais elevado em países europeus e nos Estados Unidos está entre as principais razões que levaram à transferência de unidades produtivas para outras regiões, especialmente para o Sudeste Asiático. Agora, a robotização barateia a produção e abre espaço no orçamento para que as empresas arquem com os salários maiores dos trabalhadores localizados em seus países-sede. Em outras palavras, ela permitiria, do ponto de vista de custos, que uma fábrica que foi transferida para a China voltasse para a Alemanha, por exemplo.

Veja Também  Hospital de Campanha do Ibirapuera dá alta ao último paciente

De maneira geral, o processo reduz o volume de empregos gerados pela indústria (daí o grande debate sobre o desemprego potencial gerado pela automação e pelo desenvolvimento tecnológico), mas passa a criar vagas nos países de origem das empresas.

“Quando você precisa acelerar crescimento econômico, esses movimentos todos se tornam convergentes.”

“E isso abre espaço para uma disrupção estrutural. Alguns países vão conseguir dar saltos de produtividade muito grandes e avançar mais rapidamente”, avalia.

Nesse cenário, o Brasil vai ficando para trás e sua indústria vai perdendo competitividade — o que contribui para que ela veja diminuir ainda mais seu espaço na estrutura produtiva global, aprofundando a desindustrialização.

Mulher trabalhando em uma fábrica

Getty Images
Entre 2011 e 2019, produção encolheu 15% no país e entrou em 2020 operando no mesmo nível de 2004

O desafio de ‘digerir’ uma crise após a outra

O desempenho da indústria brasileira em 2020 foi em parte poupado pelos programas criados para amortecer os efeitos da crise gerada pela pandemia.

De um lado, o auxílio emergencial sustenta uma parte da demanda dos consumidores. De outro, os programas de crédito dão algum fôlego para as empresas.

A Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF) do IBGE mostra, de certa forma, esses efeitos.

Desempenho da indústria*. Em países selecionados - janeiro a junho/julho de 2020. *Com ajuste sazonal frente a igual período do ano anterior (exceto China).

Entre os 25 segmentos acompanhados pela pesquisa, quatro chegaram a crescer no período entre janeiro e julho, em comparação ao mesmo intervalo do ano passado, sendo três deles diretamente ligados a esses fatores: a indústria de produtos alimentícios (4,9%), de produtos de limpeza (4,1%) e de produtos farmacêuticos (1,9%).

Os dados desagregados também expõem a dimensão do problema, especialmente de médio e longo prazo. Os segmentos de maior intensidade tecnológica, como de aparelhos elétricos, produtos eletrônicos e máquinas, recuaram mais do que a média (de 9,7%), assim como o ramo de bens de capital, que está diretamente ligado ao investimento.

Isso se soma ao fato de que o setor ainda tentava digerir a recessão de 2014-2016, cujos estragos ainda não haviam sido totalmente recuperados.

“A gente já tem feridas não cicatrizadas da crise anterior, e essa vai trazer novos problemas que podem se arrastar daqui pra frente.”


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana