conecte-se conosco


Política Nacional

Aliança pelo Brasil defende porte de armas e repudia comunismo; leia princípios

Avatar

Publicado

source
Aliança pelo Brasil arrow-options
Reprodução/Twitter

Peça foi feita por Rodrigo Camacho

Os quatro princípios da Aliança pelo Brasil foram apresentados nesta quinta-feira (21) pela advogada do presidente Jair Bolsonaro durante o evento de lançamento da legenda no hotel Royal Tulip, localizado em Brasília. Apesar das incertezas sobre a viabilidade, a sigla possui fundamentos baseados na defesa ao porte de armas , ao repúdio do socialismo e ao comunismo, além de cunho religioso cristão

As bases da Aliança incluem 1) Respeito a Deus e à religião; 2) Respeito à memória, à identidade e à cultura do povo brasileiro; 3) Defesa da vida, da legítima defesa, da família e da infância; 3) Garantia da ordem, da representação política e da segurança. 

Leia mais: MBL protocola pedido de impeachment de Toffoli no Senado

“A Aliança pelo Brasil está convicta de que, com base nesses princípios, conseguirá capitanear um projeto de restauração nacional, que elevará o Brasil no contexto das nações e recuperará o orgulho do povo brasileiro pelo seu país, devolvendo-lhe o poder sobre os seus representantes e gerando uma nação próspera, consciente de si mesma, resolvida com sua identidade, atenta à sua herança, à sua memória e aos seus valores fundamentais, pronta para enfrentar o futuro grandioso para o qual foi chamada”, diz o programa da Aliança. 

A Aliança foi apresentada como um partido conservador e soberanista que pretende combater “falsas promessas do globalismo”, comprometido com as “tradições históricas, morais e culturais” da nação brasileira. Os valores fundantes do Evangelho e da Civilização Ocidental e a “relação inseparável da Nação e Cristo”, também pautam a nova sigla. 

Leia também: Witzel diz que vai processar Bolsonaro: “quem não deve, não teme”

“O lugar de Deus na vida” é um dos pontos reconhecidos pela advogada de Bolsonaro. “O povo é majoritariamente religioso e não pratica a exclusão de Deus em suas vidas. Logo, não deve fazê-lo seus representantes”, afirmou ao Poder 360.

Em relação ao respeito à memória, a advogada de Bolsonaro conta que o partido vai se “esforçar para divulgar a verdade sobre os males e os crimes das mais variadas faces do movimento revolucionário, como o socialismo, o comunismo o nazifascismo e o globalismo”. 

A liberdade curricular e de ensino serão incentivados pela legenda, uma vez que a Aliança responsabiliza “métodos pedagógicos fracassados” pelo analfabetismo nacional, segundo Kufa. 

Fonte: IG Política
Comentários Facebook

Política Nacional

“#CriminalizaComunismo” é assunto mais comentado do Twitter após queda de Alvim

Avatar

Publicado

estátua arrow-options
Creative Commons

Estátua de Lenin

Um dia após queda do secretário da Cultura Roberto Alvim por citar frases semelhantes a de um discurso nazista para anunciar o Prêmio Nacional das Artes, o pedido para que o comunismo fosse criminalizado virou o assunto mais comentado do Brasil no Twitter.

Por meio da hashtag #CriminalizaComunismo, que acumulava mais de 12 mil citações no começo da manhã, internautas pediam que apologias ao regime se tornassem crime da mesma forma que a citação ao nazismo é. Entre os comentários, internautas lançavam mensagens de apoio a um Projeto de Lei de 2016 criado por Eduardo Bolsonaro que tramita na câmara pedindo que o comunismo seja criminalizado.

Leia também: Comunismo matou mais que nazismo? Historiador explica e desestimula comparação

Essa não é a primeira vez que a comparação entre comunismo e nazismo toma conta das redes sociais. No mês de outubro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro usou as redes sociais para afirmar que o comunismo matou mais do que o nazismo, chamando os sistemas de “nefastos”. Apesar da comparação, historiadores consideram a polêmica como “vazia de sentido” e “campeonato ideológico”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Entenda o esquema de corrupção na Secom que implica em Bolsonaro

Avatar

Publicado

source

IstoÉ

Secom arrow-options
Marcos Corrêa/PR

Fábio Wajngarten, secretário de Comunicação do governo Bolsonaro

A Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) tem todos os ingredientes para se transformar no primeiro caso concreto de ilegalidades no governo Bolsonaro.

Leia também: Quem foi Goebbels e por que copiá-lo é um risco à democracia

Ao receber pagamentos mensais de emissoras de televisão e agências de publicidade para as quais destina milionárias verbas publicitárias do governo federal, o publicitário Fábio Wajngarten, chefe da Secom , comete um grave conflito de interesses, flertando com atos que põem em prática condutas no mínimo imorais.

Ele é suspeito de comandar um grande esquema de irregularidades no órgão que controla R$ 450 milhões de verbas públicas de publicidade, privilegiando emissoras de televisão e veículos de comunicação que apóiam o presidente Bolsonaro,“sem ressalvas ou críticas, por menores que sejam”, em detrimento de grupos de mídia independentes.

Esses canais de TV confirmaram esta semana que pagam valores mensais (também conhecidos por mensalinhos) à FW Comunicação e Marketing, de sua propriedade — Fábio tem 95% do capital da empresa, enquanto que sua mãe, Clara Wajngarten, detém os outros 5%.

Diversos órgãos, como o Ministério Público Federal, o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Comissão de Ética da Presidência já estão investigando se as operações desenvolvidas por Wajngarten caracterizam desrespeito à lei 12.813, de 2013, que trata sobre o conflito de interesses nas instituições públicas.

De acordo com a lei, “o servidor não pode ter relação de negócio com pessoa física ou jurídica que tenha interesse em decisão do agente público ou de colegiado do qual este participe”.

E esta é a situação que envolve Wajngarten, já que mesmo no cargo ele teve 67 encontros com clientes e ex-clientes de sua empresa. Neste caso, a infração à lei é flagrante e a punição prevista é a demissão a bem do serviço público.

Leia também: “Talvez não esteja bem da cabeça”, diz Olavo após citação nazista de secretário

Irritado com o envolvimento do secretário no escândalo, Bolsonaro convocou uma reunião de emergência na quarta-feira (15) para discutir o destino do assessor, mas o presidente relevou o caso. Mais incrível ainda. Parece não se preocupar com a ilegalidade e se compromete, dessa forma, com os esquemas nebulosos do assessor. “Se for ilegal, a gente vê lá na frente”, disse Bolsonaro na quinta-feira (16).

Na tentativa de se defender, Wajngarten fez um pronunciamento na quarta-feira que, ao contrário de contribuir para o esclarecimento dos ilícitos cometidos, serviu para renovar o tom das ameaças que faz à mídia.

“Se a imprensa tinha em mim uma ponte para diálogo, ela foi explodida”, disse Fábio, insinuando que iria aumentar ainda mais as pressões que exerce sobre os veículos de comunicação isentos.

O surpreendente é que o responsável pela comunicação do governo parece assim dizer que não tem com quem se comunicar. Ele distorce a realidade para encobrir seus deslizes, afirmando que as denúncias têm “o intuito final de minar o presidente”.

As mesadas

Tão logo surgiram as denúncias envolvendo a Secom, os políticos deram início à uma ofensiva pedindo a demissão de Wajngarten. O PSOL informou que entrará com uma ação popular na Justiça pedindo a revogação da sua nomeação.

O líder da minoria no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse que apresentará uma notícia-crime na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o publicitário e o líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ), afirmou que entrará com uma representação contra Fábio.“É ilegal e imoral ter uma empresa que recebe dinheiro das emissoras de TV que, por sua vez, recebem patrocínio do governo”.

Leia também: Secretário da Cultura copia discurso de líder nazista, gera polêmica e justifica

A acusação envolvendo Wajngarten é sólida. Por meio da FW Comunicação e Marketing – cujo nome fantasia é Controle da Concorrência -, o chefe da Secom recebe mesadas das emissoras de TV, como a Band, Record, SBT e Rede TV!, mesmo estando à frente do órgão publico que lhes destina verbas. Embora receba R$ 17,3 mil por mês na Secom, o publicitário ganha, só da Band, a bolada de R$ 9.046,00 por mês. Os pagamentos mensais das outras emissoras são equivalentes.

Fábio é remunerado pelo para lobby às emissoras já há algum tempo, mas alega que ao assumir o cargo no governo, em abril do ano passado, se desincompatibilizou da FW. Esconde, no entanto, que o número dois da Secom, o publicitário Samy Liberman, é irmão de Fábio Liberman, que ele indicou para substituí-lo na gestão da FW Comunicação. Ou seja, mais uma imoralidade.

Liberman, o administrador da FW, contudo, não demonstra estar preocupado com os embaraços jurídicos do chefe. “A nossa empresa tem uma lista extensa de clientes privados entre agências de publicidade e veículos de comunicação”, revela.

Secom arrow-options
Istoé

Esquema Secom

Ao mesmo tempo em que é lobista das emissoras de televisão — à exceção da TV Globo —, Wajngarten destina somas milionárias de dinheiro público para essas mesmas empresas de comunicação promoverem a imagem do presidente Bolsonaro em seus telejornais.

Em 2019, a Secom repassou R$ 197 milhões de verbas do governo para as emissoras de TV abertas e a maior fatia dos recursos ficou com a Record: 27,4%. O SBT recebeu 24,7%, enquanto a Globo, que detém a maior audiência, recebeu apenas 13,4%.

Leia também: Rosivânia: Um nome por trás da recuperação de crianças vítimas de pedofilia

O Ministério Público de Contas, que atua perante o TCU, exige que a Secom seja obrigada a distribuir as verbas de publicidade levando em conta os critérios técnicos. A ISTOÉ, por exemplo, que é a principal revista do País, não recebe nenhum centavo do governo sob a alegação de que o veículo não está entre os que bajulam o governo, em desacordo com a liberdade de expressão prevista na Carta Magna. Nem mesmo os governos petistas deixaram de cumprir as regras da mídia técnica.

Wajngarten vive uma situação paradoxal: está sendo boicotado pelas mesmas forças que o conduziram ao cargo. O publicitário foi indicado pelo vereador Carlos Bolsonaro em sua estratégia de destinar verbas do governo para atender sites e blogs ligados à direita que apoiavam seu pai, mas esbarrava na oposição feita pelo general Santos Cruz, ministro a quem a Secom é ligada.

Com a demissão do general, Carluxo começou a pressionar Fábio com maior intensidade para o atendimento de seus pleitos, mas, em mensagem recente, o 02 passou a atacar o ex-apaniguado. Disse no Twitter que a comunicação do governo era “uma bela porcaria”. Foi a senha para Wajngarten cair em desgraça em alguns gabinetes do Palácio do Planalto.

Ele sempre fez isso

Capa arrow-options
Divulgação/IstoÉ

Esquema da Secom já havia sido divulgado anteriormente

Conforme ISTOÉ antecipou em sua edição de nº 2602, de 13 de novembro de 2019, o publicitário Fábio Wajngarten, chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom), era suspeito de fazer lobby para as emissoras de televisão (Record, SBT, Rede TV! e Band) que disputavam mercado com a TV Globo.

Segundo a reportagem, ele montou a agência “Controle da Concorrência” para oferecer dados de audiência às emissoras que desejavam questionar a liderança da Globo, para lhe tomar a fatia maior das verbas públicas de publicidade.

Leia também: Weintraub anuncia reajuste salarial para professores da educação básica

Desde abril de 2019, quando assumiu a Secom, Fábio passou a destinar verbas oficiais apenas para os veículos de comunicação que ele considerava “convertidos”, ou seja, aqueles que apresentavam “completa adesão a Bolsonaro, sem ressalvas ou críticas, por menores que fossem, ao governo”.

A Secom controlava verbas no valor de R$ 450 milhões, que Wajngarten manipulava, de forma autoritária, tal qual fizeram os grandes ditadores do passado, para calar as empresas de comunicação independentes

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana