conecte-se conosco


Carros

Avaliação: Ford Ranger 2020 estreia mudanças pontuais e (muito) importantes

Publicado

source

Motor Show

Ford Ranger azul arrow-options
Divulgação
Ford Ranger 2020 tem novas cores, grade frontal redesenhada, mudanças no acabamento interno, entre outras novidades

A Ford Ranger mudou, embora você tenha que prestar bastante atenção para perceber isso. O tapa no visual foi bastante discreto: há apenas novas grade frontal (com o mesmo formato externo, mas um novo elemento central), para-choques e faróis (xenônio e DRL em LED na Limited), além de rodas com novo acabamento e mudanças nos materiais usados no revestimento da cabine. Porém as principais novidades da linha 2020 dessa picape média fabricada na Argentina você não vai notar com os olhos – já que a marca aproveitou para fazer também algumas importantes alterações mecânicas.

LEIA MAIS: Veja 5 picapes intermediárias que serão lançadas no Brasil até 2025

As suspensões foram recalibradas e modificadas na Ford Ranger 2020 . Na dianteira há novos coxins, barra estabilizadora redesenhada e novas molas e amortecedores, enquanto na traseira a novidade é a nova calibração do conjunto. As alterações permitiram baixar de 35 para 30 libras a pressão mínima dos pneus.

E a versão flex não existe mais. A configuração XLS usa o motor 2.2 turbodiesel de 160 cv, que pode ser combinada ao câmbio manual ou ao automático, ambos de seis marchas (apenas com tração 4×2). Já as versões XLT e Limited usam o 3.2 turbodiesel de 200 cv, sempre com câmbio automático e tração 4×4.

Mais detalhes da Ford Ranger 2020

painel da Ford Ranger 2020 arrow-options
Divulgação
Ford Ranger 2020 tem computador de bordo com tela colorida entre os itens disponíveis

A Ford mexeu também nos equipamentos: a versão intermediária XLT ganhou bancos de couro, monitor de pressão dos pneus e sensor crepuscular. Já a Limited, que já trazia piloto automático adaptativo, ganhou frenagem automática de emergência e chave presencial.

Veja Também  Fusão entre PSA e FCA vai beneficiar 12 marcas com modelos eletrificados

Outra novidade – em toda a linha – é a tampa da caçamba com assistência de abertura e fechamento, com um novo sistema que utiliza uma mola de torção para reduzir em 70% o peso na movimentação da peça. Na prática, isso significa que é possível fechar a tampa facilmente usando apenas a força dos dedos.

Nosso primeiro contato com a nova Ranger foi na Argentina, em um percurso de 130 quilômetros na região de Mendoza. A versão top Limited , que já atraía pelos equipamentos, agora se destaca também pelo comportamento dinâmico próximo do visto nos SUVs. Macia, porém sem ser molenga, permite trafegar por pisos irregulares a mais de 60 km/h sem trancos ou oscilações excessivas da carroceria.

LEIA MAIS: Ford Ranger 2020 chega ao mercado com mais tecnologia e conteúdo

No asfalto, agradam o silêncio de rodagem e o acerto da direção elétrica. O motor 3.2 garante desempenho condizente com a proposta, mas que não chega a impressionar nas acelerações e retomadas. Vale destacar o funcionamento suave do câmbio automático de seis marchas.

Veja Também  Flagra! Novo Hyundai Tucson é visto em testes, ainda camuflado

Chassi ou monobloco?

A Ranger 2020 será oferecida em seis configurações, todas cabine dupla e com motor a diesel. Os preços variam de R$ 126.800 (XL Cabine Simples 2.2 4×2 MT) a R$ 192.790 (Limited 3.2 4X4 AT). A estratégia mantém a Ranger na mesma faixa de preços de concorrentes flex como a Chevrolet S10 LTZ 2.5 AT (R$ 130.490) e até da Fiat Toro Endurance (R$ 129.990), que também é a diesel, embora seja menor e com estrutura monobloco, menos robusta.

LEIA MAIS: Conheça 5 picapes médias seminovas que custam até R$ 80 mil

Mesmo na versão XLS,  a Ford Ranger 2020   vem com ar-condicionado digital bizona, piloto automático, multimídia Sync 3, sete airbags e rodas de liga aro 17.


Ficha técnica:

Ford Ranger Limited

Preço básico: R$ 126.800
Carro avaliado: R$ 192.790
Motor: cinco cilindros em linha 3.2, 20V, turbo commonrail
Cilindrada: 3198 cm³
Combustível: diesel
Potência: 200 cv a 3.000 rpm
Torque: 47,9 kgfm de 1.750 a 2.500 rpm
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: duplo triângulo (d) e eixo rígido com feixe de molas (t)
Freios: disco ventilado (d) e tambor (t)
Tração: 4×2 ou 4×4, com reduzida e bloqueio eletrônico do diferencial
Dimensões: 5,354 m (c), 1,860 m (l), 1,848 m (a)
Entre-eixos: 3,220 m
Pneus: 265/60 R18
Caçamba: 1.009 kg / 1.180 litros
Tanque: 80 litros
Peso: 2.261 kg
0-100 km/h: 11,6 segundos
Velocidade máxima: 180 km/h (limitada eletronicamente)
Consumo cidade: 8,6 km/l
Consumo estrada: 9,9 km/l
Emissão de CO²: 219 g/km
Nota do Inmetro: D
Classificação na categoria: D (Picape)

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook

Carros

Chevrolet Corvette é encontrado após 38 anos

Publicado

source

Motor Show

Livonia Police Department / Facebook

A polícia de Livonia, no Michigan (Estados Unidos), foi acionada para investigar um Chevrolet Corvette 1981. Após rebocar o Chevy para o departamento de polícia e consultar o VIN (Vehicle Identification Number), a pesquisa apontou algo de suspeito.

LEIA MAIS: Confira 10 carros clássicos mais incríveis esquecidos em garagens

Um detetive com treinamento especializado em roubo de automóveis foi acionado e constatou uma adulteração no VIN original do esportivo norte-americano. As buscas prosseguiram e o VIN secundário confirmou o roubo do modelo, em 1981. Ou seja, quando o Chevrolet Corvette era novinho!

LEIA MAIS: Ferrari rara ficou escondida em apartamento nos EUA por décadas

O Chevrolet Corvette está em boas condições e o hodômetro marca apenas 17.703 km rodados. O Departamento de Polícia está trabalhando para devolvê-lo ao seu dono original.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Veja Também  Harley-Davidson revela dois lançamentos inéditos: uma off-road e uma esportiva
Continue lendo

Carros

Carro movido a jato atinge 806,1 km/h em deserto africano, Veja video

Publicado

source


Bloodhound LSR arrow-options
Divulgação
Bloodhound LSR: por enquanto, vem com motor de caça, mas logo terá que ser trocado por outro, de foguete

O recorde mundial de velocidade na terra ainda está para ser batido pelo modelo Bloodhound LSR. Por enquanto, o carro movido a jato conseguiu atingir 806,1 km/h durante testes nas areias do deserto da África do Sul. Com uma turbina Rolls-Royce EJ200 na traseira, o carro precisa de um para-quedas para ajudar a ser freado.

LEIA MAIS:  Bugatti Chiron alcança 490 km/h e bate recorde; confira o vídeo

A parte aerodinâmica do carro movido a jato é parecida com a de um foguete. E o projeto é da empresa Grafton LSR, com sede no Reino Unido, cujo pessoal trabalha para atingir a meta de alcançar as 1000 milhas por hora, ou 1.609 km/h, estabelecendo um novo recorde.

No ano que vem já deverão chegar nos 763 mph, ou 1.227,7 km/h. Ao volante estará o piloto de caça supersônico Andy Green . Mas para chegar nesse patamar de velocidade será preciso trocar o motor de avião por outro, de foguete. E o local para atingir a marca insana é o deserto de Hakskeen Pan, onde o lago seco não tem pedregulhos que podem causar acidentes.

Veja Também  Fusão entre PSA e FCA vai beneficiar 12 marcas com modelos eletrificados

LEIA MAIS: Koenigsegg acelera de 0 a 400 km/h em 31,49 segundos e bate recorde

Mesmo assim, cerca de 300 pessoas foram convocadas para limpar a pista de 19 quilômetros de extensão, onde o Bloodhound LSR acelera. Além do piso, as condições climáticas são fundamentais para conseguir bater o recorde. Portanto, apenas quanto não tiver chuva será possível trabalhar. Confira abaixo o video do carro movido a jato passando os 800 km/h.


Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana