conecte-se conosco


Política Nacional

Bolsonaro parabeniza equipe que representou país nos jogos de Lima

Publicado

O presidente Jair Bolsonaro parabenizou nesta terça-feira (13) os atletas brasileiros pelo desempenho nos Jogos Pan-Americanos de Lima, encerrados no último domingo. Em terras peruanas, a delegação brasileira emplacou o melhor desempenho de sua história, com 171 medalhas; sendo 55 de ouro, 45 de prata e 71 de bronze.

Bolsonaro usou o Twitter para congratular os esportistas e reforçar a participação de atletas vinculados às Forças Armadas, que conquistaram 54,39% do total de medalhas do Brasil nos jogos.

“Parabéns aos nossos atletas que representaram o Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019. Segundo lugar no quadro de medalhas com 55 ouro, 45 prata e 71 bronze, o melhor desempenho de nossa história”, escreveu o presidente na rede social.

Dos 485 atletas, 138 são integrantes do Programa Atletas de Alto Rendimento (PAAR) das Forças Armadas. Destes, 93 subiram ao pódio. Além disso, vários beneficiários do Bolsa-Atleta também foram a Lima. No Time Brasil, 333 recebem o benefício, para auxiliar na preparação para competições e treinamentos.

 

Veja Também  Indagado sobre permanência de Aécio no PSDB, Frota diz que PSL tem Queiroz

Saiba mais

Edição: Aline Leal
Fonte: EBC Política
Comentários Facebook

Política Nacional

Apresentado relatório de PEC que impede embaixadores não diplomatas

Publicado

source
Eduardo Bolsonaro arrow-options
Jorge William / Agência O Globo
O Ministério Público de Contas irá investigar se a Presidência e o Congresso possuem mecanismos para evitar casos de nepotismo e de funcionários fantasmas.


Apenas servidores integrantes da carreira diplomática poderão ser indicados para chefes de missão diplomática de caráter permanente nas embaixadas. Esse é o objetivo de um substitutivo à PEC 118/2019, que acaba de ser apresentado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Ainda não há previsão de data para votar a matéria, cuja autoria é do senador Alvaro Dias ( Podemos -PR), devido à ampla agenda de debates na comissão sobre as reformas da Previdência e tributária.

A proposta original previa mudanças no artigo 52 da Constituição , que trata das competências privativas do Senado Federal. No entanto, o substitutivo de Randolfe à PEC 118/2019 propõe a restrição às indicações diplomáticas no artigo 84, que trata das competências privativas do presidente da República.

Leia também: Vai voltar atrás? Bolsonaro admite rever indicação de Eduardo para embaixada

A mudança foi necessária, porque a indicação de embaixadores é uma atribuição do chefe do Executivo, cabendo ao Senado apenas aprovar ou rejeitar a escolha dos chefes de missão diplomática.

Veja Também  Bolsonaro diz que Brasil vai vencer a crise econômica mundial

Em nota à Agência Senado , Randolfe declarou que, caso a proposta seja aprovada, as indicações de pessoas que não sejam da carreira diplomática sequer serão enviadas ao Senado.

Como mencionado na justificação da PEC, a lei que regulamenta a carreira de representantes do Brasil no exterior (Lei 11.440/2006) já limita a indicação de embaixadores a ministros de Primeira ou Segunda Classe dos quadros da carreira diplomática.

Leia também: Presidente do PSL cita Idade Média para justificar Eduardo em embaixada nos EUA

A lei, porém, abre possibilidade para designação de brasileiro nato não pertencente ao corpo funcional do Ministério das Relações Exteriores. Para Randolfe, o que deveria ser uma excepcionalidade acabou tendo um limite muito amplo e bastante subjetivo. É essa situação que a PEC busca corrigir.

“Não é admissível que as indicações para cargos de tamanha importância, e que requerem alto grau de especialização fiquem livres para serem utilizadas como moeda de barganha, prêmios, ou para agradar pessoas próximas ao governo do momento” defende o senador.

Veja Também  Bolsonaro diz que não fará demarcação de terras indígenas

Voto aberto

Leia também:  Eduardo Bolsonaro pede apoio de empresários para virar embaixador nos EUA

Na sessão plenária da última quarta-feira (14), Randolfe defendeu o voto aberto em todas as deliberações do Senado, mas, especialmente, nos casos de indicações de embaixadores. Para o senador, a prática deve ser aplicada principalmente quando a Casa decidir sobre o nome de Eduardo Bolsonaro para a Embaixada brasileira nos Estados Unidos, caso Jair Bolsonaro o confirme. O líder da Rede considerou o caso um “exemplo claro de nepotismo”.

— Vem muito a calhar a cobrança do voto aberto, vem muito a calhar. Eu acho que é do momento atual. Porque não se trata da indicação de qualquer embaixador, se trata do presidente da República num ato claro de ofensa às instituições republicanas, querer fazer a escolha de um parente seu utilizando as pressões do cargo.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Ex-ministro defende reforma da Previdência “em construção há 25 anos”

Publicado

O ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa defendeu, hoje (20), a reforma da Previdência afirmando que é necessária porque a população está envelhecendo, e para fazer justiça devido ao aumento do déficit fiscal. Ele participa de audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

Barbosa lembrou que a reforma do sistema previdenciário está em construção há 25 anos. “A reforma da Previdência é um processo. O [ex-presidente] Fernando Henrique [Cardoso] fez medidas, o [ex-presidente Luiz Inácio] Lula fez medidas, a [ex-presidente] Dilma [Roussef] fez medidas, o [ex-presidente Michel] Temer tentou fazer medidas e este governo agora apresentou uma proposta. Então, é um processo em construção há 25 anos. Nós estamos em uma etapa muito importante desse processo”, disse.

“Se nós estamos vivendo mais, para nós termos a mesma aposentadoria por mais tempo, é preciso contribuir mais, ou por mais tempo, ou com valor maior, ou uma combinação dos dois”, defendeu.

Segundo Barbosa, no sistema atual “as pessoas com maior renda se aposentam em condições relativamente mais favoráveis que as pessoas com menor renda. Não é culpa do governo A, B ou C, é uma construção de décadas, mas é uma construção que tem que ser mudada, no sentido de haver mais igualdade”.

Barbosa destacou ainda que a Previdência tem um déficit crescente. “Não há problema em a Previdência ter um déficit, porque a Constituição diz que o Tesouro pode arcar com uma parte do custo da Previdência. O problema é a Previdência ter um déficit que explode. Aí ele é insustentável. Então, também é preciso mudar por isso”, afirmou.

Veja Também  Bolsonaro diz que Brasil vai vencer a crise econômica mundial

Mudanças

O ex-ministro propôs mudanças no texto aprovado na Câmara dos Deputados. Ele lembrou que a Câmara manteve o tempo mínimo de contribuição em 15 anos para quem já está no sistema atual e subiu para 20 anos para quem entrar no mercado de trabalho após a reforma. “Acho isso um equívoco, porque vários trabalhadores de baixa renda têm dificuldade de comprovar o vínculo por 15 anos. Então, o que acontece? Os trabalhadores acabam se aposentando pelo BPC [Benefício de Prestação Continuada], por aquele benefício de menor renda”, disse.

Para ele, a reforma deveria manter o tempo mínimo de 15 anos para todos, mas quem contribuir mais, ganha mais. “Se é 15 anos para todos, cada ano adicional acima de 15 te dá dois pontos percentuais, de modo que a pessoa chega a 100% do benefício com 35 anos de contribuição, como é hoje”, defendeu.

Barbosa sugeriu “dar um bônus para aqueles que, se assim quiserem e puderem contribuir mais, tenham um aumento de seu valor da aposentadoria”.

“Nos Estados Unidos, se você contribuir um ano a mais, você vai aumentando o valor da aposentadoria até que você possa chegar ao máximo 120% da média das contribuições, se você adiar por cinco anos”, acrescentou.

Barbosa defendeu ainda que é preciso preservar o piso do salário mínimo para a pensão por morte. Ele lembrou que a Câmara propôs que se o beneficiário não tiver nenhuma renda, então ele ganha um salário mínimo. “Só que aí vem aquela questão, como é que se vai comprovar essa renda? Vai ter o custo de fiscalização. Eu acho mais simples e mais justo manter que todo mundo tem que ter uma pensão no mínimo de um salário mínimo. Se a pessoa tiver duas pensões, já há aquela outra regra para lidar com acúmulo”, disse.

Veja Também  Indagado sobre permanência de Aécio no PSDB, Frota diz que PSL tem Queiroz

Servidores

Para o coordenador da Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público (Frentas), Ângelo Fabiano da Costa, a reforma tem “alguns aspectos extremamente duros para trabalhadores do Regime Geral de Previdência Social e também para os servidores públicos brasileiros”.

Costa destacou que já houve mudanças na previdência de servidores. Ele lembrou que desde 2003, os servidores públicos federais não se aposentam mais com integralidade, e há atualmente a previdência complementar. “A forma como a alíquota está sendo majorada para o serviço público chega a ser extremamente dura e confiscatória. Hoje um servidor público federal, em qualquer patamar, já por ganhar em algumas situações mais do que o teto do Regime Geral, ele paga mais proporcionalmente. A dinâmica da tributação da contribuição previdenciária é diferenciada com relação à dinâmica do Imposto de Renda, que é por faixa salarial”, argumentou.

Mais cedo, o secretário especial de Trabalho e Previdência do Ministério da Economia, Rogério Marinho, disse que a reforma da Previdência é necessária para recuperar a confiança na economia.

 
Edição: Fernando Fraga
Fonte: EBC Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana