conecte-se conosco


Nacional

“Espero que ele não ocupe a cadeira que deixarei”, diz Marco Aurélio sobre Moro

Publicado

Marco Aurélio arrow-options
Reprodução/STF
Ministro Marco Aurélio Mello

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello criticou o ex-juiz Sergio Moro pelos diálogos divulgados pelo site The Intercept Brasil . Em entrevista à Folha de S.Paulo , o ministro afirmou que “a máscara caiu” e disse esperar que Moro não ocupe sua cadeira na Corte em 2021. 

Leia também: Marco Aurélio diz que indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada é nepotismo

Marco Aurélio disse que continua a indagar “o que nós estaríamos a dizer se Moro tivesse mantido essa espécie de diálogo com a outra parte da defesa”, referindo-se à defesa dos réus. “Ministério Público no processo é parte e tem que ser tratado como tal. Eu espero que ele não ocupe a cadeira que deixarei em 2021”, afirmou. 

Para o ministro, “a máscara caiu” após a divulgação das conversas. Em 2021, Marco Aurélio deixa o cargo no Supremo, logo após o ministro Celso de Mello. Sendo assim, Bolsonaro – que já afirmou ter prometido uma das vagas  a  Sergio Moro – poderá fazer duas indicações para a Corte.  A outra seria para um ministro  “terrivelmente evangélico”. 

Marco Aurélio também falou sobre a decisão de Dias Toffoli de suspender investigações que utilizassem dados de órgãos como o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Em entrevista à Folha , o presidente do STF afirmou que “só não quer controle do Judiciário quem quer Estado fascista”. “Subscrevo a fala dele”, afirmou Mello ao jornal. 

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Veja Também  Egípcio procurado pelos EUA desafia FBI de ter provas contra ele

Nacional

Morre Julio Bueno, ex-secretário de Fazenda do Rio

Publicado

source
Julio Bueno arrow-options
Acham / Divulgação
Julio Bueno foi vítima de um infarto fulminante

Morreu na manhã deste domingo (18), na capital fluminense, o engenheiro Julio Bueno, ex-secretário estadual de Fazenda do Rio de Janeiro. Vítima de um infarto fulminante aos 64 anos, ele deixa dois filhos, três netas e a esposa, Fátima.

Funcionário de carreira aposentado da Petrobras, Bueno foi presidente do Inmetro e da BR Distribuidora. Também atuou como secretário de Desenvolvimento Econômico do Espírito Santo durante o governo Paulo Hartung e no estado do Rio durante o governo Sérgio Cabral. 

Leia também: Jornalista Clóvis Rossi morre em São Paulo, aos 76 anos 

Em 2015, assumiu a Secretaria de Fazenda do Rio , no governo Luiz Fernando Pezão, deixando o cargo em 2016. Desde que deixou o governo, vinha trabalhando com o filho em uma consultoria de negócios.

Tricolor orgulhoso, Bueno foi candidato à presidência do Fluminense em 2010. Em 2017, lançou com a jornalista Jacqueline Farid o livro Rio em Transe, sobre os bastidores da crise financeira que atingiu o estado.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Veja Também  Egípcio procurado pelos EUA desafia FBI de ter provas contra ele
Continue lendo

Nacional

Moradores da favela da Maré pedem que Justiça interceda nas operações policiais

Publicado

source

IstoÉ

Wilson Witzel arrow-options
Guilherme Pinto / Agência O Globo
Governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) e sua política de matança nas favelas


“Um dia, eu estava na escola, no pátio, fazendo educação física. Aí, de repente, o helicóptero passou dando tiro pra baixo. Todo mundo correu para o canto da arquibancada”, escreveu um garoto. Esse é o conteúdo de uma das mais de 200 cartas anônimas enviadas em 2019 para o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro por moradores da favela da Maré para denunciar os excessos da política de segurança do governador Wilson Witzel. Em todas elas, o que se lê são histórias de violência indiscriminada. Mais: pedem respeito à favela, às crianças e aos trabalhadores. Há demonstrações de medo. E de muita tristeza.

Leia também: Evento com Witzel é interrompido por protestos: “tem que parar de matar aluno”

As cartas denunciam operações policiais em que agentes da lei entram nos barracos, sem mandato judicial, reviram tudo e agridem moradores, além de impedir o trânsito livre dentro das comunidades, inviabilizando o trabalho nas creches, escolas e postos de saúde. “A forma de bater na nossa residência já é assustadora, batem, quase derrubam a porta e fazem uma zona nas casas dos moradores que estão trabalhando. Até quando estamos em casa, somos reféns do esculacho que fazem com a gente que mora na favela ”, registra um dos textos escritos pelas crianças e enviados ao Tribunal.

Veja Também  Desembargador mantém decisão que reintegra peritos de grupo de combate à tortura

Escolas atacadas

No conjunto de favelas da Maré sobrevivem 147 mil pessoas, que solicitam socorro das autoridades desde junho de 2016, quando houve uma nefasta operação policial, no período noturno, no interior da comunidade. Uma fortuita ação do plantão judiciário impediu a continuidade desse tipo de procedimento. No ano seguinte, ocorreram 41 operações policiais cujas consequências foram vinte mortes. Os moradores entraram com uma ação civil pública para diminuir os danos causados durante as ações. Em 2018, as operações caíram pela metade, com 19 mortes. Esse ano, no entanto, o Tribunal decidiu suspender a ação argumentando que os governos democraticamente eleitos têm direito de definir suas políticas públicas de segurança, sem intervenção do Judiciário. Tragédia anunciada. No dia 6 de maio, oito jovens foram mortos com indícios de execução sumária na favela Conjunto Esperança.

Leia também: Witzel quer que usuários de drogas sejam condenados a catar lixo na praia

A ONG Redes da Maré, que produz relatórios que notificam a Ouvidoria e a Defensoria Pública do estado, juntou as 200 cartas a um documento no qual acentua a importância de a Justiça rever sua decisão e tomar alguma medida que altere a forma de atuação das forças policiais. Segundo Lidiane Malanquini, do Eixo de Direito a Segurança Pública, “a Justiça não pode se restringir apenas a um diálogo entre moradores e a policia. É importante que todo o poder público se envolva na discussão sobre políticas de segurança”.

Veja Também  Egípcio procurado pelos EUA desafia FBI de ter provas contra ele

Cartas de crianças denunciam operações policiais em que agentes da lei entram nos barracos sem mandado, reviram tudo e agridem moradores.

O governador Wilson Witzel demonstra postura rude e belicista, e sua política de segurança se baseia na lógica de guerra e no enfrentamento armado das organizações criminosas. Ao cercar os bandidos, acaba encurralando dentro de suas casas moradores que não têm nada a ver com práticas de crime. “Existem crianças e jovens dentro da comunidade que sonham em se formar médicos, advogados, professores, mas os sonhos são interrompidos quando as ações policiais impedem as aulas”, diz um trecho de outra carta.

Infelizmente, apesar de os juízes levarem a sério, como era de se esperar, todas as denúncias, o Poder Judiciário, em sua própria definição, pouco pode fazer – para atuar, ele precisa ser provocado. Tal provocação teria de vir da própria polícia (o que é óbvio que não acontecerá) ou do Ministério Público por meio de uma denúncia devidamente formalizada. Assim, os moradores, se não quiserem morrer em decorrência da violência de Estado, vão ter de entrar com outra ação. Enquanto isso, a favela da Maré continua diuturnamente à mercê de sua própria sorte. 

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana