conecte-se conosco


Agricultura

Mais Leite Saudável supera a marca de 60 mil produtores

Publicado

Desde o início do Mais Leite Saudável, em outubro de 2015, 63.706 produtores já foram beneficiados pelo programa. Em média, entre 10 mil e 15 mil novos produtores ingressam anualmente e cerca de 25 mil a 30 mil são atendidos por ano com assistência técnica, educação sanitária ou melhoramento genético.

Entre os estados com mais produtores alcançados estão o Rio Grande do Sul (18.230), Minas Gerais (18.222), Santa Catarina (11.666), Paraná (4.734) e Mato Grosso (3.360).

Quase R$ 240 milhões foram investidos em projetos de fomento, gerando aos laticínios participantes R$ 4,5 bilhões em créditos presumidos, disponibilizados em forma de compensação de impostos ou monetização.

Os benefícios incluem aumento da rentabilidade, da produtividade e competitividade, de boas práticas agropecuárias, incentivo à certificação de propriedades livres de tuberculose e brucelose, melhoramento genético de rebanhos, da qualidade do leite (contagem de células somáticas e bacterianas) e microbiológica, além da redução da mortalidade de bezerras.

Produtores, laticínios, técnicos de campo e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento promovem o fomento para pequenos e médios produtores de leite, com impacto positivo no desenvolvimento de 2.068 municípios em mais de 20 estados.

Veja Também  Agenda regulatória da Defesa Agropecuária é tema de novo episódio do Mapacast

Com mais de 600 projetos aprovados, dos quais 385 em vigência, o programa não está restrito apenas a estabelecimentos sob Inspeção Federal. De 440 laticínios participantes, 76,4% estão sob inspeção Federal (SIF) e 23,6% sob inspeção estadual ou municipal (SIM ou SIE).

O Mais Leite Saudável não se restringe à bovinocultura de leite, podendo contemplar projetos para bubalinocultura e caprino e ovinocultura.

Cerca de metade dos projetos em execução são de assistência técnica e gerencial. Outras ações estão distribuídas na Melhoria da Qualidade do Leite (38,7%), Melhoramento Genético (6,8%), Implementação de Manejo Sanitário, incluindo controle de brucelose e tuberculose (3%), e redução da taxa de mortalidade de bezerras 0,5%.

O Programa Mais Leite Saudável passou a ser estratégico do Mapa, com meta de 150 mil produtores a serem atendidos até 2035. A Coordenação de Boas Práticas e Bem-Estar Animal (CBPA), da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação, responsável pela gestão do programa, trabalha para viabilizar essa meta, apostando haver muito espaço para crescimento.

Uma das ferramentas para sua expansão é o Plano de Qualificação de Fornecedores de Leite (PQFL), instituído pela Instrução Normativa 77, de novembro do ano passado. A coordenação (CBPA) tem realizado seminários em todas as regiões brasileiras para divulgação do plano e do programa.

Veja Também  Câmara do Agro 4.0 fará primeira reunião durante Semana de Ciência e Tecnologia

Qualificação de Fornecedores de Leite

A implementação do Plano de Qualificação de Fornecedores de Leite (PQFL) é obrigatória aos laticínios. A ferramenta funciona como controle e aproximação da sua relação com os produtores, visando maior segurança para o consumidor e maior desenvolvimento da atividade.

“A obrigatoriedade de possuir um plano de qualificação amplia a assistência técnica a produtores, por parte dos laticínios, o que resulta em melhoria da produtividade, da qualidade e, consequentemente, da competitividade na cadeia leiteira nacional”, observa o coordenador de Boas Práticas e Bem-Estar Animal da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação, Rodrigo Dantas.

A Coordenação de Boas Práticas e Bem-Estar Animal (CBPA), responsável por coordenar o acompanhamento da execução das ações dos planos de qualificação em todo país, publicou em maio, o Guia Orientativo para Elaboração do Plano de Qualificação de Fornecedores de Leite.

Para saber mais sobre o Programa Mais Leite Saudável 

Projetos de fomento coordenados pela CBPA

Guia orientativo do PQFL

 

Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
[email protected]

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook

Agricultura

Pavilhão Brasil é inaugurado na Fruit Attraction 2019 na Espanha

Publicado

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o Ministério das Relações Exteriores (MRE), em parceria com Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), inauguraram na manhã desta terça-feira (22), em Madri (Espanha), o Pavilhão Brasil na Fruit Attraction 2019, uma das maiores feiras internacionais de fruticultura da Europa. Neste ano, a feira celebra sua 11ª edição.

Até o dia 24 de outubro, a Instituição de Feiras de Madri (Ifema) reúne os principais players da fruticultura internacional. De acordo com a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Mapa, a Fruit Attraction é um expoente no setor de feiras. Em 2018, a feira recebeu 1.600 expositores, vindos de 120 países, e cerca de 70 mil visitantes.

Na Fruit Attraction, o visitante encontra uma ampla oferta de frutas e hortaliças, incluindo castanhas, produtos processados, sementes, insumos e também flores. O evento é um importante ponto de encontro para compradores de toda a Europa.

O Pavilhão Brasil, destacado com as cores nacionais, conta com a participação de 20 empresas nacionais do setor de frutas.  Durante o evento, no estande, serão realizadas degustações promovidas pelos expositores e pratos preparados por uma chef utilizando os produtos levados pelas empresas.

Veja Também  Portaria define regras para cota de importação de etanol sem tarifa

Para promover a imagem do país, o Ministério da Agricultura elaborou um infográfico em inglês e espanhol com dados atualizados sobre a sustentabilidade e inovação do agronegócio brasileiro, que está sendo distribuído aos visitantes, além de um catálogo com informações sobre todos os produtos e empresas brasileiras expositoras.

Feiras

No ano passado, 77 empresas e entidades setoriais participaram das feiras organizadas pelo Mapa e promoveram mais de 300 produtos, gerando expectativa de US$ 187,2 milhões em novos negócios. O incentivo à participação do setor nas principais feiras internacionais é uma estratégia do Ministério da Agricultura para o incremento da participação do agronegócio brasileiro no mercado mundial.

Informações à imprensa[email protected]

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Agricultura

Sessenta mil pescadores artesanais do Nordeste vão receber seguro defeso em novembro

Publicado

No próximo mês, 60 mil pescadores artesanais afetados pelo vazamento de óleo no litoral do Nordeste receberão uma parcela do seguro-defeso. O governo federal vai destinar R$ 59,9 milhões para o pagamento do benefício aos pescadores da área marinha.

O anúncio foi feito pelo secretário de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Jorge Seif Júnior. Segundo Seif, como o óleo afetou a área marinha, o benefício será pago somente aos pescadores dessa área.

“O pescador pode ficar tranquilo, não precisa de nenhum ato, simplesmente aguarde que estamos construindo e, dentro do mês de novembro, será depositada em sua conta – a mesma que ele já recebe o seguro defeso – uma parcela do benefício”, afirmou o secretário.

Durante o período de reprodução das espécies, em que os pescadores não podem trabalhar, é pago um salário mínimo por mês de defeso. O seguro defeso varia de três a cinco meses por ano, dependendo da área de pesca e da espécie. O pagamento é feito pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Veja Também  Câmara do Agro 4.0 apresenta as principais demandas para ampliar o uso de novas tecnologias no campo

Em todo o Nordeste são 360 mil pescadores cadastrados das áreas marinha – atingida pelo vazamento de óleo – e continental.

O Mapa, juntamente com os ministérios da Economia e do Meio Ambiente, está construindo um ato administrativo para embasar a antecipação do pagamento do seguro defeso. “O governo federal está trabalhando para amparar os nossos pescadores artesanais”, disse Seif. 

Qualidade do pescado

O secretário também tranquilizou a população sobre a qualidade do pescado. Segundo ele, é seguro o consumo de produtos frescos ou congelados das empresas que têm o Selo do Serviço de Inspeção Federal do Ministério da Agricultura (SIF).

“As empresas que têm o SIF têm um protocolo de controle de contaminação de hidrocarboneto, ou seja, esse pescado é todo tempo monitorado se existe alguma comunicação, e agora nós reforçamos isso”. No caso de peixarias monitoradas pela vigilância sanitária e pelos serviços de inspeção estadual ou municipal o controle deve ser feito pelos estados e municípios.

Informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
[email protected]

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana