conecte-se conosco


Nacional

Janaina Paschoal tem atrito com bolsonaristas após cobrar demissão de ministro

Publicado


Deputada Janaina Paschoal
Marcos Oliveira/Agência Senado
Janaína Paschoal exigiu a demissão do ministro do Turismo

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL) rebateu, na manhã desta segunda feira (15), as críticas que recebeu por defender a demissão do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. Eleitores de Bolsonaro pediram que a parlamentar paulista se colocasse “em seu devido lugar”.

Leia também: “PSL está cada vez mais parecido com o PT”, diz Janaina Paschoal

Em sua conta do Twitter, Janaina Paschoal
afirmou que recebeu mensagens dizendo que ela é “apenas uma deputada estadual” e não deveria intervir. “Só gostaria de lembrar duas coisinhas: 1- Se eu tivesse ficado no meu devido lugar, quando ainda nem era ‘apenas uma Deputada Estadual’, o PT estaria no poder. 2- Os aplausos reiterados levaram Lula à prisão!”, rebateu. 

“Então, sob as costumeiras pedradas, seguirei trabalhando (como sempre trabalhei) pelos netos de todos! E não faço isso por ser uma Deputada Estadual, faço isso por ser uma cidadã brasileira! Cidadã é o maior título que uma pessoa pode ter. Pensem nisso!”, completou a parlamentar. 

Janaina foi  uma das autoras do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT)
e chegou a ser cotada para ser vice-presidente de Bolsonaro nas eleições do ano passado, mas recusou o convite na época. 

Veja Também  Cuba se prepara para enfrentar novo período de escassez e penúria econômica





No último sábado, a jurista exigiu a demissão do ministro do Turismo
, que teria ameaçado a deputada Alê Silva (PSL
) de morte por denunciado um esquema de candidaturas laranjas no partido, pelo qual ele seria o responsável. A parlamentar defendeu que Bolsonaro afaste Marcelo Álvaro e afirmou que ele não deve esperar a conclusão do inquérito.

Leia também: Joice cobra apuração sobre relato de deputada do PSL: “Ameaça é crime”

“Como é que pode uma situação dessas e o Presidente não tomar providências? Não pode! O afastamento do Ministro não implicará atribuição de culpa, apenas um sinal de que o Presidente se importa com as mulheres de seu partido”, escreveu Janaina Paschoal
na ocasião.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook

Nacional

Enterro de catador que foi morto pelo exército será nesta sexta-feira (19)

Publicado


Família de Luciano Macedo
Reginaldo Pimenta/Agência O Dia
Família de Luciano Macedo pretende processar o Exército

O enterro do catador de material reciclável Luciano Macedo, 27 anos, acontecerá nesta sexta-feira (19) à tarde, no Cemitério de São Francisco Xavier, no Caju, zona portuária do Rio. A família não divulgou o horário do sepultamento.

Leia também: Morre catador baleado pelo Exército ao ajudar família alvo de 80 tiros no Rio

Luciano levou três tiros no domingo (7), ao tentar ajudar a família do músico Evaldo dos Santos Rosa, o Manduca, 51 anos, que teve o carro atingido por 83 tiros disparados por militares do Exército
, quando passava por Guadalupe, zona norte do Rio. O músico morreu na hora. Os militares confundiram o carro de Evaldo com um veículo também branco que havia sido roubado por ladrões.

De acordo com informação da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Luciano morreu na madrugada de ontem (18), no Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes. Em nota, a secretaria informou que “todos os esforços clínicos necessários foram realizados por profissionais multidisciplinares do Hospital Estadual Carlos Chagas
com o objetivo de oferecer o melhor atendimento ao paciente Luciano Macedo, vítima de perfuração por arma de fogo que deu entrada na unidade no último dia 7″.

A SES esclareceu que o paciente “apresentava estado de saúde gravíssimo desde a entrada na unidade, o que impossibilitava sua transferência”. No dia 17, Luciano Macedo
foi submetido a uma cirurgia torácica, mas acabou morrendo às 4h20 da madrugada de ontem (18). O catador deixou mulher, Daiana Horrara, grávida de cinco meses.

Veja Também  Justiça bloqueia bens de Alckmin em ação queinvestiga caixa dois da Odebrecht

Leia também: Bolsonaro diz que “exército não matou ninguém” sobre tiros em músico

A organização não governamental (ONG) Rio de Paz conseguiu, por meio de doações, enxoval para o bebê e dinheiro para alugar casa para a viúva. De acordo com o advogado da família do catador, João Tancredo, nove tiros disparados pelos militares do Exército
atingiram outro veículo estacionado do outro lado da rua. 

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Buscas em desabamento na Muzema chegam ao oitavo dia

Publicado


Pessoas sentadas no meio-fio aguardam novidades sobre buscas por sobreviventes
Divulgação/Agência Brasil/Fernando Frazão
Pessoas acompanham trabalhos de resgate após desabamento de prédios na Muzema

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro completa nesta sexta-feira (19) oito dias de busca por corpos e sobreviventes do desabamento de dois prédios no condomínio Figueiras do Itanhangá, na comunidade da Muzema, zona oeste do Rio de Janeiro.

Até o momento, o  número de mortos
no desabamento
chega a 20 pessoas, das quais 18 óbitos ocorreram no local. Duas pessoas morreram nos hospitais para onde foram levadas. A tragédia deixou oito pessoas feridas. 

De acordo com os bombeiros
, eles trabalham com a perspectiva de encontrar mais três corpos de pessoas desaparecidas. Cerca de 100 homens participam das buscas. O último corpo resgatado foi encontrado na quinta-feira (18) pela manhã e pertencia a uma mulher.

Leia também: Sobrevivente volta à Muzema e relata o resgate: “Escavei com as mãos”

Os edifícios na Muzema
não tinham autorização da prefeitura e tiveram suas obras embargadas em novembro do ano passado. A Polícia Civil investiga agora os responsáveis pela obra e pela venda dos imóveis, em busca de responsáveis pelo desabamento
.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Veja Também  Covas veta motos na Marginal Pinheiros e cria áreas com máxima de 30 km/h
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana