conecte-se conosco


Nacional

Mudanças climáticas ameaçam produção de alimentos, alerta ONU

Avatar

Publicado

source

Agência Brasil

plantação arrow-options
shutterstock

O aquecimento global poderá fazer com que os níveis de nutrientes nas plantações diminua e afete a saúde das pessoas

Um relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) publicado nesta quinta-feira (8) focaliza a conexão entre o uso da terra e seus efeitos sobre a mudança climática.

Leia também: Nível do mar começou a subir antes do que se imaginava

O documento destaca como, em uma espécie de círculo vicioso, solos e florestas doentes agravam as mudanças climáticas , que, por sua vez, causam impactos negativos na saúde das florestas e do solo.

As conclusões do IPCC são resultado de dois anos de trabalho de 103 peritos de 52 países, que participaram voluntariamente do estudo. Antes do seu lançamento, o relatório foi discutido com os governos no início de agosto em Genebra, na Suíça, e aprovado por consenso por todos os países que participam do IPCC.

Acordo de Paris

O relatório aponta que, se o aquecimento global ultrapassar o limite de 2º Celsius estabelecido pelo Acordo de Paris , provavelmente as terras férteis se transformarão em desertos, as infraestruturas vão se desmoronar com o degelo do permafrost e a seca e os fenômenos meteorológicos extremos colocarão em risco o sistema alimentar.

É um quadro sombrio, mas os autores do IPCC enfatizam que as recomendações do relatório poderiam ajudar os governos a prevenir os piores danos, reduzindo a pressão sobre a terra e tornando os sistemas alimentares mais sustentáveis, enquanto atendem às necessidades de uma população crescente.

“Minha esperança é que este relatório tenha algum impacto sobre como consideramos a terra no contexto das mudanças climáticas e sobre as políticas que promoverão a gestão sustentável da terra e sistemas alimentares sustentáveis”, afirmou Alisher Mirzabaev, coautor do relatório do IPCC.

Leia também: Recursos naturais estão esgotados para esse ano, diz ONG

Solos e florestas

Os solos e as florestas são aliados perfeitos contra as alterações climáticas. Eles atuam como sumidouros de carbono, reservatórios naturais que impedem que o CO2 chegue à atmosfera.

Como aponta Barron Joseph Orr, cientista chefe da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação, a gestão insustentável os transforma no oposto: em grandes contribuintes para as mudanças climáticas.

Da área terrestre do mundo que não é coberta por gelo, cerca de 70% já estão sendo usados para a produção de alimentos, têxteis e combustíveis. Os ecossistemas como as pradarias são fundamentais para um clima estável, embora sejam muitas vezes ignorados.

Estas vastas áreas, que em grande parte são desprovidas de árvores e arbustos, atuam como grandes sumidouros de carbono. Elas também permitem que o gado paste sem que seja realizado o corte de árvores. A tendência de usar essas terras para lavouras significa uma maior liberação de CO2 para a atmosfera.

“Enquanto é dada muita atenção às florestas, savanas e pradarias são uma paisagem que devemos abordar urgentemente”, afirmou João Campari, líder global para a prática de alimentos da WWF Internacional. “Mais de 50% da conversão para a produção frutífera ocorrem em pradarias e savanas.”

Leia também: Mundo registra temperaturas mais altas dos últimos 2 mil anos, aponta estudo

As turfeiras, por exemplo, tipo de área úmida que cobre apenas 3% da superfície terrestre, são outro importante sumidouro de carbono, mas constituem até 5% das emissões globais anuais de CO2. Cerca de 15% das turfeiras conhecidas já estão destruídas ou degradadas.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook

Nacional

Cerca de 9 mil pessoas estão desalojadas em Itaperuna por conta das chuvas

Avatar

Publicado

Fortes chuvas castigam a cidade de Itaperuna arrow-options
reprodução / Twitter

Fortes chuvas castigam a cidade de Itaperuna

Cerca de 9 mil pessoas estão desalojadas na cidade de Itaperuna devido às fortes chuvas que assolam as regiões Norte e Noroeste do estado do Rio nos últimos dias. O número de desalojados corresponde a quase 10% da população local. Não há, no entanto, registro de pessoas desaparecidas ou feridas gravemente até o momento. Segundo a Defesa Civil da cidade, 11 famílias estão desabrigadas e estão recebendo o apoio da prefeitura.

Leia também: Mortes em decorrência das chuvas em Belo Horizonte e região chegam a 14

– O nível do Rio Muriaé subiu bastante na madrugada de sexta para sábado. Já está em quase 6 metros. Enviamos um alerta vermelho para a população na sexta-feira. É muita água. Nossa previsão é de que a água continue subindo até a noite de domingo. Todo o equipamento da prefeitura está à disposição no momento. Criamos um gabinete de crise na semana passada, já vinhamos monitorando e traçando metas. Preparamos as escolas para abrigar as pessoas, com assistente sociais e psicólogos – diz Franciney Luiz de França, secretário da Defesa Civil de Itaperuna.

A situação das chuvas também preocupa municípios vizinhos. Segundo a Rádio Itaperuna, a cidade de Bom Jesus de Itabapoana já contabiliza 22 famílias desabrigadas até o momento. Em Porciúncula, a Cedae teve de interromper temporariamente o funcionamento da estação de tratamento de água da cidade devido nível elevado de água do Rio Carangola. Os municípios de Italva, Laje do Muriaé, Natividade e Cardoso Moreira também estão afetados por conta das chuvas.

CHUVAS EM MINAS GERAIS

As chuvas em Minas Gerais já deixaram ao menos 14 mortos no estado. De acordo com a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas Gerais, 16 pessoas estão desaparecidas. Ao todo, 2.590 pessoas estão desalojadas e 911 estão desabrigadas. Trinta e seis cidades foram afetadas em todo o estado.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Mulher é presa transportando 5 kg de dinamite na mochila do filho de 3 anos

Avatar

Publicado

source
Mãe e filho arrow-options
shutterstock

PM diz que abordagem a mãe acompanhada por uma criança não é comum; contato com outro homem da região causou suspeita

Uma mulher de 19 anos foi presa em flagrante pelas autoridades de Anápolis (GO) após transportar uma dinamite de cinco quilos na mochila do filho, de 3 anos de idade. Abordada na rodoviária da cidade goiana após ter desembarcado de um ônibus vindo do Tocantins, a jovem segue detida e ainda não constituiu advogado de defesa.

LEIA MAIS: Chuvas causam morte de oito pessoas no Espírito Santo

De acordo com a polícia, a mulher foi vista conversando com um suspeito já conhecido da região logo após o desembarque. O tenente da Polícia Militar de Anápolis , Cláudio Gomes, contou ao UOL que a mulher – que teve sua identidade preservada – não teria sido abordada se não tivesse contato com o homem. Ele também foi revistado pelos policiais, mas acabou sendo liberado.

A mulher contou à polícia que trouxe a dinamite para Anápolis a mando de um terceiro, ao qual não revelou a identidade. Ela teria recebido o pagamento de R$ 1 mil para fazer o serviço de “ mula ”, conforme a avaliação do Tenente.

LEIA MAIS: Padrasto é preso como autor do incêndio que matou três crianças em Paraty

O filho de três anos foi encaminhado para o Conselho Tutelar, e ficará aos cuidados do órgão até que outro parente possa vir buscá-lo. A dinamite confiscada já foi explodida pelo Esquadrão de Bombas de Anápolis.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana