conecte-se conosco


Internacional

Polícia de Hong Kong ameaça disparar balas reais contra manifestantes

Avatar

Publicado

A polícia de Hong Kong ameaçou neste domingo usar “munições reais” se continuar a enfrentar manifestantes que usem “armas letais”. É o primeiro alerta desse tipo desde o início dos confrontos, há quase seis meses.

“Se eles [os manifestantes] continuarem com ações tão perigosas, não teremos outra escolha senão usar a força de forma mínima, incluindo o uso de munições reais”, disse o porta-voz da polícia, Louis Lau, numa transmissão em vídeo ao vivo na rede social Facebook.

Um policial foi atingido hoje na perna por uma flecha lançada por manifestantes antigoverno e pró-democracia, informaram as forças de segurança, que reforçaram a operação no local com um canhão de água.

As forças de segurança publicaram imagens no Facebook e afirmaram ter sido alvo do arremesso de tijolos, bombas incendiárias e flechas por parte de manifestantes que ainda permanecem na Universidade Politécnica de Hong Kong.

A polícia alertou que as condições estão “se deteriorando”, condenou a violência dos manifestantes e recomendou à população que não se dirija para o local, lembrando que a ação dos jovens põe em perigo a vida das pessoas.

Veja Também  Horas antes da mudança de governo, Macri e Fernández assistem à missa

De manhã, a polícia disparou gás lacrimogêneo contra os manifestantes na Universidade Politécnica de Hong Kong, no momento em que a oposição parlamentar critica as Forças Armadas chinesas que, nesse sábado (16) retiraram escombros das ruas.

Os manifestantes, que ocuparam vários campus importantes durante a semana passada, recuaram quase por completo, à exceção de um contingente que permanece na Universidade Politécnica.

O mesmo grupo também bloqueia o acesso a um dos três principais túneis rodoviários que ligam a Ilha de Hong Kong ao resto da cidade.

O movimento começou em protesto à apresentação de uma proposta de alteração à lei da extradição, que permitiria ao governo e aos tribunais da região administrativa especial a extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China cCntinental.

A proposta foi formalmente retirada, mas as manifestações continuaram e reivindicam agora a realização de eleições no território, a demissão da atual chefe do Governo, Carrie Lam, uma investigação independente à violência policial e a libertação dos detidos ao longo dos protestos.

Veja Também  Madri faz hoje Marcha pelo Clima; ativista Greta Thunberg participa

*Emissora pública de televisão de Portugal

Edição:
Fonte: EBC
Comentários Facebook

Internacional

Metroviários franceses temem "segunda-feira negra" nos transportes

Avatar

Publicado

A Sociedade Nacional de Ferrovias Francesas (SNCF) orientou os usuários a não usar seus serviços amanhã (9), antecipando o que seria uma “segunda-feira negra”, no quinto dia da greve dos metroviarios. A paralisação é por tempo indeterminado e reivindica a retirada do projeto oficial de reforma da Previdência.

“Se não comunicarmos aos nossos clientes, com muita ênfase, que eles não devem ir às estações amanhã, poderemos ter problemas de segurança”, disse o gerente-geral da rede suburbana da região de Paris, Alain Krakovitch, em relação a mais um dia de protesto contra os projetos de reforma do presidente Emmanuel Macron.

A greve deve afetar particularmente a rede SNFC, os subúrbios e a Administração Autônoma de Transporte Parisiense (RATP), que neste sábado (7) só pôde cumprir 15% de seus serviços na área suburbana, despachando apenas um em cada seis trens de alta velocidade e um em cada 10 do serviço interurbano.

O panorama deste domingo (8) mostrou 14 das 16 linhas do metrô de Paris paralisadas. Para a segunda-feira, espera-se a prestação de serviços mínimos, em nível provavelmente semelhante aos de ontem. Nesse contexto, a própria SNCF enviou mensagem de texto aos telefones celulares dos usuários, recomendando que eles “não chegassem às estações”.

Veja Também  Metroviários franceses temem "segunda-feira negra" nos transportes

Enquanto isso, a RATP solicitou a todos os usuários que possam adiar sua viagem que o façam, devido ao “alto risco de saturação da rede”. Desde o início da greve, muitos parienses rcorrera, a bocoicletas árra ir ase locomover.

Dez linhas de metrô serão completamente fechadas e as linhas 4, 7, 8 e 9 serão severamente interrompidas. Apenas as linhas automáticas 1 e 14 funcionarão normalmente, como as linhas Orlyval, Orlybus e Roissybus.

A greve dos metroviários contra o projeto de reforma previdenciária de Macron começou quinta-feira (5). A proposta do presidente que visa unificar os mais de 40 regimes previdenciários existentes atualmente em uma única estrutura que, segundo Macron, favoreceria a igualdade entre os trabalhadores.

*Com informações da Télam e outras agências internacionais

 

Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

Hong Kong fez mais de seis mil detenções em meio ano de protestos

Avatar

Publicado

A polícia de Hong Kong disse hoje (9) que fez 6.022 detenções e disparou 16 mil granadas de gás lacrimogêneo durante os protestos que se prolongam há seis meses nesta região administrativa chinesa.

Segundo autoridades locais, o número total de detidos incluiu as 11 pessoas que foram interceptadas pela polícia durante o último fim de semana e que portavam armas.

Manifestantes participam de uma marcha do Dia dos Direitos Humanos no distrito de Causeway Bay, em Hong Kong   REUTERS / Laurel Chor

Manifestantes participam de uma marcha do Dia dos Direitos Humanos no distrito de Causeway Bay, em Hong Kong –  REUTERS / Laurel Chor

A polícia suspeita que as armas seriam usadas nas manifestações de domingo (8), que reuniram milhares de pessoas de forma pacífica na ilha de Hong Kong. Hoje, 12 pessoas foram detidas por suspeita de  preparar bombas incendiárias.

O mesmo relatório indica que a polícia disparou 10 mil balas de borracha e que, desde o início dos protestos, 493 agentes ficaram feridos durante confrontos com manifestantes.

Hong Kong é há seis meses palco de manifestações iniciadas em protesto contra uma proposta de alteração à lei da extradição, que permitiria extraditar criminosos para países sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

O governo de Hong Kong retirou a proposta, cedendo a uma das exigências dos manifestantes. Mas a decisão não foi suficiente para travar os protestos antigovernamentais em prol de democracia.

Edição:
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Veja Também  Guterres sugere que países devem adotar taxas contra a poluição
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana