conecte-se conosco


Política Nacional

Subcomissão temporária do Senado vai acompanhar situação na Venezuela

Publicado

A Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado, criou hoje (14) uma subcomissão Temporária para acompanhar a situação da Venezuela. O colegiado contará com cinco titulares e cinco suplentes terá na presidência o senador Telmário Mota (PROS- RR) e na relatoria, Márcio Bittar (MDB-AC). O grupo poderá trabalhar por um ano.

Segundo o relator, o espírito da subcomissão “não é interferir no país vizinho”, mas marcar uma posição do Brasil a favor da democracia. Na próxima terça-feira (19), Bittar disse que um plano de trabalho deverá ser discutido e adiantou à Agência Brasil que um dos primeiros passos do grupo deve ser ouvir representantes do Executivo, responsáveis por acompanhar de perto a situação, como o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e representantes das Forças Armadas, que comandam ações na fronteira com a Venezuela.

Ainda sobre a situação da Venezuela, o presidente da subcomissão, senador Telmário Mota, lembrou questões práticas preocupantes entre os dois países. Ele lembrou que atualmente o estado de Roraima é isolado do sistema energético do Brasil. “Nós somos o único estado que não está interligado. A nossa energia vem da Venezuela, e o contrato é até 2020. Como a Venezuela viveu recentemente um grande apagão, do qual saiu ontem, essa energia foi suspensa por sete ou oito dias, e nós estamos vivendo da energia das termelétricas, com um valor insuportável para Roraima e para o país, porque ela é subsidiada”, avaliou.

Veja Também  Moro pede ao Congresso que se debruce em pacote anticrime

O senador lembrou ainda que, além da relação comercial com a Venezuela, o Brasil, tem uma relação cultural com o país vizinho. “Vários estudantes brasileiros, não só do estado de Roraima, como do Amazonas e de outros estados, estão hoje impedidos de ir e vir. E, também em Pacaraima, que é um município na fronteira, há algo em torno de 2,1 mil alunos, e 500 alunos vêm da Venezuela, são filhos de brasileiros e venezuelanos que não estão frequentando a aula”, disse.

Brasília - O relator do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado, senador Telmário Mota, durante reunião para decidir sobre o depoimento do senador licenciado, Delcídio do Amaral ( Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Senador Telmário Mota será o presidente da subcomissão – Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

Edição: Sabrina Craide
Fonte: EBC Política
Comentários Facebook

Política Nacional

Sérgio Cabral é denunciado por corrupção pela 29ª vez

Publicado


Sérgio Cabral já acumula 197 anos em condenações; em fevereiro ele admitiu ter recebido propina
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Sérgio Cabral já acumula 197 anos em condenações; em fevereiro ele admitiu ter recebido propina

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral foi denunciado pelo Ministério Público Federal pela 29ª vez nesta terça-feira (20). Cabral é acusado de lavagem de dinheiro, corrupção passiva e operação criminosa. A denúncia faz parte da Operação Consigliere, uma das fases da Operação Lava Jato no Rio.

Além de Sérgio Cabral
, foram presos na mesma operação  Regis Fichtner, secretário estadual da Casa Civil
nos dois mandatos do ex-governador, e o coronel da Polícia Militar Fernando França.

Segundo os procuradores, Regis teria recebido R$ 4,9 milhões em propina. Os agentes do Ministério Público também afirmam que Cabral sabia e compactuava com o esquema de corrupção. O coronel Fernando França, por sua vez, é acusado de ser o operador financeiro de Regis.

Ainda de acordo com o MPF
, a propina era paga pelos doleiros Renato e Marcelo Chebar, Cláudio Barbosa, conhecido como Tony, e Vinicius Claret, conhecido como Juca Bala. Todos eles são delatores da Lava Jato. Segundo a denúncia, a propina era entregue em dinheiro vivo por meio da transportadora de valores TransExpert.

Também nesta terça-feira, doleiros ligados a Cabral foram presos pela Operação Câmbio Desligo
, outro desdobramento da Operação Lava Jato
no Rio de Janeiro. Sergio Guaraciaba Martins Reinas, Nissim Chreim, Thânia Nazli Battat Chreim e Jonathan Chahoud Chreim são suspeitos de integrar um esquema de corrupção supostamente chefiado por Cabral.

Veja Também  Projeto mantém crimes de corrupção em campanhas na Justiça comum

Os doleiros presos na manhã de hoje foram delatados por Renato Chebar, Marcelo Chebar, Tony e Juca Bala, também doleiros, os mesmos que entregaram o ex-governador.

Cabral está preso desde 2016 por recebimento de propina em troca de favorecer empresas em contratos públicos.Ele já soma mais de 197 anos em condenações, todas em função de desdobramentos da Lava Jato. O ex-governador cumpre pena no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, no Rio de Janeiro.

Em fevereiro deste ano, Sérgio Cabral
admitiu pela primeira vez
ao juiz Marcelo Bretas que recebia propina no valor de 3 a 5% nas obras de vários setores do Estado. Na ocasião, o ex-governador falou sobre a corrupção na saúde fluminense, e chegou a acusar a Igreja Católica de participação no esquema. Desde então, a defesa de Cabral afirma que ele pretende colaborar em outros processos que responde.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Filha de Queiroz repassou 80% do salário na Câmara para o pai, aponta Coaf

Publicado


Novo relatório do Coaf levanta suspeita que Fabrício Queiroz comandava esquema de
Reprodução/SBT
Novo relatório do Coaf levanta suspeita que Fabrício Queiroz comandava esquema de “rachadinha” no gabinete de Bolsonaro

Um novo relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) enviado ao Ministério Público do Rio (MP-RJ) mostra novas movimentações consideradas atípicas feitas por Nathalia Melo de Queiroz para o pai dela, Fabrício Queiroz, quando a jovem trabalhava no gabinete do então deputado federal Jair Bolsonaro.

Leia também: Queiroz diz que gerenciava salários dos funcionários de Flávio Bolsonaro

De acordo com o relatório, a jovem repassou 80% do salário que ganhou na Câmara para a conta do pai entre os meses de junho e novembro de 2018. Foram R$ 29,6 mil dos R$ 36,6 mil que recebidos. 

A Promotoria suspeita que Queiroz tenha comandado uma pratica conhecida como “rachadinha”, onde funcionários repassam uma parte de seus salários de volta para os parlamentares.

Em um depoimento por escrito ao Ministério Público do Rio de Janeiro no início de janeiro, Fabrício Queiroz  afirmou que recolhia parte dos salários dos funcionários do então deputado estadual para redistribuir para outras pessoas que também trabalhavam para Flávio, ainda que não estivessem formalmente vinculadas à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Queiroz chamou a função de “gerenciamento financeiro dos salários do gabinete”. 

Veja Também  Senado avalia substituir por domiciliar prisão preventiva de lactantes

De acordo com Queiroz, o objetivo era “ampliar a rede de colaboradores” de Flávio Bolsonaro para aproximar o deputado de sua base eleitoral. O ex-assessor afirmou ainda que Flávio não sabia da prática. O agora senador não se posicionou sobre as declarações.

“Por contar com elevado grau de autonomia no exercício de sua função, resultante de longeva confiança que nele depositava o deputado, o peticionante nunca reputou necessário expor a arquitetura interna do mecanismo que criou ao próprio deputado e ao chefe de gabinete”, diz o documento entregue ao MP-RJ.

Queiroz afirmou que não considerava a prática ilícita pois o dinheiro não era usado em benefício próprio ou de terceiros, e sim para “multiplicar e refinar os meios de escuta da população por um parlamentar”.

Entenda a ligação de Nathalia Queiroz com a família Bolsonaro


Filha de Fabrício Queiroz, Nathalia também teve movimentações bancárias atípicas, segundo o Coaf
Reprodução
Filha de Fabrício Queiroz, Nathalia também teve movimentações bancárias atípicas, segundo o Coaf



Ainda em 2007, aos 18 anos, Nathalia começou a atuar na vice-liderança do PP, então sigla de Flávio Bolsonaro, onde ficou até fevereiro de 2011. Já de agosto do mesmo ano até dezembro de 2016, ela esteve lotada no gabinete do deputado estadual e agora senador Flávio Bolsonaro.

Veja Também  Bolsonaro lamenta ataques a mesquitas na Nova Zelândia

Sabe-se que quando ainda era servidora da Alerj, entre 2011 e 2012, Nathalia também trabalhava como recepcionista numa academia que fica em um shopping no Rio de Janeiro e foi contratada para participar de eventos de fitness também em horário comercial de dias úteis.

Leia também: STF nega pedido de Flávio Bolsonaro para suspender investigação sobre Queiroz

Contratada pelo gabinete de Jair Bolsonaro no final de 2016, Nathalia mudou de cargo duas vezes, e nos seus últimos meses como secretária, recebeu um salário bruto de R$ 10.088,42. Ela trabalhou com o agora presidente da República até o final de 2018.

Apesar de ter sido contratada em dezembro de 2016 com regime de 40 horas semanais, clientes que contratavam a educadora física certificada em eletroestimulação como personal trainer relataram que ela prestava atendimento rotineiramente em dias úteis e horário comercial, no Rio de Janeiro.  O registro de frequência dos secretários é administrado pelos próprios parlamentares.

Em um relatório prévio do Coaf, o nome de Nathalia já estava associado a uma transferência de R$ 84 mil para a conta de Fabrício Queiroz.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana