conecte-se conosco


Tecnologia

Quais fotos a galera não aguenta mais ver no Instagram?

Publicado

O Instagram, além de todas as suas funções, também tem se mostrado um ótimo guia de viagem. Segundo pesquisa da Hoteis.com, antes de escolher um destino, mais importante do que as atrações do local são as fotos postadas do tal lugar


pernas à beira da piscina
shutterstock
pernas na piscina

Entretanto, essa pesquisa também mostrou um dado interessante: quais fotos a galera não aguenta mais ver no Instagram
. Então, se você está pensando em postar os registros de suas viagens, pense duas vezes antes ou corra o risco de não ganhar likes

Leia também: Como ganhar seguidores no Instagram de forma gratuita e eficiente?

De acordo com os entrevistados (500 brasileiros), 49% estão cansados de fotos
estilizadas de comidas e drinques. Aquela clássica imagem de pernas à beira da piscina ou na praia também estão na lista negra de 39% dos participantes da pesquisa. 

E como fazer sucesso no Instagram?

A pesquisa também indica as melhores ideias para conseguir as fotos mais bonitas para postar na rede social. 

Veja Também  Olouco meu! Como usar o filtro do Faustão no Instagram

Para 55%, equilibrar o smartphone ou câmera em objetos aleatórios e ligar o timer é a solução. Enquanto isso, 45% pedem para estranhos tirarem a foto. E tem gente que ainda prefere editar as imagens no quarto do hotel antes da publicação: 34%.

Leia também: Sete aplicativos para melhorar fotos e vídeos

Outros viajantes ainda vão além para ter as melhores imagens possíveis no Instagram
. Mais de um terço dos participantes da pesquisa (36%) diz que pagaria um fotógrafo profissional para tirar fotos da viagem ou que acordaria às 5 da manhã para evitar multidões e conseguir a melhor iluminação disponível no local.

Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook

Tecnologia

É golpe! Promessa de tratamento odontológico gratuito via WhatsApp é falsa

Publicado

mensagem whatsapp arrow-options
Reprodução
Captura de tela de golpe que tenta enganar brasileiros com tratamento gratuito odontológico

A promessa de um tratamento odontológico gratuito enganou pelo menos 162 mil usuários do WhatsApp no Brasil que receberam, acessaram ou compartilharam o link malicioso desde o mês de maio deste ano.

Por dia, são registrados, pelo menos, 2500 novos acessos ao golpe . As informações são do dfndr lab, site que checa se um link é verdadeiro ou não, e identifica golpes como phishings. 

Atenção: Mantenha o celular seguro! Aprenda como se proteger de golpes no WhatsApp

A fraude simula um programa social do governo falso intitulado “Brasil Sorridente”. Ao tocar no link do golpe, o usuário é incentivado a informar seu estado, cidade e tipo de tratamento que deseja realizar.

Depois, ele precisa fornecer dados pessoais – como nome completo, telefone e e-mail – além de compartilhar o link do ataque com mais cinco contatos do WhatsApp. O usuário é induzido, em seguida, a conceder permissão para receber futuras notificações com outros golpes e ainda é direcionado para páginas falsas e visualizar anúncios fraudulentos

Veja Também  Microsoft avisa 10.000 usuários que podem ter sido alvo de hackers

“Golpes que se aproveitam de programas reais do governo como temática são bastante comuns e, infelizmente, são os que mais fazem vítimas, já que tem bastante apelo da população”, avalia o diretor do dfndr lab, Emilio Simoni.

Saiba mais: Como criar emojis animados para o WhatsApp

mensagem whatsapp golpe brasil sorridente arrow-options
Reprodução
Mensagens enviadas por whatsapp em tentativa de golpe do Brasil Sorridente

Simoni explica o funcionamento do golpe. “Neste ataque em especial, o hacker direciona o usuário para páginas com publicidades suspeitas e, a cada nova visualização, o cibercriminoso ganha mais dinheiro”, diz o especialista.

“A grande lucratividade do golpe para o hacker acaba explicando o porquê ele continua ativo desde o mês de maio”, acrescentou Emilio Simoni, Diretor do dfndr lab.

Para não cair em ataques como esse, o especialista afirma que o usuário deve tomar algumas medidas como sempre checar se o link é verdadeiro ou não, o que pode ser feito pelo site do dfndr lab e ficar atento a promessas muito vantajosas ou preços muito abaixo do valor original, pois é grande a probabilidade de ser um golpe .

Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

FaceApp declara que não armazena fotos carregadas por seus usuários

Publicado

Olhar Digital

App se envolveu em polêmica após denúncia de que dados eram vazados arrow-options
Reprodução/Instagram
Assim como a Xuxa, outros famosos entraram na brincadeira e usaram o FotoApp para “ficar idoso”


Na última semana, o  FaceApp , aplicativo que promete criar selfies com filtros que envelhecem por meio de Inteligência Artificial, viralizou nas redes sociais. Porém, surgiram inúmeras preocupações acerca da privacidade, como o armazenamento de fotos nos servidores em nuvem da empresa, sem deixar claro para o usuário que o processamento não estava ocorrendo localmente, no próprio dispositivo.   

Leia também: Faceapp: aplicativo da moda pode roubar dados que você não imaginava

O aplicativo , administrado por uma uma startup russa, afirma que a maior parte do processamento necessário para potencializar os efeitos de embelezamento, gênero e aceleração de idade de seu aplicativo é realizado na nuvem, mas alega que carrega apenas as fotos selecionadas pelo usuários para edição. 

Testes de segurança também não encontraram evidências de que o aplicativo envia o rolo completo da câmera de um usuário.

Em posicionamento oficial, o FaceApp especifica que “pode” armazenar as fotos que os usuários escolheram carregar na nuvem por um curto período, justificando que isso é feito para “desempenho e tráfego” — como garantir que um usuário não faça uploads repetidamente da mesma foto para realizar outra edição. “A maioria das imagens é excluída dos nossos servidores dentro de 48 horas a partir da data de envio”, explica.

Veja Também  Procon-SP notifica FaceApp para apurar coleta de dados potencialmente abusiva

A empresa também afirma que nenhum dado do usuário é “transferido para a Rússia”, apesar de sua equipe de pesquisa e desenvolvimento estar localizada lá.    

Leia também: Faceapp: aplicativo da moda pode roubar dados que você não imaginava
Segundo o fundador do aplicativo, o processamento em nuvem é executado usando infraestrutura com base fora da Rússia. Seu fundador Yaroslav Goncharov disse utilizar os servidores da AWS (Amazon Web Services) e do Google Cloud , e acrescenta: “não vendemos nem compartilhamos dados de usuários com terceiros”. 

O FaceApp também diz que os usuários podem solicitar que seus dados sejam excluídos. Embora ainda não tenha uma maneira muito fácil de fazê-lo, o aplicativo pede que os usuários enviem solicitações de exclusão pelo próprio app móvel (” Configurações -> Suporte -> Informar um bug ” com a palavra ” privacidade ” na linha de assunto. A startup acrescenta que já está “trabalhando em uma interface melhor para isso”.

Reprodução

Fonte: TechCrunch

Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana