conecte-se conosco


Internacional

Chanceler alemão defende maior presença internacional do Brasil

Publicado

“O mundo precisa de um Brasil que se envolva, um Brasil que coloque seu peso relevante em todas as questões”, disse nesta terça-feira (30) o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, que começou pelo Brasil uma viagem pela América Latina.

Em Brasília, ele reuniu-se com o ministro brasileiro das Relações Exteriores Ernesto Araújo e foi recebido em visita de cortesia pelo presidente Jair Bolsonaro. “Para mim é muito importante começar pelo Brasil essa viagem”, disse Mass.

Acordo Mercosul-UE

Ele ressaltou ter conversado sobre relações comerciais na sua reunião com o chanceler Ernesto Araújo, quando ambos expressaram “o desejo de que finalmente seja concluído um acordo entre o Mercosul e a União Europeia (UE)”, disse.

Sobre as mudanças climáticas, o chanceler alemão disse que a Alemanha continua apoiando o Fundo Amazônia para que essa fonte de financiamento seja “um instrumento de proteção às florestas tropicais”. De acordo com Heiko Maas, os dois lados falaram sobre proteção ao clima, florestas tropicais,  região amazônica, povos indígenas e proteção às minorias.

Veja Também  Universidades cancelam aulas em meio a protestos em Hong Kong

“Esses são objeto de debate público [mundial] e é importante que não haja hesitações nesses temas, caso o Brasil queira desempenhar seu papel no mundo. Ouvimos coisas bastante encorajadoras, por exemplo, sobre o engajamento brasileiro em nível internacional no tema dos direitos humanos”, frisou Maas.

Parceria estratégica

“O Brasil é um país forte que encontra sua força na diversidade de sua sociedade, é um país cuja voz é ouvida, e espero que isso continue”, frisou o diplomata alenão, ao falar sobre a parceria estratégica com o Brasil, que inclui várias questões, inclusive consultas intergovernamentais.

Segundo ele, as últimas consultas intergovernamentais Brasil-Alemanha ocorreram em 2015 no Brasil. “O lado brasileiro expressou o seu desejo de que essas consultas  continuem a acontecer. Naturalmente levarei essa demanda ao governo da Alemanha e precisamos ainda discutir qual seria a data ideal para esses encontros”, disse.

A Alemanha é o quarto parceiro comercial e fonte tradicional de investimentos para o desenvolvimento brasileiro, com um fluxo comercial entre os dois países de cerca de US$ 20 bilhões em 2016. Estima-se que existam 1600 empresas alemãs instaladas no Brasil, sendo São Paulo uma das maiores concentrações industriais alemãs fora da Alemanha.

Veja Também  Evo Morales chega ao México e denuncia golpe de Estado na Bolívia

 

Edição: Augusto Queiroz
Fonte: EBC
Comentários Facebook

Internacional

Senadora da oposição declara-se presidente da Bolívia

Publicado

A senadora Jeanine Áñez, do partido oposicionista Unidad Demócrata, declarou-se hoje (12) presidente da Bolívia. “Assumo imediatamente a Presidência”, disse Jeanine, embora a bancada do MAS, partido liderado pelo ex-presidente Evo Morales, não estivesse presente no Congresso.

Morales chegou nesta terça-feira ao México, país que lhe concedeu asilo político após sua renúncia à Presidência da República.

Jeanine Áñez anunciou que decidiu “assumir imediatamente” a Presidência da Bolívia, em seu novo status de líder do Senado, depois de considerar que no país havia uma situação de vacância, devido à renúncia e abandono do país do ex-chefe de Estado, Evo Morales, e do vice-presidente Álvaro García Linera.

Também renunciaram aos cargos os presidentes do Senado e da Câmara e o primeiro vice-presidente do Senado. Como segunda vice-presidente da Casa, Jeanine Áñez entendeu que cabía a ela assumir o posto deixado vago por Morales.

Ao assumir a Presidência, a senadora mencionou vários artigos da Constituição e dos regulamentos parlamentares que, na sua opinião, formam o arcabouço legal que lhe permite assumir a liderança do Estado. Ao longo do dia, a mídia local alertou que não poderia haver sessão legislativa porque o partido de Morales, que controla dois terços das duas Casas Leigislativas, não deu quórum à sessão.

Veja Também  Ex-presidente da Bolívia chega ao México ainda hoje

Hoje, na primeira de suas duas aparições públicas em poucos minutos, a legisladora disse que assumiu a presidência do Senado com o endosso de um artigo regulatório e depois, em outro recinto, anunciou que ocuparia a chefia do governo com a vacância criada pela renúncia e pelo abandono do país por Morales e García Linera.

“Assumo imediatamente a presidência do Estado e prometo tomar medidas para pacificar o país”, disse Jeanine Áñez, que deve liderar um processo de transição para novas eleições.

Com informações da Télam, Agência Nacional de Notícias da Argentina

Texto ampliado às 21h57

 

Edição: Nádia Franco
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

Presença do presidente chinês no Brasil aprofundará parcerias no Brics

Publicado

O presidente da China, Xi Jinping, estará no Brasil amanhã (13) e depois (14) para participar da cúpula do Brics, bloco que reune o Brasil, a Rússia, Índia, China e África do Sul. Segundo representantes do governo chinês, a viagem à América Latina vai “injetar novo ímpeto no desenvolvimento das relações sino-gregas e sino-europeias, bem como servirá para aprofundar a parceria entre os membros do Brics e melhorar a governança global”.

No Brasil, Xi Jinping manterá conversas bilaterais com outros líderes mundiais e assinará acordos de cooperação. A visita ocorre menos de um mês depois de o presidente Jair Bolsonaro visitar a China. A ideia é aprofundar o intercâmbio, a confiança política e ampliar a cooperação em diversas áreas.

Na visita de Bolsonaro à China foram assinados acordos e memorandos de entendimento nas áreas de política, ciência e tecnologia e educação, economia e comércio, energia e agricultura. “Temos na China o primeiro parceiro comercial e me interessa muito fortalecer esse comércio, bem como ampliar novos horizontes. Hoje podemos dizer que uma parte considerável do Brasil precisa da China e a China também precisa do Brasil”, afirmou o presidente durante a visita.

Em declaração conjunta, os dois presidentes expressaram a determinação de ampliar o comércio e diversificar o intercâmbio de produtos, bem como cooperar com as políticas de desenvolvimento e investimento, como o Programa de Parceria de Investimento (PPI), do Brasil, e a Iniciativa do Cinturão e da Rota, da China.

Veja Também  Pessoas com doenças mentais são acorrentadas na Nigéria, diz ONG

A China foi, em 2018, o maior parceiro comercial do Brasil. No ano, o fluxo de comércio entre os dois países alcançou a marca de US$ 98,9 bilhões. O país asiático também é um dos principais investidores em áreas cruciais, como infraestrutura e energia.

Entre os atos assinados estão protocolos sanitários para a exportação de carne termoprocessada (que passa por processo de cocção) e farelo de algodão do Brasil à China. Os dois países também passaram a reconhecer as certificações de Operador Econômico Autorizado (OEA) emitidas pelas autoridades aduaneiras.

Um memorando de entendimento assinado também prevê contatos institucionais mais regulares e diretos entre os ministérios das Relações Exteriores do Brasil e dos Negócios Estrangeiros da China. Na área de energia, os dois países estabeleceram cooperação para o desenvolvimento de energias novas e renováveis, bioenergia e para distribuição e eficiência energética. O acordo prevê ainda cooperação e coordenação com terceiros países e fóruns internacionais.

O Brasil e a China também pretendem expandir os canais de comunicação entre jovens cientistas e pesquisadores e aprofundar a colaboração científica e tecnológica entre os dois países. Os governos financiarão esses jovens, que concluíram doutorado em um período de cinco anos antes da apresentação de propostas. Já a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária e a Academia Chinesa de Ciências querem estabelecer um “laboratório virtual” Brasil‐China que desenvolverá pesquisas nas áreas de caracterização de germoplasma, edição de genoma e genética funcional na cultura da soja. Esse será o primeiro projeto de laboratório conjunto nas áreas de agricultura e recursos naturais.

Veja Também  Senadora da oposição declara-se presidente da Bolívia

“O mundo enfrenta hoje uma mudança sem precedentes nos últimos 100 anos. A ascensão de mercados de países emergentes é cada vez maior, assim como a disponibilidade para unir e cooperar. Além disso, a conversão de velhas e novas sinergias na economia mundial não está ainda completa, o protecionismo e o unilateralismo se intensificaram, e o ambiente externo para o desenvolvimento de mercados emergentes e países em desenvolvimento é cada vez mais complexo. É nesse contexto que mais países centram as atenções no bloco do Brics. O 11º encontro dos líderes do grupo discute o tema “Crescimento econômico para criar um futuro inovador”, informa o governo chinês em nota.

*Com informações de Andreia Verdelio, da Agência Brasil, e Ren Huanyu, da Agência de notícias da China

Edição: Graça Adjuto
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana