conecte-se conosco


Economia

Carne atinge maior preço em 30 anos no Brasil com alta de exportações para China

Avatar

Publicado

source
gado arrow-options
Macos Santos/USP Online

Preço da carne atingiu maior nível em 30 anos no Brasil com alta de exportações para a China

O preço da carne disparou no Brasil em novembro e segue nas alturas, em função sobretudo da alta das exportações para a China, e já afeta diretamente a vida do brasileiro. Segundo especialistas, o preço pode ficar nas alturas por anos.

Leia também: Ministra contradiz Bolsonaro e afirma que preço da carne não deve cair

Em supermercados e açougues do Rio de Janeiro, por exemplo, o preço da carne aumentou mais de 30% em um mês em alguns cortes, como picanha e alcatra, bem acima da média de 6,78% de alta da carne vermelha no ano pelo IPCA-15 e da inflação, abaixo de 3%.

De acordo com levantamento da BoiSCOT Consultoria obtido pela Exame , o preço da arroba bateu recordes e chega a ser negociado por até R$ 230, com aumentos em 29 das 32 praças do Estado de São Paulo pesquisadas pela entidade.

“É a primeira vez, desde novembro de 1991, que a cotação atinge esse patamar (considerando o preço nominal e também o preço deflacionado)”, disse a BoiSCOT quando o preço bateu R$ 200.

Segundo a Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (Asserj), alguns produtos sofreram alta de até 50% no mês passado.

A alta da carne se deve a uma combinação de fatores. O principal é o aumento das exportações brasileiras para a China , cujos rebanhos de porcos foram reduzidos à metade pela febre suína africana. Com menos proteína suína, os chineses passaram a importar mais esse tipo de carne e também outras, como a bovina e de aves.

Como os chineses pagam mais e o dólar em alta aumenta os ganhos, os produtores brasileiros preferiram aumentar a exportação para o país asiático, o que reduziu a oferta interna e elevou os preços por aqui. O modelo econômico de crescimento da China vem mudando desde 2010, com aumento constante do consumo doméstico.

De janeiro a outubro deste ano, o Brasil exportou para a China 3,86 milhões de toneladas de carne suína , bovina e de frango, um aumento de 44% em relação ao mesmo período de 2018.

Segundo Roberto Dumas, professor de Economia Internacional do Ibmec-SP, a demanda chinesa deve se manter em alta por anos: “O aumento do consumo dos chineses, com alta da renda dos trabalhadores, é estrutural. E se a China não produz para a demanda interna, acaba importando do agronegócio brasileiro. Isso veio para ficar. O que a China abateu de suínos deve ser recuperado só daqui a cinco ou seis anos”, explica.

A demora também se refere ao longo ciclo do boi. Enquanto o frango demora de 45 a 60 dias para ser abatido, o que facilita o ajuste da oferta de acordo com a demanda, e o porco leva de 100 a 120 dias para ser engordado, o boi, em geral, leva de quatro a seis anos no pasto. Com tecnologia, esse período pode ser abreviado para três anos, mas a expansão da oferta ainda é lenta.

Confira a alta do preço da carne neste ano

Até novembro deste ano, as carnes subiram, em média, 6,78%, enquanto a inflação do período é bem inferior, de 2,83%. Em destaque, aparece a carne de porco, que subiu 11,63%. Veja a alta percentual de cortes de carne neste ano, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE):

  • Carne de porco: 11,63%;
  • Frango em pedaços: 11,32%;
  • Filé-mignon: 9,52%;
  • Costela: 7,88%;
  • Acém: 7,28%;
  • Frango inteiro: 6,59%;
  • Patinho: 6,59%;
  • Músculo: 5,23%;
  • Alcatra: 4,96%; e
  • Contrafilé: 4,55%.

A Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) afirmou, em nota, acreditar que “a elevação nos preços atual de 40% em apenas dois meses não é sustentável e que ela deverá refluir em algum momento, embora os preços não voltem aos patamares de maio/junho passado”.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina , já havia declarado que, além da alta das exportações, uma das causas para o aumento de preço era o período de três anos em que, segundo ela, “não houve reajustes” dos preços.

Outro estímulo à alta dos preços é a chegada do fim do ano, quando os supermercados e açougues tendem a aumentar as compras para reforçar o estoque para as compras de Natal . Como o consumo nessa época do ano é maior, a combinação de maior demanda com menor oferta faz disparar os preços. As substituições também encarecem o frango.

Leia também: Cesta básica vai subir mais de 20% em caso de aprovação de proposta do governo

Alguns cortes tiveram alta de mais de 30% pelos produtores, repassada para consumidores. Foi o caso da alcatra, que custava R$ 36 no início de novembro e nesta segunda era vendida a R$ 48,90, e da picanha, que subiu de R$ 37,90 para 49,90.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook

Economia

Brasil perdeu mais com década de 2010 do que com anos 1980, diz CNC

Avatar

Publicado

source

Agência Brasil

temer e dilma arrow-options
José Cruz/Agência Brasil – 16..4.2015

Brasil perdeu mais com a recessão de 2015 e 2016 do que a década de 1980, segundo CNC

Estudo da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), divulgado nesta terça-feira (18), indica que a década de 2010 causou mais prejuízos ao país do que a de 1980, conhecida como a Década Perdida.

Leia também: Vai trabalhar no carnaval? Conheça os seus direitos

De acordo com a pesquisa, que compara indicadores dos dois períodos, a recessão de 2015-2016 teve efeitos ainda mais adversos do que nos anos 1980, causando recuperação lenta da economia, com reflexos no mercado de trabalho e na concentração de renda.

“Ambas as décadas tiveram impacto contundente nas empresas e trabalhadores, como o aumento do desemprego e a ampliação da má distribuição e concentração de riqueza, ocasionando uma piora significativa nas condições de vida dos brasileiros”, afirmou, em nota, o presidente da CNC, José Roberto Tadros.

Segundo o estudo, em relação à evolução do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país -, o Brasil cresceu 33,3%, à taxa média anual de 2,9%, no intervalo de 10 anos, iniciados em 1980. Já no mesmo período a partir de 2010, observou-se crescimento abaixo da metade, acumulado em 14,1%, com média anual de 1,3%.

De acordo com a análise da CNC, se o PIB de 2019 aumentar 1% – confirmando a expectativa do mercado –, a economia brasileira deverá registrar baixo crescimento médio anual durante esse período, adiando as chances de absorver o contingente de desempregados.

“O cenário é bem diferente do que o observado nos anos 1980, quando, mesmo com as recessões de 1981 e 1983, verificou-se forte capacidade de recuperação, evidenciada através do ritmo de crescimento econômico durante a segunda metade da década”, disse, em nota, o economista da CNC responsável pelo trabalho, Antonio Everton.

Segundo o levantamento, nos anos 1980, a crise encolheu a produção brasileira em 7,2%, enquanto nos anos 2010 a contração foi ligeiramente menor, de 6,9%. No entanto, conforme a CNC, a economia não conseguiu encontrar condições suficientes para voltar a crescer a partir de 2017.

Leia também: Contribuições ao INSS de MEIs, autônomos e donas de casa mudam em março; confira

De acordo com o economista da CNC, “o crescimento médio entre 2017 e 2019 pode ter ficado em 1,2%”. “Na década de 1980, de 1984 até 1989, depois das recessões, a economia cresceu aproximadamente 30%”, completou.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Vai trabalhar no carnaval? Conheça os seus direitos

Avatar

Publicado

source
bloco de carnaval sp arrow-options
Bruno Rocha/Fotoarena/Agência O Globo

Conheça seus direitos caso vá perder o carnaval deste ano trabalhando

A maioria dos trabalhadores descansa durante todo o carnaval, mas os que mantêm a rotina de trabalho sentem que deviam ser recompensados, e bem recompensados, por esses dias de jornada.

Leia também: Protagonista do meme dos ‘3 reaix’ processa 56 empresas por uso de sua imagem

Para esclarecer dúvidas, o GLOBO buscou informações com um especialista em Direito Trabalhista, para explicar quais são os direitos trabalhistas  para quem desempenha suas atividades normalmente nesta época do ano.

Segundo o advogado Solon Tepedino, é importante lembrar que consideram-se feriados apenas a terça-feira (25) e a quarta-feira (26, somente até o meio-dia). Dessa forma, a segunda-feira é um dia normal de trabalho, sendo opção da empresa conceder a folga ao trabalhador ou não, podendo haver desconto do banco de horas.

O mesmo ocorre com a Quarta-Feira de Cinzas . Se a empresa decidir não funcionar, o funcionário não pode optar por trabalhar. Porém, não deve haver descontos de salários.

Quem tiver que trabalhar durante o feriado de terça-feira ou antes do meio-dia de quarta-feira deve receber em dobro pelas horas trabalhadas ou ganhar o equivalente em folga em um dia útil.

Quem trabalha sob regime de escala em plantão também tem os mesmos direitos. Só é preciso atenção para saber se a sua categoria tem algum acordo coletivo firmado entre patrões e empregados, que estabeleça regras diferentes.

Leia também: Contribuições ao INSS de MEIs, autônomos e donas de casa mudam em março; confira 

“Com a nova lei trabalhista, o acordo em convenções coletivas e entre patrões e empregados fica acima da legislação, mas não pode ser inconstitucional, como exigir carga horária acima de 44 horas semanais”, afirmou Solon Tepedino.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana