conecte-se conosco


Nacional

Rodrigo Maia rebate Guedes e diz que ministro está “criando crise desnecessária”

Publicado

Nesta sexta-feira (14) Rodrigo Maia, presidente da Câmara, disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, “está gerando uma crise desnecessária” e que o governo Bolsonaro virou uma usina de crises.

Leia também: Paulo Guedes diz que reforma da previdência será prioridade do modelo econômico

Rodrigo Maia
Divulgação
Paulo Guedes e Rodrigo Maia

“Hoje, infelizmente, é meu amigo Paulo Guedes gerando uma crise desnecessária”, disse Rodrigo Maia à GloboNews , após participar, em São Paulo, de um seminário sobre o cenário político-econômico do país.

Leia também: “Se a gente forçar a barra, pode não aprovar”, diz Bolsonaro sobre Previdência

“A vida inteira o ministro da Economia sempre foi o bombeiro das crises. Agora o bombeiro vai ser a Câmara. Nós não vamos dar bola para o ministro Guedes com as agressões que ele fez agora ao parlamento”, continuou o presidente da Câmara.

Maia ainda reforçou que a reforma da Previdência está blindada e que as crises envolvendo o governo não podem afetá-la. “Nós queremos deixar claro que essa usina de crises que se tornou nos últimos meses do governo não vai chegar à Câmara. Nós vamos blindar a Câmara”.

  • Guedes VS Maia
Veja Também  STF aprova redução de R$ 92 milhões para o orçamento de 2020

Na manhã desta sexta (14), Guedes criticou as mudanças propostas pelo relator Samuel Moreira, do PSDB, no projeto de reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. Ele atribuiu as mudanças no texto a pressões corporativas.

Leia também: Bolsonaro enfrenta 1ª greve geral, que mira enfraquecer reforma; siga ao vivo

“Eu acho que houve um recuo que pode abortar a nova Previdência”, disse Guedes, que posteriormente foi rebatido por Rodrigo Maia .

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook

Nacional

Justiça nega habeas corpus para Abdelmassih voltar à prisão domiciliar

Publicado

source
Roger Abdelmassih arrow-options
Renato S. Cerqueira/Futura Press
Ex-médico especialista em reprodução humana, Roger Abdelmassih foi condenado por estuprar pacientes

Justiça paulista negou hoje (17) habeas corpus com pedido de liminar da defesa de Roger Abdelmassih . Na última terça-feira (13), ele teve suspensa a prisão domiciliar por suspeita de fraude nas declarações das condições de sua saúde . As declarações embasaram o pedido para que cumprisse pena domiciliar.

O pedido da advogada Larissa Sacco Abdelmassih, esposa do ex-médico, alega constrangimento ilegal por parte da juíza Andréa Brandão, que decidiu pelo recolhimento dele em hospital penitenciário por pelo menos 30 dias até realização de perícia judicial. O ex-médico cumpre pena pelo estupro de 56 pacientes entre 1995 e 2008. Abdelmassih foi condenado em 2010 a 278 anos de prisão. Desde 2017, ele cumpria prisão em casa.

O indeferimento da liminar foi emitido pelo desembargador Otávio de Almeida Toledo. “Muito embora tenham sido trazidas informações de que o paciente apresenta quadro clínico que demanda cuidados específicos, da análise cabível nesta sede, nenhum constrangimento flagrante foi constatado haja vista que foi determinada sua permanência em estabelecimento hospitalar”, diz o texto da decisão.

Veja Também  Protestos pela educação acontecem em 16 estados e no DF; siga ao vivo

Leia também: Réu pela morte de pastor, filho de Flordelis é transferido de presídio

Para a defesa, a internação até que haja perícia judicial se constitui em ilegalidade, pois estaria baseada em denúncia relatada em um livro escrito por um detento que, segundo a advogada, não conviveu com o ex-médico na prisão. Larissa Sacco Abdelmassih aponta ainda que a permanência de Abdelmassih em hospital penitenciário trará prejuízos a sua saúde, pois ele não deveria manter contato com portadores de doenças contagiosas ou mesmo permanecer em ambiente hospitalar, pois uma eventual infecção poderia levá-lo à morte.

A decisão da juíza Andréa Brandão, da 3ª Vara de Execuções Penais de São Paulo, determina que Abdelmassih “permaneça em ambiente controlado, recebendo seu arsenal terapêutico de forma regular e sob supervisão médica, até a realização da nova perícia judicial”. No texto, ela sustenta que denúncias apontaram indícios de que “o sentenciado fez uso de seus conhecimentos médicos para ingerir medicações que levara a complicações e descompensações intencionais a fim de alterar a conclusão da perícia judicial”.

Veja Também  Decreto das armas: Exército proíbe compra de fuzil, mas libera pistola .45

Leia também: Homem é preso por estuprar e engravidar filha de 15 anos

Relembre o caso

Roger Abdelmassih, especialista em reprodução humana, teve o registro cassado em 2009. O ex-médico foi condenado, em 2010, a 278 anos de prisão por 56 estupros cometidos contra pacientes, entre 1995 e 2008. Ele conseguiu habeas corpus concedido pelo então presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes.

Em fevereiro de 2011, no entanto, o benefício foi cassado pelo STF. Abdelmassih estava foragido e seu nome constava da lista dos mais procurados pela polícia internacional, a Interpol. Em 2014, Roger Abdelmassih foi preso no Paraguai. No mesmo ano, o Tribunal de Justiça de São Paulo reduziu sua pena para 181 anos de prisão por 48 estupros de 37 de suas pacientes.

Depois de capturado, o ex-médico passou a cumprir pena no Presídio de Tremembé, em São Paulo. Em 2017, a Justiça de Taubaté concedeu a prisão domiciliar devido a problemas de saúde.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Bolsonaro sinaliza futura distância com Argentina se chapa de Kirchner vencer

Publicado

source
Bolsonaro falando no microfone arrow-options
Carolina Antunes/PR
Bolsonaro demitiu o secretário de Comunicação

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na manhã deste sábado (17), durante cerimônia de graduação de cadetes da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em Resende, que não deixará o Brasil se aproximar de “políticas outras que não deram certo em nenhum lugar do mundo”, ao se referir a Argentina. 

Ao lado dos presidentes do Supremo Tribunal Federal ( STF ), ministro Dias Toffoli, do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, Bolsonaro pediu a Deus que o país vizinho “saiba através do seu povo, como não retroceder”.

Leia também: “Vocês se merecem”, diz Jean Wyllys para Janaína Paschoal e Bolsonaro 

No discurso de encerramento da solenidade, Bolsonaro também disse, em seu pronunciamento de nove minutos, que outros países tentam ganhar “guerra da informação” sobre a Amazônia :

“Temos compromisso com esse pedaço de terra mais rico e sagrado do mundo. Não é a toa que outros países cada vez tentam ganhar a guerra da informação para que nós perdemos a soberania desta área”, afirma Bolsonaro 

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Veja Também  Homem de muleta é atingido por roda de carro em movimento em Goiânia; assista
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana