conecte-se conosco


Carros

Toyota Corolla ganha novo hotsite que confirma o visual europeu

Publicado

Toyota Corolla
Divulgação
Novo hotsite da próxima geração do Toyota Corolla. Modelo será fabricado em Indaiatuba (SP)

Quando a nova geração do Toyota Corolla foi mostrada há alguns meses no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, a camuflagem ainda escondia sua dianteira. Isso acabou gerando algumas dúvidas, uma vez que o modelo adota identidades visuais completamente diferentes, dependendo do mercado. Com o lançamento do novo hotsite, a Toyota finalmente confirma que o sedã nacional terá a dianteira do modelo europeu.

LEIA MAIS: Segredo! Honda Civic renovado será lançado no segundo semestre

O lançamento do Toyota Corolla híbrido é um grande sonho para a marca japonesa. Desde 2016, a fabricante vem utilizando unidades do Prius para testar o novo conjunto mecânico, o primeiro em todo o mundo que pode beber tanto gasolina quanto etanol. De acordo com a Toyota, o motor 1.8 híbrido flex tem um dos mais altos potenciais de compensação e reabsorção de emissão de CO2, desde a extração da cana-de-açúcar, passando pela chegada do etanol aos postos de abastecimento e também pela queima do combustível no motor.

Todos os componentes que entram em contato com o combustível, como mangueiras, bomba de combustível, bicos injetores e velas, precisam ser substituídos. Vale lembrar que o combustível de cana-de-açúcar é mais corrosivo que a gasolina. Outra questão é o sistema de partida a frio.

Veja Também  Imagens do novo Honda Fit vazam na internet

LEIA MAIS: Citroën faz 100 anos com versões especiais para C3, Aircross, Cactus e Lounge

Adaptações no Toyota Corolla

Atualmente, veículos dispensam o inconveniente tanquinho de partida a frio pelo sistema de pré-aquecimento. Em um carro convencional, o aquecimento funciona uma vez a cada ciclo de uso. No caso do Prius flex – que liga e desliga o motor a combustão com frequência – foi necessário desenvolver um sistema de injeção exclusivo. Um propulsor 2.0 de 170 cv também está confirmado – este bebendo apenas gasolina.

LEIA MAIS: Volkswagen lança versão mais potente do Jetta, com motor 2.0 de 230 cv

Vale lembrar que o seu principal rival, o Honda Civic, também irá mudar no segundo semestre para acompanhar as mudanças do Toyota Corolla . Por outro lado, será apenas uma reestilização básica para refrescar a décima geração do sedã.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook

Carros

Fim de linha para o Chevrolet Cobalt, o sedã da ex-nova classe média

Publicado

source
Chevrolet Cobalt cinza arrow-options
Divulgação
Cobalt 2019: as últimas versões já refletiam uma nova realidade e vinham mais bem equipadas

O Chevrolet Cobalt é o próximo carro a sumir das ruas brasileiras. A General Motors não confirma que vai tirá-lo de linha, mas uma coisa é certa: suas vendas nunca mais serão as mesmas. Na verdade, o Cobalt parece ter dobrado o Cabo da Boa Esperança, como se diz popularmente. Ou, para quem conhece geografia, ele passou pelo Cabo das Tormentas, que era o nome dado pelos portugueses àquele ponto no extremo sul da África, na época das grandes navegações.

LEIA MAIS: Chevrolet Cobalt perde versão mais cara e prepara a chegada do Onix Sedan

Em setembro, o Chevrolet Cobalt teve sua melhor venda no ano: 1.416 unidades. Em outubro caiu para 831. Em setembro, se chegar a 450 vai ser muito. Que diferença para os mais de 66.000 emplacamentos que registrou em 2012. Naquele ano, o Cobalt foi o 11º automóvel de passeio mais vendido do Brasil.

Tudo bem que faz sete anos que isso aconteceu, mas a culpa não é do Cobalt e muito menos da GM. A montadora até melhorou bastante o carro nesse período, dotando-o de tecnologias de conectividade e caprichando em seu conforto. O Cobalt também cumpriu seu papel, servindo às famílias (mais tarde aos taxistas) como um sedã espaçoso e confortável.

O que mudou foi o Brasil. Hoje não existe mais o sonho da nova classe média, a classe C que emergiu das classes D e E para dar um impulso histórico nas vendas da indústria automobilística. Pelo contrário, muitos voltaram para as classes D e E. Pior: alguns que nunca estiveram abaixo da classe C, também empobreceram. E multidões que habitavam as classe A e B, rainhas do consumo antes da era Cobalt, também perderam renda e hoje povoam a classe média brasileira.

Chevrolet Spin azul arrow-options
Divulgação
Spin Premier 2020: irmão do Cobalt, o monovolume da GM é considerado também uma perua, mas tem futuro incerto

Em 2011, o PIB per capita do Brasil era de US$ 13,3 mil. Em 2019, foi inferior a US$ 8.900. Segundo um estudo da Tendências Consultoria, nesse ritmo só em 2028 o pico do PIB per capita voltará ao nível de 2011. Em 2012, a classe média alta tinha uma renda entre R$ 641 e R$ 1.109. Em 2017, cinco anos depois, o pico dessa renda era de R$ 1.008, segundo o Bradesco. E quase 1 milhão de brasileiros havia caído das classes A e B para a classe C.

Veja Também  Harley-Davidson traz ao Brasil três novos modelos da linha 2020

Portanto, faz sentido o fim do Cobalt. Esse carro foi pensado para a classe média emergente do início da década. Era um carro sem muito luxo, mas com duas propostas de motores: 1.4 de 97/102 cv (g/e) e 1.8 de 106/108 cv (g/e). Mais tarde, a potência do 1.4 subiu para 106 cv e do 1.8 foi para 111 cv (ambos com etanol). Para se ter uma ideia, a campanha de lançamento do Cobalt foi toda feita no Carrefour, um supermercado popular.

LEIA MAIS: Chevrolet lança linha 2020 da minivan Spin com nova versão Premier

Na verdade, o Cobalt havia nascido no EUA, na década anterior. Porém, quando ele foi substituído pelo Cruze no mercado americano, a GM do Brasil aproveitou para lançá-lo aqui. Mas não com a mesma base — a GM aproveitou apenas o nome, pois o Cobalt brasileiro usou a plataforma do Sonic (que não deu certo no mercado brasileiro) e da primeira geração do Onix/Prisma . Cobalt dava dignidade à classe média

Chevrolet Cobalt dava dignidade à classe média

Chevrolet Cobalt prata arrow-options
Divulgação
Cobalt 1.4: em seus primeiros anos, o Cobalt teve versões com motor de menor cilindrada

Com um design simples, mas com suspensão macia, um motor razoável e outro mais potente, um porta-malas enorme (563 litros) e bom espaço interno (entre-eixos de 2,620 metros), o Cobalt era um carro que dava dignidade à nova classe média. Era possível ter um carro zero km maior sem ter que pagar uma fortuna.

Veja Também  Fim de linha para o Chevrolet Cobalt, o sedã da ex-nova classe média

Portanto, a trajetória do Chevrolet Cobalt foi honrosa, pois ele teve um sentido social, coisa que poucos carros têm. Lógico que, no fim das contas, o que todas as montadoras querem é ganhar dinheiro, mas são poucos os modelos que buscam atender às necessidades do povão. O Cobalt teve esse mérito.

Ao contrário do Cobalt, sua versão station wagon (ou monovolume, como prefere a GM), continua tendo vendas razoáveis. É verdade que em três meses elas caíram caíram de 3.100 para 2.300, mas a queda do Spin tem sido mais lenta. Também está marcado para morrer, mas ele nunca teve o papel social do Cobalt.

O que importa agora é que, num Brasil em que mais de 60 milhões de pessoas estão com o “nome sujo”, é impossível pensar em vender certos carros de forma financiada. Hoje, só quem tem dinheiro sobrando compra um carro zero km. Por isso, as ofertas de carros bons a preços populares são praticamente inexistentes. Por “bons” eu nem me refiro a carros com grandes qualidades técnicas, mas simplesmente àqueles que são espaçosos, razoavelmente confortáveis, com porta-malas grande e motor potente.

LEIA MAIS:  Chevrolet Cobalt e Nissan Versa: briga entre sedãs compactos

Nessa realidade, faz muito mais sentido à GM investir no Onix Plus, seu novo sedã, que subiu de categoria, em relação ao Prisma, justamente para ocupar um lugar que era dignamente defendido pelo Chevrolet Cobalt . Um carro que não deixará uma legião de fãs, mas que teve uma vida significativa.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Carros

Troller T4 2020 estreia com poucas novidades

Publicado

source

Motor Show

Troller T4 2020 arrow-options
Divulgação
Troller T4 2020 passa a ter detalhes pintados de preto brilhante entre as principais mudanças

As novas cores no exterior e interior são as únicas novidades da linha 2020 do Troller T4, que chega com preço de R$ 140.900 (pintura sólida) e R$ 141.778 (pintura metálica ou perolizada).

LEIA MAIS: Troller T4 2019: moldado em barro. Entramos na lama com o jipe

Na exterior, a o Troller T4  da linha 2020 ganhou a tonalidade Cinza Londres Escuro aplicada na grade dianteira, para-choque, teto, estribos, tampa de porta-malas e molduras. A mesma cor está presente no interior, no painel, console central, apoios de braços e molduras dos alto-falantes. Já as rodas de 17″ agora são pintadas em Preto Ebony.

Troller T4 2020 arrow-options
Divulgação
Trollet T4 vem com central multimídia com tela sensível ao toque e ar-condicionado digital com regulagem independente


O conjunto mecânico segue sem novidades. O motor é o 3.2 Duratorq diesel de cinco cilindros e 200 cv, enquanto o câmbio é manual de seis marchas. A tração é 4×4 com comando eletrônico e reduzida e o diferencial traseiro é do tipo autoblocante.

Veja Também  Harley-Davidson traz ao Brasil três novos modelos da linha 2020

Na lista de equipamentos, o Troller T4 2020 traz preparação para snorkel, teto solar de vidro, lanternas traseiras de LED, bagageiro de teto, ar-condicionado digital de duas zonas, sistema multimídia JBL com tela de 6,75″ e conectividade Android Auto e Apple CarPlay, vidros e travas elétricas, alarme e preparação para navegador off-road .

LEIA MAIS: Troller lança versão T4 Trail, que traz mais acessórios off-road

O Troller T4 da linha 2020 segue sem airbags ou freios ABS, já que está enquadrado como um veículo off-road e está isento de sair de fábrica com os itens de segurança.

Troller T4 2020 arrow-options
Divulgação
Troller T4 2020 mantém o mesmo aspecto da linha anterior, exceto pelas novas cores adotadas a partir de agora


Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana