conecte-se conosco


Saúde

Sente dor nos ombros com frequência? Saiba os principais problemas na região

Publicado

Em diversas situações, como nas tarefas diárias e nas práticas esportivas, a dor nos ombros pode vir à tona e causar extremo desconforto. De fato, muitas tarefas que exigem deslocamentos, força ou apenas a movimentação dos braços podem ser desgastantes e causar problemas na região dos ombros.

Leia também: Dor no ombro? Sem cuidados, lesão pode piorar em 40% dos casos, diz especialista

dor nos ombros arrow-options
shutterstock
Ortopedista explica duas condições que podem causar dor nos ombros e quais os tratamentos indicados em cada caso

Um dos problemas mais comuns de dor nos ombros é a síndrome do manguito rotador , que surge do desgaste dos músculos que rodeiam o ombro e dão a estabilidade e sustentação aos ossos da junção com o braço. Normalmente, essa lesão está associada à repetição de movimentos.

Conforme explica o ortopedista Layron Alves, pacientes com essa condição costumam apresentar sintomas como dor no ombro, fraqueza ou dificuldade para elevar o braço, além de diminuição da força. A prática de esportes, como natação, e o uso constante de celulares e computadores por muito tempo podem causar a lesão. 

Veja Também  Brasil exporta experiência com bancos de leite para países lusófonos

Depois do diagnóstico, é importar seguir o tratamento correto. “Para o tratamento, costuma-se indicar repouso, fisioterapia, aplicação de gelo, anti-inflamatórios e, em alguns casos, procedimentos cirúrgicos”, ressalta o profissional, que é especialista em cirurgia do ombro e cotovelo e membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT).

Leia também: Saiba se você tem escoliose e como tratar a coluna em forma de S

Alves destaca que outra patologia comum é a luxação recidivante , causada por impactos, choques ou uso incorreto ao fazer algum levantamento de peso. Nesse caso, a dor sentida é mais forte e, às vezes, pode exigir que o médico recoloque o ombro no lugar com manobras específicas ou através de cirurgia, como a artroscopia.

dor nos ombros arrow-options
shutterstock
No caso da luxação recidivante, a dor é mais forte e, geralmente, o problema atinge pessoas que são mais novas

“Apesar das luxações acontecerem após uma ação específica, há pessoas propensas por terem a articulação frouxa, facilitando o deslocamento e separação dos ossos. Independente do caso, o diagnóstico não deve ser postergado, pois a insistência na movimentação após a luxação pode resultar no desgaste de outras cartilagens, agravando o problema”, reforça.

Veja Também  Canabidiol ameniza efeitos da quimioterapia

Mesmo que as condições tenham gravidades diferentes, elas estão associadas ao enfraquecimento dos músculos que cercam os ombros. A lesão do manguito rotador afeta, geralmente, pessoas em idades mais avançadas e que fazem muito esforço no ombro. A luxação, por sua vez, é mais comum nos jovens, que são mais propensos a impactos. 

Leia também: Compressa quente ou fria? Saiba quando fazer cada uma delas

“É muito importante trabalhar em prol do fortalecimento e alongamento dos ombros, assim como de todas as regiões do corpo. É uma região fundamental para as práticas do cotidiano e não pode ser ignorada quando se busca mais rigor físico, tampouco quando surgem as primeiras dores”, diz Alves. Por isso, ao sentir dor nos ombros , procure um médico o quanto antes.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook

Saúde

Saúde busca imunizar mais de 9 milhões de jovens contra o sarampo

Publicado

Com foco na população jovem, com idade entre 20 e 29 anos, o Ministério da Saúde iniciou hoje (18) a segunda fase da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo.

De acordo com o ministério, 9,4 milhões de brasileiros fazem parte desse grupo etário.

“Nesta idade, os jovens não costumam ir aos postos de saúde, pois geralmente não ficam doentes. Esse é um ponto importante: precisamos ter uma estratégia diferente com essa população”, disse o ministro interino da Saúde, João Gabbardo.

O secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira e o ministro interino da Saúde, João Gabbardo, participam de lançamento da segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra o sarampo

O secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, e o ministro interino João Gabbardo, em entrevista no lançamento da 2ª fase da Campanha de Vacinação contra o Sarampo – Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O objetivo da campanha, que teve R$ 7 milhões em investimentos nesta fase, é imunizar pelo menos 9 milhões de pessoas.

Os dados mais recentes da pasta da Saúde mostram que jovens nessa faixa etária são maioria entre os casos registrados – respondem por 30,6% do número total de casos de sarampo este ano no Brasil. E, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pelo ministério, são também o maior vetor em potencial da doença.

O secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, ressaltou explicou que mesmo os jovens que acreditam já ter tomado a vacina em anos anteriores devem procurar postos de saúde para atualizar a dose.

Wanderson explicou que registros antigos da imunização contra sarampo pode estar incompletos ou incorretos. “É muito difícil encontrar na caderneta de vacinação o registro de ‘vacina contra sarampo’. Então, caso o jovem tenha dúvida, é melhor que vá à unidade de saúde para avaliar se aquela vacina era realmente a tríplice viral.”

Cobertura ampliada

Apesar do recente reaparecimento do sarampo e do aumento significativo de registros da doença, o Ministério da Saúde tem feito amplas campanhas para combater a desinformação.

Na primeira fase da mobilização, que teve crianças de 6 meses a 5 anos como foco, 16 estados superaram a meta de imunização, que era de 95%. O número de municípios que têm a taxa de imunização alta também subiu: pulou de 32% para 78%.

Dia D

A segunda fase da campanha vai até 30 de novembro, Dia D da Vacinação contra o Sarampo. Assim como na primeira fase, o Dia D será de trabalho intenso para que seja possível cobrir a maior parte possível. da população-alvo.

“Sugerimos a gestores municipais e estaduais, empresários, donos de escolas e comerciantes que liberem funcionários mais cedo para tomar a vacina”, disse Gabbardo.

Há, entretanto, uma ressalva para o público-alvo da campanha. Gestantes na faixa etária não devem se vacinar contra sarampo, já que o método de imunização se dá por uma versão atenuada do vírus.

Edição: Nádia Franco
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Veja Também  Brasil exporta experiência com bancos de leite para países lusófonos
Continue lendo

Saúde

Correção: nove em cada 10 mil homens têm câncer de próstata em SP

Publicado

Nove em cada 10 mil homens tem câncer de próstata no município de São Paulo. A doença é a segunda principal causa de morte por câncer de pessoas do sexo masculino no país – cerca de 14 mil óbitos por ano. Os dados, do Instituto Nacional de Câncer (Inca), servem de alerta para que os homens não deixem a saúde de lado. Apesar do alto índice da doença, o levantamento mostra que metade dos brasileiros nunca foram a um urologista.

“Infelizmente ainda há muito bloqueio por parte do público masculino em relação ao exame do toque retal. Felizmente, isso tem melhorado um pouco ao longo dos anos. Associado a esse tabu, de ser um exame um pouco mais evasivo, de mexer com a parte da sexualidade masculina, o homem acaba ficando com um pouco mais de receio de ir ao médico”, ressalta Felipe Costa, médico urologista do Hospital do Homem, na capital paulista.

Próstata

Próstata aumentada – Divulgação/Sociedade Brasileira de Urologia

O câncer de próstata, assim como a pressão alta e o diabetes, é silencioso. De acordo com o médico, a única forma segura de se precaver em relação à doença é a consulta clínica. Homens a partir dos 50 anos devem realizar o exame anualmente.

Veja Também  “A doença chegou e levou”, diz mãe de menina que morreu de meningite aos 7 anos

“Há grupos com fator de risco maior para o câncer de próstata: são os negros e aqueles indivíduos que têm história na família com câncer de próstata abaixo dos 60 anos. Para essas pessoas, a partir dos 40 ou 45 anos, eles já devem ter um acompanhamento direcionado para diagnosticar a doença”, ressalta o médico.

Doença lenta

O câncer de próstata, na maioria dos casos, cresce lentamente, não causa sintomas e, no início, pode ser tratado com bastante eficácia. Em outros casos, no entanto, pode crescer rapidamente, espalhar-se para outros órgãos e causar a morte.

“O exame é extremamente rápido, é feito com anestésico local, de uma forma que provoque menos incômodo para a pessoa. Ainda hoje é uma das formas mais seguras e eficientes que a gente tem para poder diagnosticar o câncer de próstata na forma mais inicial”, destaca o médico.

Além do exame preventivo, os médicos recomendam que sejam evitados outros fatores, já conhecidos facilitadores da doença, como alimentação pobre em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais; sedentarismo, consumo de álcool e tabaco.

Veja Também  Sofre com a doença de Crohn? Saiba quais nutrientes você deve incluir na dieta

Segundo o Ministério da Saúde, estimativas apontam que ocorreram 68.220 novos casos da doença em 2018. Esse número corresponde a um risco estimado de 66,12 casos novos a cada 100 mil homens.

A próstata é uma glândula presente apenas nos homens, localizada na frente do reto, abaixo da bexiga, envolvendo a parte superior da uretra (canal por onde passa a urina). A próstata não é responsável pela ereção nem pelo orgasmo. Sua função é produzir um líquido que compõe parte do sêmen, que nutre e protege os espermatozoides. Em homens jovens, a próstata possui o tamanho de uma ameixa, mas seu tamanho aumenta com o avançar da idade.

* Matéria alterada no dia 18/11/2019, às 18h52, para correção de informação. O câncer de próstata atinge nove em cada 10 mil homens no município de São Paulo e não um em cada seis no país inteiro, como informava o texto.

Edição: Wellton Máximo
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana