conecte-se conosco


Economia

Governo é adversário, mas sustentabilidade cresce entre as empresas

Publicado

source

IstoÉ Dinheiro

desmatamento na Amazônia arrow-options
Amazônia.org
Enquanto o desmatamento cresce no governo Bolsonaro, empresas adotam práticas mais sustentáveis e lucram com isso

Com o desmatamento crescendo a ritmos alarmantes na Amazônia, surge uma luz no fim da mata: mercado financeiro começa a buscar práticas mais sustentáveis. Há vários – e bons – exemplos. A BrasilPrev, maior empresa de planos de previdência do Brasil, acaba de lançar fundos cuja estratégia de investimentos vai seguir critérios ambientais, sociais e de governança (ASG). A gestora de recursos Votorantim Asset Management, por seu turno, voltou a ser signatária dos Princípios para o Investimento Responsável (PRI). E a Marfrig, gigante do setor alimentício, emitiu, em julho, US$ 500 milhões em títulos sustentáveis.

A meta da BrasilPrev é de que esses fundos funcionem como um catalisador de oportunidades de investimento no segmento ASG. “Algumas empresas abertas já testaram o mercado de capitais com a emissão de títulos verdes e sustentáveis, mas queremos atrair empresas de menor porte”, diz Marcelo Wagner, diretor financeiro da companhia.

Leia também: Amadorismo do governo paralisa negócios de mais de R$ 100 bilhões; entenda

“Queremos mostrar ao mercado que há um agente importante disposto a investir em ativos dessa natureza.” Como há poucos ativos brasileiros com essas características, os primeiros passos da BrasilPrev para colocar sua estratégia em prática vão depender de produtos globais. A saber, quatro fundos negociados em bolsa, os Exchange Traded Funds (ETF), que replicam índices com ações de empresas aderentes aos critérios ASG. À medida em que houver mais alternativas domésticas, o capital será investido nelas.

A Votorantim Asset Management também está de olho nesse mercado. Com R$ 45 bilhões em ativos e ocupando a décima-terceira posição no setor, a companhia está avaliando retornar a esse negócio, que abandonou por um breve período. “Estamos avaliando montar um fundo voltado apenas para emissões verdes”, diz Rafael Fornari, diretor comercial da empresa. Segundo ele, a gestora voltou a ser signatária do PRI, em julho.

Ela havia aderido ao programa no início da década, deixou de participar por dois anos, mas agora retornou ao caminho verde. “Esse intervalo nos fez ter certeza de que o investimento socialmente responsável gera valor, sim”, declara Fornari. Agora, a Votorantim Asset passou a incluir também o filtro ASG na sua análise de risco. Com isso, os fundos decidiram, por exemplo, não comprar um Certificado de Recebível Imobiliário (CRI) pela emissão estar relacionada a um terreno poluído.

Veja Também  Décima sexta rodada de licitação da ANP terá 17 empresas

TÍTULOS VERDES O movimento dos investimentos ecologicamente corretos não se limita aos administradores de dinheiro, mas também vem ganhando importância entre as companhias abertas, que já emitiram cerca de R$ 20 bilhões em títulos verdes, nos últimos cinco anos. A captação da Marfrig foi a mais recente. A demanda foi boa, cerca de US$ 1,5 bilhão, ou o triplo do valor efetivamente captado. Com isso, a companhia conseguiu obter maior prazo em suas emissões globais. Os títulos vencem só daqui a 10 anos, em 2029. Os juros também estiveram entre os mais baixos já pagos pela empresa, com uma taxa fixa de 6,6% ao ano. O apetite foi grande, mas veio quase que totalmente de investidores americanos, europeus e asiáticos. “A demanda por produtos como esse ainda é muito baixa no Brasil”, diz Marco Spada, vice-presidente de finanças e de relações com investidores da Marfrig.

Brumadinho devastada: desastres ambientais, como o da Vale, em Minas Gerais, ajudaram a colocar em pauta a importância do investimento ASG (Crédito:Douglas Magno / AFP)


Com os recursos, a companhia vai comprar gado, seguindo critérios específicos, visando um controle sobre desmatamento, não utilização de terras indígenas e erradicação do trabalho escravo e infantil. Segundo Spada, a intenção é mostrar aos investidores que a Marfrig está atenta aos aspectos ambientais e sociais que a cercam.

Leia também: Confira as capitais e regiões que gastam mais com Previdência no Brasil

“Num momento como o que vivemos, com diversas notícias sobre o tema, a emissão é extremamente importante, pois mostra que as empresas do setor não estão desmatando as florestas”, diz. Segundo ele, o principal ganho que uma postura como essa traz é o de melhorar a imagem da companhia. Para a empresa, é mais caro fazer uma operação seguindo critérios ASG, uma vez que ela tem de seguir os controles devidos para garantir, nesse caso, a compra de gado certificado. “Não há um prêmio de risco acrescido ao título por ele seguir os critérios ASG, o que dificulta o desenvolvimento do mercado entre os investidores”, diz Spada.

MARCHA À RÉ Apesar das iniciativas listadas, a indústria ASG perdeu espaço no Brasil nos últimos anos. Segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), o percentual de empresas do setor que adotam critérios ASG na gestão diminuiu de 38,3%, em 2016, para 32,9%, em 2018. Do patrimônio próximo de R$ 5 trilhões da indústria brasileira de fundos, menos de R$ 1 bilhão (0,02%) são de veículos dedicados ao assunto. Lá fora, a cifra dos investimentos ASG gira na casa dos US$ 30 trilhões. “Isso mostra que a prática por aqui não decolou”, diz o especialista Gustavo Pimentel, da consultoria Sitawi.

Veja Também  Educação, Economia e Defesa vão receber 65% dos recursos desbloqueados

Os dados contrastam com o início promissor desse mercado no País na primeira metade da década passada. À época, foram lançados vários produtos, como o fundo Ethical, do então banco Real, em 2001, e o Fundo Itaú de Excelência Social, em 2004. No ano seguinte, a Bovespa lançou o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), que existe até hoje. O movimento, no entanto, não prosperou. “As gestoras de recursos se esforçaram para desenvolver capacidades ASG, mas o retorno comercial foi muito baixo”, afirma Pimentel.

Há dois anos, isso começou a mudar. Catástrofes, como as provocadas pela Vale nas cidades mineiras de Mariana e de Brumadinho, doeram no bolso dos investidores e colocaram a sustentabilidade de novo em pauta. “Sempre que ocorrem desastres ambientais ou sociais causados por corporações, a tese de que os investimentos ASG agregam valor à carteira ganha força”, afirma Pimentel.

Marco Spada, vice-presidente de finanças e RI da Marfrig: “A emissão é extremamente importante, pois mostra que as empresas do setor não estão desmatando as florestas” (Crédito:Divulgação)


As evidências empíricas mostram que os investidores não precisavam ter esperado tanto. “A preocupação com aspectos ASG gera valor ao acionista no longo prazo, com um menor nível de volatilidade”, diz Sonia Favaretto, diretora de sustentabilidade da B3. Basta comparar a diferença de desempenho entre o Ibovespa e o ISE nos últimos anos. Mesmo com o desempenho positivo, o ETF que replica o ISE não recebeu grande atenção dos investidores. O patrimônio dos ETF vinculados a ele soma apenas R$ 21,1 milhões.

Leia também: Seu currículo é avaliado em 8 segundos; saiba quais palavras podem te ajudar

A B3 está preparando mudanças na metodologia para escolher as empresas que fazem parte do ISE – os papéis da Vale, por exemplo, foram retirados da carteira, após a tragédia em Brumadinho, em janeiro deste ano. Até agora, para compor o índice, a B3 leva em consideração as respostas das empresas e documentos comprobatórios. A partir do ano que vem, com a ajuda de big data e inteligência artificial, a B3 vai analisar dados públicos referentes às empresas para incluir na avaliação.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook

Economia

Petróleo: Brasil e mundo sentem o impacto dos drones sobre a Arábia Saudita

Publicado

source

IstoÉ

ACUSAÇÃO Sauditas culparam o Irã pela ação e apresentaram pedaços dos drones que foram recuperados


Líder na exportação mundial de petróleo, a Arábia Saudita foi surpreendida no último sábado (14) por ataques que comprometeram metade da sua produção. Uma série de drones atingiu a refinaria de Abquaiq, a maior do mundo, e os campos de Khurais.

A ação fez disparar os preços do petróleo e aumentou a incerteza sobre a economia mundial, que está em desaceleração. O papel da Arábia Saudita como regulador do mercado mundial de petróleo passou a ser visto com reserva.

Trump impõe sanções contra o Banco Central do Irã após ataque na Arábia Saudita

Isso pode atrair o interesse pela exploração em áreas mais seguras, o que pode favorecer indiretamente o Brasil, com o pré-sal adquirindo mais importância como fronteira estratégica da commodity.

Efeitos no Brasil

Essa valorização do pré-sal não é a única implicação no Brasil. Os ataques colocam à prova a política de preços da Petrobras , que alinha o valor de combustíveis no País com os praticados no exterior.

O receio é que volte a interferência política para brecar o aumento da gasolina e do diesel — a principal preocupação é pela ameaça de greve dos caminhoneiros .

Chanceler do Irã promete ‘guerra total’ se EUA ou Arábia Saudita atacarem

Além disso, também fica em risco o plano de quebrar o virtual monopólio da estatal no refino. Isso ocorre porque as refinarias que estão sendo vendidas pela companhia tornam-se menos atraentes para investidores se houver insegurança comercial.

Veja Também  Equipe de Guedes avalia congelar salário mínimo para economizar R$ 35 bilhões

Questionado, o ministro Paulo Guedes se esquivou e declarou que “esse petróleo aí é da Petrobras”. De início, a empresa disse que não faria um reajuste imediato. Na quarta-feira, subiu a gasolina em 3,5% e o diesel, em 4,2%.

O Ministério das Minas e Energia anunciou a criação de um gabinete de crise para acompanhar a situação. Esse é um teste não só para a Petrobras, mas para os rumos da política econômica de Guedes. 

Efeitos na economia global

O acontecimento do fim de semana levou o mundo a temer um novo choque do petróleo . Na segunda-feira, os preços subiram quase 20%, o maior salto em quase 30 anos.

Preço da gasolina sobe 3,5% e do diesel tem alta de 4,2%, anuncia Petrobras

Essa alta foi parcialmente revertida nos dias seguintes, quando a estatal saudita Aramco afirmou que poderia restaurar cerca de 70% do fluxo de 5,7 milhões de barris diários.

Além disso, o país estaria apto a retomar sua produção até o final do mês. Há dúvidas sobre a extensão dos danos e a capacidade de restabelecimento saudita, mas as declarações foram suficientes para acalmar os mercados e reduzir o preço do barril. 

O Brent, referência internacional, estava 6% superior ao preço pré-ataque na última quarta-feira, mas 13,5% inferior ao pico registrado esse ano, em maio.

O ataque foi reivindicado pelos rebeldes houthis, do Iêmen, que lutam contra uma coalizão liderada pela Arábia Saudita na guerra civil do país. Mas a Arábia Saudita responsabilizou o Irã — os dois países são inimigos históricos e estão em lados opostos no conflito.

Veja Também  Com Amazon Prime, gigante norte-americana entra de vez no mercado brasileiro

Autoridades sauditas apresentaram drones que teriam sido usados na ação. Afirmaram que são equipamentos iranianos vindos do norte, o que exclui a origem no Iêmen (que fica ao sul).

Além disso, disseram que as milícias houthis não possuem equipamentos capazes de percorrer uma distância de 700 quilômetros. O secretário de Estado americano Mike Pompeo também responsabilizou o Irã e chamou o ataque de um “ ato de guerra ”.

O presidente Donald Trump , por outro lado, foi mais cauteloso. Não acusou os iranianos diretamente, evitando a pressão doméstica para que agisse militarmente contra o país. Ao invés disso, determinou o aumento de sanções contra os iranianos.

A escalada é um desafio para Trump. Depois de abandonar o acordo nuclear internacional com o Irã, os EUA têm ampliado suas sanções econômicas que visam estrangular as exportações de petróleo iranianas.

O Golfo Pérsico , que concentra um terço das exportações mundiais de petróleo, registra tensões crescentes desde o ano passado e tornou-se palco de ataques.

O incidente expôs a vulnerabilidade da Arábia Saudita em proteger suas instalações, apesar de o país ser um dos maiores compradores mundiais de armamentos — a maior parte fornecida pelos EUA.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Governo desbloqueia R$ 8,3 bilhões do Orçamento e R$ 1,99 bi vão para educação

Publicado

source

Agência Brasil

Paulo Guedes arrow-options
José Cruz/Agência Brasil – 3.7.19
Desbloqueio do Orçamento foi divulgado pelo Ministério da Economia, liderado por Paulo Guedes

O governo desbloqueou R$ 8,3 bilhões do Orçamento deste ano. A informação consta do Relatório Bimestral de Receitas e Despesas, que foi divulgado nesta sexta-feira (20) pelo Ministério da Economia.

MP da Liberdade Econômica é sancionada: veja principais mudanças

O relatório bimestral orienta a execução do Orçamento Geral da União com base na revisão dos parâmetros econômicos e das receitas.

Quando as receitas caem, o governo tem que fazer bloqueios para cumprir a meta de déficit primário – resultado negativo nas contas do governo sem os juros da dívida pública – de R$ 139 bilhões para este ano.

Rio e São Paulo podem ter perdas de R$ 12 bilhões com a reforma tributária

No relatório divulgado em julho, o valor contingenciado do Orçamento de 2019 chegou a R$ 31,225 bilhões.

A liberação de hoje foi possível devido à melhora na previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) , soma de todos os bens e serviços produzidos no país, de 0,81% para 0,85%, neste ano, à expansão da arrecadação e ao aumento de receitas de dividendos e participações em empresas estatais.

Veja Também  Como evitar golpes na hora de sacar o FGTS? Caixa orienta

Na última terça-feira (17), o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni , já havia antecipado que o descontingenciamento ficaria em torno de R$ 8,3 bilhões.

Entre os ministérios , o que teve maior liberação foi o da Educação, com R$ 1,99 bilhão, seguido por Economia (R$ 1,75 bilhão) e Defesa (R$ 1,65 bilhão).

Fundo da Lava Jato

Alexandre de Moraes arrow-options
Rosinei Coutinho/SCO/STF
Ministro do STF, Alexandre de Moraes determinou que o Fundo da Lava Jato fosse usado para a preservação da Amazônia e educação

Além desse valor do descontingenciamento, na liberação de recursos do orçamento também foram considerados R$ 2,661 bilhões referentes à multa paga pela Petrobras às autoridades brasileiras após um acordo junto ao governo dos Estados Unidos (fundo da Lava Jato).

Na última terça-feira (17), o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes homologou acordo para destinar R$ 1 bilhão para a preservação da Amazônia, e R$ 1,6 bilhão para a área de educação.

Ministério da Economia garante que salário mínimo será corrigido pela inflação

Esse valor do fundo da Lava Jato está incluído na reserva orçamentária, com o total de R$ 3,275 bilhões. Além dos recursos da Petrobras, o desbloqueio classificado como reserva tem mais R$ 613,868 milhões.

Veja Também  Educação, Economia e Defesa vão receber 65% dos recursos desbloqueados

O governo também liberou R$ 83,538 milhões para os demais Poderes e R$ 799,659 milhões de emendas impositivas (individuais e bancadas estaduais). No total, a liberação chegou a R$ 12,459 bilhões.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana