conecte-se conosco


Internacional

Países da União Europeia aprovam reforma de direitos autorais

Publicado

Os países integrantes da União Europeia (UE) deram hoje (15) sinal verde a um pacote de reforma de direitos autorais na internet, que visa responsabilizar juridicamente as plataformas pelos conteúdos divulgados e que gerou preocupações quanto à liberdade na rede. A partir de agora, cada país tem dois anos para implementar as novas regras em nível nacional.

Aprovada no mês passado pelo Parlamento Europeu, a reforma proposta provocou protestos na Europa. Críticos temem que as novas medidas possam obstruir a livre troca de informações e a criatividade na internet.

Por outro lado, os defensores das reformas têm afirmado que elas garantirão que as plataformas online repassem uma remuneração justa aos produtores de conteúdo.

Em resumo, o projeto de lei significa que as plataformas de mídia social terão que garantir que o conteúdo disponível online após o upload por usuários não viole as regras de direitos autorais.

As empresas precisarão de contratos de licença firmados com detentores de direitos, como músicos, artistas e autores, para usar seus conteúdos.

Além disso, uma cláusula obriga serviços agregadores de notícias, como o Google News, ou redes sociais a pagar mais a produtores de conteúdo informativo, como editorias jornalísticas e agências de notícias, por fragmentos de textos mostrados em resultados de busca.

Veja Também  OIT adota nova convenção contra assédio e violência no trabalho

Organizações sem fins lucrativos e enciclopédias, como a Wikipedia, seguem autorizadas a usar dados para fins educacionais e de pesquisa. E empresas com faturamento anual inferior a 10 milhões de euros estão isentas da nova regulamentação.

Direitos autorais

As regras relativas aos direitos autorais vigentes atualmente na União Europeia datam de 2001, quando YouTube e Facebook ainda não existiam, e não são mais adequadas à era da internet, conforme argumentou a Comissão Europeia quando propôs a reforma, em 2016.

As autoridades europeias demonstraram estar cientes do fato de que muitos materiais protegidos por direitos autorais acabam publicados online sem que os detentores do conteúdo sejam remunerados de forma justa.

A reforma foi sujeita a dois anos de debates acirrados e provocou grandes protestos na Europa, particularmente na Alemanha. Gigantes da internet, como YouTube, Wikipedia, Google e Facebook, estão entre os opositores das alterações, além de defensores de uma internet livre.

Um dos principais pontos de discórdia foi o Artigo 13, que procura reforçar a posição dos criadores e dos donos de direitos autorais em relação a plataformas como o YouTube, que utilizam esses conteúdos. Esse artigo requer que as plataformas online garantam, já no momento do upload, que o conteúdo esteja de acordo com a regulamentação de direitos autorais.

Veja Também  No Camboja, 18 operários morrem e 24 ficam feridos em queda de prédio

Na versão final da legislação, o artigo em questão é o de número 17.

Os críticos temem que a instalação desses “filtros de upload” – ou programas automáticos para identificar o conteúdo e os direitos ligados a ele – possam excluir conteúdo legal por engano.

Para a Organização Europeia de Consumidores, por exemplo, os filtros “não distinguem entre o conteúdo que viola os direitos autorais e o conteúdo que os respeita [por exemplo, caricaturas e paródias]”.

Editores e artistas se mostraram favoráveis às reformas, já que muitas vezes deixam de faturar quando os conteúdos produzidos por eles são disponibilizados gratuitamente na internet.

*Com informações da Deutsche Welle (agência pública da Alemanha)

Edição: Kleber Sampaio
Fonte: EBC
Comentários Facebook

Internacional

Crianças migrantes são transferidas do centro na fronteira com México

Publicado

Mais de 200 crianças migrantes detidas em uma remota estação de Patrulha de Fronteira, no sudoeste do Texas, sem alimentação adequada, água e saneamento foram removidas depois que as notícias sobre as condições se tornaram públicas na semana passada.

“Hoje de manhã, meu escritório foi informado de que apenas 30 crianças permanecem na estação de Patrulha da Fronteira de Clint, no condado de El Paso”, disse a deputada Verônica Escobar na segunda-feira. Ela disse que na semana passada os advogados da Human Rights Watch haviam “encontrado 255 crianças em condições alarmantes”.

Um professor de direito que visitou recentemente a instalação, Warren Binford, da Willamette University, descreveu as condições para as crianças em uma entrevista com Lulu Garcia Navarro, da NPR.

“Muitos deles estão dormindo em pisos de concreto, incluindo bebês, crianças pequenas, pré-escolares. Eles não recebem nada além de refeições instantâneas, Kool-Aid e biscoitos – muitos deles estão doentes”, disse.são
_______________

Edição: José Romildo
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Veja Também  Ciclone extratropical deixa mais de 8 mil uruguaios desalojados
Continue lendo

Internacional

Papa Francisco vai visitar o Japão em novembro

Publicado

O papa Francisco vai realizar uma visita de quatro dias ao Japão em novembro. Esta será a primeira vinda de um sumo pontífice ao país desde João Paulo 2º em 1981.

Francisco deve desembarcar em Tóquio no dia 23 de novembro. No dia seguinte, ele visitará as cidades de Nagasaki e Hiroshima. Em Nagasaki, o papa vai rezar na Catedral Urakami, que foi reconstruída depois do bombardeio atômico sobre a cidade em 1945. Em Hiroshima, ele vai homenagear as vítimas dos bombardeios atômicos no Museu Memorial da Paz.

No dia 25 de novembro, Francisco deve se encontrar com o imperador Naruhito e o primeiro-ministro Shinzo Abe, em Tóquio, antes de celebrar uma missa no estádio Tokyo Dome.

As atenções estão voltadas para as possíveis mensagens antinucleares que o sumo pontífice transmitirá nas cidades atingidas pelos bombardeios atômicos.

Edição: José Romildo
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Veja Também  Brasil e Áustria firmam acordo de cooperação tecnológica
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana