conecte-se conosco


Esportes

Jogo do futebol brasileiro com 2 árbitros em campo? Já aconteceu e foi sucesso

Avatar

Publicado

Alfredo dos Santos Loebeling%2C ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla arrow-options
Facebook / Arquivo pessoal

Alfredo dos Santos Loebeling, ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla

Um dos assuntos mais comentados do futebol brasileiro na atualidade é o árbitro de vídeo, o VAR , que, mesmo com intuito de diminuir os erros dentro de campo, vem causando polêmica por conta de decisões consideradas erradas por parte da equipe de arbitragem e o enorme tempo gasto com análise de lances.

Leia também: “7×1 da minha vida”: Mauro Naves desabafa após caso Neymar e demissão da Globo

É inegável que o VAR ajuda. No passado, mais precisamente nos anos de 2000 e 2001, a FPF (Federação Paulista de Futebol) teve uma ideia que também tinha como objetivo aumentar o tempo de bola rolando e diminuir os equívocos dos juízes: colocar dois árbitros  nos jogos do Campeonato Paulista, um em cada metade de campo.

O ex-árbitro  Alfredo dos Santos Loebeling , que atualmente é consultor de arbitragem e fornece assessoria para clubes brasileiros, falou com o iG sobre a dupla arbitragem no Paulistão.

Ele, inclusive, apitou as duas finais nessas oportunidades. Na decisão de 2000, esteve ao lado de Ílson Honorato dos Santos no São Paulo x Santos; e em 2001, trabalhou com Edílson Pereira de Carvalho no Corinthians x Botafogo-SP.

Dois árbitros em campo na final do Paulistão de 2000 arrow-options
Reprodução / PFC

Dois árbitros em campo na final do Paulistão de 2000

“Os testes começaram em 1994. O primeiro teste foi justamente no dia da morte do Ayrton Senna, em 1º de maio de 1994, no Morumbi, no campeonato de aspirantes, num Palmeiras x São Paulo”, relembrou Loebeling.

Leia também: Mulher de Luiz Adriano rouba a cena no Allianz Parque, mas leva puxão de orelha

“Para a Fifa autorizar esse tipo de coisa em um campeonato inteiro, como foi nesse caso em dois anos seguidos, você tinha que apresentar dados. Então esses testes eram para mostrar que o tempo de bola em jogo aumentava e que a quantidade de faltas diminuía em função da presença dos dois árbitros mais próximos do lance”, continuou o ex-árbitro.

Os testes feitos pela FPF foram enviados para Fifa, que autorizou o uso de dois juízes em campo nos Paulistões de 2000 e 2001.

Alfredo dos Santos Loebeling trabalha atualmente como comentarista e consultor de arbitragem arrow-options
Facebook / Arquivo pessoal

Alfredo dos Santos Loebeling trabalha atualmente como comentarista e consultor de arbitragem

“Não tenha dúvida que o problema que tinha naquela época também tem agora, que é o tempo muito grande perdido de jogo. O cara vai no cinema e paga por 2 horas de filme. O cara vai no teatro e paga por 1 hora e meia de peça. No futebol, o cara paga por 90 minutos de jogo e recebe muito pouco”, disse.

“Então havia esse estudo de que o árbitro estando mais perto do lance, aconteceriam menos faltas e o jogo corria mais. A ideia era essa, agilizar as partidas. Tanto que nós aumentamos esse tempo e foi a maior média de bola em jogo nos estaduais naqueles dois anos”, comentou Alfredo Loebeling.

E deu muito certo

Alfredo dos Santos Loebeling%2C ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla arrow-options
Facebook/Reprodução

Alfredo dos Santos Loebeling, ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla

Apesar de a dupla arbitragem ter sido usada em apenas duas edições de Campeonato Paulista, Loebeling garante que a novidade foi um sucesso. 

“Avaliação é mais do que positiva. Teve um aumento no tempo de jogo (de bola rolando) e também caiu o número de faltas. O zagueiro via que o juiz estava próximo e maneirava nas faltas. Como o cara vai reclamar do árbitro que está a 3 metro do lance? Além disso, em função da diminuição do número de faltas, aumentou o número de gols”, comentou.

E por que não seguiu para outros anos?

“Simples. Todas as ideias mandadas para Fifa foram do Eduardo José Farah (ex-presidente da Federação Paulista). E naquele ano de 2001, o Marco Polo Del Nero assumiu a FPF no lugar do Farah. E jamais o Del Nero iria dar continuidade num processo que saiu através do Farah. Jamais. O Farah saiu brigado com o Marco Polo e nunca iria acontecer”, admitou o ex-juiz.

“A ideia que se tinha é de que os dois árbitros não haviam dado certo aqui no Brasil. Mas muito pelo contrário. Deu certo, só não foi adiante em função da vaidade do Marco Polo Del Nero”, completou Alfredo Loebeling.

Conflito nas marcações dos dois árbitros

Alfredo dos Santos Loebeling%2C ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla arrow-options
TV Gazeta/Reprodução

Alfredo dos Santos Loebeling, ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla

E se os dois árbitros em campo tivessem interpretações diferentes nos lances, com divergências em suas marcações. Loebeling disse que tudo era feito com muito cuidado e profissionalismo por parte dos homens do apito.

“Era uma questão muito profissional, a Federação tomava muito cuidado. Quando via que uma dupla não foi bem, não repetia essa dupla. Cheguei a apitar com o mesmo árbitro umas três, quatro vezes”, lembrou.

Alfredo Loebeling contou também a dificuldade de trabalhar com a dupla arbitragem na final de 2001, já que ele não tinha uma boa relação com Edílson Pereira de Carvalho nos bastidores e, mesmo assim, tiveram que trabalhar juntos no Corinthians x Botafogo-SP, no Morumbi.

Leia também: Garoto fumante visto em estádio é adulto de 36 anos, afirma site

“Na final de 2001, eu não falava com o Edílson Pereira de Carvalho, a gente não tinha uma relação boa. E a Federação escalou os dois para final. Eu pensei: ‘Pô, eu não falo com o cara fora de campo, não vou falar dentro de campo’. Mas a Federação exigiu que a gente fosse o máximo profissional possível”, destacou.

“Foi um jogo difícil porque a gente não conversava, mas a abitragem foi muito bem. Foi muito profissional, apesar da relação não ser boa. No caso de dois árbitros, acho que sempre tem que colocar duas pessoas com uma melhor empatia”, concluiu.

O VAR no Brasil

Alfredo dos Santos Loebeling%2C ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla arrow-options
Facebook / Arquivo pessoal

Alfredo dos Santos Loebeling, ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla

Defensor da dupla arbitragem, Loebeling falou também sobre o árbitro de vídeo. “Sou a favor do VAR, não tenha dúvida, mas conforme protocolo da Fifa. Aqui criaram o ‘FrankVAR’, o VAR brasileiro, o Frankenstein do VAR, uma coisa própria contrária do que diz a Fifa”, avaliou.

“Aqui estamos mudando completamente o que a Fifa quer, e aí sou contra. Hoje está mais difícil. O que usamos aqui no Brasil não é o VAR da Fifa. Estamos usando em lance interpretativo, e não é esse o protocolo. Só se for um erro grosseiro, aí sim o VAR tem que intervir. Os árbitros estão se escondendo atrás do VAR. O vídeo tem que ter o mínimo de interferência”, comentou Loebeling.

Para o ex-árbitro, a VAR virou um “cabidão de emprego” dentro do futebol brasileiro, sendo que os clubes é que pagam por isso.

“São seis pessoas na cabine, mais quatro pessoas no campo, mais os técnicos de VAR. Isso em cada jogo. E aí viaja pelo Brasil inteiro, com passagem aérea, hospedagem, taxas… de uma maneira ou de outra, isso sai dos clubes e ninguém se manifesta”, finalizou Alfredo dos Santos Loebeling .

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook

Esportes

Rumo à Olimpíada, ídolo crê em medalha inédita no tênis de mesa

Avatar

Publicado

source

No masculino, são cinco atletas entre os 100 melhores do mundo, sendo um deles (Hugo Calderano) no top-10. No feminino, uma jogadora (Bruna Takahashi) está, pela primeira vez, entre as 50 do planeta. O tênis de mesa brasileiro vive a melhor fase desde a chegada ao país, em 1905, trazido por turistas ingleses. O bom momento será colocado à  prova na Olimpíada de Tóquio, no Japão, e a possibilidade de uma medalha inédita é real. Ao menos é o que avalia um dos maiores nomes da história do esporte no Brasil.

Com a experiência de seis participações olímpicas como atleta e uma como treinador, o ex-mesatenista Hugo Hoyama acredita que Calderano, hoje o sétimo do mundo entre os homens, é candidato ao pódio. Aposta também que a seleção masculina, número sete do mundo por equipes, pode surpreender.

“Ter um atleta como ele (Calderano) faz com que os outros o acompanhem. Eles sabem que, tendo-o ali, a chance existe. Motiva mais. No último Mundial (por equipes, em 2018, na Suécia), o Brasil ficou em quinto. Quem sabe, pegando uma chave boa, (a equipe) possa brigar por um pódio”, disse Hoyama à Agência Brasil, em atividade do programa Sesc Verão, na unidade da Avenida Paulista, em São Paulo. “E o Hugo é um cara para esse tipo de torneio. É acostumado a finais importantes e não sente pressão”, completou sobre o “xará” – que nos Jogos do Rio de Janeiro em 2016 repetiu sua campanha de Atlanta, nos Estados Unidos, em 1996, parando nas oitavas de final.

O tênis de mesa brasileiro estará completo no Japão, já que as seleções masculina e feminina – comandada por Hugo – venceram o Pré-Olímpico disputado em outubro do ano passado em Lima, no Peru. Cada equipe terá três atletas, sendo os dois melhores do país pelo ranking da Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF, sigla em inglês) e um indicado por critério técnico. Dos três de cada naipe, dois competirão na chave individual: o número um e uma escolha do treinador.

Entre os homens, Calderano e Gustavo Tsuboi (40º) seriam hoje os confirmados na seleção. Vitor Ishiy (56º) fez parte do trio titular no Pré-Olímpico, enquanto Eric Jouti (88º) foi o terceiro elemento do time medalhista de bronze nos Jogos Pan-Americanos, também disputados em Lima. Entre eles, há ainda Thiago Monteiro (69º), que acumula participações nos Jogos de 2004 (Atenas, na Grécia) e 2008 (Pequim, na China).

Já no feminino, pelo ranking de fevereiro, a equipe teria Bruna Takahashi (45ª) e Jéssica Yamada (150ª). Caroline Kumahara (152ª), atual número 3 do país, foi quem integrou o grupo brasileiro nos dois torneios. Hoyama deve anunciar, no início de abril, a equipe que levará para sua segunda Olimpíada como técnico. “Não é que é mais fácil ser jogador, mas, quando se é técnico, é preciso cuidar das três atletas, das adversárias, estudar mais. Mas, é legal. Como disputei na mesa, na motivação, na preparação posso ajudar bastante. Na parte tática também. Estou ali, principalmente, para ajudar as meninas a alcançar um sucesso”, afirmou.

“Chegar a Tóquio e conquistar uma vitória (nas disputas individuais) sobre uma top-50, top-30 ou top-20 já seria um grande resultado. Em termos de equipe, também. Pelo ranking, entre as seleções que estarão lá, nossa posição não é muito boa (25ª do mundo). E então, pode ser como no Rio e, na primeira rodada, pegar a China (1ª). Mas, não temos que esperar a sorte. Temos de nos preparar para qualquer adversário”, completou.

Do provável trio que representará a seleção feminina no Japão, a que vive melhor momento é a mais jovem delas, que caminha para a primeira participação olímpica. Não significa, porém, que Bruna Takahashi, de 19 anos, e que ganhou 29 posições no ranking nos últimos sete meses, seja inexperiente. “Para estar bem no ranking, é preciso participar dos campeonatos internacionais, ganhar jogos e ter boas colocações. É por isso que ela subiu bem. É uma menina aguerrida, joga com sangue nos olhos e vai para cima desde o primeiro saque. Lógico, a gente trabalha a paciência e a concentração dela, mas é algo que vem com a experiência”, disse o técnico.

Otimismo pós-Tóquio

Mas, e após Tóquio? A perspectiva é de uma disputa mais acirrada na seleção comandada por Hoyama. No Pré-Olímpico, por exemplo, a “número 4” do time foi Laura Watanabe, 15 anos. Já no Mundial por equipes deste ano, marcado para o período de 22 a 29 de março na Coreia do Sul, está prevista a participação de Giulia Takahashi (irmã de Bruna), 14 anos, como quarto nome. As duas costumam jogar juntas em torneios internacionais na base e, na temporada passada, chegaram a ser vice-campeãs sul-americanas entre os adultos.

“No ano passado, houve uma seletiva nacional e meninas novas chegaram às finais. Tenho certeza que, após Tóquio, duas ou três dessas atletas terão chance de lutar por vagas no próximo ciclo olímpico”, afirmou Hoyama, que vê as novas gerações em condições de se inspirar no bom momento da safra atual.

“Vejo que os jogadores de hoje têm situação melhor que na minha época. Hoje, você tem o Bolsa Atleta, os clubes investindo mais. São épocas. Pouca gente sabe, mas não é fácil o atleta se manter no alto nível. Sem, por exemplo, um patrocinador de raquete e borracha. Uma raquete boa custa entre R$ 1,5 mil e R$ 2 mil. Cada borracha sai de R$ 300 a R$ 350. Um jogador de alto nível troca de borracha toda semana. Como a maioria joga estilo clássico (utiliza os dois lados da raquete), são R$ 600, R$ 700 por semana em borracha. Os atletas da seleção (principal) já conseguem viver do esporte. E isso é legal. Mostra aos mais novos que há chances caso queiram seguir esse caminho”.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Paralimpíadas 2020: coronavírus cancela evento da bocha antecipada

Avatar

Publicado

source

O Centro de Treinamento (CT) Paralímpico de São Paulo recebe até amanhã (23) a 2ª fase de treinamento da Seleção Brasileira de Bocha Adaptada. Entre os convocados, estão oito membros da comissão técnica, 12 atletas e seis assistentes esportivos. A previsão inicial era que todos eles seguissem na segunda-feira (24) para Tóquio, para o evento-teste. Mas a crise do Covid-19 (novo coronavírus) mudou tudo.

A BISFed (entidade internacional da modalidade) informou que a Federação Japonesa (JPSA – Japan Para Sport Association) decidiu cancelá-lo. “Viemos para cá com tudo pronto para a ida a Tóquio. Bem tensos por causa da situação da saúda na China e no Oriente. O cancelamento só nos foi passado aqui mesmo no CT em São Paulo. Mas acabou sendo bom. Ninguém sabe a real dimensão que essa epidemia pode atingir. Pelo lado esportivo, a nossa ida a Tóquio ia ser muito proveitosa para o preparo da equipe quanto ao fuso horário, tempo de viagem e clima”, comentou Bianca Bargas, staff da atleta Natali de Faria (classe BC2).

“A gente já esperava alguma ação. Mas não tão perto da viagem. Quando a gente acaba uma missão, que foi a primeira etapa de treinos em janeiro, já começamos a trabalhar na próxima. Até a nossa convocação para essa etapa foi visando ao evento-teste “, afirmou Moisés Fabrício, coordenador da modalidade. “Do evento-teste só participariam os campeões continentais. Assim, nós iríamos com uma equipe mais “enxuta”, com oito atletas, três calheiros e três assistentes técnicos”, disse o dirigente.

Piso

Wagner Lima, comandante da equipe da classe BC 3 (atletas com paralisia cerebral ou não cerebral, ou de origem degenerativa), reconhece que o cuidado com a saúde dos integrantes das seleções é importante, mas mostra uma preocupação também com o lado técnico das disputas. “Não vai mudar muito o nosso cronograma de preparação. Mas seria interessante irmos até lá, principalmente para conhecermos mais o piso. Em São Paulo, treinamos no piso utilizado na “Rio 2016″. Tudo indica que o modelo será o mesmo lá em Tóquio. Mas, lá em Lima, nos Jogos Parapan-americanos, o piso foi mais rápido e tivemos um pouco de dificuldade de adaptação. Demorou um pouco até chegarmos aos 100%”, lembrou.

Próximas competições e vagas 

Antes dos Jogos Paralímpicos (previstos para o período de 29 de agosto a 5 de setembro), a seleção tem dois eventos que ainda contarão para o ranking internacional e para a definição dos participantes dos Jogos de Tóquio. De 23 a 30 de abril, será o BISFed 2020 Laval World Open, no Canadá. Entre 13 e 20 de julho, haverá o BISFed 2020 Póvoa World Open, em Portugal.

Ainda dependendo da confirmação oficial, a chegada da deleção brasileira para a aclimatação na cidade de Hamamatsu (Japão) está prevista para ocorrer entre os dias 4 e 5 de agosto. Até o momento, o Brasil já tem confirmadas nove vagas para os jogos. A classificação é para o país e não nominal. Os atletas que representarão o Brasil em Tóquio ainda serão definidos e convocados.

Surto do novo coronavírus

O coronavírus já infectou mais de 75 mil pessoas na China e mais de 1.000 em mais 25 países, incluindo o Japão. Na quinta-feira (20), duas pessoas de 80 anos, contaminadas em um navio de cruzeiro em quarentena, morreram.

 

Edição: Graça Adjuto

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana