conecte-se conosco


Cuiabá

Unidades de saúde das Regionais Norte e Sul estarão abertas neste sábado com atividades de rotina para a população

Publicado

Arquivo PMC

Neste sábado (19), além do Dia D de Vacinação contra Sarampo para crianças, os PSFs e Centros de Saúde da Regional Norte e da Regional Sul estarão com todas as suas atividades funcionando para atender o público que não tem oportunidade de utilizar os serviços durante a semana. Os atendimentos estarão sendo realizados das 8h às 17h.

Segundo a diretora da Atenção Básica, Miriam Naschenveng, as unidades vão oferecer atividades de rotina e acesso aos Programas Estratégicos como aferição de pressão arterial e glicemia e atendimento de farmácia, atendimentos do Bolsa Família e orientações sobre doenças sexualmente transmissíveis. Também serão ofertados exames para prevenção/detecção de câncer de colo de útero. “A mobilização da população foi realizada pelas equipes de Agentes Comunitários de Saúde de cada unidade durante a semana, que divulgaram a programação nas residências”, revelou Miriam.

Para o secretário municipal de Saúde, Luiz Antonio Pôssas de Carvalho esse tipo de ação vem ao encontro do que preconiza a gestão do prefeito Emanuel Pinheiro. “Vamos aproveitar que todas as unidades, com exceção do PSF Ribeirão da Ponte, estarão abertas para o Dia D de Vacinação e oferecer atendimentos nas unidades das Regionais Norte e Sul neste sábado. Nosso objetivo é proporcionar assistência em saúde para quem não tem tempo de buscá-los durante a semana. Este escalonamento de abertura por regiões é uma dinâmica que estamos implementando em caráter experimental, visando oferecer os serviços de saúde com mais qualidade e humanização para a população”, complementou o secretário.

Veja Também  Heliponto do HMC passa por testes de pouso e decolagem
Fonte: Prefeitura de Cuiabá
Comentários Facebook

Cuiabá

Seminário discutiu ensino étnico-racial nas escolas de Cuiabá

Publicado

Jorge Pinho

Como parte das comemorações pelo Dia Nacional da Consciência Negra (20 de novembro), um seminário realizado e promovido pelos conselhos municipais de Promoção da Igualdade Racial (CMPIR) e da Educação (CME) discutiu a implementação de políticas públicas e ações afirmativas no ensino municipal. O encontro reuniu diretores e coordenadores das unidades educacionais, especialistas, mestres, doutores e pesquisadores, além de membros do movimento negro em Cuiabá e no estado. Os participantes avaliaram a implementação da Lei 10.639, que alterou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação tornando obrigatória a inclusão do ensino étnico-racial, história da África, Afro-brasileira, arte e cultura nas escolas da rede municipal.

Durante o evento, o assessor pedagógico e especialista em ensino étnico-racial, Edmilson Marques de Moraes, falou sobre o tema e disse que o Município trabalha desde 2004, em várias frentes, visando a implementação e desenvolvimento do assunto nas salas de aula. “Como a gente consegue enxergar o negro na nossa sociedade, como podemos mudar a realidade dos livros didáticos e o contexto das unidades educacionais com os nossos alunos? A partir desses questionamentos, a rede municipal de ensino trouxe inúmeras discussões e vem trazendo até hoje”, observou ele. Esse processo, segundo o especialista, acabou por resultar na produção de uma matriz curricular em 2011, além de uma portaria de 2012 do Conselho Municipal de Educação, e de uma gama de outras discussões nas escolas, tendo como referência os direitos humanos, na sua totalidade.

“Enxergar e valorizar o outro dentro de suas características fenotípicas e religiosas, respeitar o ser humano e trazer desde a educação infantil até a educação de jovens e adultos, o respeito aos direitos humanos e a diversidade. Os alunos estão discutindo a questão de uma forma positiva em projetos como o Trabalhando as Diferenças, Superando o Preconceito e outros”, ressaltou Edmilson Moraes.

Veja Também  Heliponto do HMC passa por testes de pouso e decolagem

Para o especialista, não é fácil superar a questão e desmitificar o racismo e o preconceito, mas a discussão tem que ser feita. “Vai demorar um tempo até que possamos quebrar o preconceito, o racismo, mas não podemos desistir de enfrentar essas questões no nosso dia a dia e a escola assume um papel fundamental nesse processo”, disse Edmilson Marques.

Com base na matriz curricular tem sido possível trabalhar o tema no ensino da história, da arte e da música de uma forma interdisciplinar e abrangendo as diferentes áreas do conhecimento, o que tem possibilitado discussões riquíssimas envolvendo a comunidade escolar.

O presidente do Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial de Cuiabá, Edvande Pinto de França destacou a excelência do Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas na Rede de Ensino de Cuiabá e das discussões, que refletiram sobre o racismo e como mudar esse quadro. Segundo ele, a implementação de políticas públicas e ações afirmativas na rede de Ensino de Cuiabá, é resultado de uma agenda de trabalho positiva. “Cuiabá tem relatos de experiências em várias escolas do Município. São experiências exitosas, mas ainda é preciso quebrar algumas resistências, como por exemplo, em relação à religiosidade de matriz africana”, destacou o presidente do CMPIR, Edvande Pinto reconhecendo o avanço da escola cuiabana, em passos largos e o quanto isso é salutar para a Educação e também para o processo democrático.

Veja Também  Curso capacitou servidores para formação de comissões de heteroidentificação

O presidente do Conselho Municipal de Educação (CME), Luiz Jorge lembrou que mais uma vez o seminário cumpre o seu objetivo trazendo a sociedade para o debate sobre a lei 10. 639. “O seminário traz esse tema, para que a gente possa conhecer as experiências que estão acontecendo nas unidades escolares e, até que ponto a lei está sendo respeitada, e como está sendo implementada”, disse Luiz Jorge. Na sua avaliação, é necessário fortalecer o trabalho visando a efetivação e prática da lei, tanto na educação pública quanto na rede privada. “A lei é pra todos, para as redes privadas, públicas ou filantrópicas é uma lei geral para o país inteiro e ela tem que ser respeitada”, concluiu o presidente.

Fonte: Prefeitura de Cuiabá
Comentários Facebook
Continue lendo

Cuiabá

Semob recebe representantes do Ministério da Saúde para alinhar ações contra mortes no trânsito

Publicado

Representantes do Ministério da Saúde estiveram na Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) na quinta-feira (7), para discutir ações do Projeto Vida no Trânsito. No encontro, os gestores fizeram um balanço das ações adotadas desde 2013 para a redução da mortalidade nas vias do Município.

De acordo com a secretária adjunta de Mobilidade Urbana, Luciana Zamproni, na Capital foram identificados três fatores críticos quando se trata de mortalidade no trânsito: as altas taxas de acidentes envolvendo motociclistas, consumo de bebida alcoólica e alta velocidade.

Assim, com os dados em mãos, foi possível estabelecer diretrizes para o programa de ações de 2020. O planejamento é feito em parceria com a equipe da Vigilância Epidemiológica, a Diretoria de Trânsito e as comissões de dados.

Zamproni lembra que a Semob vem realizando ações como o programa Pilotagem Consciente, que oferece palestras em empresas e aulas práticas aos condutores. “Isso foi diagnosticado em 2017 e desde então, temos feito um trabalho para reduzir os óbitos. Já observados resultados, principalmente nas vias onde temos radares.”

Veja Também  Prefeitura leva serviços de saúde a comunidades que oferece tratamento a dependentes químicos

De acordo com a apoiadora do Ministério da Saúde, Marta Malheiros, o Vida no Trânsito é uma resposta do Brasil aos desafios da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Década de Ações pela Segurança no Trânsito 2011 – 2020. Ela lembra que os números variam de acordo com as políticas públicas implantadas a cada ano.

“Em alguns locais conseguimos acompanhar isso de forma contínua, o que resulta em diferentes apontamentos para cada cidade. Nas demais capitais do Centro-Oeste e do Norte, por exemplo, se repete o índice de acidentes envolvendo as motos.”

A adjunta destaca ainda os programas “Agente Mirim”, que aborda as leis de trânsito e os benefícios que ela traz para o dia a dia junto às crianças, e o “Faixa Cidadã”, que estimula o pedestre a atravessar com segurança na faixa. O conjunto de medidas vai ao encontro da proposta do projeto e tem contribuído para as reduções de acidentes.

Em Mato Grosso o Vida no Trânsito conta com a parceria de órgãos como a Delegacia Especializada em Delitos de Trânsito (Deletran), Detran, Perícia Oficial de Identificação Técnica (Politec), Polícia Militar (PM), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Secretaria de Estado de Saúde, além das secretarias municipais de Mobilidade Urbana e Saúde.

Veja Também  Ministro do Supremo Tribunal Federal se impressiona com instalações do HMC
Fonte: Prefeitura de Cuiabá
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana