conecte-se conosco


Meu Pet

Como adestrar gato para usar o vaso sanitário

Publicado

Existem diversos vídeos virais na internet em que gatos não usam mais a caixa de areia para aliviar suas necessidades – nesses vídeos, muitos tutores optaram por adestrar gato para que ele utilize o vaso sanitário para fazer suas necessidades. Porém, como são animais que não funcionam como cachorros, ensiná-los um truque pode ser um pouco demorado e difícil.

Leia também: Como identificar dor em gatos? Conheça os sinais mais comuns


gato usando vaso sanitário
shutterstock
Algumas dessas dicas podem te ajudar na hora de adestrar gato para que ele utilize o vaso sanitário


Além de ser ainda mais higiênico do que a caixa de areia, o vaso sanitário não requer a limpeza diária e reposição de areia. Alguns dos donos conseguiram adestrar gato
até na hora de apertar a descarga. Para ajudar no momento de tentar ensinar o bichano a usar a privada, confira as dicas abaixo:

  1.  O primeiro passa é alterar o lugar onde a caixa de areia fica. Como os gatos apenas fazem suas necessidades dentro da caixa instintivamente, ele irá procurar o novo local onde ela está. Esse lugar será o banheiro, preferencialmente perto do vaso sanitário.
  2. Mude a altura da caixa de areia: para que o animal se acostume com o tamanho do vaso sanitário, é indicado que a cada semana, o tutor coloque apoios embaixo da caixa para que ela fique mais alta. Podem ser livros no começo, e depois até um banquinho para deixar a caixinha e o vaso do mesmo tamanho.
  3. Coloque a caixa de areia em cima da tampa do vaso sanitário: Esse passo vai fazer com que o gato perceba que a privada é um lugar onde ele pode ficar em cima. Ele vai se acostumar a fazer as necessidades naquele espaço, e quando for o momento de retirar a caixa, vai ser mais fácil.
  4. Utilizar um recipiente menor ou próprio para que o animal faça xixi e cocô em um espaço pequeno: pode ser uma vasilha antiga do tamanho da abertura do vaso, ou um “gatoalete”, acessório vendido especialmente para esse tipo de adestramento. Basta coloca-lo na posição e adicionar um pouco de areia.
  5. Depois de algumas semanas nesse processo, retire o adaptador do vaso e monitore o felino para ver se ele vai direto ao local para aliviar as necessidades. Se sim, dê descarga e recompense o animal com sachê ou algum petisco que ele goste, para que ele perceba que aquilo é algo certo que ele pode fazer.
Veja Também  Filhote de gato resgatado é do tamanho de bola de tênis e conquista fãs

Leia também: Saiba para que serve, como e quando usar malte para gatos

Cada bichano tem sua própria personalidade, então não é garantido que todos aprendam ou que o processo seja rápido. Se o seu animal de estimação se adaptar com mudanças facilmente, é provável que adestrar gato
seja mais simples do que seria com um felino teimoso.

Fonte: Canal do Pet
Comentários Facebook

Meu Pet

Que tal viajar na Páscoa com o seu pet? Saiba como proceder

Publicado

Está pensando em viajar na Páscoa e quer levar o pet junto? Aproveite essas dicas para ter a viagem perfeita com a companhia ideal. Mesmo que o destino seja longe ou perto, ainda dá tempo de viajar com seu animal de estimação. 


Gatinho dentro da caixa de transporte
Reprodução/ Shutterstock
Seja de carro, ônibus ou avião vale conferir as leis e exigências para embarcar rumo a qualquer destino

Destino –
essa é a principal dúvida de quem quer viajar com o pet. Para onde eu posso ir? Antes de colocar o pé na estrada, deve-se tem em conta que existem cidades mais “pet friendly” que as outras, onde tem uma opção maior de passeios, restaurantes, lugares para se divertir ao lado do companheiro de quatro patas. Se você busca um lugar com muita aventura e seu pet adora te acompanhar, a cidade de Brotas, por exemplo, que fica no interior de São Paulo, pode ser uma ótima opção. Até rafting com o pet é possível fazer.

Agora, se você prefere ficar na sombrinha, olhando para o mar e tomando aquela água de côco bem gelada, algumas opções interessantes são Ilha do Mel no Paraná ou Arraial D’Ajuda na Bahia. Nestes lugares você pode ficar nas praias sem preocupações se seu pet será bem-vindo ou não. O que é um alívio para quem tem filhos com focinho e rabo. E cidades grandes e capitais também são possíveis para aproveitar o feriadão. Curitiba, capital do Paraná, por exemplo, possui inúmeros parques e atrações turísticas onde o pet é recebido de braços abertos. Até parques só de cachorros existem nessa cidade. 

Hospedagem –
nesse quesito mora uma das maiores pegadinhas na hora de colocar o pet junto das malas. Hotéis que “aceitam animais” são diferentes dos hotéis que são realmente pet friendly. Os tutores devem estar atentos, por exemplo, se na área de restaurante tem opção de varanda para poder fazer as refeições acompanhados de seu pet. Se existe restrição de onde o animal de estimação deve ficar na área externa ou onde pode circular. Fique atento: área externa para a maioria dos hotéis não contempla a parte da piscina, quadras e ambientes que as pessoas ficam normalmente, e sim aquela graminha bem longe do mundo social.

Pousadas e hotéis com bastante área verde podem ser ótimas escolhas, de preferência se você conversar diretamente com os colaboradores da hospedagem e sentir aquele ambiente receptivo e amoroso com seu pet direto dos funcionários que lhe atendem. Não se engane. Não basta somente as palavras pet friendly e uma foto com cachorrinhos e gatinhos bonitos nos sites para se ter certeza do carinho que será dado aos filhotes durante a estadia.

Veja Também  Cachorro perdido é resgatado em alto mar, a 200 Km da costa da Tailândia

Meio de transporte –
sim, este talvez seja o item que cause mais pânico entre os tutores. São tantas regras, tantos detalhes, tantas especificações que as pessoas ficam perdidas e não conseguem organizar as informações. Seja de carro, ônibus ou avião vale conferir as leis e exigências para embarcar rumo a qualquer destino, bem como a respeito das regras de casa cada meio de transporte a ser utilizado. Dependendo da sua escolha, ainda dá tempo de deixar organizado. Mas, se a viagem que pretende fazer for de avião já para este feriado fica mais complicado de deixar a programação no ponto uma vez que demanda tempo até a compra da passagem, o aceite da cia aérea referente ao animal e a reserva da vaga dele no mesmo voo que o tutor.

Elementos como cinto de segurança, coleiras, focinheiras , caixas de transporte são básicos
para conseguir viajar tranquilo com o pet. Independente de como for viajar, veja se esses itens estão no seu check list. 

Veja Também  Cuidado! Não deixe seu cachorro comer chocolate nesta Páscoa

Documentos essenciais
– a carteira de vacinação em dia e um atestado de saúde emitido por um médico veterinário com validade de 10 dias são itens primordiais e devem estar sempre atualizados. Todas as vacinas devem ser dadas a fim de evitar que o pet se contamine ou transmita algum tipo de doença. Além disso, dependendo do destino da viagem, vacinas ou tratamentos profiláticos específicos devem ser administrados. Em viagens à praia, por exemplo, é de extrema importância dar a vacina contra o Verme do Coração ou Dirofilariose (transmitida por mosquito que pode causar insuficiência cardíaca e morte). O atestado de saúde é essencial para embarcar (ônibus ou avião) e fazer check in em hospedagens. Não se esqueça destes itens. Inclusive em viagens de carro, se for parado por algum agente de trânsito e não apresentar esse documento pode ocasionar uma perda de tempo enorme até conseguir resolver a situação. 

Faça a mala
– ao montar sua bagagem, não esqueça de levar potinhos de água e comida, a cama onde seu animalzinho vai repousar, remédios (caso o pet necessite), verificar se no destino há veterinários 24h para alguma emergência. E claro: celular, carregador e câmera fotográfica para tirar altas fotos e vídeos de todos os momentos de diversão entre o tutor e o pet. 

 Aproveite o feriado ao lado de quem ama e comentem aqui as experiências de vocês.

Leia também

Viajar com animal de estimação requer treinamento prévio; confira dicas

Fonte: Canal do Pet
Comentários Facebook
Continue lendo

Meu Pet

Aprenda a fazer ovo de Páscoa para cachorro

Publicado

Muita gente não sabe, mas o chocolate é tóxico para os pets
. Por isso, quem quer presentear o animal de estimação com um doce pode optar por fazer um ovo de Páscoa para cachorro neste feriado e incluí-lo nas comemorações. A receita compartilhada pela Dog Hero é segura é leva apaenas 3 ingredientes que podem ser encontrados facilmente no supermercado.

No lugar do chocolate, este ovo de Páscoa para cachorro
leva alfarroba, um fruto rico em vitaminas A e B, além de minerais como cálcio, fósforo, ferro, potássio, magnésio. Claro que assim como todo tipo de alimento, a alfarroba deve ser oferecida com moderação aos peludos.


cachorros comendo ovo de páscoa
DogHero
Ovo de páscoa para cachorro


Receita de ovo de Páscoa para cachorros

  • 100g de alfarroba em barra (você encontra em lojas de produtos naturais)
  • ⅓ de xícara de água
  • ½ xícara de coco ralado
  • Uma panela pequena
  • Uma ou duas forminhas de ovos de Páscoa de 30g (pode ser de plástico ou silicone)
Veja Também  Pitbull corajosa evita que dona seja picada por cobra venenosa

Modo de preparo

Derreta as barras de alfarroba em fogo baixo juntamente com a água. Quando o conteúdo ficar bem amolecido (menos consistente do que o ponto do brigadeiro). Desligue o fogo e misture o coco ralado. Coloque o conteúdo nas forminhas e cubra com plástico filme. Deixe que os ovos descansem na geladeira por pelo menos cinco horas.


ovo de páscoa para cachorro
DogHero
Ovo de páscoa para cachorro


Leia também: Cachorro cava buraco no túmulo do dono para ficar mais perto dele

Agora seu pet pode desfrutar de um delicioso ovo de Páscoa para cachorro
sem ter problemas de saúde causados pelo chocolate. Vale lembrar que se o animal for alérgico a algum dos ingredientes, é melhor evitar a receita e procurar outra opção junto com o médico veterinário.

Fonte: Canal do Pet
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana