conecte-se conosco


Tecnologia

Avatar

Publicado

Se existe um mercado em franca expansão é o dos smartwatches. A chegada da Xiaomi ao país  acelerou um processo de popularização do gadget que já é febre entre os aficionados por tecnologia.

Ter um smartwatch , no entanto, pode ser muito útil. Ele pode atuar como uma extensão do celular, ser um valioso monitor da saúde, um guia utilitário para adeptos de uma rotina fitness, entre outras tantas funcionalidades.

Leia também: O flip está de volta! Motorola Razr é lançado com tela dobrável e design saudoso

smartwatch arrow-options
Unsplash/Luke Chesser

O Apple Watch acionou a emergência e salvou o homem

Escolher o smartwatch mais adequado às suas necessidades, no entanto, pode ser capcioso. Justamente por isso o iG Teconologia preparou um breve manual para orientar essa decisão.

Compatibilidade

Usuários de iPhone precisam ter em mente que o  Apple Watch só funciona com o celular. A sincronização é elemento essencial para a experiência com esses aparelhos. Portanto, se você não tem um iPhone não faz muito sentido adquirir um Apple Watch . Mas se você já for um entusiasta da empresa criada por Steve Jobs, a felicidade não é o limite, pois o gadget da Apple é um dos mais completos do mercado. Ideal para os ensandecidos por novidades high tech.

Seu bolso

O preço de um Apple Watch, no entanto, é capaz de afugentar muitos . Nesse sentido, os aparelhos da Xiaomi são muito mais atrativos . Com o sistema operacional Android, esses relógios podem ser encontrados por menos de R$ 200 e tem uma autonomia de bateria singular que pode chegar até 20 dias. O Apple Watch, para forçar a comparação, chega no máximo a 18 horas.

O gadget tem ganhado bastante adesão entre adeptos de esportes e atividades físicas e se você pensa em adquirir um smartwatch para turbinar seus treinos os aparelhos da Xiaomi podem ser a melhor pedida .

Há smartwatches desenvolvidos exclusivamente para atividades físicas e que já são empregados na rotina de atletas. Eles tem GPS, monitoramento de sono e são mais práticos durante o exercício físico do que um Apple Watch com tela híper sensível.

Opção

Algumas marcas mais tradicionais ou de luxo já disponibilizam no mercado os chamados smartwatches híbridos , que são relógios com ponteiros, porém com conectividade bluetooth e funções como contador de passos e monitoramento cardíaco. Pode ser uma opção para quem acha espetaculoso demais um relógio inteligente ou tem receio de ficar sem bateria com frequência.

Comentários Facebook

Tecnologia

Final de semana chegou: confira os lançamentos da Netflix

Avatar

Publicado


source

Olhar Digital

Netflix
Unsplash/Thibault Penin

Confira os lançamentos da semana na Netflix


Semanalmente, a Netflix adiciona novos filmes e séries ao seu catálogo trazendo cada vez mais opções do que assistir para os assinantes. Já em tempos de quarentena, sempre é uma boa ideia dar uma conferida no que há de novo para fazer o tempo passar mais rápido.


Nesta semana, um dos maiores destaques ficou por conta da chegada da minissérie original Estado Zero , que mostra quatro estranhos com personalidades diferentes em um centro de detenção de imigrantes na Austrália. Quem também merece a atenção, mas na parte de animes, é a chegada das duas primeiras temporadas de Yu-Gi-Oh! , que conta a história de Yugi lutando contra o retorno do Jogo das Trevas.

Além deles, em relação a filmes, o destaque vai para o título original The Old Guard , que traz a história de quatro guerreiros protegendo a humanidade de uma nova imortal. Esse título, vale lembrar, é baseado na história em quadrinhos de mesmo nome.

Séries

  • Jane The Virgin – 5º temporada (06/07)
  • Estado Zero (08/07)
  • O Último Guardião – 4º temporada (09/07)
  • Curta Essa com Zac Efron (10/07)
  • Doze Jurados (10/07)

Filmes

  • The Old Guard (10/07)
  • Buraco na Parede (10/07)
  • Your Excellency (10/07)

Stand-ups e reality shows

  • O Crush Perfeito (10/07)

Documentários e especiais

  • Ligue Djá: O Lendário Walter Mercado (08/07)

Programação infantil, desenhos e animes

  • Yu-Gi-Oh – 1º e 2º temporada (08/07)
  • 2020 – Japão Submerso (09/07)
  • As Épicas Aventuras do Capitão Cueca no Espaço (10/07)
  • Oi Ninja – 3º temporada (10/07)

Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

Gamificação no ensino: como estratégias de jogos podem ajudar alunos no EAD?

Avatar

Publicado


source
gamificação
Unsplash/Annie Spratt

Gamificação ajuda no ensino à distância


Um dos grandes setores afetados pelo pandemia de Covid-19 é a educação. Escolas e redes de ensino de todo o país estão tendo que se reinventar para distribuir conteúdos online enquanto as aulas presenciais não retornam. E, em meio a essas dificuldades, um conceito que vem se destacando é o da gamificação .


A gamificação é a aplicação de técnicas e mecânicas de jogos em contextos que não são jogos, explica Tiago Sizenando, professor do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação e especialista em gamificação. O conceito existe há alguns anos e pode ser aplicado em diversas áreas, mas vem ganhando destaque na educação devido ao momento de isolamento social. 

O que é gamificação? 

O objetivo de trazer aspectos de jogos para outros contextos é estimular as pessoas. Na educação, por exemplo, a gamificação pode ajudar alunos a aprenderem de forma mais ativa. “O nome gamificação vem do fato dos games serem mestres na arte de engajar, motivar e até mesmo viciar o jogador”, diz Tiago. 

De acordo com o professor, a prática já está madura e possui diversos exemplos de sucesso, inclusive na educação . “No contexto mundial, a gamificação já passou pela fase das ‘expectativas infladas’ – onde se acredita que ela será a solução de tudo – para a fase na qual se sabe o que esperar dela”, afirma.

E não é só o contexto educacional que pode se beneficiar da prática. Qualquer área que precise motivar de forma mais ativa o usuário, cliente, funcionário ou aluno pode utilizar a gamificação . Alguns exemplos são os treinamentos corporativos e serviços focados nos consumidores. 

A gamificação no ensino

No ensino, a gamificação busca tornar o aprendizado uma atividade mais ativa – deixando a passividade de apenas ouvir o professor um pouco de lado. “Os games não motivam pelos elementos de jogos em si, mas pelas motivações básicas que estes elementos despertam nos jogadores. Uma destas motivações básicas é o senso de progresso e realização, fundamental no contexto educacional”, exemplifica Tiago. 

Esse tipo de motivação comum aos jogos já pode ser observada em diversas plataformas educacionais, o que acontecia antes mesmo da pandemia de Covid-19. Plataformas como Duolingo, Khan Academy, Udemy e Coursera já são considerados casos de sucesso no setor, utilizando estratégias lúdicas para motivar os alunos. 

Mas se engana quem pensa que é apenas com o uso da tecnologia que a gamificação pode ser posta em prática. Tentativas de tornar o aprendizado mais lúdico e prático já são consideradas gamificação, como o uso de jogos em sala de aula, de trilhas de aprendizado ou de experimentos práticos.

Gamificação em meio à pandemia

Embora a gamificação do ensino já estivesse madura antes do período de isolamento social e já tivesse alguns casos de sucesso, o assunto vem se tornando ainda mais popular agora. Na migração do presencial para o digital, muitos educadores têm encontrado desafios para engajar os estudantes, e estes têm sido solucionados com o uso de técnicas de jogos. 

Plataformas digitais estão criando trilhas de aprendizado para os alunos, tornando os conteúdos mais divididos e ordenados em “fases”, como acontece nos jogos. Isso dá ao estudante uma sensação de progresso e realização, que aumenta a motivação. 

“Com o isolamento social causado pela pandemia, muitas instituições de ensino tiveram que migrar às pressas para o mundo virtual e ficou evidenciado como é difícil motivar e engajar alunos à distância com o formato ‘tradicional’ das aulas presenciais. É justamente neste problema de engajamento, motivação e mudança de hábitos que a gamificação encontra seu maior valor”, explica Tiago. 

No contexto atual, a gamificação pode dar mais ânimo a alunos que tiveram que mudar suas rotinas drasticamente e ainda não se adaptaram ao novo contexto. Enquanto o futuro segue sendo um cenário de incertezas, educadores podem se aproveitar da técnica para transmitirem conhecimento de forma mais envolvente. 

Apesar disso, Tiago enfatiza que a gamificação não pode ser encarada como a solução para todos os problemas, mas sim como uma ajuda. “É importante destacar que a gamificação não é uma fórmula mágica que resolve todos os problemas. No contexto educacional atual, há algumas situações estruturais que precisam ser resolvidas antes que qualquer gamificação tenha algum valor”, opina. 

Mas as aulas virtuais podem se beneficiar, e muito, das estratégias de jogos. Para isso, as plataformas de ensino digitais ajudam bastante, mas educadores também podem se apropriar disso para criar novas práticas que levam em consideração essas estratégias. 

Algumas formas de fazer isso é transformar o conteúdo em atividades mais lúdicas, como jogos de carta, tabuleiros e faça você mesmo. “Todo aprendizado pode ser transformado em uma atividade lúdica”, afirma Tiago. Cabe à criatividade de cada educador desenvolver formas de apresentar o conteúdo de forma mais ativa, fazendo com que os alunos se engajem em construí-lo.

E é justamente por não depender de plataforma digitais complexas que o conceito de gamificação pode continuar a ser aplicado mesmo quando as aulas presenciais voltarem. Para o especialista, essa técnica, que tem ganhado muita força durante a pandemia, veio para ficar. “Enquanto a falta de engajamento e de motivação forem uma realidade no ensino, haverá espaço para a gamificação”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana