conecte-se conosco


Educação

Alunos se mobilizam para ir à Olimpíada de Matemática na China

Publicado

Em meio a um feriado ensolarado no Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro, um grupo de estudantes com uniformes do Colégio Pedro II chamava a atenção na manhã de hoje (12) com dezenas de medalhas penduradas no pescoço.

Em campanha para arrecadar dinheiro, seis adolescentes vendiam palhas italianas, brigadeiros e bolos mirando um objetivo bem distante: participar da delegação brasileira na principal olimpíada de matemática da China, a World Mathematics Team Championship.

 Alunos do Colégio Pedro II - Campus Centro, que foram selecionados para integrar a delegaçao do Brasil para o WMTV 2019 - Word Mathematics Team Championship.

Alunos do Colégio Pedro IIl vendem bolos e doce para tentar participar de olimpíada de matemática, na China  Tânia Rêgo/Agência Brasil

Os alunos do campus centro da tradicional escola federal do Rio foram convidados a participar do evento por seu excelente desempenho na Olimpíada Internacional Matemática Sem Fronteiras, e agora vendem doces, fazem rifas e dão aulas particulares de reforço para conseguir disputar novas medalhas do outro lado do mundo.

Eles também criaram uma página na internet para receber doações.Tudo com o apoio e a companhia dos pais.

Ana Catarina Ribeiro dos Santos, de 14 anos, conta que o grupo foi convidado para três competições internacionais. A equipe tem quatro meninas e quatro meninos do 8º e do 9º ano do Ensino Fundamental. No colégio, ela afirma que é sempre incentivada a participar de olimpíadas e projetos ligados à área.

Incentivo dos pais

“Sempre gostei de matemática, mas não conhecia nenhuma olimpíada no meu antigo colégio. Quando entrei no Pedro II, vieram essas olimpíadas, e meus pais incentivaram que seria legal participar para me acostumar”, lembra ela. “Comecei a fazer e não parei mais”.

Para que oito alunos e dois professores consigam viajar para a China, o orçamento passa dos R$ 100 mil, e o grupo arrecadou cerca de R$ 10 mil. A competição será em Pequim entre 21 e 25 de novembro, e inclui provas individuais, de revezamento e em grupo.

Em cada categoria, os estudantes têm até 40 minutos para resolver problemas matemáticos de diferentes graus de dificuldade. Além da matemática, é preciso saber inglês ou chinês, já que as questões são apresentadas apenas nestes idiomas.

Pensando em formas de juntar dinheiro, os estudantes encontraram um jeito de aliar a arrecadação ao treinamento: aulas de reforço para outros alunos do Ensino Fundamental. Duas vezes por semana, eles recebem estudantes em uma sala na Tijuca e tiram dúvidas sobre o conteúdo da disciplina. Samuel Fraga dos Santos Soares, de 14 anos, já deu aulas no projeto.

 Alunos do Colégio Pedro II - Campus Centro, que foram selecionados para integrar a delegaçao do Brasil para o WMTV 2019 - Word Mathematics Team Championship.

Alunos do Colégio Pedro II – Campus Centro que foram selecionados para integrar a delegaçao do Brasil na WMTV 2019 – Word Mathematics Team Championship – Tânia Rêgo/Agência Brasil

“Muita gente vai porque tem dificuldade, está em período de recuperação. São dúvidas sobre a matéria da escola”, conta ele. “Às vezes, a gente esquece uma matéria antiga, e aí a gente lembra lá também. Além de nos ajudar, a gente ajuda outras pessoas”, explica.

Ao lado da mãe, Samuel ajudava os colegas e os pais deles a vender doces na manhã de hoje. Ex-alunos do colégio e outros frequentadores da área verde do Rio apoiaram a ideia. “Isso mostra que a educação é uma boa causa e todo mundo está a fim de querer ajudar. A gente não está representando só o grupo, mas a família, os amigos e toda a nação brasileira”, disse Samuel.

Na busca de apoio, as medalhas no pescoço servem para causar uma boa primeira impressão. Adrieny Monteiro dos Santos Teixeira contou orgulhosa que elas são fruto da dedicação.

“As pessoas veem o nosso esforço. É importante demonstrar que a gente corre atrás, persiste, é bom aluno e que vale a pena nosso esforço”, disse ela, que também participa de concursos literários e competições de astronomia. “Pretendo seguir engenharia, mas ainda estou decidindo”.

Também integram o grupo Arthur Rampazio Siqueira, João Victor Diniz de Andrade, Ana Júlia Victal Carvalho dos Reis, Isabel dos Santos Fernandes e Luiz Carlos Machado Ferreira.

Edição: Kleber Sampaio
Fonte: EBC Educação
Comentários Facebook
Veja Também  Especialistas dão dicas de como se preparar para a redação do Enem

Educação

Instituições particulares poderão participar do Pisa para Escolas

Publicado

A Fundação Censgranrio e escolas particulares firmaram nesta segunda-feira (21) um convênio com que permitirá às instituições privadas participar do Pisa para Escolas (Pisa-S) em 2020. A avaliação internacional permitirá que as escolas comparem os próprios resultados com o desempenho de estabelecimentos de outros países. A adesão é voluntária.

O Pisa-S é uma avaliação da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) baseada no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), exame internacional voltado para estudantes de 15 anos de cerca de 70 países. Assim como no Pisa, são avaliados os conhecimentos em matemática, ciências, leitura e habilidades socioemocionais e coletados dados socioeconômicos e informações sobre o ambiente de aprendizagem, entre outros.

O convênio foi firmado entre a Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep) e a Fundação Censgranrio, única instituição brasileira credenciada pela OCDE. As escolas que desejarem participar da avaliação devem fazer a adesão por meio dos 22 sindicatos estaduais. Para tanto, será necessário preencher determinados requisitos, entre os quais, um mínimo de 42 alunos, com idade de 15 anos, e ter computadores disponíveis para que todos façam a prova.

Veja Também  Enem é aceito em 42 instituições de ensino portuguesas

Cada escola participante da avaliação recebe um relatório detalhado, com evidências sólidas acerca dos fatores que afetam o seu desempenho e com indicações de como promover a melhoria da aprendizagem para todos os estudantes. Os relatórios individuais de cada escola são de domínio da escola ou rede de ensino, e não é permitido divulgar os resultados obtidos sem autorização expressa dos gestores escolares. A partir deste ano, o Pisa será oferecido por meio de plataforma da OCDE e todas as provas serão online.

O Pisa-S será aplicado em instituições privadas a partir de maio de 2020. Os estudantes responderão a questões de múltipla escolha e 44 questões dissertativas. Os alunos também respondem um questionário que investiga o clima escolar, o contexto ocioeconômico, a relação entre professores e alunos, entre outros assuntos.

A avaliação foi oficialmente lançada no Brasil em junho deste ano, mas já foi aplicada em um projeto piloto, em 2017, no país. Participaram, naquele ano, 46 escolas, sendo 13 escolas particulares e 33 públicas, das quais 23 eram da cidade de Sobral, no Ceará.

Veja Também  Cidades brasileiras participam de hackaton da Nasa

Após o lançamento oficial, entre as escolas públicas, São Paulo foi o primeiro estado este ano a aderir ao Pisa-S. No mundo, o Pisa para Escolas já foi aplicado em mais de 2,5 mil escolas de 11 países.

Edição: Nádia Franco
Fonte: EBC Educação
Comentários Facebook
Continue lendo

Educação

Especialistas dão dicas de como se preparar para a redação do Enem

Publicado

No primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), os estudantes farão, junto com outras avaliações, a prova de redação, a única subjetiva entre os testes. Para se preparar, especialistas entrevistados pela Agência Brasil destacam a importância da prática da escrita e de estar por dentro dos principais temas em discussão no país. O Enem 2019 será realizado nos dias 3 e 10 de novembro, em 1.727 municípios brasileiros. Cerca de 5,1 milhões de pessoas estão inscritas para o exame. 

enem2016.jpg

Praticar a escrita e estar por dentro dos principais temas em discussão no país são as recomendações de especialistas para que o estudante faça, no próximo dia 3, uma boa redação no Enem – Wilson Dias/Arquivo/Agência Brasil

“A redação é superimportante, ela é o diferencial, vai definir se [o candidato] estará dentro de uma universidade, ou não. É uma coisa a que o participante tem que estar bem atento, principalmente se quiser ingressar em um curso de alta demanda, como medicina ou direito”, afirma a professora do Colégio Seriös, em Brasília, Jade Nobre. 

Segundo Jade, a duas semanas do Enem, é importante que os estudantes fiquem atentos às questões que estão sendo discutidas e que se mantenham informados sobre atualidades. “Os estudantes não vão conseguir ler vários livros agora, mas filmes e textos mais curtos podem ajudar nisso”, diz a professora. 

A cada ano, escolhe-se um tema para a redação do Enem. Constam da prova os chamados textos motivadores, que trazem algumas informações sobre o assunto e servem de apoio para que o estudante crie o próprio texto. No entanto, se o estudante copiar trechos desses textos, pode pontos. 

Os candidatos devem escrever um texto dissertativo-argumentativo a respeito do tema proposto, defendendo uma opinião apoiada em argumentos consistentes e elaborar uma proposta de intervenção para o problema apresentado, respeitando os direitos humanos. Na escrita, deve ser usada a modalidade formal da língua portuguesa.

Veja Também  Cidades brasileiras participam de hackaton da Nasa

Segundo o professor de redação do ProEnem, plataforma online de preparação para o exame, Romulo Bolivar, uma dica para enriquecer a redação é conhecer o texto da Constituição e o da Declaração Universal dos Direitos Humanos, além dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (Organização das Nações Unidas). “Os três documentos se relacionam com praticamente todos os problemas sociais do Brasil, de saúde a educação, passando por tecnologias e privacidade”, ressalta Bolívar. 

Bolivar acrescenta que, na reta final para o exame, é importante reescrever textos que foram feitos durante o ano para se preparar para a prova, prestando atenção à correção dos erros cometidos. “Durante o ano, os alunos produzem textos que são levados a professores. Os professores devolvem essas redações. Os alunos geralmente passam para a redação seguinte. O ideal agora é pegar as últimas redações, ver os erros que ainda comentem e reescrever essas redações.”

No dia do exame, o professor aconselha os estudantes a dividir bem o tempo de prova. A recomendação é que eles comecem pela prova de redação à qual devem dedicar, no máximo, uma hora. O texto deve ser passada a limpo na folha da prova apenas no fim do prazo, em até 15 minutos, para que haja um distanciamento da escrita e os participantes percebam mais facilmente erros que possam ter cometido na primeira versão.  

Estudos

O site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) Anísio Teixeira disponibiliza a Cartilha do Participante com orientações sobre a redação. A cartilha explica, por exemplo, como é feita a correção da redação e traz exemplos de textos que tiraram nota máxima, ou seja, nota 1 mil.

Veja Também  MEC remaneja recursos próprios para recompor orçamento das federais

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) lançou nesta segunda-feira (21) a Plataforma Atualidades Enem, que reúne a cobertura realizada ppr seus veículos sobre os principais fatos e notícias deste ano para ajudar os estudantes a se preparar para a prova e facilitar a busca por conteúdos atuais. 

No dia 3 de novembro, além da redação, os candidatos ao Enem farão provas de linguagens e ciências humanas. Eles terão cinco horas e 30 minutos para fazer os testes. Já no dia 10 de novembro, serão aplicadas as provas de ciências da natureza e matemática, e o prazo será de cinco horas.

Veja os temas da redação de edições anteriores do Enem:

Enem 2009: O indivíduo frente à ética nacional

Enem 2010: O trabalho na construção da dignidade humana

Enem 2011:  Viver em rede no século XXI: Os limites entre o público e o privado

Enem 2012: O movimento imigratório para o Brasil no século XXI

Enem 2013:  Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil

Enem 2014: Publicidade infantil em questão no Brasil

Enem 2015: A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira

Enem 2016: Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil e Caminhos para combater o racismo no Brasil – Neste ano houve duas aplicações do exame.

Enem 2017: Desafios para formação educacional de surdos no Brasil

Enem 2018: Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet

Edição: Nádia Franco
Fonte: EBC Educação
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana