conecte-se conosco


Carros

Jeep Renegade e Compass entrarão para lista dos carros híbridos plug-in

Publicado

A Fiat-Chrysler tem pressa para entrar na era da eletrificação. O grupo, chamado FCA, anunciou um programa de investimentos de US$ 5 bilhões para suas marcas tornarem-se aptas para a fabricação de carros elétricos o quanto antes. Em cinco anos, a Jeep, uma de suas integrantes, promete lançar 10 híbridos plug-in e quatro carros elétricos movidos a bateria.  

LEIA MAIS: Todos os carros da Toyota devem se tornar híbridos

O Renegade será o primeiro entrte os híbridos
. A versão plug-in combinará um motor convencional com um motor elétrico. Em tempo: automóvel híbrido plug-in é aquele que permite que a bateria utilizada para alimentar o motor elétrico possa ser carregada diretamente por meio de uma tomada na rede elétrica. No Brasil, a FCA acaba de anunciar o investimento de R$ 7,5 bilhões até 2023 na fábrica de Goiana (PE) para desenvolvimento e fabricação de novos produtos e tecnologias. Também haverá aumento de capacidade de produção para 350 mil unidades/ano.


Renegade
Divulgação
O novo Renegade terá uma versão híbrida plug-in que deve chegar ao Brasil em 2020, depois do novo motor turbo

Já o motor à combustão do Renegade
será um novo turbo de 1.3 litros de quatro cilindros, nomeado Firefly Turbo – uma nova opção da FCA por aqui para o Jeep Renegade. Ele deve fazer  sua estreia no mercado nacional em breve, provavelmente, já com a versão híbrida e espera-se que seja flex.

Não há ainda os números definitivos, mas com o combo híbrido, o Renegade poderá ter 190 cv. Ou seja, o motor a combustão de 148 cv de potência vai combinar com motor elétrico de 42 kW.

Veja Também  Emerson Fittipaldi relembra momento mais assustador de sua carreira

Há outra opção em desenvolvimento: uma versão combinada de 240 cv reservada para o Compass, modelo maior e mais pesado da Jeep. Com o motor turbo a gasolina e o motor elétrico (de 92 kW) acionados, o modelo precisará de cerca de sete segundos para chegar a 100 km/h. Um bom resultado para um híbrido.


Compass
Divulgação
O Jeep Compass ficará mais rápido com um combo híbrido de 240 cv combinando um motor turbo à combustão

A Jeep afirma que a eletrificação vai melhorar ainda mais a capacidade off-road de seus modelos. Isso  porque o motor elétrico adiciona torque extra, além de usar um novo sistema elétrico de tração nas quatro rodas, sistema que leva a sigla eAWD.

LEIA MAIS: Quebrando barreira: Ford, GM e Amazon brigam por tecnologia de picape elétrica

A Jeep prepara ainda um Wrangler totalmente elétrico e outro híbrido. Esse último usará alguns dos principais componentes da marca parceira Chrysler, que tem a van Pacífica híbrida em seu portfólio,  com um motor 3.6 V6 a gasolina e dois motores elétricos, com potência conjunta de 260 cv. O desafio é calibrar o Wrangler para a sua característica off-road e de aventura e manter uma capacidade de reboque até 1,5 tonelada. 

Veja Também  Triumph acaba de lançar a Speed Twin 1200, esportiva com estilo clássico

Wrangler
Divulgação
O lendário Jeep Wrangler terá uma versão elétrica e outra com tecnologia hibrida derivada da van Pacífica da Chrysler

Ganharão versões híbridas também a nova geração do Cherokee e o Grand Cherokee. Além disso, a Jeep apresenta este ano um novo SUV de três fileiras e vai reviver o nome Grand Wagoneer dos anos 1960. Ele terá uma versão híbrida e será lançado como um modelo ainda mais premium da Jeep e vai competir com o Range Rover.


Wagoneer
Divulgação
Além dos modelos Cherokee e Grand Cherokee, a Jeep lançará o Grand Wagoneer Hybrid

Crédito ambiental

Mark Manley, que substituiu o falecido Sergio Marchionne como CEO do grupo Fiat Chrysler
em julho passado, parece estar bem mais aberto aos EVs do que seu antecessor – crítico dessa tecnologia. Sem dúvida, uma das razões é evitar pesadas multas ambientais da União Europeia. Recentemente, a FCA teve que comprar créditos de emissão de CO2 que sobraram na contabilização da Tesla. 

LEIA MAIS: Como será a reciclagem das baterias de carros com aumento da frota de elétricos

Segundo a regulamentação, empresas fabricantes de veículos que não poluem têm o direito de vender os créditos que sobram, já que para elas os títulos não são necessários. É um belo negócio para a Tesla e um prejuízo para empresas como a FCA, que ainda têm poucos híbridos
.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook

Carros

Primo do Creta, Kia Seltos é revelado oficialmente. Deve chegar ao Brasil

Publicado

Motor Show


Kia, Seltos, SUV
Divulgação
Kia Seltos é o novo SUv compacto da marca corena, menor que o Sportage e visual arrojado


É revelado oficialmente nesta quinta-feira (20) o Kia Seltos, SUV compacto do porte do Hyundai Creta que chega ao mercado no 2º semestre. Maior do que o Stonic mostrado no Brasil no último Salão de São Paulo ( leia mais aqui ), em novembro passado, o modelo será produzido inicialmente na Índia e na Coreia do Sul.

LEIA MAIS:  Confira os 5 melhores SUVs médios que dirigimos nos últimos anos

Com visual sofisticado no interior e no exterior, o Kia Seltos foi pensado para agradar a clientela dos países em desenvolvimento e também dos mercados maduros. Por fora, os destaques são a presença de itens como faróis e lanternas de LED e as opções de rodas de 16″, 17″ e 18″.

Na cabine, o Seltos está equipado com sistema multimídia de 10,25″, som premium Bose, Head-Up Display (HUD) com tela de 8″ e um sistema de varia a iluminação do painel das portas de acordo com as batidas da música no som do veículo. De série, o SUV terá seis airbags e controles eletrônicos de tração e estabilidade.

LEIA MAIS:  Kia Sportage renovado fica com visual mais arrojado, mas mantém  mecânica

Veja Também  Renault mostra SUV do Kwid para sete ocupantes

O Kia Seltos será comercializado com três motores da linha Smartstream: um 1.6 turbo com injeção direta e 177 cv, um 2.0 aspirado de 149 cv e um 1.6 diesel de 136 cv. Dependendo do mercado, os propulsores poderão ser combinados com um câmbio automatizado de sete marchas e dupla embreagem ou um automático CVT, além do automático tradicional de seis marchas.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Carros

Honda HR-V Touring Turbo vale mesmo os R$ 139.900? Veja avaliação

Publicado

Honda HR-V Turbo branco
Carlos Guimarães/iG
Honda HR-V vem com faróis de LED, mas as mesmas rodas de aro 17 das demais versões bem mais em conta

Existem carros cujas versões se tornam raras e cobiçadas pelos entusistas. Foi assim com modelos como Escort RS Cosworth, Lancer Sportback Raliart , Mercedes 190E Evo II, entre outros. O caso do Honda HR-V Touring com motor 1.5 turbo se encaixa entre as raridades, já que deverá ter cerca de 3% do mix de vendas, mas ficará longe dos fãs do alto desempenho.

LEIA MAIS: Honda HR-V da linha 2019 encara o rival Nissan Kicks. Qual vence?

Ok, o Honda HR-V Turbo conta com 173 cv apenas com gasolina no tanque, uma vez que a marca diz que não justificaria desenvolver o motor flex por causa do baixo volume de vendas previsto para esta versão topo de linha. Mas bem que um SUV com caráter esportivo e que custa R$ 139.900 poderia ter, pelo menos, dois itens imprescindíveis.

Um deles fica por conta de um conjunto de rodas exclusivas e até um pouco maiores que as de aro 17, as mesmas de outras versões do HR-V, bem mais em conta, como a básica LX, de R$ 94.400, ou R$ 45.500 a menos. Além disso, não adianta muito instalar um motor com mais de 170 cv e manter o pacato câmbio automático CVT. A sensação é a mesma de quando a Subaru resolveu adotar esse tipo de caixa no esportivo WRX, o que levou os puristas à várias criticas contundentes.

Se quiser algo que se aproxime de um SUV com pegada esportiva terá que passar a alavanca para o modo Sport e usar as hastes atrás do volante, mas isso, certamente não irá atender aos seus anseios. As trocas não são tão rápidas quando deveriam. Então, você terá que se contentar com detalhes exclusivos dessa versão mais equipada do HR-V.

Veja Também  Tiggo é o único carro que pode reescrever a história dos chineses no Brasil

Começa pelos faróis com apenas LED no lugar de lâmpadas. Há também teto solar panorâmico e com acionamento elétrico, além de painel de dois tons e um sistema de escape de aço inoxidável, de dupla saída na traseira e com abafadores parrudos, a ponto de terem reduzido um pouco o volume do porta-malas de 437 litros para 393 litros. Porém, as exclusividades ficam por ai.

Por dentro do Honda HR-V Turbo

Interior do Honda Hr-V Turbo
Divulgação
Por dentro, há painel de dois tons e teto solar panorãmico, mas a central multimídia poderia ser mais caprichada


A central multimídia, mais uma vez, é a mesma de outras versões bem mais em conta. Falta uma tela de melhor resolução. Durante o dia, para poder enxergar direito as informações, é preciso apertar um botão para aumentar a intensidade do brilho. Bem que a versão que beira os R$ 140 mil merecia um sistema mais moderno, intuitivo e eficiente, não?

LEIA MAIS: Honda Civic Touring: por que ele é melhor que o HR-V turbo?

Também é estranho dirigir um SUV desse preço sem um velocímetro digital, algo que já se tornou comum desde o segmento de compactos e que é bastante útil em tempos de radares espalhados para todo lado. Em contrapartida, quando o assunto é conforto, o HR-V Touring agrada. Faltou apenas um ar-condicionado digital bizone, mas os bancos acomodam bem e a suspensão absorve com facilidade as irregularidades do piso.

Veja Também  Mini comemora seis décadas com série “60 Years”, que estreia no Brasil
botão de partida do Hnda HR-V Turbo
Divulgação
Botão de partida é outro item que apenas a versão Touring do HR-V pode ter entre os equipamentos

Para quem se interessa por uma versão 1.5 Turbo, supõe-se que esteja interessado em desempenho. Pelo o que diz a Honda, pisando fundo no acelerador, o HR-V Touring 2020 faz de 0 a 100 km/h em 8,9 segundos, ante 8,7 s do VW T-Cross Highline 1.4 TSI e os 7,7 s do Citroën C4 Cactus 1.6 THP, ambos flex.

Não temos dados de retomadas, mas, certamente o Honda também ficaria atrás, uma vez que os riavis têm câmbios mais ágeis, com conversor de torque, não CVT.

De máxima, as fabricantes informam o seguinte: 200 km/h para o Honda, 198 km/h do VW e 212 km/h do Citroën.

LEIA MAIS:  Qual comprar: Honda HR-V LX zero-km ou seminovo topo de linha? Veja vídeo

No consumo, como o HR-V Touring é movido apenas a gasolina e tem câmbio CVT, o Honda se sai bem. Os dados do Inmetro dizem que o SUV da marca japonesa faz 14,6 km/l estrada e bons 11,5 km/l na cidade, contra 13,2 km/h e 11 km/l do VW e 11,3 km/l e 8,3 km/h do Citroen, respectivamente.

Conclusão

Poucos estarão dispostos a pagar R$ 28 mil a mais em relação ao Honda HR-V EX-L para poder ter o que a versão Touring oferece . Os que pagarem, já sabem que não terão o desempenho bem melhor na comparação com as demais e tanta exclusividade que justifique a diferença de preço. 

Ficha Técnica

Honda HR-V Touring

Preço: R$ 139.900

Motor:  1.5, quatro cilindros, turbo, gasolina

Potência:  173  cv  a 5.500 rpm

Torque:  22,4 kgfm  a 1.700 rpm

Transmissão:  automática, CVT, simula 7 marchas, tração dianteira

Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / eixo de torção (traseira)

Freios: Discos ventilados (dianteiros) / discos sólidos (traseiros)

Pneus: 215/55 R17 

Dimensões: 4,33 m (comprimento) / 1,78 m (largura) / 1,59 m (altura), 2,61 m (entre-eixos)

Tanque: 51 litros

Porta-malas: 393 litros 

Consumo gasolina: 11,5  km/l (cidade) / 14,6  km/l (estrada)

0 a 100 km/h: 8,9 segundos 

Velocidade máxima: 200 km/h

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana