conecte-se conosco


Internacional

No Camboja, 18 operários morrem e 24 ficam feridos em queda de prédio

Publicado

Ao menos 18 corpos e 24 feridos já foram resgatados dos escombros de um prédio em construção que desmoronou na madrugada deste sábado (22), na cidade de Sihanoukville, no sudoeste do Camboja. Segundo a agência de notícias local Fresh News, equipes de resgate continuam vistoriando o local do acidente e o primeiro-ministro, Hun Sen, deve chegar ao local hoje (23) a noite.

O edifício pertencia a chineses e estava quase pronto, faltando cerca de 20% das obras. As autoridades vão investigar a razão do desmoronamento. Quatro chinês foram detidos para prestar depoimento: um dos donos do prédio, o engenheiro responsável pelo projeto de construção e um empreiteiro. O proprietário do terreno, cambojano, também está detido.

De acordo com a rede de notícias japonesa NHK, o prédio estava sendo construído em uma região de forte apelo turístico, onde vários hotéis e prédios residenciais estão sendo erguidos, atraindo mão de obra de todo o país. Autoridades locais suspeitam de que a construção era ilegal e que o proprietário chinês ignorou as ordens para paralisar as obras.

Veja Também  Cerimônia de entronização do imperador do Japão será realizada amanhã

Por meio de redes sociais, o primeiro-ministro Hun Sen pediu que a população do Camboja ajude as famílias das vítimas com doações. De acordo com a Fresh News, ontem, o premier anunciou a doação de U$ 10 mil para a família de cada um dos mortos, e US$ 1.250 para os feridos, além de tratamento grátis.

Edição: Maria Claudia
Fonte: EBC
Comentários Facebook

Internacional

Missão da OEA na Bolívia continuará observando contagem final de votos

Publicado

A Organização dos Estados Americanos (OEA), por meio de sua missão de observação eleitoral na Bolívia, divulgou nesta terça-feira (22) que condena “todos os atos de violência ocorridos nos nove departamentos do país”. Os atos forçaram a interrupção da contagem final de votos departamentais em La Paz, Cochabamba, Chuquisaca, Potosí, Oruro e Beni.

Os resultados parciais das eleições gerais na Bolívia geraram incerteza e tensão no país após a pausa na contagem que dá vitória ao presidente Evo Morales, embora exista a possibilidade de que o ex-presidente Carlos Mesa, candidato oposicionista, surja como vencedor.  De acordo com os resultados parciais, com 83,7% dos votos contados, Morales – à frente do Partido para o Movimento Socialismo (MAS) – lidera o pleito com 45,28% dos votos, contra 38,16% de Carlos Mesa. Este, que governou a Bolívia entre 2003 e 2005, concorre pela aliança do centro de Ciudadana (CC).

O vencedor precisa de pelo menos 50% dos votos ou 40% com 10 pontos à frente do segundo, mas se essas porcentagens não forem alcançadas, os dois mais votados vão para o segundo turno.

Veja Também  Prejuízos causados pelo Tufão Hagibis já são de US$ 527 milhões

No domingo (20), o Supremo Tribunal Eleitoral (TSE) interrompeu a recontagem preliminar com 83,7% dos votos contados, o que causou as alegações de Mesa de uma tentativa de manipular os resultados. O órgão eleitoral indicou que os resultados finais serão entregues em sete dias.

A missão pede que a sociedade tenha calma, “para permitir que a contagem oficial de votos seja realizada de maneira ágil, transparente e completa”. Segundo a missão, a violência não tem lugar na democracia. “É fundamental que todos os bolivianos aguardem com calma a declaração de resultados oficiais do Supremo Tribunal Eleitoral, para que esse processo possa ser concluído e a próxima etapa possa começar”, diz nota.

Em nota divulgada hoje, a missão da OEA informa que “continua sua implantação técnica nos nove departamentos do país para continuar acompanhando de perto o processo final de computação, como fez até agora”.

Segundo o documento, os observadores da OEA confirmaram que a violência forçou a interrupção do processo de contagem em seis departamentos: La Paz, Cochabamba, Chuquisaca, Potosí, Oruro e Beni. Em Potosí, Pando e Tarija, a infra-estrutura do Tribunal Departamental Eleitoral foi completamente queimada, assim como as instalações do Serviço de Registro Cívico em Potosí e Chuquisaca.

Veja Também  Região metropolitana de Santiago passa por novo toque de recolher

Além dos danos materiais causados, a Missão disse lamentar particularmente os ataques ao pessoal dos tribunais eleitorais dos nove departamentos, bem como os sofridos pelas forças de segurança.

Edição: Aline Leal
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

Presidente do Chile se reúne com lideranças em busca de um acordo

Publicado

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, afirmou que está aberto ao diálogo e disposto a um acordo social para acalmar a onda de protestos que tomou conta do país desde a última quinta-feira (17). Ele se reunirá hoje (22) com lideranças de governo e de oposição.

“Eu me reunirei com presidentes de partidos, tanto de governo como de oposição, para poder explorar e avançar a um acordo social que nos permita a todos, unidos, aproximarmos com rapidez, eficácia e também com responsabilidade, as melhores soluções para os problemas que afetam os chilenos”, anunciou Piñera.

O objetivo da reunião é escutar as propostas e projetos dos partidos para tomar medidas contra a crise que se instalou no país.

Apesar de as manifestações terem iniciado após o anúncio de um aumento no preço das passagens de metrô, os chilenos dizem que essa foi apenas a gota d’água. Eles reclamam da grande desigualdade no país.

O descontentamento é com o sistema de saúde e educação, pouco acessível aos mais pobres, além de baixos salários e aposentadorias, somados a um alto custo de vida. As longas filas nos hospitais e o alto preço dos medicamentos também estão entre as reclamações da população.

Veja Também  Bolsonaro: visita ao Japão não é só de negócio, mas de relacionamento

Apesar de o Chile ter bons indicadores sociais, a desigualdade ainda é um problema a ser enfrentado. De acordo com o Banco Mundial, os valores do coeficiente de Gini, indicador usado para medir a desigualdade, coloca o Chile entre os dez países mais desiguais do mundo, junto com outros seis países da América Latina e do Caribe (Brasil, Colômbia, Costa Rica, Honduras, México e Panamá).

De acordo com o relatório Panorama Social de América Latina, da Comissão Econômica da América Latina e Caribe (Cepal), 1% da população chilena concentra mais de 26% da riqueza. O informe diz ainda que 66% dos chilenos têm apenas 2% do capital.

Em Santiago do Chile, capital do país, os preços da moradia subiram 150% nos últimos dez anos, enquanto os salários subiram cerca de 25% apenas.

Apesar de ter bons indicadores, como a redução de 36% para 8,6% do número de pessoas na extrema pobreza e ter o melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da América Latina, o Chile enfrenta os desafios da desigualdade social, somado a uma crescente insatisfação da população com a polícia e o Exército, envolvidos em casos de corrupção.

Veja Também  Missão da OEA na Bolívia continuará observando contagem final de votos

Mortos

De acordo com o subsecretário do Interior, Rodrigo Ubilla, já são 15 mortos desde o início dos confrontos entre manifestantes e polícia. Segundo informe do Ministério da Saúde, há 239 civis feridos, 52 hospitalizados, estando oito em estado grave. Há ainda cerca de 50 policiais e soldados feridos e mais de 2 mil pessoas foram detidas em todo o país.

As aulas seguem suspensas, tanto na educação infantil, como do ensino fundamental e médio. Mais de 1, 2 milhão de estudantes de nível superior estão sem aulas.

A Central Única de Trabalhadores do Chile, junto com outras organizações sociais, convocou uma greve geral para amanhã (23).

 
Edição: Fernando Fraga
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana