conecte-se conosco


Agricultura

Pavilhão Brasil é inaugurado na Fruit Attraction 2019 na Espanha

Publicado

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o Ministério das Relações Exteriores (MRE), em parceria com Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), inauguraram na manhã desta terça-feira (22), em Madri (Espanha), o Pavilhão Brasil na Fruit Attraction 2019, uma das maiores feiras internacionais de fruticultura da Europa. Neste ano, a feira celebra sua 11ª edição.

Até o dia 24 de outubro, a Instituição de Feiras de Madri (Ifema) reúne os principais players da fruticultura internacional. De acordo com a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Mapa, a Fruit Attraction é um expoente no setor de feiras. Em 2018, a feira recebeu 1.600 expositores, vindos de 120 países, e cerca de 70 mil visitantes.

Na Fruit Attraction, o visitante encontra uma ampla oferta de frutas e hortaliças, incluindo castanhas, produtos processados, sementes, insumos e também flores. O evento é um importante ponto de encontro para compradores de toda a Europa.

O Pavilhão Brasil, destacado com as cores nacionais, conta com a participação de 20 empresas nacionais do setor de frutas.  Durante o evento, no estande, serão realizadas degustações promovidas pelos expositores e pratos preparados por uma chef utilizando os produtos levados pelas empresas.

Veja Também  Produtores de cacau na Bahia conhecem método de alta produtividade

Para promover a imagem do país, o Ministério da Agricultura elaborou um infográfico em inglês e espanhol com dados atualizados sobre a sustentabilidade e inovação do agronegócio brasileiro, que está sendo distribuído aos visitantes, além de um catálogo com informações sobre todos os produtos e empresas brasileiras expositoras.

Feiras

No ano passado, 77 empresas e entidades setoriais participaram das feiras organizadas pelo Mapa e promoveram mais de 300 produtos, gerando expectativa de US$ 187,2 milhões em novos negócios. O incentivo à participação do setor nas principais feiras internacionais é uma estratégia do Ministério da Agricultura para o incremento da participação do agronegócio brasileiro no mercado mundial.

Informações à imprensa[email protected]

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook

Agricultura

Brasil fecha acordo e vai exportar melão para China

Publicado

O Brasil fechou acordo com a China que viabiliza a exportação de melão para o país asiático. Em contrapartida, os chineses poderão vender pera para o mercado brasileiro. Os atos foram firmados após reunião bilateral dos presidentes Jair Bolsonaro e Xi Jinping, dentro da XI Cúpula do Brics, que teve início nesta quarta-feira (13) em Brasília. A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) participou do encontro.  

O acordo para exportação de melão é simbólico, pois se trata do primeiro entendimento com a China sobre frutas. Além da diversificação da pauta exportadora agrícola para a China (a maioria das vendas é de soja e carne), o protocolo tem potencial de alavancar a fruticultura brasileira, principalmente da Região Nordeste, que hoje direciona as vendas externas para a Europa. 

“Os acordos assinados e os protocolos de intenção serão potencializados por nós para o bem dos nossos povos. A China cada vez mais faz parte do futuro do Brasil”, disse o presidente Jair Bolsonaro após a cerimônia de atos.

A medida foi negociada durante recente visita do presidente Bolsonaro e da ministra Tereza Cristina à China. A ministra disse que as negociações com os chineses vão além dos acordos assinados hoje. Segundo ela, os dois países acertaram o certificado sanitário para a exportação de farelo de algodão brasileiro e negociam a exportação de farelo de soja e a ampliação das vendas de café brasileiro para os chineses.

“Temos um plano de trabalho conjunto entre as agriculturas brasileira e chinesa. Já temos vários entendimentos em andamento das nossas visitas, mas a parceria com a China fica mais robusta com a reunião de hoje”, afirmou a ministra.

Foi firmado também plano de ação para colaboração agrícola, que prevê transferência de tecnologia, inovação, atração de investimentos e promoção comercial entre os dois países.  

Veja Também  Brasil quer ampliar cooperação internacional para promover bioeconomia

Brics

Presidida pelo presidente Jair Bolsonaro, a XI Cúpula do Brics é realizada em Brasília nesta quarta e quinta-feiras (14). Participarão o presidente Vladimir Putin (Rússia), o primeiro-ministro Narendra Modi (Índia), o presidente Xi Jinping (China) e o presidente Cyril Ramaphosa, da África do Sul.

“O Brasil exerce, este ano, a presidência de turno do Brics, sob o lema ‘Crescimento Econômico para um Futuro Inovador’. As áreas prioritárias de trabalho são: ciência, tecnologia e inovação; economia digital; aproximação entre o Conselho Empresarial do Brics e o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB); saúde e combate à corrupção e ao terrorismo”, informa o Ministério das Relações Exteriores.

Na cúpula, os mandatários irão discutir formas de intensificar a cooperação intra-Brics. Ao final, uma declaração tratará de temas da agenda internacional e da cooperação no âmbito do agrupamento.

Serão realizadas, durante os dois dias, reuniões bilaterais entre o presidente Jair Bolsonaro e os mandatários dos demais países-membros. Nesta quarta-feira, há sessão de encerramento do Fórum Empresarial do Brics, que reunirá cerca de 500 empresários dos cinco países.

Veja Também  Ministério aprova regimento do Conselho de Política Agrícola

A ministra Tereza Cristina integra a delegação do Brasil e participará das sessões plenárias, encontros bilaterais e fórum empresarial. 

Carta de Bonito

Em setembro, a ministra liderou a 9º Reunião dos Ministros da Agricultura do Brics, realizada em Bonito (MS). Na ocasião, os representantes dos cinco países assinaram a Carta de Bonito, com 27 itens que reiteram o comprometimento com a cooperação na área agrícola. Os ministros afirmaram o potencial para aprimorar a colaboração nas áreas de produção de alimentos, segurança alimentar e segurança ambiental.

Segundo o documento, os países do Brics estão prontos para fortalecer os mecanismos e aprimorar a comunicação em importantes temas internacionais, como o incentivo a novas soluções para o aumento da produção de alimentos, o empreendedorismo em startups de agrotecnologia, o aumento do comércio internacional, a segurança alimentar em países em desenvolvimento e o cumprimento da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Informações à imprensa[email protected]

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Agricultura

Parceria entre Mapa e CNA vai levar assistência técnica ao semiárido

Publicado

Produtores rurais atendidos pelo AgroNordeste terão assistência técnica e gerencial a partir de mais uma parceria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Foi assinado nesta quarta-feira (13) o convênio entre a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), vinculada ao Mapa, e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), da estrutura da CNA.

O convênio prevê a assistência técnica e gerencial a 17.144 estabelecimentos rurais em dez estados do semiárido brasileiro, incluídos no AgroNordeste – Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Rio Grande do Norte, Sergipe, Piauí, Pernambuco e Minas Gerais. A parceria visa contribuir para a promoção do desenvolvimento da região, de forma a colocar a produção rural do Nordeste no mesmo nível do centro-sul brasileiro.

A ministra Tereza Cristina afirmou que a assistência técnica é fundamental para a evolução da agropecuária brasileira e destacou a importância da parceria entre a Anater e o Senar. “Estamos começando com o Senar e a Anater, mas outros parceiros virão. Tenho certeza de que será um projeto exitoso. É uma coisa que em curto espaço de tempo vai trazer resultados para as famílias que entrarem no projeto. Tenho certeza de que é através da assistência técnica que veremos as pessoas saindo da linha da pobreza na área rural, produzindo e gerando riqueza”, disse.

O valor total do convênio é de R$ 120.009.485,06, sendo R$ 40.001.500,00 da Anater e R$ 80.007.985,06 do Senar. O convênio terá vigência até 31 de dezembro de 2021, com possibilidade de prorrogação. Assinaram o convênio os presidentes da Anater, Ademar Silva Júnior, e do Conselho Deliberativo do Senar, João Martins, que também preside a CNA. A ministra Tereza Cristina e o diretor-geral do Senar, Daniel Klüppel Carrara, assinaram como testemunhas do ato.

Veja Também  Coordenador do Mapa explica decreto que suspende zoneamento da cana-de-açúcar

Segundo o presidente da CNA, a assistência técnica é prioridade da instituição. “Nós vamos fazer a grande revolução do meio rural, especialmente do Nordeste que tanto precisa. Nós temos 17 milhões vivendo no meio rural nordestino e vamos fazer um trabalho que vai nos orgulhar”, afirmou João Martins.

O presidente da Anater destacou a importância da parceria com o Senar para levar assistência técnica e gerencial aos produtores rurais do semiárido. “A gente sabe que os resultados rapidamente vão aparecer e, mais do que fazer um trabalho conjunto, vamos levar desenvolvimento para uma região tão carente”, disse.

Segundo o presidente da Anater, o objetivo é dar competitividade à produção agropecuária do semiárido brasileiro. “Não adianta a gente ficar no discurso de que o Brasil é o país do agronegócio, se a gente não ajudar todas as regiões. O Nordeste tem pessoas que vivem da terra, e a gente precisa levar tecnologia e conhecimento para que os pequenos e médios produtores do Nordeste possam produzir em escala para si e para o mercado em geral”, afirmou.

Veja Também  Brasil fecha acordo e vai exportar melão para China

Informações à imprensa
[email protected]

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana