conecte-se conosco


Carros

Quanto vai custar o novo Toyota Corolla no Brasil?

Publicado

Ei, você, que está pensando em comprar a nova geração do Toyota Corolla: o modelo será lançado neste ano no Brasil, com preços entre… Achou que já íamos contar? Para saber a nossa estimativa de valores e também o mês em que o novo sedã médio deve começar a ser vendido no país, convidamos a assistir ao vídeo da semana.

LEIA MAIS: Toyota Yaris Sedan: ele é melhor que Honda City e VW Virtus?

Totalmente renovado, o novo Toyota Corolla
chegará com tecnologias que reforçarão suas credenciais de veículo confortável, econômico e de desempenho exemplar. A opção de motorização híbrida talvez seja a grande novidade da linha. Ele será equipado com o mesmo conjunto do Prius, porém, flex: propulsor 1.8 a combustão de cerca de 105 cv com etanol e outro elétrico de 72 cv.

Nos EUA, as médias de consumo declaradas para essa nova mecânica do Corolla impressionam: 22,3 km/l na cidade e 21,9 km/l na estrada, de acordo com o instituto Fuel Economy, similar ao nosso Conpet, do Inmetro. Vale lembrar que os híbridos são mais econômicos na cidade, pelo maior tempo de atuação do motor elétrico no ciclo urbano.

LEIA MAIS: Toyota Etios X 1.3 AT: por que mesmo com muitos pontos negativos é ótima compra?

Veja Também  5 carros de Roberto Carlos, que faz 78 anos

As versões de entrada do novo Corolla vão utilizar um inédito motor 2.0 flex. Com injeção direta de combustível, entregará 170 cv e estará pareado com uma nova transmissão CVT de sete marchas virtuais. Para este conjunto, as médias de consumo anunciadas nos EUA foram de 13 km/l na cidade e 16,8 km/l na estrada, com gasolina. Como comparação, o atual 2.0 de 153 cv faz, com gasolina, 10,6 km/l em trecho urbano e 12,6 km/l no rodoviário.

Novo Toyota Corolla, novas tecnologias


Toyota Corolla da nova geração adianta tecnologias para ver se abre mais ainda do Civic nas vendas
Divulgação
Toyota Corolla da nova geração adianta tecnologias para ver se abre mais ainda do Civic nas vendas

Outro grande destaque da nova geração do Corolla é a plataforma modular TNGA, a mesma do Toyota Prius
, que permitiu não só a adoção do motor híbrido, mas também de novos itens de tecnologia. O modelo finalmente trará recursos como head-up display (que projeta informações do quadro de instrumentos no parabrisa), suspensão adaptativa com seis programações pré-determinadas, frenagem automática de emergência, controlador de velocidade adaptativo, detector de ponto cego, alerta de saída de faixa e carregador de celular por indução. Resta saber somente se todos esses recursos serão disponibilizados no Brasil.

Veja Também  Mini Cooper S chegará ao Brasil em versão comemorativa de 60 anos

LEIA MAIS: Toyota Corolla GLi: 5 motivos para amar e 11 para odiar

Na cabine, nem mesmo o reloginho digital à la Ford Del Rey foi preservado. O painel 100% novo agrada pelo visual moderno e também pelo nível de acabamento. A central multimídia com tela flutuante de oito polegadas e sensível ao toque conta com botões físicos e aparenta ser bem mais intuitiva que a atual.

As medidas do novo Toyota Corolla
são praticamente idênticas as do modelo ainda vendido no Brasil. Ele tem um centímetro mais no comprimento (são 4,63 metros), 1 cm extra na largura (1,78 m) e os mesmo 2,70 metros de distância entre-eixos. O porta-malas saltou de 470 para 471 litros. Já o design mudou bastante, com um estilo bem mais moderno em relação ao predecessor, mas ainda nem tão futurista quanto as linhas do rival Honda Civic
.


Escreva para coluna De Carona com Leandro no  Youtube
ou no  Instagram

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook

Carros

Kwid e Zoe representam os dois extremos da Renault

Publicado


Renault Kwid
Divulgação
Renault Kwid: lançado em 2017, foi um dos principais responsáveis pela crescente da marca francesa no Brasil

O Renault Kwid é o novo líder do ranking de carros de entrada no Brasil. Ele disputa carro a carro com o Volkswagen Gol a primazia de ser o número 1 no segmento mais popular. No fechamento de março, deu Kwid com uma vantagem acumulada de 511 carros. Nas três primeiras semanas de abril o Gol estava reagindo, vamos ver como termina o mês. O Kwid ostentou a liderança porque a Fenabrave finalmente mudou o Ford Ka de categoria. Recentemente, a República do Automóvel publicou que o ranking estava errado, pois o Ka não poderia estar na categoria de entrada se é maior do que o Chevrolet Onix.

LEIA MAIS: Jetta encosta no Cruze. Será que finalmente teremos uma briga entre sedãs?

Diante das críticas desta coluna, a Ford pediu e a Fenabrave atendeu: o Ka agora concorre numa categoria superior, até para fazer jus ao carro, que não é mais aquele pequeno modelo de duas portas da primeira geração. Quanto ao Kwid
, é justo que ele brilhe também, mesmo que seja brigando com o Gol – um carro que tem uma história riquíssima no mercado brasileiro e sul-americano. Mas, quando a gente fala de Renault, não deve olhar somente para o Kwid. A marca francesa tem um olho no mercado popular, sim, mas também tem um olho no futuro.

Falar de carros elétricos e compartilhamento como algo do futuro já não é totalmente correto. Afinal, o mercado existe, está avançando rapidamente em várias regiões do mundo, e até mesmo no Brasil. Por isso, o Zoe, 100% elétrico, também deve ser visto como parte da estratégia da Renault para o mercado brasileiro. No Salão de São Paulo de 2018, algumas marcas começaram a vender oficialmente carros elétricos. O Renault Zoe
foi um deles. E cito o Zoe porque a Aliança Renault
Nissan Mitsubishi é líder mundial na venda de carros elétricos, com mais de 725 mil veículos vendidos. E agora a Renault dá um passo também no compartilhamento no Brasil.

Kwid e Zoe são o presente, mas também o futuro


Renault Zoe
Divulgação
Renault Zoe é a aposta da marca na categoria dos compactos elétricos, contra Chevrolet Bolt e Nissan Leaf

Com uma experiência em São Paulo (com o próprio Zoe) e outra no Paraná (com seus veículos de frota), a Renault começa a testar seu projeto de “car sharing” no Brasil. A Aliança está investindo US$ 1 bilhão na nova geração de mobilidade, que inclui carros elétricos e autônomos. A participação é de 40% para Renault, 40% para a Nissan e 20% para a Mitsubishi. No Brasil, a empresa criou o Renault Lab e firmou uma parceria com a empresa Cubo, do Itaú, para avançar nessa questão das tecnologias de mobilidade.

Veja Também  5 carros de Roberto Carlos, que faz 78 anos

LEIA MAIS: Gol, Onix, Compass e Volvo V60 na mesma plataforma mostram status do carro

Claro que os carros elétricos ainda são muito caros. Mas, por incrível que pareça, a experiência mais avançada que temos no Brasil sobre e-commerce automotivo é a do Renault Kwid. O sistema K-Commerce já realizou mais de 13 mil vendas online. Fora da indústria automobilística, também temos o programa do site Mercado Livre, que permite um sinal para a compra do carro usado dentro do ambiente online. Portanto, o Kwid e o Zoe representam hoje duas faces extremas da mesma empresa: uma, de olho no consumidor que busca um carro mais acessível; a outra, de olho no consumidor que aprecia as novidades tecnológicas no campo da mobilidade.

Kwid foi pensado para custar pouco


Kwid
Divulgação
Compacto e versátil, o Renault Kwid tem a concepção de um carro de baixo custo para o mercado brasileiro

Recentemente, o site Guia do Carro publicou um artigo sobre o “dilema” do Kwid, que é um carro cada vez mais aceito pelos consumidores brasileiros, mas sempre muito criticado pelos especialistas: “Nove entre dez especialistas torcem o nariz para o Renault Kwid. E dez entre dez especialistas amam o Volkswagen Up. Mas, a cada vez que um Up é vendido em uma concessionária da Volks, nada menos que seis Kwid são emplacados em algum canto do Brasil. O Kwid é um sucesso, queiram ou não os especialistas”.

Veja Também  Kawasaki Z1000R Edition, a  “streetfighter” com motor de 142 cavalos

LEIA MAIS: Carro chinês passa a ser boa opção no mercado brasileiro

O texto também aborda a boa ideia do fabricante: “O Renault Kwid é um carro inteligente. Para se ter uma ideia, 80% de suas peças foram construídas exclusivamente para ele. Assim, o Kwid não tem peças caras e pesadas para seu projeto em função da economia de escala, usando algo feito para outro carro (caso do Mobi, que parece um Frankenstein automotivo). Os pneus são finos (e isso é motivo para os especialistas torcerem o nariz), mas ajudam na economia de combustível. As rodas são de aço, mas têm um desenho que lhe dão aspecto de roda de liga leve”.

Quanto ao Zoe, aguardo a oportunidade de dirigir para saber se ele tem os mesmos predicados que já vi no Chevrolet Bolt e no Nissan Leaf, por exemplo. Uma coisa é certa: neste novo mercado que está chegando, vai se dar bem quem tiver um olho no peixe e outro no gato, tal como Renault Kwid
e Zoe.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Carros

Veja os 5 modelos de entrada com seguro mais em conta no Brasil

Publicado

Antes de comprar um carro novo, você deverá realizar uma série de cálculos e pesquisas. Além de cesta de peças, IPVA e gastos diários com combustível, o seguro é uma das etapas mais importantes neste processo. É sempre complicado tocar neste assunto de forma precisa, uma vez que a cotação do seguro dependerá muito do perfil do condutor.

LEIA MAIS: Veja 5 carros seminovos que nós não teríamos

Ele é jovem ou pai de família? Mora em um bairro com muita incidência de roubos e furtos ou em um condomínio fechado com segurança? Deixa o carro no estacionamento quando vai para a faculdade ou prefere parar na rua? Tudo interfere no valor final do seguro
, mas a Bidu, plataforma online de comparação de apólices, preparou um ranking com os valores mais baixos entre os modelos de entrada disponíveis no Brasil.

Para o levantamento, foi considerado um homem de 35 anos, morador da cidade de São Paulo, que mantém o carro em garagem fechada em casa e no trabalho. Acompanhe.

5 – VW Gol – R$ 3.536


Volkswagen Gol
Divulgação
O seguro do Volkswagen Gol costuma sem bem salgado entre os modelos de entrada

O Volkswagen Gol
é o mais caro entre os baratos, pois o valor médio que um proprietário terá que desembolsar anualmente é de R$ 3.536. Historicamente, o veículo sempre teve um seguro bem elevado por conta de sua alta nas vendas. Quanto mais carros na rua, maior a demanda por peças de reposição e, consequentemente, roubos e furtos. Atualmente, o Gol está disponível com três motorizações: uma opção 1.0 (de 82 cv) e duas 1.6 (104 cv na versão manual e 120 cv no automático).

Veja Também  Renault Zoe 2019: primeiras impressões do modelo elétrico na cidade

4 – Fiat Mobi – R$ 2.913


Fiat Mobi
Divulgação
O Fiat Mobi surge na quarta colocação entre os modelos de entrada com o seguro mais em conta do Brasil

Entre os veículos de entrada, o Mobi é o segundo mais caro da lista. De acordo com o levantamento da Bidu, o valor fica na casa dos R$ 2.913 para um proprietário de 35 anos, casado, que mora em São Paulo. Atualmente, o Fiat Mobi está disponível em seis versões, todas equipadas com motor 1.0, de três cilindros, de 77 cv. Entre elas, evite a versão com câmbio automatizado GSR, que não vale a pena. 

LEIA MAIS: Veja os 5 hatches compactos mais fáceis e baratos de consertar no Brasil

3 – Toyota Etios – R$ 2.467


Toyota Etios
Renato Maia/Falando de Carro
Além da mecânica e valor competitivo, o compacto Toyota Etios também tem bom valor de seguro

Boa notícia para você que sempre quis ter um carro da Toyota: o Etios fica com a medalha de bronze entre os modelos com seguro mais em conta para a cidade de São Paulo. O valor médio fica na casa dos R$ 2.467, podendo variar bastante de acordo com o perfil do condutor. O Etios está disponível com motores 1.3 e 1.5 (de 96 cv e 107 cv, respectivamente), com opções automáticas (de quatro marchas) e manuais.

Veja Também  Ken Block apresenta o seu novo brinquedo: uma Ford F-150 Raptor de 550 cv

2 – Ford Ka -R$ 2.057


Ford Ka FreeStyle
Divulgação
O Ford Ka surge com a medalha de prata entre os veículos de entrada com o seguro mais em conta no Brasil

Ainda acha que o seguro do Toyota Etios é salgado? Pois o Ford Ka
recebe a medalha de prata com o bom valor de R$ 2.057, conferindo um desconto que passa dos R$ 400. Renovado no ano passado, o hatch da Ford está disponível com duas motorizações: 1.0 (três cilindros de 85 cv) e 1.5 (de 136 cv), sendo que a última pode ser acoplada ao câmbio automático de seis marchas, com opções de trocas sequenciais na própria alavanca. 

LEIA MAIS: Você seria capaz de acertar 10 perguntas sobre a indústria automotiva

1 – Renault Kwid – R$ 1.834


Renault Kwid
Divulgação
O campeão da lista é o Renault Kwid. O carro mais barato também tem ótimo valor de seguro

Claro que o carro mais em conta  da lista também teria o seguro mais em conta. De acordo com o levantamento da Bidu, o seguro
do Renault Kwid tem preço médio na casa dos R$ 1.834. É um desconto que excede os R$ 1,7 mil, quando comparado aos valores do Volkswagen Gol. O Kwid é vendido exclusivamente com motor 1.0 de 70 cv, alternando entre as versões Life, Zen e Intense.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana