conecte-se conosco


Internacional

Apesar de derrota nas urnas, Macri acredita que pode reverter situação

Avatar

Publicado

Após as eleições primárias do domingo (11) apontarem uma vitória em primeiro turno de Alberto Fernández e Cristina Kirchner, o presidente Mauricio Macri manteve o tom de campanha, disse que ainda é possível reverter a situação e levar as eleições a um segundo turno. Ontem (12),  o mercado reagiu ao resultado das primárias argentinas. O dólar disparou, chegando a custar 60 pesos argentinos.  

As eleições gerais ocorrerão no dia 27 de outubro. Nas primárias, que servem como uma pesquisa nacional, a chapa de Alberto Fernández e Cristina Kirchner obteve 47% dos votos, contra 32% de Macri.

Para vencer em primeiro turno, Fernández precisa conseguir 45% dos votos ou 40% e dez pontos de vantagem em relação ao segundo colocado.

O atual presidente, em uma coletiva de imprensa na Casa Rosada, disse que acredita que vai levar as eleições a um segundo turno. “Vamos reverter a eleição. A mudança vai continuar”, disse.

Quanto ao resultado negativo dos mercados e a subida do dólar, o presidente demonstrou preocupação. “Isso é apenas uma mostra do que pode acontecer. O mundo vê isso [a vitória da oposição] como o fim da Argentina”.

Veja Também  Principal porto francês de contêineres é bloqueado durante protesto

Crise argentina

Independentemente do vencedor nas eleições gerais do dia 27 de outubro, o próximo presidente herdará um país com uma economia em recessão, com alta taxa de inflação (fechou 2018 em 47% e o primeiro semestre de 2019 em 22%) e com 32% dos argentinos na pobreza. 

Além disso, o eleito no próximo pleito ainda deverá cuidar da relação com o Fundo Monetário Internacional (FMI), com quem o país firmou uma série de compromissos em troca de um empréstimo de US$ 57 bilhões.

Edição: Fábio Massalli
Fonte: EBC
Comentários Facebook

Internacional

Conferência do Clima termina sem unanimidade europeia

Avatar

Publicado

A cúpula de chefes de Estado e de Governo terminou sem unanimidade sobre o Pacto Verde Europeu. O objetivo inicial da Comissão Europeia era alcançar a neutralidade carbônica em 2050, ou seja, os países do bloco se comprometeriam a emitir apenas a quantidade de dióxido de carbono que conseguem absorver.

Dos 27 países, 26 aprovaram a proposta e a Polônia ficou de fora do acordo. O posicionamento polaco não bloqueia as negociações, apenas demonstra que o país não quis garantir que atingiria a meta. A decisão da Polônia deve voltar a ser discutida na Cúpula Europeia marcada para junho de 2020.

O primeiro-ministro português, Antonio Costa, disse que ficou 90% satisfeito com as conclusões do encontro. “Portugal, que tinha sido o primeiro país do mundo a assumir esse compromisso, hoje está bastante bem acompanhado no seio da UE”, afirmou na saída da reunião de líderes europeus que durou nove horas. Para Costa, o posicionamento da Polônia deve ser revisto em junho, quando autoridades polacas vão avaliar “e esse país já está em condições de assumir esse compromisso”.

Veja Também  Conferência do Clima termina sem unanimidade europeia

A ministra do Ambiente da Espanha, Teresa Ribera, alertou que as nações participantes andam em diferentes velocidades. Segundo ela, enquanto alguns países querem acelerar e aumentar a ambição das metas, outros não querem sair do que já se debate há quatro anos, quando foi assinado o acordo de Paris.

Durante uma das suas intervenções no plenário da COP25, o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, afirmou que cabe aos países mais poluentes tomar a dianteira, cumprir e reforçar os seus compromissos para limitar o aquecimento global até ao fim do século a 1,5 graus acima do que se verificava na era pré-industrial.

Guterres usou ainda sua conta na rede social Twitter para desafiar os países a transmitirem “mensagens ambiciosas” alinhando os objetivos climáticos e pediu “espírito de compromisso” para uma “conclusão satisfatória” dos regulamentos do Acordo de Paris.

Edição: Carolina Gonçalves
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

Após eleições, Trump promete acordo mais lucrativo com Reino Unido

Avatar

Publicado

O presidente norte-americano Donald Trump postou hoje (13) mensagem no Tweeter dando os parabéns a Boris Johnson pela vitória nas eleições gerais no Reino Unido. Trump afirmou que o “Reino Unido e os Estados Unidos estarão agora livres para fazer um novo acordo comercial após o Brexit”.

Segundo Trump, o acordo entre as duas nações “tem o potencial de ser muito maior e mais lucrativo do que qualquer acordo que possa ser feito com a União Europeia”. “Comemore Boris”, disse o presidente Trump na mensagem.

Eleições

Antes do final da apuração, por volta das 8h30 (5h30 horas, em Brasília), o Partido Conservador  já tinha a maioria com 364 assentos no Parlamento, enquanto seu principal adversário, o Partido Trabalhista, estava com 203. A essa altura, faltava apenas uma cadeira a ser preenchida, dos 650 assentos.
Johnson se tornou primeiro-ministro em julho de 2019, sem ganhar uma eleição, após Theresa May renunciar ao cargo, por não conseguir aprovar seu acordo para o Brexit após três tentativas.

As eleições legislativas no Reino Unido estavam previstas apenas para 2022, mas Johnson decidiu antecipá-las após perder a maioria no Parlamento em setembro, com a rebelião de 21 deputados de seu partido. Inicialmente seu pedido foi rejeitado por três vezes, até que, finalmente, no dia 29 de outubro, os parlamentares concordaram em realizar o pleito em 12 de dezembro.

Veja Também  EUA podem adiar imposição de tarifas sobre China

Com a ampla maioria conquistada pelo Partido Conservador nestas eleições, Johnson fica em uma posição muito mais confortável para conseguir promover a saída do Reino Unido da União Europeia em 31 de janeiro de 2020, como sempre prometeu.

 

Edição: José Romildo
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana