conecte-se conosco


Mulher

Mulheres inspiradoras: fotógrafa e mãe de três mostra a maternidade “sem filtro”

Publicado

No mês em que é celebrado o Dia Internacional da Mulher, o Delas
conversou com algumas mulheres inspiradoras para mostrar como a força feminina pode fazer o mundo mudar – e não é preciso nenhum super-poder, viagens a lugares incríveis ou premiações grandiosas para conseguir fazer a diferença.


Entrevistada para a série
Reprodução/Instagram
Entrevistada para a série “Mulheres inspiradoras”, Maria Dinat fala como encara a influência que tem sobre outras mulheres

No caso de Maria Emília Dinat, de 32 anos, que é fotógrafa e mãe do Joaquim, 7, da Amélie, 5, e da Iolanda, de um ano, a maioria dos dias acontece ali mesmo, na cidade de Araraquara, no interior de São Paulo, onde vive com os pequenos e o marido. Ela é a entrevistada da vez para a série sobre mulheres inspiradoras
, que começou na semana
passada e está sendo publicada todas as sextas-feiras neste mês de março.

Através do perfil no Instagram ela divide com milhares de pessoas seu cotidiano com todas as dores e delícias sobre o que é ser uma mulher independente, mãe, profissional e esposa. No melhor estilo “a vida como ela é”, onde os únicos filtros são os usados na edição das fotos.

Mulheres inspiradoras: Maria Emília Dinat


Mulheres inspiradoras não precisam de super-poderes e Maria Dinat pode mostrar isso através de seu Instagram
Reprodução Instagram
Mulheres inspiradoras não precisam de super-poderes e Maria Dinat pode mostrar isso através de seu Instagram

 “‘Corajosa você!’, é o que me dizem quando digo que sou mãe de três. Me dá sempre uma curiosidade de perguntar o porquê desse adjetivo, porque nunca entendi o sentido dele. Não preciso ser corajosa para ter três partos ou para educar três crianças. Coragem a gente tem que ter pra pular de um avião, enfrentar um leão, mas pra ser mãe a gente só precisa amar.”

 É com textos assim que Maria Dinat
prende a atenção de quem está rolando a tela do feed do Instagram em busca de sabe-se lá o que – mas certamente encontra algo nas publicações da fotógrafa.

A maneira natural e sincera com que expõe o dia dia de sua família, com os dramas diários dos filhos, da vida profissional e como mãe, esposa e mulher é tão sensível, que chega a ser quase palpável ao toque. 


Mãe de três filhos, Joaquim, Amélie e Iolanda, Maria fala também sobre as mulheres inspiradoras de sua vida
Reprodução/Instagram
Mãe de três filhos, Joaquim, Amélie e Iolanda, Maria fala também sobre as mulheres inspiradoras de sua vida

A página pessoal na rede social mostra que o clichê “vida sem filtro” funciona, principalmente quando é feito com o coração – ainda mais se for o coração de uma canceriana, mãe de três crianças. “Repare bem na bagunça”, diz a biografia. 

A vida exposta assim, para quem quiser olhar, em forma de pequenos textos e imagens feitas, em sua maioria, com o celular da dona do perfil pode ser, além de interessante, inspiradora.

A técnica adquirida com a prática como fotógrafa há 12 anos combinada com os detalhes capturados a partir da sensibilidade materna fazem com que imagens dos filhos preencham o espaço reservado para as fotos de sua página pessoal com cliques cheios de emoção. 


Mulheres inspiradoras também sofrem com a realidade: Maria aposta em fotos reais onde os filtros são apenas os da edição
Reprodução/Instagram
Mulheres inspiradoras também sofrem com a realidade: Maria aposta em fotos reais onde os filtros são apenas os da edição

Questionada sobre como é conciliar as duas “frentes”, Maria é direta: “Muito difícil”. “A rotina de um fotógrafo é bem parecida com a minha vida materna”, pontua. Apesar de demonstrar muito amor pelos três filhos, ela não faz questão de esconder as dificuldades diárias que enfrenta por ser mãe.

“Não tenho hora, nem fim de semana, nem feriado livre. Então me acostumei de viver tudo na correria da melhor maneira possível. Conto com o suporte da minha família nos finais de semana que preciso trabalhar, e com esse apoio a parte difícil fica mesmo para a edição em casa”, conta. O desafio é fazê-los compreender a seriedade do trabalho. “Meus filhos não entendem que é um trabalho ficar sentada na frente do computador”, comenta rindo.

Além dos desafios em relação à vida profissional, Maria compartilha particularidades da maternidade
real, sem glamourização, como relatos de quando os filhos ficam doentes, de como se sente esgotada e não tem tempo para si, comemoração pelas férias escolares terem acabado, casa bagunçada e falta de tempo para si.

Leia também: “Ter um bebê levou meu casamento ao limite”, diz mãe em relato sobre maternidade

Visualizar esta foto no Instagram.

Comemorei com uma dancinha de mãe desengonçada hoje cedo sobre a volta das crianças pra escola, mas por trás desse vídeo zueira, existe uma mensagem séria sobre uma mulher que trabalha, que arruma casa, que faz almoço, janta, que se sente cansada, culpada, que se preocupa com a conta do banco, com a lancheira das crianças, com o dia do lixo, com o surto da dengue, com a coleta seletiva, com o sono das crianças, com os trabalhos que tenho que entregar, com os ensaios que tenho que fazer, com o meu casamento, com os livros que não li, com minha coluna que sempre trava, com o carro que tem que lavar e com os filmes do Oscar que não vi e preciso ver até o dia da premiação. São 5 horas que eles ficam na escola, são 5 horas que posso fazer o que eu quiser, meu tempo, meu espaço, meu momento. Não preciso nem escrever que tiro água de pedra nesse meio período, e nem mencionar que meu marido e eu dividimos as tarefas e responsabilidades de casa, mas mesmo assim, a carga é pesada. “- Ahhh mas vc que escolheu ter um monte de filho, então não reclama”. Se eu tivesse apenas um filho a demanda seria tão foda quanto a que tenho hoje. Brinco sempre com as minhas amigas que querem entrar pra esse mundo materno e pergunto: Vc está preparada pra maior loucura de suas vidas? Pra não ter tempo nem pra cagar? Se a resposta for positiva, pois bem, bem-vinda ao clube e boa sorte. ??

Uma publicação compartilhada por maria emilia
(@maria.dinat) em 29 de Jan, 2019 às 1:15 PST

A ideia, segundo ela, é ir na contramão a impressão de perfeição passada pela maioria nas redes sociais. “Acho honesto com as mulheres que ainda não passaram por isso. Jogar a real para quando elas viverem a maternidade, entenderem que isso acontece para todas. O cansaço físico, a privação do sono, a solidão… isso tudo é real e faz parte”, diz. 

Maria lembra de como se sentiu perdida em seu primeiro puerpério e como gostaria de ter tido alguém para tê-la avisado sobre o “lado B” da maternidade.

“Ligava chorando para a minha mãe e perguntava porque ela não me falou sobre isso antes. Ela disse que não me falou porque não se lembrava que era assim”, conta. “Acho que ela se acostumou e virou algo normal para ela… mas cada mulher sente de um jeito, vive a maternidade de um jeito”, pondera. 

Mãe também é mulher 


Em entrevista para a série
Reprodução/Instagram
Em entrevista para a série “Mulheres inspiradoras”, Maria fala sobre a maternidade não anular o fato de ser mulher

Quando teve seu primeiro filho, o Joca, ela conta que sua vida mudou completamente e isso incluiu a maneira como encara o presente e os planos para o futuro. “Antes eu não tinha muita ambição. Pegava as semi-jóias que meus pais vendiam pra vender para as amigas só até juntar R$ 50 para beber no final de semana”, lembra. 

“Depois que virei mãe, isso mudou. Agora as minhas metas vão além do que preciso. Gosto de pensar grande, de sonhar grande. Me tornei uma mulher sem freio, como diz a minha mãe. Uma mulher que não para”, conta.

Ao ser perguntada sobre a maior lição que a maternidade lhe deu, ela comenta sobre o tempo. “Tudo tem o tempo certo de acontecer. Aprendi a ter paciência e aceitar que tudo tem um ritmo. Não dá pra passar as fases, tudo tem que ser vivido”.

Ainda assim, Maria se esforça para que a rotina com os filhos não suprimam as necessidades e anseios como mulher – situação infelizmente comum para muitas, que acabam se dedicando em tempo integral para os pequenos, sem cuidar de si.

“Essa parte é a que mais me faz pensar. Eu era uma pessoa bem diferente antes do meu primeiro filho, as coisa mudaram muito. Meu corpo, meu tempo, meus pensamentos e prioridades”, recorda.

“Me sinto uma mulher forte, mas ao mesmo tempo tento entender como é que virei tudo isso de um dia pro outro. A maternidade consome muito, e ter tempo pra fazer as coisas que fazia antes de ser mãe é importante demais. Sou mulher e mãe, não só mãe.”

‘A maternidade mudou, mulheres também’


Mulheres inspiradoras estão em todos os lugares. Para Maria, sua mãe, tias e amigas foram as inspirações
Reprodução/Instagram
Mulheres inspiradoras estão em todos os lugares. Para Maria, sua mãe, tias e amigas foram as inspirações

 Com mais de 50 mil seguidores no Instagram, Maria falou ao Delas
sobre como lida com a influência que tem sobre outras mulheres e mães e ainda faz uma análise sobre o momento atual sob a perspectiva feminina e materna. Confira:

  • Delas: você acha que a sua história pode inspirar outras mulheres? Como você lida com essa influência?

“Gosto de pensar que algumas pessoas se inspiram na minha vida. Aos 26 anos conquistei minha independência financeira, aos 30 já tinha três filhos e hoje sou muito feliz na minha profissão, mas carrego comigo outros sonhos e vontades.

Acredito que o que faz a minha história ser inspiração para outras mulheres é essa vontade de conquistar o mundo todos os dias.” 

  • Delas: você também teve alguma mulher para se inspirar?

“Minha mãe, com certeza. Minhas tias, minhas amigas, [a ativista paquistanesa] Malala Yousafzai e Beyoncé!”

  • Delas: como você analisa o momento que as mulheres vivem hoje em relação à maternidade e também à maneira que estão se colocando e sendo vistas socialmente?

“Toda mulher que é mãe que conheço trabalham fora e também é fundamental dentro de casa e na educação dos filhos. É guerreira, carrega a culpa de ter que deixar os filhos na escola para lutar por uma vida melhor para eles.

A maternidade atual mudou muito, as mulheres também. Me orgulho todos os dias de tudo que conquistamos, mas ainda encarando o machismo e o julgamento alheio.”

  • Delas: qual é a mensagem que você gostaria de passar às mulheres no mês em que é celebrado o Dia Internacional da Mulher?

“Fiz um texto sobre isso ontem, quero dividir com vocês:

 Tenha seu próprio dinheiro.

Escolha seu corte de cabelo, e o que você quer vestir hoje.

Não ligue para o que vão pensar, faça o que tiver vontade.

Não case sem amor, não case sem vontade, não junte os trapos se no seu coração essa certeza não é absoluta.

Não faça cursos que sua mãe gostaria de ter feito, não vá atrás de diplomas pra [sic] orgulhar seu pai.

Não aceite menos do que você merece, não feche os olhos para o que te incomoda.

Não concorde por educação, nem fique com alguém por estar acomodada demais pra [sic] começar uma nova vida.

Não se submeta.

Siga seu coração, mesmo que esse não seja o caminho que te deixará milionária como imaginou ser um dia, mas que te trará paz de espírito.

Seja livre para escolher o que quer ser, quem amar, onde ficar.

Escolha ser feliz ao ter que agradar os outros.

Escolha ser amada ao ter que ceder por anos e anos achando que algum dia aquela pessoa vai mudar e te dar valor.

Escolha ser forte ao ter que abaixar a cabeça por medo de perder aquilo que você já perdeu e nem percebeu.

Escolha ser a dona do seu destino.

A sua história é escrita e dirigida por você mesma.

Reescreva quantas vezes for preciso até encontrar o desfecho maravilhoso que ela merece.”

Leia também: O que os relatos sobre amamentação nos ensinaram em 2018

Para mais histórias de mulheres inspiradoras
como essa, acompanhe nossa próxima reportagem da série na sexta-feira que vem (15).

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook

Mulher

Depressão pós-parto fez mãe pensar que uma filha poderia matar a outra

Publicado

Milli Richards, 35 anos, decidiu falar abertamente sobre a depressão pós-parto durante um evento britânico de conscientização sobre saúde mental para ajudar outras mulheres que estão na mesma situação.

Leia também: Insegurança, pensamentos ruins e ansiedade: dramas das mães de primeira viagem


Mãe e bebê
Reprodução/Facebook
Milli Richards, 35 anos, enfrentou a depressão pós-parto quando sua filha mais nova nasceu em 2018

Após o nascimento da sua segunda filha, em março de 2018, Milli precisou enfrentar uma depressão pós-parto
severa. Mãe de outra garotinha, Aida, três anos, a britânica começou a temer que sua filha pudesse fazer algum mal para o bebê. Ela também chegou a pensar que estranhos raptariam a sua filha ou até mesmo que ela faria algum mal às meninas.

Leia também: Mãe se arrepende do segundo filho e quer colocá-lo para adoção

“Após Winnie nascer, comecei a ter pensamentos aterrorizantes sobre todas as coisas terríveis que poderiam acontecer com elas, incluindo que eu mesma agia de maneira horrível”, relata. “Fiquei com medo de que Aida matasse Winnie com uma das facas de casa”, completa.

Em entrevista ao jornal “Daily Mail”
, a mãe fala que a depressão sempre foi presente na sua vida, mas que após o nascimento da segunda filha agravou e ela decidiu procurar ajuda psicológica
para lidar com o transtorno mental
.

Leia também: Como evitar a ansiedade e lidar com os momentos de crise

Um mês após o nascimento da filha, um psiquiatra a diagnosticou com depressão pós-parto
. Aos poucos, Milli começou a melhorar e hoje fala sobre o assunto para que outras pessoas também consigam se curar. “Todos nós precisamos conversar mais sobre depressão e outros problemas de saúde mental e sermos mais abertos com esses temas”, diz.

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Como Game of Thrones te ensinou a ser uma mulher forte e empoderada

Publicado

Está chegando a hora: o último episódio da série mais aclamada da atualidade vai ao ar neste domingo (19) e já está deixando saudades. Entre tantos motivos que fizeram Game of Thrones ficar marcada no coração dos fãs, o destaque para os personagens femininos certamente está entre os mais memoráveis.

Leia também: Quem é você na 8ª temporada de “Game of Thrones” de acordo com seu signo?


Cersei, Olenna, Daenerys, Arya e Brienne
Reprodução/HBO
Cersei, Olenna, Daenerys, Arya, Brienne e tantas outras mulheres mostraram a força feminina em Game of Thrones

Seja pela poderosa “Mother of Dragons” Daenerys Targaryen, a valente Arya Stark, a “cavaleira” Brienne de Tarth, a temida Cersei Lannister, ou até mesmo pela respeitosa Olenna Tarel, o protagonismo feminino em Game of Thrones
foi ganhando espaço conforme a trama avançava e, ao fim da série, não dá para negar que as mulheres de Westeros conseguiram mostrar que o reino não sobreviveria sem elas.

É claro que muitas cenas machistas e julgadas desnecessárias pela crítica (como o estupro de Sansa Stark, criado apenas para a versão audiovisual da produção de George R.R Martin) ainda são questionáveis e não podem ser naturalizadas. Contudo, é inegável que cada personagem feminino conseguiu deixar sua marca por suas características admiráveis e marcantes.

Para relembrar a trajetória das principais mulheres da série, separamos uma lista com os motivos pelos quais Game of Thrones te ensinou como ser uma mulher forte e empoderada. Cuidado, contém spoilers.

Arya Stark

via GIPHY

Desde pequena, Arya
nunca se encaixou no padrão esperado de uma filha de um lorde – indo em total contraste com a irmã, Sansa. Sempre fiel ao que acreditava, ainda menina ela deu um jeito de conseguir ter aulas de luta, ao invés de costura, já dando indícios de sua personalidade empoderada.

Inteligente, corajosa, sagaz e atrevida, a jovem sempre foi vista como uma personagem forte, características geralmente atribuídas aos homens. Sua trajetória aventureira e cheia de aprendizados também resultaram em sabedoria e independência, no melhor estilo “lugar de mulher é onde ela quiser”.

via GIPHY

Ao longo da série, os fãs acompanharam o crescimento e amadurecimento da personagem que se manteve fiel aos seus princípios independente das dificuldades, evidenciando sempre sua força e habilidade como guerreira – o que colaborou para que ela fosse sempre uma das queridinhas do público e uma inspiração e tanto! 

Brienne de Tarth

via GIPHY

Falando em guerreira, Brienne é o exemplo claro de que “uma mulher pode fazer tudo que um homem faz”. Nas lutas, incluindo a que teve com Jamie e com Cão, ela provou que era tão habilidosa quanto eles – ou mais -, o que a fez conquistar respeito por onde passava.

Além da bravura, a personagem também é reconhecida pela sua honra e honestidade, que dão toques sensíveis a ela, ensinando que fragilidade não deve ser um sinonimo de feminina. Além disso, não tem como não se espelhar em uma mulher que ocupou espaços que mulheres jamais ocuparam e ainda ganhou títulos inéditos para o universo feminino da trama, não é mesmo? 

Catelyn Stark

via GIPHY

Ao mesmo tempo que há mulheres em GoT para provar que a maternidade não é, necessariamente, um “dom” que toda mulher precisa ter, a série também deixa claro que está tudo bem com quem veste a camisa (ou o escudo) da família e é capaz de fazer tudo pelos filhos.

A matriarca da família Stark é um exemplo disso. Admirável por sua postura sensata e estratégica, Cat mostra que é possível defender sua prole com muita garra, sem perder a sensibilidade. Apesar de ocupar o papel de esposa, mãe e lady de Winterfell – que, em um primeiro momento, pode ser visto como submisso -, ela consegue ser admirada e respeitada por todos, incluindo seus oponentes. Que mulher!

Leia também: Daenerys, Arya e Khaleesi: pais dão nomes de bebês inspirados em Game of Thrones

Cersei Lannister

via GIPHY

Não dá para falar sobre maternidade sem citar Cersei
. Até a rainha mais megera de todos os tempos mostra que é humana quando se trata de seus filhos – os únicos, aliás, em todos os Sete Reinos com quem ela realmente se importa e ama.

Apesar de toda maldade que habita a personagem, determinação é uma das palavras que a define. É impossível negar que para conseguir a ascensão da família Lannister ela se mostra estrategista, sagaz e muito inteligente – características inspiradoras.

Mesmo que por motivos diferentes de Brienne, Arya e Catelyn, Cersei é respeitada (e temida!), e também triunfa quando se torna a primeira mulher a sentar no trono de ferro. Sua personalidade implacável foi tão aclamada que fez com que toda sua crueldade fosse tolerada, e ela se conquistasse uma legião de fãs que a idolatrassem mesmo sendo a grande vilã da série. Isso é que é poder!

Daenerys Targaryen

via GIPHY

O que a “Mãe dos Dragões” quer é o Trono de Ferro, mas no caminho para chegar lá, ela só fez mostrar o quanto é uma mulher forte. Enquanto “Khaleesi”, ela conquistou Drogo e os demais Dothraki, a “Não Queimada” que conseguiu trazer os dragões (seus filhos) à vida, “Quebradora de Correntes” que libertou os escravos e Rainha de vários povos. Ou seja: seu nome tem mais moral do que o de todos os outros homens da série.

Daenerys
saiu de outro continente para chegar à Westereos e, não teve medo de colocar a si mesma e aos seus filhos em perigo na batalha contra os Caminhantes Brancos antes de ir oficialmente para Porto Real em busca de seu objetivo. 

Apesar dos últimos acontecimentos, não dá para negar que o papel importante que ela tem no seriado quando a questão é empoderamento feminino
. Afinal, ela saiu de uma posição de submissão ao irmão e ao marido para conquistar o que queria (mesmo que do jeito dela). 

Margaery Tyrell

via GIPHY

Margaery mostrou que não era só um rostinho bonito. Neta de uma das mulheres mais sábias e influentes de Westeros, ela soube fazer política como ninguém e se revelou muito astuta e talentosa, sendo capaz de ganhar mentes e lealdades com seu jeito conquistador.

Além disso, ela ainda deu um belo exemplo de sororidade e empatia quando se aproximou de Sansa. Mesmo diante de uma situação bastante perigosa, onde o jogo de interesses dominava, ela teve o cuidado de tentar se aproximar de outra mulher em situação de vulnerabilidade para ajudá-la.

Melisandre

via GIPHY

Melisandre é uma personagem que divide os corações dos fãs, mas isso não significa que ela não é poderosa. Nascida como uma escrava, ela se tornou uma profetiza respeitada em Westereos – não pela fé no Senhor da Luz, mas pelas habilidades que demonstrava. 

Seja como conselheira de reis ou sacerdotisa, seu objetivo é sempre realizar a vontade do divino e cumprir as profecias, sem pensar em como as consequências podem afetar as outras pessoas. Mesmo assim, ela não se deixa abalar pelas opiniões e continua mostrando para quê está ali – pelo bem ou pelo mal. 

Olenna Tyrell

via GIPHY

“Diga a Cersei que fui eu”. A frase icônica da Lady Olenna Tyrell resume bem a personagem, que por muito tempo foi grande influência como líder do Jardim de Cima e tinha apelido de Rainha dos Espinhos, referência ao símbolo da rosa com espinhos dos Tyrell. 

Reconhecida pelo sarcasmo, Olenna jamais levava desaforo para casa e não tinha medo de quem estava no Trono de Ferro – afinal, ela sabia os maiores segredos de todos e também a hora certa de usá-los a seu favor.

Mesmo com idade avançada, era ela quem sustentava o nome dos Tyrell, considerada uma das mais poderosas dos Sete Reinos. A vingância contra Cersei por ter matato a neta, Margaery, é o que melhor exemplifica a força de uma Lady que não mede esforços pela família.

Sansa Stark

via GIPHY

A evolução de Sansa é uma das mais perceptíveis durante a série, ainda mais agora em que ela está se mostrando uma líder sensata para o Norte. Porém, quando ainda era vista como a “filha perfeita” de Ned e Catlyn Stark prometida para casar com Joffrey Lannister, já era possível ver o quanto ela se entregava pela família.

Aos olhos de menina, o casamento parecia um sonho, mas depois da morte do pai, se tornou uma forma de se manter viva. Foi dentro de Porto Real que Sansa também aprendeu como se tornar a Lady de Winterfell (e, quem sabe, rainha de Westeros?) que é na 8ª temporada, sem medo de assumir a lidernaça na ausência de Jon Snow. 

Leal, ela fez de tudo para recuperar a casa de sua família e, com o tempo, se tornou uma líder estratégica e sem traços de ingenuidade que marcaram a personagem no início da série. Aliás, é importante destacar que os produtores foram criticados pela narrativa de que o estupro foi o que tornou Sansa mais forte e “empoderada”. 

Yara Greyjoy

via GIPHY

Enquanto seu irmão estava sendo criado por outra família, Yara ficou nas Ilhas de Ferro e fez o que ele deveria ter feito: lutou pelo seu povo e ganhou respeito e admiração dos homens que comandava.

Por ser admirada, conseguiu fazer com que muitos de seus subordinados continuassem a seguí-la mesmo quando queriam tirar sua liderança pelo simples fato de ela ser mulher. Yara também teve envolvimento com outras mulheres e trouxe a discussão para a trama.

Ygritte

via GIPHY

Ygritte faz juz à característica de “Mulher Livre”, ainda mais porque não acreditava em ser “submissa” – seja aos reis dos povos que vivem do outro lado da Muralha ou aos homens, no geral – e não tinha medo de bater de frente com líderes e até com seu amante, Jon Snow. 

Leia também: Inspirado em “Game of Thrones”, homem faz Trono de Ferro para noiva

Tida como a personagem mais “feminista” de Game of Thrones
, ela se mostrou determinada, e certa que os Caminhantes Brancos eram a ameaça real, e fez o que pôde pela sobrevivência de seu povo. Entre tantas outras mulheres fortes e empoderadas da série, Ygritte conquistou os fãs quando foi leal à causa mesmo quando isso significava atirar uma flecha contra seu amado.

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana