conecte-se conosco


Economia

Entenda o grau de investimento de um país

Avatar

Publicado

A classificação de risco por agências estrangeiras representa uma medida de confiança dos investidores internacionais na economia de determinado país. As notas servem como referência para os juros dos títulos públicos, que representam o custo para o governo pegar dinheiro emprestado dos investidores. As agências também atribuem notas aos títulos que empresas emitem no mercado financeiro, avaliando a capacidade de as companhias honrarem os compromissos.

Além de avaliarem os países, as agências divulgam a perspectiva de evolução das notas, que podem ser positiva, estável ou negativa. A perspectiva positiva, como a divulgada hoje (11) pela Standard & Poor’s (S&P), indica que a agência pode elevar a nota nos próximos relatórios. O contrário ocorre com a perspectiva negativa.

O grau de investimento funciona como um atestado de que os países não correm risco de dar calote na dívida pública. Abaixo dessa categoria, está o grau especulativo, cuja probabilidade de deixar de pagar a dívida pública sobe à medida que a nota diminui. Quando um país dá calote, os títulos passam a ser considerados como de lixo. O mesmo vale para as empresas.

As agências mais conceituadas pelo mercado são a Fitch, a Moody’s e a Standard & Poor’s, que periodicamente enviam técnicos aos países avaliados para analisar as condições da economia. Uma avaliação positiva faz um país e suas empresas levantarem recursos no mercado internacional com custos menores e melhores condições de pagamento.

Da mesma forma, uma boa classificação atrai investimentos estrangeiros ao país. Fundos de pensão estrangeiros investem apenas em países com grau de investimento concedido por pelo menos duas agências de classificação de risco. Caso contrário, o país passa a ser considerado de grau especulativo.

Em 2008, o Brasil tinha sido elevado à categoria de grau de investimento. A primeira agência a incluir o país nesse patamar foi a S&P, em abril daquele ano. A decisão foi seguida pela Fitch, em maio do mesmo ano, e pela Moody’s, em setembro de 2009.

Queda

Em setembro de 2015, a S&P retirou o grau de investimento do Brasil e concedeu perspectiva negativa, abrindo caminho para que a nota fosse reduzida novamente em fevereiro de 2016. Em dezembro de 2015, a Fitch reduziu a nota do Brasil para um nível abaixo da categoria de bom pagador, rebaixando novamente a classificação em maio de 2016. A Moody’s retirou o grau de investimento do Brasil em fevereiro de 2016, uma semana após o segundo rebaixamento pela S&P. Na ocasião, a Moody’s reduziu a nota do país para dois níveis abaixo do grau de investimento.

Em janeiro de 2018, a S&P tornou-se a primeira agência a reduzir novamente a nota da dívida brasileira, para três níveis abaixo do grau de investimento. Um mês mais tarde, a Fitch seguiu a decisão, também classificando o país três níveis abaixo do grau de investimento. A Moody’s, no entanto, manteve a nota da dívida pública brasileira dois níveis abaixo desse patamar.

No caso dos títulos públicos, o grau de investimento ajuda um país a conseguir juros mais baixos nos papéis da dívida externa. Por meio da dívida pública, um governo emite títulos para levantar recursos no mercado financeiro. O dinheiro serve para atender às necessidades de financiamento e permitir que o Tesouro honre os compromissos de curto prazo. Em troca, o governo compromete-se a devolver o dinheiro aos investidores com juros. Quanto menores as taxas, maior a confiança na capacidade de pagamento do país.

Erros

Embora as notas sirvam de parâmetro para credibilidade de governos e de empresas no mercado financeiro, as agências de classificação de risco enfrentam críticas por terem errado nos prognósticos. Antes de 2008, as agências deram notas altas para as operações de venda de créditos imobiliários nos Estados Unidos, que entraram em colapso e desencadearam uma crise econômica global.

Em 2013, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos abriu investigação na Standard & Poor’s por suspeita de fraude na classificação de produtos hipotecários. O litígio foi resolvido em 2015 por meio de um acordo, no qual a agência pagou multa de US$ 1,375 bilhão e reconheceu que suas ligações comerciais com as instituições responsáveis pelos papéis imoliliários podres influenciaram as avaliações.

Edição: Nádia Franco
Fonte: EBC
Comentários Facebook

Economia

Hoje tem! Mega-Sena sorteia R$ 32 milhões nesta terça-feira (21)

Avatar

Publicado

source

Sete modalidades das Loterias Caixa podem pagar, até a próxima terça-feira (21), mais de R$ 66,1 milhões. O destaque será a Mega-Sena, que tem três sorteios previstos para a Mega-Semana de Verão, sendo que o primeiro deles será realizado nesta terça, com um prêmio acumulado de R$ 32 milhões.

Ainda na terça, o Dia de Sorte pode pagar R$ 350 mil, a Dupla-Sena R$ 800 mil, a Lotomania R$ 1,3 milhão e a Timemania R$ 28,5 milhões.

O sorteio desta terça é o primeiro da Mega-Semana de Verão, que oferece uma chance extra ao apostador ao realizar três concursos semanais, ao invés de dois.

Mega-sena acumula e prêmio sobe para R$ 32 milhões

Os próximos sorteios da Mega-Sena serão na quinta-feira (23) e no sábado (25), concluindo os três concursos da semana especial.

Aplicado na Poupança da Caixa, os R$ 32 milhões da Mega-Sena podem render R$ 82 mil mensais ao sortudo que acertar os seis números. Com o valor de R$ 28,5 milhões da Timemania, segundo maior prêmio entre as sete modalidades, é possível adquirir duas mansões em Jurerê (SC), com mais de mil metros quadrados de área privativa.

Os sorteios são realizados no Espaço Loterias Caixa, localizado no Terminal Rodoviário Tietê, em São Paulo. O público pode acompanhar os sorteios presencialmente ou pela TV e redes sociais.

Como apostar:

As apostas podem ser feitas até às 19h em qualquer lotérica do país e também pela internet no site da Caixa.(www.loteriasonline.caixa.gov.br). Clientes com acesso ao Internet Banking podem fazer suas apostas, na Mega-Sena, pelo seu computador pessoal, tablet ou smartphone.

O serviço funciona das 8h às 22h (horário de Brasília), exceto em dias de sorteios, quando as apostas se encerram às 19h, retornando às 21h para o concurso seguinte.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Philips oficializa recall de babá eletrônica por risco de incêndio

Avatar

Publicado

source
Modelos a serem substituídos%3A SCD620/79%2C SCD620/78%2C SCD620/93%2C SCD620/52%2C SCD620/26%2C SCD620/05%2C SCD620/01. arrow-options
Foto: Divulgacao

Modelos a serem substituídos: SCD620/79, SCD620/78, SCD620/93, SCD620/52, SCD620/26, SCD620/05, SCD620/01.

Como medida de precaução, a Philips está voluntariamente fazendo o r ecall e substituindo os sete modelos de babá eletrônica com vídeo digital da série SCD620, fabricados entre janeiro de 2016 e março de 2018.

A empresa informa ter verificado a possibilidade de a bateria da unidade dos pais superaquecer enquanto conectada à rede elétrica com risco de incêndio.

Farmacêutica faz recall de remédio para úlcera gástrica

O Procon de São Paulo, vinculado à Secretaria da Justiça e Cidadania, orienta aos consumidores que os produtos devem ter o uso suspenso imediatamente e que a empresa deverá substituí-los.

O número do produto pode ser localizado na parte de baixo da unidade dos pais da babá eletrônica. veja informações no site da empresa: www.philips.com.br.

O contato para substituição poderá ser feito no telefone 0800 709 1434 ; a empresa solicita ter o número de série em mãos ao telefonar.

Ainda de acordo com o Procon, a Philips deverá apresentar os esclarecimentos que se fizerem necessários, conforme determina o Código de Defesa do Consumidor, inclusive com informações claras e precisas sobre os riscos.

Os consumidores que sofreram algum tipo de acidente, pela manipulação do produto, poderão solicitar, por meio do Judiciário, a reparação dos danos eventualmente sofridos.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana