conecte-se conosco


Internacional

Eleições ocorrem com tranquilidade na Bolívia

Avatar

Publicado

As eleições gerais na Bolívia ocorrem com tranquilidade neste domingo. Os eleitores comparecem de forma massiva aos centros de votação. O país tem mais de 11 milhões de habitantes.

“A cidania pode estar tranquila porque foram adotadas todas as medidas necessárias para resguardar o voto”, disse a presidente do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE), Maria Eugenia Choque, ao abrir os trabalhos.

A votação começou às 8h. Famílias ocuparam as avenidas e ruas para chegar aos colégios eleitorais e outros centros públicos, onde funcionam as mesas de votação.

Ao votar em Cochabamba, o presidente Evo Morales disse que quer a Bolívia novamente como um modelo de participação para eleger as autoridades.

Mais de 7,3 milhões de bolivianos estão aptos a votar para presidente e vice-presidente, para o período 2020-2025, e outras autoridades.

A combination of file photos shows presidential candidates Evo Morales (L) in La Paz, Bolivia June 12, 2019, Carlos Mesa (C) in La Paz, Bolivia, January 15, 2019 and Oscar Ortiz in La Paz, Bolivia, October 8, 2019, respectively, from Reuters

Candidatos à presidência da Bolívia – Reuters/Direitos Reservados

Estados Unidos

O encarregado de Negócios dos Estados Unidos na Bolívia, Bruce Williamson, afirmou que todo o Hemisfério está atento aos resultados das eleições gerais realizadas hoje (20) no país.

Veja Também  Guterres sugere que países devem adotar taxas contra a poluição

“O Hemisfério inteiro está atento à eleição, porque é importante para a região. Vamos ver o que ocorre”, disse à imprensa logo depois de participar da abertura do pleito no Tribunal Supremo Eleitoral.

Williamson informou que a delegação dos EUA está credenciada para acompanhar os trabalhos como observadora, juntamente com outras representações diplomáticas e de organismos internacionais.

 A Bolívia e os Estados Unidos não mantêm relações diplomáticas desde setembro de 2008, quando o presidente Evo Morales expulsou do país o representante norte-americano Philip Goldberg, acusado de ingerência em assuntos internos do país.

O governo Evo Morales também expulsou a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid) e a Administração para o Controle de Drogas, alegando defesa da soberania e independência boliviana.

“Vocação democrática”

O vice-ministro de Coordenação dos Movimentos Sociais da Bolívia, Alfredo Rada, afirmou hoje (20) que o país mostra sua vocação democrática, com grande afluência da população às urnas.

“Há uma afluência maior que nas eleições anteriores e isso é muito bom, mostra a vocação democrática do povo, que vai às urnas em todo o país”, disse Rada à imprensa.

Veja Também  Brasil e Cabo Verde intensificam relações comerciais e de segurança

Ele reafirmou que o presidente Evo Morales, candidato à reeleição, vai esperar os resultados em La Paz.

 O presidente já votou, em Cochabamba, depois volta a La Paz, sede do governo.

*Com informações da Agência Boliviana de Informações

Edição: Graça Adjuto
Fonte: EBC
Comentários Facebook

Internacional

Metroviários franceses temem "segunda-feira negra" nos transportes

Avatar

Publicado

A Sociedade Nacional de Ferrovias Francesas (SNCF) orientou os usuários a não usar seus serviços amanhã (9), antecipando o que seria uma “segunda-feira negra”, no quinto dia da greve dos metroviarios. A paralisação é por tempo indeterminado e reivindica a retirada do projeto oficial de reforma da Previdência.

“Se não comunicarmos aos nossos clientes, com muita ênfase, que eles não devem ir às estações amanhã, poderemos ter problemas de segurança”, disse o gerente-geral da rede suburbana da região de Paris, Alain Krakovitch, em relação a mais um dia de protesto contra os projetos de reforma do presidente Emmanuel Macron.

A greve deve afetar particularmente a rede SNFC, os subúrbios e a Administração Autônoma de Transporte Parisiense (RATP), que neste sábado (7) só pôde cumprir 15% de seus serviços na área suburbana, despachando apenas um em cada seis trens de alta velocidade e um em cada 10 do serviço interurbano.

O panorama deste domingo (8) mostrou 14 das 16 linhas do metrô de Paris paralisadas. Para a segunda-feira, espera-se a prestação de serviços mínimos, em nível provavelmente semelhante aos de ontem. Nesse contexto, a própria SNCF enviou mensagem de texto aos telefones celulares dos usuários, recomendando que eles “não chegassem às estações”.

Veja Também  Sindicatos franceses decidem manter greve por tempo indeterminado

Enquanto isso, a RATP solicitou a todos os usuários que possam adiar sua viagem que o façam, devido ao “alto risco de saturação da rede”. Desde o início da greve, muitos parienses rcorrera, a bocoicletas árra ir ase locomover.

Dez linhas de metrô serão completamente fechadas e as linhas 4, 7, 8 e 9 serão severamente interrompidas. Apenas as linhas automáticas 1 e 14 funcionarão normalmente, como as linhas Orlyval, Orlybus e Roissybus.

A greve dos metroviários contra o projeto de reforma previdenciária de Macron começou quinta-feira (5). A proposta do presidente que visa unificar os mais de 40 regimes previdenciários existentes atualmente em uma única estrutura que, segundo Macron, favoreceria a igualdade entre os trabalhadores.

*Com informações da Télam e outras agências internacionais

 

Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

Hong Kong fez mais de seis mil detenções em meio ano de protestos

Avatar

Publicado

A polícia de Hong Kong disse hoje (9) que fez 6.022 detenções e disparou 16 mil granadas de gás lacrimogêneo durante os protestos que se prolongam há seis meses nesta região administrativa chinesa.

Segundo autoridades locais, o número total de detidos incluiu as 11 pessoas que foram interceptadas pela polícia durante o último fim de semana e que portavam armas.

Manifestantes participam de uma marcha do Dia dos Direitos Humanos no distrito de Causeway Bay, em Hong Kong   REUTERS / Laurel Chor

Manifestantes participam de uma marcha do Dia dos Direitos Humanos no distrito de Causeway Bay, em Hong Kong –  REUTERS / Laurel Chor

A polícia suspeita que as armas seriam usadas nas manifestações de domingo (8), que reuniram milhares de pessoas de forma pacífica na ilha de Hong Kong. Hoje, 12 pessoas foram detidas por suspeita de  preparar bombas incendiárias.

O mesmo relatório indica que a polícia disparou 10 mil balas de borracha e que, desde o início dos protestos, 493 agentes ficaram feridos durante confrontos com manifestantes.

Hong Kong é há seis meses palco de manifestações iniciadas em protesto contra uma proposta de alteração à lei da extradição, que permitiria extraditar criminosos para países sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

O governo de Hong Kong retirou a proposta, cedendo a uma das exigências dos manifestantes. Mas a decisão não foi suficiente para travar os protestos antigovernamentais em prol de democracia.

Edição:
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Veja Também  Horas antes da mudança de governo, Macri e Fernández assistem à missa
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana