conecte-se conosco


Mato Grosso

Governador assina protocolo que prevê ações integradas no setor do agronegócio

Publicado

O governo de Mato Grosso irá realizar uma série de ações conjuntas com o Estado de Rondônia no setor de agropecuária, principalmente ligadas à sanidade animal e vegetal. A parceria está focada inicialmente na fiscalização e controle da febre aftosa, já que a vacinação contra a doença será retirada da região de fronteira entre os estados este ano, conforme o calendário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Mas também existe o interesse em se fomentar outras cadeias e ainda viabilizar a troca de tecnologia. Para oficializar a situação, o governador Mauro Mendes assinou um Protocolo de Intenções entre os estados na tarde de segunda-feira (18), durante o 2º Reunião dos Fundos Emergenciais para a Saúde Animal. O evento está sendo realizado no Hotel Odara e tem programação até esta terça-feira (19).

De acordo com Mendes, a união é importante porque os estados têm negócios em comum e ainda sofrem com as mesmas dificuldades, entre elas, a questão da logística. Com a parceria, ele acredita que será possível otimizar os recursos e fortalecer a economia. “Temos uma sinergia muito forte com o estado vizinho e temos que aproveitar e dar mais um passo em direção a novos mercados internacionais”.

Veja Também  Unemat faz visita técnica a UFRJ para conhecer experiência de creditação da extensão

Entre os mercados que pagam mais, no entanto, querem o animal sem vacina, estão os Estados Unidos e grande parte da Ásia. O secretário de estado de Desenvolvimento Econômico, César Miranda, explica que os compradores pagam melhor e por isso, exigem mais. Precisamos trabalhar juntos porque algumas fazendas estão parte em nosso estado e parte em Rondônia. É impossível gerir a retirada sem a cooperação”.

Miranda esclarece que Mato Grosso está muito tempo sem a doença e precisará se esforçar para conquistar um território sem aftosa e sem vacinação. Mas ele lembra que as barreiras serão mais rígidas e que haverá um isolamento da região que inclui Rondônia, o município de Rondolândia (MT) e ainda parte de Juína (MT), Aripuanã(MT) e Colniza (MT).

Já para o secretário de estado de Agricultura de Rondônia, Evandro César Padovani, a parceria pode ir além da pecuária e atingir outras cadeias produtivas do agronegócio. Ele afirma que existe o interesse em compartilhar pesquisas e experiências nas áreas de piscicultura, suinocultura e cafeicultura, por exemplo.

Veja Também  Projeto de escola reúne comunidade para discussões sobre transtornos emocionais

Outra vertente é a oferta de assistência técnica aos pequenos produtores na região de fronteira, pois alguns rondonienses estão muito distantes das bases do Estado e o mesmo acontece com os mato-grossenses que estão mais perto de Rondônia.

Como será a retirada da vacina

O Mapa dividiu o país em 5 blocos e este será o primeiro a suspender a imunização. Todo trabalho será coordenado pela União e pelos estados, sendo que Mato Grosso aparece no 1º bloco, que divide com Rondônia, e no 5º bloco, que será executado em 2022.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook

Mato Grosso

Penitenciária investe em qualificação profissional para reeducandos

Publicado

Vinte reeducandos da Penitenciária Regional Major Eldo Sá Corrêa, em Rondonópolis (214 km ao sul de Cuiabá), iniciaram nesta semana curso de qualificação profissional em panificação e confeitaria. As aulas são ministradas três vezes por semana, com orientações práticas e teóricas, na padaria instalada na unidade prisional e toda a produção é utilizada internamente.

A duração da capacitação é de dois meses e meio e foi elaborada pela equipe pedagógica da penitenciária e organizada pelos servidores que coordenam as atividades laborais do Projeto Alvorada. O curso é custeado com recursos da cantina da unidade prisional, para o pagamento do instrutor, e tem investimentos do Departamento Penitenciário Nacional, que por meio de convênio destinou verba para aquisição de equipamentos e insumos para a padaria, inaugurada na penitenciária há um ano.

Investimento em qualificação

O novo curso de panificação e confeitaria é mais uma qualificação dentro das atividades laborais ofertadas aos reeducandos na maior unidade prisional no interior do Estado. Atualmente, a penitenciária tem 1.500 presos custodiados, entre condenados e provisórios e destes, 450 estudam e trabalham em oficinas de corte e costura, serigrafia, marcenaria, padaria-escola, horta, serralheira, lavandaria e nas obras e serviços gerais.

Além disso, há seis salas de aula para oferta de educação básica e cursinho pré-vestibular, de onde já saíram reeducandos direto para cursar ensino superior em universidade pública.

Veja Também  Órgãos estaduais e federais dão início à etapa de resposta aos incêndios florestais

Coordenado por dois servidores da penitenciária, o projeto Alvorada inclui a padaria, ateliê de corte, costura e serigrafia e uma lavanderia, que somam quase 50  recuperandos trabalhando. Estas iniciativas, junto a dezenas de outros projetos laborais nas demais unidades prisionais do Estado, ajudam a colocar o Sistema Penitenciário de Mato Grosso entre os principais números de presos exercendo alguma atividade educativa ou laboral – 33,9% da população prisional do Estado está trabalhando e estudando – uma realidade bem distinta da maioria dos Estados brasileiros e da média nacional, que é de 18,9%.

O assistente penitenciário, Emmanuel Carlos Rodrigues Silva, destaca que estas atividades extras são importantes para promover a capacitação dos internos.


Ateliê de corte e costura na penitenciária de Rondonópolis 

“Atuamos em várias frentes no intuito de dar oportunidade aos reeducandos para sair daqui e ter uma profissão. Sabemos que hoje há vagas disponíveis no mercado de trabalho que exigem capacitação e é dada ao interno a possibilidade de escolher a atividade que mais interessa. Além do aprendizado, este preso tem um dia de remissão de pena a cada três dias trabalhados”, pontua Emmanuel que, em conjunto com a servidora Maria Leite, cuida das atividades do projeto Alvorada.

Veja Também  Alunos de computação da UFMT e da UFR fazem visita técnica ao TCE

No ano passado, o ateliê de corte e costura teve uma produção de quatro mil peças de roupas, entre uniformes para as unidades prisionais masculina e feminina e servidores, além de outras demandas externas. A parceria com uma empresa de uniformes da cidade também aproveita a mão de obra dos reeducandos, que são remunerados por produção. A empresa entrega as peças já cortadas e na oficina da penitenciária é feita a costura e arremate final.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Agência das Águas detalha diagnóstico realizado na Bacia do Alto Paraguai

Publicado

Representantes da Agência Nacional das Águas (ANA) estiveram na sede da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) para apresentar informações sobre o diagnóstico que está sendo realizado para avaliar o impacto dos empreendimentos energéticos que podem vir a ser instalados na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai (BAP). O estudo servirá de base para construção de nota técnica sobre o tema.

“Podemos garantir que formamos um grupo com os melhores pesquisadores brasileiros sobre os assuntos em pauta. Acreditamos que essa análise servirá, inclusive para nortear outras políticas públicas de desenvolvimento sustentável”, projeta o superintendente de Planejamento da ANA, Sergio Ayrimoraes.

Iniciados em novembro de 2016, os estudos são realizados em parceria com universidades e órgãos estaduais. Um dos principais resultados esperados é a delimitação e diferenciação entre as áreas consideradas prioritárias para preservação, por serem primordiais na manutenção das rotas migratórias dos peixes e aquelas consideradas menos importantes para a ictiofauna, permitindo a implementação de empreendimentos energéticos.

A pesquisa também avalia se a implementação de empreendimentos energéticos acarreta em impactos significativos no regime hidrológico dos rios da região.

“O dado científico virá para desmistificar as dúvidas que existem em relação aos impactos que esses empreendimentos podem causar tanto no regime das águas, quanto no comportamento dos peixes”, explica a secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti.

Veja Também  Escolas fecham semestre com atividades culturais e festas tradicionais

De acordo com o diretor da ANA, Marcelo Cruz, o mesmo trabalho de apresentação será feito com o Governo de Mato Grosso do Sul unificando os entendimentos sobre a dinâmica da bacia que abrange as duas unidades da federação. 

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana