conecte-se conosco


''SALVE''

Membro do Comando Vermelho manda matar presidiário que tinha caso com a mulher dele

Publicado

A Polícia Civil, através da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), cumpriu nesta terça-feira (18.06), o mandado de prisão temporária contra Meykson Campos de Oliveira, 31. O suspeito teve o envolvimento identificado no homicídio que vitimou, Aleson Alex de Souza, no ano de 2013, no Centro de Ressocialização do Estado, onde na época, vítima estava detida. O crime ocorreu durante a madrugada de 30 de setembro de 2013, na “Ala M”, do presídio.

Na ocasião, a vítima foi obrigada a ingerir uma bebida conhecida como “Gatorade”, feita a base de cocaína e medicamentos. Segundo as investigações, o crime foi motivado pelo fato de a vítima ter se envolvido com a mulher de um faccionado, sendo assim decretada a sua morte.

Durante as investigações, foi descoberto que o suspeito é integrante da facção criminosa, assim como o seu envolvimento no crime. Diante das evidências, foi representado pelo mandado de prisão do investigado, cumprido nesta terça-feira (18), pelos policiais da DHPP.

Pela participação no homicídio também foram presos outros faccionados, Isaias Duarte, o “Caverninha”, Adreliano Arruda da Silva, o “Dedé”, Edson Marques Soares, o “Edinho”, “Cazuza”, ou “Careca”, Adriano Carlos da Silva, o “Fusca”, Jonny ou Johny da Costa Melo, conhecido como “Morte”, Leonardo Flávio de Souza, o “Bocão” e Elias Rodrigo Rodrigues Jacinto, conhecido como “Primata”.

Comentários Facebook
Veja Também  Carlos Garcia apresenta Projetos de Leis visando implantação de energia solar e captação de águas pluviais

''SALVE''

TRIBUNAL DO CRIME EM MT: Vídeo mostra ‘bandidinhos’ sendo torturados durante sessão de salve do Comando Vermelho – VEJA VÍDEO

Publicado

 

Um homem identificado como Willian César Correia Pereira, de 29 anos, foi preso na manhã desta sexta-feira (12), após torturar com o uso de fio de luz homens durante sessão de “salve” da facção Comando Vermelho, no bairro Módulo 06, em Juína (760 km de Cuiabá).  Segundo informações repassadas pela Polícia Civil (PJC) Willian era açougueiro na cidade e usada profissão como disfarce para comanda o tráfico de drogas na região.

Como consequência aqueles que comprassem a droga e não pagassem eram  submetidos a sessões de tortura, com o uso de fio de luz e ameaçados com arma de fogo,  como forma de penalidade, usando da violência para receber as dívidas provenientes do tráfico.  Durante averiguações na residência do mesmo, foi encontrado pelos policiais drogas e um revolver calibre 38.  O suspeito foi preso em flagrante, autuados pelos crimes de tráfico de drogas, associação ao tráfico e porte ilegal de arma de fogo, sendo encaminhado até delegacia para as devidas providências.

Comentários Facebook
Veja Também  Receita paga nesta segunda-feira o 2º lote das restituições do Imposto de Renda
Continue lendo

''Orgulho para os pais" SQN

Comando Vermelho de MT tem seis mil membros batizados e Fiéis; faccionado são mais obedientes á lideres do que a família

Publicado

A denúncia oferecida pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) contra os alvos da ‘Operação Assepsia’, que prendeu policiais militares, agentes penitenciários e outros por facilitar a entrada de celulares na Penitenciária Central do Estado (PCE) também expõe os detalhes da atuação do Comando Vermelho em Mato Grosso. A facção criminosa conta com mais de seis mil criminosos batizados e tem independência da do Rio de Janeiro, apesar de manter a aliança. Segundo os setores de Inteligência ligados à Secretaria de Segurança Pública e também ao Sistema Prisional, a estimativa é de que o número de faccionados devidamente “batizados” já supere os seis mil membros.

Paulo Cesar dos Santos (Petróleo) e Luciano Marino dos Santos (Marreta), presos pelo envolvimento na entrada do freezer com 86 celulares na Penitenciária Central do Estado (PCE), são apontados como detentores de função de liderança na facção criminosa, exercendo essa liderança do interior da PCE, onde se encontram cumprindo longo período de prisão, em virtude de crimes de homicídio, tráfico de drogas, roubos, organização criminosa, dentre outros.
As investigações da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) referentes à ‘Operação Assepsia’ apontam que a tentativa de entrar com 86 celulares dentro de um freezer na Penitenciária Central do Estado (PCE) pode ter relação com a volta de Sandro da Silva Rabelo, conhecido como ‘Sandro Louco’, a Cuiabá.

Coincidências à parte, segundo destacou o Gaeco, a entrada dos celulares ocorreu poucos dias antes do líder máximo do Comando Vermelho em Mato Grosso, Sandro da Silva Rabelo, o “Sandro Louco”, ter sido trazido de volta do presídio federal onde se encontrava cumprindo pena.

“Interessante essa coincidência entre a chegada do chefe supremo da facção e a entrada do freezer recheado com 86 celulares, apurada nestes autos. Isso demonstra que os três policiais militares, juntamente com os dois diretores da PCE, aliaram-se a esses líderes e entabularam a entrada dos celulares, para o bom proveito da facção, oportunizando a sua expansão e boa administração da atividade criminosa”, diz trecho da denúncia.

Com a vinda do líder máximo [Sandro Louco], a intensificação das atividades se faria necessária. “Os também líderes Petróleo e Marreta viram esse momento como o ideal para ampliação das atividades, lançando mão do vínculo que mantinha com os demais denunciados para obter aquela imensa quantia de celulares”.

Veja Também  Polícia fecha cerco contra pai em Cáceres por tentar degolar bebê

Histórico do CV em Mato Grosso – Consta na denúncia que, em Mato Grosso, impelidos pela vontade deliberada de arregimentar grande número de criminosos para a prática contínua e ininterrupta de crimes, o Comando Vermelho foi idealizado pelos líderes Sandro da Silva Rabelo, conhecido como ‘Sandro Louco’; Renato Sigarini, o “Vermelhão”; Miro Arcângelo Gonçalves de Jesus, o “Miro Louco” ou “Gentil” e Renildo Silva Rios, vulgo “Negão” ou “Liberdade”. O que se sabe é que o Comando Vermelho de Mato Grosso nasceu dentro da Penitenciária Central do Estado – Presídio Pascoal Ramos. Logo após sua criação, foi criado um conselho (Conselho Final ou Final do Estado). O segundo passo foi se organizar de forma independente da facção do Rio de Janeiro, sem a necessidade de prestação de contas, embora mantida aliança entre as organizações.

O desrespeito às regras do Comando Vermelho leva a punições, que vão desde a ‘advertência verbal’ até a ‘pena de morte’. Além dos líderes e daqueles que exercem papéis de comando na organização, há outros que participam apenas como “integrantes”, estando estes obrigados ao pagamento de mensalidades, bem como estão sempre à disposição para a prática de crimes, considerados soldados do crime.

Retorno de Sandro Louco – Sandro da Silva Rabelo, conhecido como ‘Sandro Louco’, chegou a Cuiabá na madrugada do dia 31 de maio. Ele, que estava em uma prisão de segurança máxima no Paraná desde 2016, foi recambiado para a capital mato-grossense após um pedido da defesa. O criminoso chegou no Aeroporto Marechal Rondon em uma aeronave comercial.

O detento é considerado de alta periculosidade e ficará preso na Penitenciária Central do Estado (PCE). Uma das alegações da defesa é a de que Mato Grosso já abriga diversos presos do mesmo nível de Sandro e também a proximidade da família.

Veja Também  Mulher é morta com facada no pescoço em MT; ex é procurado

Sandro Louco possui diversas condenações e a soma das penas ultrapassa 200 anos de reclusão. Antes de ser recambiado para Cuiabá, ele cumpria pena na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Catanduvas (PR) e é apontado como um dos integrantes da organização criminosa ‘Comando Vermelho’.

A primeira prisão de Sandro Louco ocorreu em 2000, após assaltar um banco em Várzea Grande. Enquanto preso, ele conseguiu fugir pelo menos quatro vezes e ainda liderou uma rebelião em Água Boa.

Dentre os crimes cometidos por Sandro Louco estão: latrocínio, roubo a banco, homicídio, sequestro e formação de quadrilha. As penas, somadas, ultrapassam os 200 anos de reclusão. Em 2017, ele foi o primeiro réu a participar de um júri popular por videoconferência em Mato Grosso.

Denúncia

O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) ofereceu denúncia, na última quarta-feira (03), contra dois líderes do Comando Vermelho, três policiais militares e dois agentes penitenciários que ocupavam os cargos de vice e de diretor da Penitenciária Central do Estado. O grupo foi alvo da ‘Operação Assepia’, que apurou facilitações para entrada de aparelhos celulares na unidade prisional.

Foram denunciados: Paulo Cesar dos Santos, vulgo “Petróleo”, e Luciano Mariano da Silva, conhecido como “Marreta”, ambos pertencentes ao Comando Vermelho; o então diretor da Penitenciária Central, Revétrio Francisco da Costa; o vice-diretor, Reginaldo Alves dos Santos e os militares Cleber de Souza Ferreira, Ricardo de Souza Carvalhaes de Oliveira e Denizel Moreira dos Santos Júnior.
Ao grupo, foram imputados quatro atos criminosos. Os sete denunciados vão responder por integrar, financiar e promover organização criminosa e também por introdução de celulares em presídios; cinco deles pelo crime de corrupção ativa; e dois por corrupção passiva.

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana