conecte-se conosco


Policial

Polícia Civil conclui inquérito da morte de jornalista e indicia suspeito por homicídio qualificado

Publicado

Assessoria/PJC-MT

A Polícia Civil, por meio do trabalho da Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa de Cuiabá), concluiu o inquérito da morte do jornalista Marcelo Leite Ferraz e indiciou o suspeito John Lenon da Silva, 21 anos, por homicídio qualificado.

De acordo com o delegado Fausto Freitas da Silva, que conduziu as investigações, a vítima foi morta em decorrência de um desentendimento pelo uso de entorpecente. O indiciado acreditou, inicialmente, que a vítima teria dinheiro para comprar drogas, mas se indignou quando viu que Marcelo não trazia dinheiro consigo.

Depoimento de uma das testemunhas localizadas pela DHPP, e que seria namorada do indiciado, apontou que no dia do fato ela estava com John Lenon e mais outro usuário de drogas próximos da Avenida Rubens de Mendonça. Em certo momento, John saiu do local e retornou com a vítima, denominando Marcelo de ‘cheque ouro’, uma designação utilizada por usuários de drogas da região. para nominar pessoas de poder aquisitivo.

Em seguida, o grupo se deslocou até o terreno baldio, local onde depois o jornalista foi encontrado morto. Contudo, conforme apurado nas investigações, o suspeito de desentendeu com a vítima depois de ver que ela não possuía valores em dinheiro, e cometeu o crime.

Veja Também  Mais uma academia é alvo de fiscalização em ação conjunta na Capital

Quando foi preso, na mesma semana em que ocorreu o crime, John Lenon confessou a morte do jornalista e alegou que praticou o crime porque encontrou a namorada em ato libidinoso com a vítima, afirmação que foi desmentida pela namorada dele, que saiu do terreno baldio antes do crime.

A versão apresentada pela namorada do suspeito foi confirmada por meio de provas, inclusive, imagens de câmeras na região do crime, e de outra testemunha, também ouvida pela polícia.

“A versão de que o indicado cometeu o crime porque viu a namorada em ato libidinoso com a vítima comprovadamente não se sustentou após as investigações realizadas”, disse Fausto Freitas.

O delegado afirmou ainda que a hipótese de abuso sexual foi descartada. “Com relação à eventual violência sexual, não confirma, pois com base em circunstâncias, a hipótese mais provável é de que as vestimentas da vítima estavam bagunçadas, pois o suspeito tentou buscar valores em dinheiro que a vítima pudesse ter no corpo, mas ele não portava cartões ou dinheiro”, destaca o delegado, informando ainda que no local do crime foi encontrada apenas a carteira de identidade profissional que ele portava.

Veja Também  Blitz educativa sobre atropelamentos de animais silvestres em Barra do Garças/MT

John Lenon teve a prisão temporária convertida em preventiva na última semana e ficará detido durante o curso do procedimento criminal. A prisão foi deferida pelo juiz Flávio Miraglia, da 12ª Vara Criminal de Cuiabá. 

O inquérito foi remetido ao Ministério Público Estadual.

Caso

O jornalista Marcelo Ferraz Leite foi encontrado morto no dia 30 de setembro, em um terreno baldio próximo ao viaduto da Avenida Rubens de Mendonça, no bairro Bosque da Saúde. O corpo tinha sinais de violência física e foi reconhecido pelo pai da vítima, que havia registrado o desaparecimento do filho no dia 28 de setembro, depois que ele saiu de casa e não mais retornou. 

No dia 02 de outubro, a Polícia Militar localizou John Lennon da Silva no bairro Baú, em Cuiabá, depois de receber informações de testemunhas onde ele estaria, e o conduziu à DHPP.

Marcelo Ferraz morreu em decorrência de traumatismo craniano causado por objeto contundente (uma pedra).

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook

Policial

Operação investiga garimpo ilegal de ouro em fazenda e prende três pessoas por crimes ambientais

Publicado

Raquel Teixeira/PJC-MT

Operação Aurum, deflagrada pela Polícia Judiciária Civil de Colíder nesta terça-feira (19.11), com apoio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, prendeu três pessoas suspeitas da prática de crimes ambientais, como a extração e garimpagem ilegal de minério e usurpação de matéria-prima da União. A propriedade foi autuada pela Sema com multa no valor de R$ 1,100 milhão por crime ambiental.

Diligências realizadas por equipe da Delegacia Municipal de Colíder, coordenada pelo delegado Ruy Guilherme Peral, constataram indícios de crime ambiental em uma fazenda da região, onde era praticada a extração ilegal de ouro. No local foi apreendida uma pá escavadeira avaliada em R$ 160 mil.

Três pessoas, sendo um advogado e dois trabalhadores que operavam o equipamento na propriedade rural, foram autuadas em flagrante pelos crimes ambientais. O advogado T.V.R. se identificou aos policiais como responsável pela propriedade e pelas atividades de extração aurífera.

Os três homens foram conduzidos à Delegacia de Polícia de Colíder para depoimentos e lavratura do flagrante. De acordo com o delegado Ruy Guilherme, a escavadeira ficou sob responsabilidade da Secretaria de Obras e Infraestrutura do município, que está como fiel depositária do equipamento.

Veja Também  Polícia Civil prende traficantes com drogas, veículo e dinheiro em Várzea Grande

Os três autuados continuam presos, uma vez que os delitos imputados ultrapassam cinco anos de prisão. Os flagrantes foram comunicados à Justiça Federal da região, a quem cabe decidir pela manutenção das prisões.

“As investigações continuam para coletar novas evidências dos crimes. Os proprietários da fazenda não se encontravam no local, mas serão autuados pela Polícia Civil nas práticas criminosas de danos ambientais”, explicou o delegado.

Em setembro deste ano, a Polícia esteve na mesma propriedade para apurar a atuação irregular de garimpo na fazenda, contudo, não foram encontrados indícios dos crimes ambientais que possivelmente teriam sido ocultados pelo responsável da área. “Continuamos atuando para combater a prática de crimes que trazem danos ambientais expressivos à região”, destacou o delgado Ruy Guilherme Peral.

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Polícia Civil fecha boca de fumo pela quarta vez no ano no bairro Pedregal

Publicado

Assessoria | PJC-MT

A Polícia Judiciária Civil, através da Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE), fechou pela quarta vez este ano, uma boca de fumo instalada no bairro Pedregal em Cuiabá. A ação realizada na terça-feira (19.11) resultou em três pessoas presas em flagrante, além da apreensão de entorpecentes e apetrechos relacionados ao tráfico.

Entre os presos está a idosa, C.L., 62, e os suspeitos, J.G.S.S. 25 e J.L.,45, todos autuados em flagrante pelos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico.

Os policiais da DRE iniciaram as diligências após receberem informações da possível mercancia de drogas no endereço no bairro Pedregal, onde já foram realizados flagrantes anteriores. Logo que chegaram ao local, os policiais flagraram a cena de um motociclista  que saiu da casa e entregou  algo para uma jovem com uma criança de colo, levantando a suspeita da mercancia de drogas.

Diante das evidências, os policiais decidiram realizar a abordagem no endereço, ocasião em que os suspeitos tentaram fugir, porém foram detidos. Em buscas na casa, os policiais localizaram uma porção grande maconha e oito porções médias da mesma droga, além de duas balanças de precisão e dinheiro trocado característico da atividade de tráfico.

Veja Também  Polícia Civil cumpre mandados para apurar homicídio praticado por facção criminosa

Os três suspeitos que localizados na residência, incluindo a idosa, foram conduzidos a DRE, onde após serem interrogados pelo delegado Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, foram autuados em flagrante por tráfico de drogas e associação para o tráfico.

“Durante a ação, ficou claro que a idosa é conivente com a mercancia de drogas em sua residência, associada aos demais suspeitos para o armazenamento das substâncias ilícitas”, disse o delegado.

 

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana