conecte-se conosco


Polícia Federal

PF deflagra 3ª fase da Operação Stone

Avatar

Publicado

Macapá/AP – A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (19/11) a terceira fase da Operação Stone, que visa coibir o comércio ilegal de armas e munições no estado do Amapá.

Cerca de 40 policiais federais dão cumprimento a dois mandados de prisão preventiva e oito mandados de busca e apreensão, nos municípios de Macapá/AP, Santana/AP e Serra do Navio/AP. Na capital, as ações concentram-se nos bairros do Laguinho, Renascer, Infraero e Araxá.

A investigação visa desarticular o grupo criminoso que atua na comercialização de armas de fogo de grosso calibre nesta capital, utilizando-se de redes sociais para oferecimento dos armamentos e munições.

A ação é um desdobramento das operações deflagradas no ano de 2018, quando foram cumpridos mandados de busca e foram apreendidas armas, drogas, balança de precisão e petrechos para o tráfico. 

Os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de posse ilegal de arma de fogo de uso restrito, comércio de arma de fogo e associação criminosa. Se condenados, poderão cumprir pena de até 17 anos de reclusão.

Veja Também  PF prende passageiros tentando embarcar com droga para a África, Ásia e Europa

 

 

Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá

[email protected] | www.pf.gov.br

(96) 3213-7500

Fonte: Polícia Federal
Comentários Facebook

Polícia Federal

PF combate fraudes contra instituições financeiras em Feira de Santana

Avatar

Publicado

Feira de Santana/BA – A Polícia Federal deflagra nesta quarta-feira (4/12) a Operação ASSEPTICUS, com o objetivo de desarticular organização criminosa atuante na região de Feira de Santana, especializada em fraudes contra instituições bancárias.

Cerca de 100 policiais federais cumprem 8 mandados de prisão preventiva e 29 mandados de busca e apreensão nas cidades de Feira de Santana, Salvador, Santa Bárbara e Catu, todas na Bahia, além de Fortaleza, no Ceará, expedidos pela 1ª Vara Federal de Feira de Santana.

As investigações iniciaram a partir de provas e colaborações premiadas obtidas na Operação Ali Babá, deflagrada em julho de 2016, e apontam a participação de servidores públicos e despachantes em desvios que superam os R$ 10 milhões.

Conforme apurado, os investigados forjavam contratos sociais e outros documentos com dados falsos, simulando a existência de faturamentos e rendimentos de grande monta, que, com a conivência de funcionários das instituições financeiras, possibilitavam a obtenção de empréstimos vultosos que jamais eram quitados.

Os investigados irão responder pelos crimes de organização criminosa, estelionato, corrupção ativa e passiva, crimes contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro.

Veja Também  PF combate tráfico de drogas e lavagem de capitais em Rondônia

 

[email protected] | www.pf.gov.br

Fonte: Polícia Federal
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia Federal

PF investiga desvio de encomendas dos Correios no Espírito Santo

Avatar

Publicado

Vila Velha/ES – A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (4/12) a Operação Sobreposta, com objetivo de reprimir o desvio de encomendas dos Correios por ex-empregado terceirizado que trabalhava no Centro de Distribuição.

A operação contou com a participação de oito policiais federais, sendo realizado o cumprimento de um mandado de busca e apreensão, no Município da Serra/ES. No transcorrer do cumprimento, foi localizada parte dos produtos indevidamente desviados pelo suspeito, como celulares, notebook, espingardas de pressão e coldres.

A investigação teve início a partir de denúncia dos Correios, que identificou encomenda em que havia uma etiqueta sobreposta sobre o campo do destinatário com dados de um empregado de uma de suas empresas terceirizadas, que na época trabalhava no Centro de Distribuição. Constatou-se, então, que, no período em que este empregado trabalhou no setor, ao menos 77 encomendas foram extraviadas daquele centro.

Como o artifício usado para o desvio das encomendas era sobrepor etiqueta com dados do investigado para que chegassem até a sua residência, a operação foi batizada de SOBREPOSTA, já que uma etiqueta fraudada era sobreposta sobre uma etiqueta legítima.

Veja Também  PF prende passageiros tentando embarcar com droga para a África, Ásia e Europa

A particularidade do caso é que, tendo em vista que o Código Penal equipara o empregado de empresa contratada a funcionário público pela apropriação indevida das encomendas o investigado responderá pelo crime de peculato (art. 312 com o art. 327, § 1, do Código Penal), com pena que veria de 02 a 12 anos de reclusão.

 

Contato: (27) 3041-8245 / 8051
E-mail: [email protected]

 

Fonte: Polícia Federal
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana