conecte-se conosco


Turismo

6 passeios em Orlando que podem ser feitos gastando menos de US$ 20

Publicado

Orlando, na Flórida, nos Estados Unidos, não é apenas um destino para quem quer conhecer parques temáticos, como Disney e Universal, e ir às compras. A cidade oferece diversas opções de laser – e a preços bem mais acessíveis que as entradas dos parques. Há uma série de passeios em Orlando por menos de US$ 20 (cerca de R$ 78), por exemplo. 


Orlando
shutterstock
Há vários passeios em Orlando que podem ser feitos gastando menos de US$ 20

Se a cidade está em seu roteiro de férias, veja essa lista de passeios em Orlando
baratos e divertidos para toda a família: 

Leia também: De parques a restaurantes: descubra 19 coisas para fazer em Orlando em 2019

Passeios em Orlando #1: corrida de kart


karts
Reprodução/Instagram
Por menos de US$ 20 você pode correr de kart e ainda aproveitar outras atividades no Andretti Indoor Karting & Games

Para começar, o Andretti Indoor Karting & Games é uma opção para os fãs de uma corrida de carrinhos e também de jogos eletrônicos e aventura. O local reúne pista de kart, simuladores de corrida, pista de boliche e até tirolesa. 

O valor para adultos sai em torno de US$ 19. Além disso, há vários descontos no site do Visit Orlando
, órgão de turismo oficial da cidade.

Veja Também  Bar em Londres se tornará um hotel temático de uísque com 250 tipos da bebida

Passeios em Orlando #2: atividade artística


exposição
shutterstock
O Crayola Experience tem atividades para crianças de diversas idades

Já o Crayola Experience é uma atração familiar de dois andares que oferece um dia inteiro de diversão com 26 atividades artísticas como drip art, além de ter um playground colorido. O ingresso também custa US$ 19  (R$ 74).

Passeios em Orlando #3: zoológico


Garoto olhando aquário
Divulgação/Visit Orlando
Um dos passeios em Orlando que custam menos de US$ 20 é uma visita ao Central Florida Zoo

Um dos passeios baratos
que podem ser feitos em Orlando é uma visita ao Central Flórida
Zoo & Botanical Gardens. A entrada custa US$ 19  (R$ 74) para adultos, US$ 16 (R$ 63) para idosos, US$ 14  (R$ 55) para crianças de 3 a 12 anos e é gratuita para crianças menores de 3 anos.

Leia também: 5 dicas para evitar dor de cabeça em uma viagem para Orlando

Passeios em Orlando #4: museu


Museu
Divulgação/Visit Orlando
Vários museus em Orlando podem ser visitados por menos de US$ 20 e até gratuitamente

Orlando tambémé cultura e tem museus interessantes para os turistas. Em Winter Park, o Albin Polasek Museum & Sculpture Gardens – um local popular para fotógrafos locais – mostra as obras do artista homônimo deste museu. A entrada custa apenas US$ 10 para adultos e é gratuita para crianças de até 4 anos.

Veja Também  Quais destinos turísticos estão em alta no Brasil e que fazer em cada um deles

Além disso, há vários museus completamente gratuitos em Orlando, como o Winter Garden Heritage Museum, que proporciona conhecimento sobre a região. 

Passeios em Orlando #5: filme ao ar livre


Filme ao ar livre
Reprodução/Flickr
Assistir filmes ao ar livre pode ser um dos passeios mais bartos em Orlando

Filmes ao ar livre podem ser sinônimos de passeios baratos. Essas exibições costumam ser  gratuitas e acontecem regularmente durante todo o ano na cidade. O Popcorn Flicks in the Park, por exemplo, exibe filmes para a família na segunda quinta-feira do mês.

Outras opções gratuitas são: Sunset Cinema em Altamonte Springs, no segundo sábado do mês, Family Movie Night em Old Town, aos domingos, e Movieola no Lago Eola, de abril a setembro.

Passeios em Orlando #6: curtir a natureza


Árvore e rio
shutterstock
Aproveitar a natureza na Ilha Wekiva, localizada ao longo da costa do rio Wekiva, custa apenas 1 dólar

Leia também: Flórida além de Orlando: o que fazer nas cidades vizinhas a Disney e Universal

Um dos passeios em Orlando
que custam bem baratinho é aproveitar a natureza, o que pode ser feito na Ilha Wekiva, localizada ao longo da costa do rio Wekiva. É um oásis ecológico que convida os visitantes a passarem o dia descansando, jogando vôlei, nadando nas águas frias e ouvindo música ao vivo por apenas US$ 1 (R$  3,90) por pessoa.

Fonte: IG Turismo
Comentários Facebook

Turismo

Novo roteiro da Estrada Real tem gastronomia, história e contato com a natureza

Publicado

Em sete horas, o trajeto reúne experiências gastronômicas, históricas e de contato com a natureza. Tudo atravessando parte de uma das principais rotas turísticas do país, a Estrada Real, que começa em Minas Gerais e se divide entre Rio de Janeiro e São Paulo, contando um pedaço da história da colonização do Brasil.

estrada real arrow-options
reprodução/ twitter @institutoer
A Estrada Real corta os Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. O novo roteiro atravessa a cidade carioca

Leia também: Quais destinos turísticos estão em alta no Brasil e o que fazer em cada um deles

Esta é a proposta de um novo roteiro pelo Estado do Rio, que sai da capital, passa pelo distrito de Secretário, em Petrópolis, terminando na Vila de Sebollas, em Paraíba do Sul. O trajeto da Estrada Real foi elaborado em parceria com diversos estabelecimentos da área e é coordenado e idealizado pelo chef Dann Matos, do bistrô Le Coq, uma das paradas gastronômicas do passeio, em Secretário.

“Queríamos colocar os visitantes em contato com os nossos fornecedores, não apenas porque são locais, mas porque têm produtos bem singulares”, ele diz. “Além, é claro, de unir tudo isso com outras atrações da região”.

O pacote para o roteiro completo, realizado aos sábados e com transporte de ida e volta da capital fluminense, sai a R$ 150 por pessoa. Mas, com todos os destinos estando a menos de três horas do Rio pela BR-040, o percurso pode ser acessado com facilidade em voo solo (mas vale sempre confirmar os horários de funcionamento e fazer reserva).

Veja Também  Fotografe o fundador nas páginas do iG e ganhe ingresso para o Hopi Hari

Um tour com degustações de vinho e cachaça

vinho arrow-options
shutterstock
O novo roteiro pela Estrada Real tem algumas vinículas para atrair o gosto dos turistas

A parada inicial do roteiro é na Vinícola Inconfidência, a primeira do Rio a produzir vinhos finos, em Secretário. Os visitantes podem conhecer a história e o processo de dupla poda, que permitiu que as uvas se adaptassem à região.

Ao final, a degustação é com algumas das variedades cultivadas, como Merlot e Syrah. O proprietário, José Cláudio Aranha, conta que demorou dez anos para ter a primeira safra, mas que nem mesmo as dificuldades naturais do terreno o fizeram mudar.

“Toda vez que eu quisesse visitar meu vinhedo teria que pegar avião? É ruim, hein? Decidi fazer aqui, na minha casa”, brinca ele.

Leia também: Mais dicas para desbravar a Rota do Ouro

A experiência sensorial por Secretário continua no Sítio da Dona Nika, que produz compotas e geleias, além de queijos artesanais. Os visitantes, é claro, não vão embora sem conhecer a produção e experimentá-la. As crianças vão se divertir observando as galinhas-d’angola e os patos que vivem por lá.

Veja Também  Bar em Londres se tornará um hotel temático de uísque com 250 tipos da bebida

De uma visita a outra, a rota turística colonial passa por parte do Caminho Novo, primeira estrada do país, que começou a ser construída no século XVII e foi inaugurada em 1725, com 515 km de extensão. Nela, ficam as cachoeiras da Rocinha e do Rio Fagundes. Quem tiver tempo, pode ficar um pouquinho e se refrescar nas quedas d’água.

Seguindo o roteiro, chega-se a Paraíba do Sul, onde o próximo ponto de parada é o Alambique Dona Vania. Um tour pelo processo de produção termina com degustação (mais uma) de alguns dos diversos tipos de cachaças artesanais produzidos desde 2008. Além da tradicional, há versões de sabores diferentes, como de milho e de canela.

Na cidade, o Museu de Tiradentes, que remonta à história de Joaquim José da Silva Xavier, tem acervo com relíquias do mártir da Inconfidência Mineira. Outro ponto histórico é a Fazenda Ruínas, já na Vila de Sebollas, um parque arqueológico com o que restou das construções da época em que a estrada começou a ser feita.

Mais turismo no Rio: O que fazer em Ilha Grande e quais locais você não pode deixar de visitar

A última parada da Estrada Real é já no caminho de volta, passando novamente por Secretário, no Le Coq , que tem menu com entrada, prato principal e sobremesa. No roteiro, com transporte de ida e volta, o limite máximo é para 15 pessoas.

Fonte: IG Turismo
Comentários Facebook
Continue lendo

Turismo

Decidiu viajar de última hora e não reservou hotel? Aplicativo pode te ajudar

Publicado

Nesta segunda-feira (16) foi apresentada aos jornalistas o VisitNow, uma plataforma criada para aproximar o público jovem dos hotéis com foco nas reservas de última hora.

recepção de hotel arrow-options
shutterstock
Reservas ficarão mais fáceis com o aplicativo VisitNow

Leia também:  Bar em Londres se tornará hotel temático de uísque com 250 tipos da bebida

O aplicativo foi criado para por fim aos altos índices de ociosidade em unidades hoteleiras, em especial nos quartos que, à noite, ficam vazios em todo o país e promover as reservas de última hora .

Os estudos para o lançamento do VisitNow levaram dois anos e incluíram uma minuciosa análise sobre o mercado hoteleiro no Brasil, com destaque para o número de apartamentos que, diariamente, ficam sem hóspedes, além das tendências de crescimento do consumo e das reservas online.

“Encontramos um cenário muito interessante e promissor, principalmente após a retomada do crescimento da economia no país. Existe um volume extremamente representativo, em torno de 45%, de apartamentos em hotéis que ficam vazios durante a noite e que, claro, geram despesas. Nós queremos fomentar o consumo e contribuir para o crescimento do segmento turístico no Brasil a partir da geração de maior rentabilidade para o empresário”, destaca Bruno Guimarães, sócio-fundador do VisitNow .

Veja Também  Quais destinos turísticos estão em alta no Brasil e que fazer em cada um deles

O foco inicial do VisitNow são os hotéis independentes e redes hoteleiras localizadas no território nacional. Foram mapeados os chamados heavy users de aplicativos de viagens, clientes que procuram por descontos e experiências de última hora, algo cada vez mais comum entre os consumidores de 18 a 40 anos, das gerações Y e Z.

A ideia é, a partir da entrada em nichos específicos, conectar hotéis e consumidores que precisam de quartos com urgência. Além deste público, o VisitNow foca nos clientes tradicionais que reservam com antecedência em agências de viagens online e off-line.

“O momento atual, com enormes avanços tecnológicos, é extremamente desafiador para a hotelaria. Afinal, assistimos a uma mudança crescente no comportamento do consumidor. E, a partir disso, a nossa expectativa é tornar o VisitNow uma empresa lucrativa em um período inferior a dois anos”, explica Bruno Guimarães.

Como funciona o aplicativo?

A partir do VisitNow, é possível cadastrar o hotel, ou o espaço que se quer comercializar, de forma rápida e intuitiva. A plataforma é totalmente online e pode ser gerenciada pelos hoteleiros, em App ou ambiente web, para lançar as promoções e receber as reservas.

Veja Também  Dormir ou voar? Hotel japonês constrói quarto com simulador de voo

“O Visit Now é uma experiência nova para o mercado hoteleiro do Brasil . Não temos a pretensão de vender o melhor apartamento pelo preço mais baixo. Vamos permitir que o hoteleiro lance a oferta do quarto ou propriedade no preço que ele quiser. Sendo assim, nós convidamos os empresários a oferecer justamente esses quartos que deixarão de gerar despesas e passarão a fazer parte da receita”, explica Bruno.

Leia também:  Quer se hospedar num abacate? Sidney terá o 1º “hotel de abacate” do mundo

Para os hoteleiros, os diferenciais são: a inexistência de taxa de comissionamento, recebimento de valor líquido da diária e não pagamento de impostos sobre o valor cheio que gera maior lucratividade. E para o cliente, a oportunidade da reserva de última hora com os descontos mais interessantes.

Fonte: IG Turismo
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana