conecte-se conosco


Saúde

Sente dor nos ombros com frequência? Saiba os principais problemas na região

Avatar

Publicado

Em diversas situações, como nas tarefas diárias e nas práticas esportivas, a dor nos ombros pode vir à tona e causar extremo desconforto. De fato, muitas tarefas que exigem deslocamentos, força ou apenas a movimentação dos braços podem ser desgastantes e causar problemas na região dos ombros.

Leia também: Dor no ombro? Sem cuidados, lesão pode piorar em 40% dos casos, diz especialista

dor nos ombros arrow-options
shutterstock

Ortopedista explica duas condições que podem causar dor nos ombros e quais os tratamentos indicados em cada caso

Um dos problemas mais comuns de dor nos ombros é a síndrome do manguito rotador , que surge do desgaste dos músculos que rodeiam o ombro e dão a estabilidade e sustentação aos ossos da junção com o braço. Normalmente, essa lesão está associada à repetição de movimentos.

Conforme explica o ortopedista Layron Alves, pacientes com essa condição costumam apresentar sintomas como dor no ombro, fraqueza ou dificuldade para elevar o braço, além de diminuição da força. A prática de esportes, como natação, e o uso constante de celulares e computadores por muito tempo podem causar a lesão. 

Depois do diagnóstico, é importar seguir o tratamento correto. “Para o tratamento, costuma-se indicar repouso, fisioterapia, aplicação de gelo, anti-inflamatórios e, em alguns casos, procedimentos cirúrgicos”, ressalta o profissional, que é especialista em cirurgia do ombro e cotovelo e membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT).

Leia também: Saiba se você tem escoliose e como tratar a coluna em forma de S

Alves destaca que outra patologia comum é a luxação recidivante , causada por impactos, choques ou uso incorreto ao fazer algum levantamento de peso. Nesse caso, a dor sentida é mais forte e, às vezes, pode exigir que o médico recoloque o ombro no lugar com manobras específicas ou através de cirurgia, como a artroscopia.

dor nos ombros arrow-options
shutterstock

No caso da luxação recidivante, a dor é mais forte e, geralmente, o problema atinge pessoas que são mais novas

“Apesar das luxações acontecerem após uma ação específica, há pessoas propensas por terem a articulação frouxa, facilitando o deslocamento e separação dos ossos. Independente do caso, o diagnóstico não deve ser postergado, pois a insistência na movimentação após a luxação pode resultar no desgaste de outras cartilagens, agravando o problema”, reforça.

Mesmo que as condições tenham gravidades diferentes, elas estão associadas ao enfraquecimento dos músculos que cercam os ombros. A lesão do manguito rotador afeta, geralmente, pessoas em idades mais avançadas e que fazem muito esforço no ombro. A luxação, por sua vez, é mais comum nos jovens, que são mais propensos a impactos. 

Leia também: Compressa quente ou fria? Saiba quando fazer cada uma delas

“É muito importante trabalhar em prol do fortalecimento e alongamento dos ombros, assim como de todas as regiões do corpo. É uma região fundamental para as práticas do cotidiano e não pode ser ignorada quando se busca mais rigor físico, tampouco quando surgem as primeiras dores”, diz Alves. Por isso, ao sentir dor nos ombros , procure um médico o quanto antes.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook

Saúde

Diretor de hospital em Wuhan morre devido ao coronavírus

Avatar

Publicado

BEIJING – Liu Zhiming, diretor de um dos principais hospitais da cidade de Wuhan, epicentro da epidemia de coronavírus , morreu em decorrência da doença nesta terça-feira, segundo a TV estatal chinesa.

homem arrow-options
Reprodução/Twitter

Liu Zhiming faleceu em decorrência de covid-19, doença causada pelo coronavírus

Relatórios recentes do governo já indicavam um aumento na contaminação entre profissionais de saúde. No início deste mês, o médico Li Wenliang, de 34 anos, também foi morto devido ao coronavírus . Li foi um dos primeiros a chamar a atenção para a doença e chegou a ser perseguido pelo governo chinês.

Leia mais: China ainda tem escolas fechadas e 1.170 mortes por coronavírus

Também nesta terça-feira, o Comitê de Educação de Xangai anunciou que os estudantes da cidade não retornarão às escolas com o reinício do semestre letivo, no fim deste mês. Os alunos estudarão online em suas casas. A medida busca evitar o risco de contaminação pelo coronavírus.

E a doença pode afetar também a produção mundial de antibióticos , segundo alerta do presidente da Câmara de Comércio da União Europeia, Joerg Wuttke. Durante uma conferência em Beijing, ele chamou a atenção para problemas de correntes da disrupção de linhas de produção na China, que atingiriam diversas indústrias, com destaque para a farmacêutica e a automobilística.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Mundo lembra psiquiatra que descreveu a Síndrome de Asperger

Avatar

Publicado

O Dia Internacional da Síndrome de Asperger é lembrado hoje em todo o mundo. A data marca o nascimento do psiquiatra e pediatra austríaco Hans Asperger, primeiro médico que descreveu esse transtorno, em 1944.

Em entrevista à Agência Brasil, a neuropediatra Deborah Kerches, diretora do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Infantojuvenil de Piracicaba (SP), lembrou que Asperger observou crianças que apresentavam falta de empatia, dificuldade de fazer amizades, conversação unilateral, hiperfoco, ou foco intenso, movimentos descoordenados e habilidade em decorrer sobre um tema em detalhes. O quadro ocorria, preferencialmente, em meninos. Hans Asperger viveu de 1906 a 1980. Seu livro A psicopatia autista na infância foi traduzido do original em alemão para o inglês em 1980, por Lorna Wing.

A Síndrome de Asperger foi incorporada ao Manual Estatístico e Diagnóstico de Transtornos Mentais 4 (DSM, do nome em inglês) em 1995, sendo descrita como um subtipo dos transtornos globais do desenvolvimento. Com a atualização do DSM 5, as pessoas com Síndrome de Asperger foram enquadradas no termo Transtorno do Espectro Autista nível 1, que é um quadro mais leve e funcional do espectro do autismo.

Membro da Academia Brasileira de Neurologia e especialista em Transtorno do Espectro Autista e Saúde Mental Infantojuvenil, a doutora Deborah Kerches deixou claro que a Síndrome de Asperger é um “espectro do autismo mais funcional, sem atraso intelectual ou atrasos importantes na aquisição da fala, porém com dificuldades na socialização, interesses restritos e estereotipados, com hiperfoco em determinado assunto”.

Identificação

Deborah Kerches explicou que muitos pais podem ter dificuldade para identificar que a criança tem a Síndrome de Asperger, porque os sintomas na infância costumam passar despercebidos. “Não é notado atraso intelectual e importantes atrasos na aquisição da fala”. A neuropediatra admitiu que algumas crianças podem, inclusive, desenvolver a fala de maneira precoce e ter um vocabulário amplo e rebuscado, além de ter outras habilidades precoces para a idade. “Devido ao fato de apresentarem recursos cognitivos favoráveis, as dificuldades de socialização acabam sendo mais percebidas quando as demandas sociais aumentam. Então é possível notar reciprocidade social inadequada, dificuldade em iniciar e manter um diálogo, especialmente quando não é de interesse, e rigidez comportamental”.

Por outro lado, ela afirmou que crianças e adolescentes com Asperger costumam se interessar por áreas específicas, mostrando conhecimento detalhado sobre elas. Acrescentou que, na escola, não costumam apresentar dificuldades pedagógicas e, muitas vezes, podem se destacar em algumas matérias, em detrimento de outras que não lhes interessam.

Dificuldades

Segundo a médica, embora não apresentem atrasos na aquisição da linguagem verbal e até possam fazer uso de uma linguagem rebuscada, crianças e jovens com esse transtorno podem ter dificuldades para iniciar e manter uma conversa. Mostram também dificuldade para entender piadas, metáforas, mímicas faciais e linguagem corporal, por exemplo.

“Embora os sintomas desse espectro autista sejam considerados mais leves por muitos, há dificuldades em fazer amigos, em entender sutilezas e regras sociais, dificuldade em abstrair, em se adaptar a novas rotinas e de se sentir pertencendo a um grupo social. Alterações sensoriais relacionadas a uma ou mais portas sensoriais como visão, audição, olfato, tato, paladar, propriocepção (capacidade em reconhecer a localização espacial do corpo) e sistema vestibular podem contribuir para a dificuldade de socialização. Pessoas com Asperger são sinceras demais e até mesmo ingênuas”, revelou Deborah.

A doutora explicou que a maioria das pessoas com Síndrome de Asperger consegue, na vida adulta, entrar no mercado de trabalho e constituir família. Para que isso ocorra, entretanto, é necessário que esse transtorno seja identificado precocemente por especialista, para que suas habilidades sociais possam ser trabalhadas.

Destacou, por outro lado, que as dificuldades e prejuízos da Síndrome de Asperger ou TEA leve, especialmente na adolescência e na vida adulta, podem resultar em outras condições associadas, entre as quais mencionou depressão, ansiedade, síndrome do pânico, “porque o esforço para se sentir pertencendo a um grupo social e conseguir lidar com as demandas de cada contexto social é tamanho que pode trazer grandes sofrimentos psíquicos”.

Recomendação

Para os pais que perceberem algo diferente no filho ou filha, seja alguma reação esquisita ou mesmo falta de reação diante de um estímulo, Deborah recomendou que ajam imediatamente, no sentido de buscar apoio de um especialista para um diagnóstico correto. “Quaisquer que sejam os prejuízos observados na comunicação e interação social ou no comportamento que se apresenta mais rígido, inflexível e estereotipado, isso merece investigação o mais precoce possível para que se possa iniciar um tratamento especializado e, assim, minimizar as possíveis dificuldades e desenvolver as potencialidades, possibilitando melhor qualidade de vida”.

Deborah Kerches observou que as pessoas com Síndrome de Asperger apresentam os sintomas mais leves conhecidos dentro do espectro autista. Acrescentou que a síndrome não deve ser chamada de doença, porque quem tem esse transtorno tem um quadro para toda a vida. Não é uma doença, porque não pode ser curada, afirmou.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana