conecte-se conosco


Nacional

“Espero que ele não ocupe a cadeira que deixarei”, diz Marco Aurélio sobre Moro

Avatar

Publicado

Marco Aurélio arrow-options
Reprodução/STF
Ministro Marco Aurélio Mello

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello criticou o ex-juiz Sergio Moro pelos diálogos divulgados pelo site The Intercept Brasil . Em entrevista à Folha de S.Paulo , o ministro afirmou que “a máscara caiu” e disse esperar que Moro não ocupe sua cadeira na Corte em 2021. 

Leia também: Marco Aurélio diz que indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada é nepotismo

Marco Aurélio disse que continua a indagar “o que nós estaríamos a dizer se Moro tivesse mantido essa espécie de diálogo com a outra parte da defesa”, referindo-se à defesa dos réus. “Ministério Público no processo é parte e tem que ser tratado como tal. Eu espero que ele não ocupe a cadeira que deixarei em 2021”, afirmou. 

Para o ministro, “a máscara caiu” após a divulgação das conversas. Em 2021, Marco Aurélio deixa o cargo no Supremo, logo após o ministro Celso de Mello. Sendo assim, Bolsonaro – que já afirmou ter prometido uma das vagas  a  Sergio Moro – poderá fazer duas indicações para a Corte.  A outra seria para um ministro  “terrivelmente evangélico”. 

Veja Também  Funcionário do IML é demitido por suspeita de ter relações sexuais com cadáveres

Marco Aurélio também falou sobre a decisão de Dias Toffoli de suspender investigações que utilizassem dados de órgãos como o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Em entrevista à Folha , o presidente do STF afirmou que “só não quer controle do Judiciário quem quer Estado fascista”. “Subscrevo a fala dele”, afirmou Mello ao jornal. 

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook

Nacional

Quatro indígenas são assassinados no Maranhão em menos de 2 meses

Avatar

Publicado

source
Indígenas guajajaras arrow-options
Pública
Indígenas guajajaras possuem conflito com madeireiros no Maranhão

Mais um indígena foi assassinado no Maranhão , o quarto em menos de um mês e meio. Tanto a Fundação Nacional do Índio (Funai) quanto a Polícia Civil do estado confirmaram nesta sexta-feira a morte do indígena, que ocorreu em Amarante (MA), próximo à terra indígena Arariboia.

Leia também: São Paulo tem mais pessoas morando na rua que população de 457 cidades paulistas

Entidades de defesa dos direitos dos indígenas afirmam que se trata de um índio da etnia guajajara, a mesma dos outros três assassinados na região. A Funai e a polícia ainda não confirmam essa informação.

Policiais civis estão na região onde houve o assassinato para fazer uma perícia. Ainda não há mais detalhes sobre as circunstâncias da morte. Uma segunda pessoa teria morrido, conforme informações de entidades não-governamentais.

Ataques a índios guajajara na área levaram a Funai a pedir ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, autorização para o envio de tropas da Força Nacional de Segurança Pública à região. O ministro autorizou o envio da força para a terra Cana Brava, por 90 dias, e não para a Arariboia, onde são mais comuns as ofensivas de madeireiros ilegais e os conflitos entre indígenas e não indígenas.

Veja Também  Sábado fresco e chuvoso em São Paulo

Leia também: Mourão minimiza uso do AI-5 no regime militar e nega o uso da palavra ‘ditadura’

Segundo a assessoria de imprensa da Funai , ainda não há informações sobre a identidade, a etnia e as circunstâncias nas quais o índio foi morto. Fotos que circularam em grupos de WhatsApp mostram dois corpos em uma área de gramado com ferimentos compatíveis com golpes de facão. Ainda de acordo com a Funai, há confirmação de que apenas um dos mortos seja indígena.

A região onde a nova morte foi registrada é marcada pela tensão entre índios e madeireiros . O assassinato de indígenas nos últimos dois meses começaram em novembro, quando Paulo Paulino Guajajara foi morto a tiros enquanto caçava. Ele era integrante de um grupo de indígenas conhecido como “guardiões da floresta”, que tentava impedir a invasão de terras indígenas por madeireiros.

Leia também: “Fiz campanha para Bolsonaro e me arrependi”, diz hacker de Moro

No último sábado, outros dois indígenas da etnia guajajara foram mortos em um atentado no município de Jenipapo dos Vieiras (MA). Outros quatro índios ficaram feridos. Foi depois dessas mortes que Moro autorizou o envio da Força Nacional à região.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Mortes em baile de Paraisópolis aconteceram por asfixia mecânica, apontam laudos

Avatar

Publicado

source
Baile funk em Paraisópolis arrow-options
Baile do 17 / Facebook / Arquivo
Jovens foram mortos após tumulto em baile funk de Paraisópolis

A causa da morte dos nove jovens durante operação policial num baile funk em  Paraisópolis , na região Sul de São Paulo, foi asfixia mecânica indireta, segundo apurou o jornal O Globo . Os laudos necroscópicos do Instituto Médico Legal (IML) mostram que as vítimas tiveram seus corpos comprimidos por algo externo e, por isso, não conseguiram respirar. Segundo um perito criminal, a modalidade é compatível com a versão da Polícia Militar de que elas morreram pisoteadas durante tumulto.

Leia também: Governo de SP afasta mais 32 PMs envolvidos em operação em Paraisópolis

Já os laudos toxicológicos do IML mostram que os nove jovens consumiram drogas na noite da tragédia. Os exames apontam que todas as vítimas haviam usado pelo menos uma das seguintes substâncias: álcool, maconha, cocaína, drogas sintéticas e voláteis, como lança perfume e solventes. Em algumas delas, foram detectados mais de um ilícito.

Veja Também  PM encontra pés de maconha enfeitados como árvores de Natal no Espírito Santo

Na noite de quarta-feira (11), médicos legistas do IML se reuniram para discutir se as lesões identificadas nas vítimas eram compatíveis com a tese do pisoteio . A conclusão dos laudos só foi feita depois de cruzar com os resultados laboratoriais.

De acordo com o perito, embora não tenha relação direta com as mortes, o uso de drogas pode ter contribuído para que os jovens não conseguissem se proteger durante a correria. 

Além dos laudos toxicológico e necroscópico, feitos pelo IML, um levantamento pericial do local das mortes foi realizado pelo Instituto de Criminalística. Essa perícia analisa, por exemplo, as rotas de fuga usadas pelas vítimas, assim como possíveis vestígios de disparos de armas de fogo.

Leia também: Defesa diz que PM evitou “tragédia maior” em ação em Paraisópolis

Todos os laudos sobre as mortes em Paraisópolis já foram entregues para o DHPP (departamentos de homicídios), da Polícia Civil de São Paulo. O DHPP conduz as investigações a Corregedoria da Polícia Militar.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana