conecte-se conosco


TST

Fábrica de biscoitos é condenada por exigir certidão de antecedentes criminais na admissão

Publicado

A exigência do documento sem justificativa gera o direito a indenização.

A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu o dano moral sofrido por um ajudante de produção que, para ser contratado pela M. Dias Branco S.A. Indústria e Comércio de Alimentos, fábrica de biscoitos e massas do Ceará, teve de apresentar certidão de antecedentes criminais e folha criminal. Ao acolher recurso do trabalhador, a Turma condenou a empresa a pagar indenização de R$ 5 mil.

Honestidade em dúvida

Na reclamação trabalhista, o ajudante sustentou que a empresa, ao exigir a certidão de antecedentes criminais sem que haja pertinência com as condições objetivas do trabalho oferecido, põe em dúvida a honestidade do candidato ao emprego.

Violência na cidade

Na contestação, a empresa argumentou que a certidão era exigida apenas para alguns cargos, entre eles o de ajudante de produção. Segundo a fábrica de biscoitos, o alto índice de violência na cidade da contratação (Maracanaú) autorizaria a exigência.

Conduta ilegítima

Na instrução do processo, o empregado conseguiu comprovar a obrigatoriedade de apresentação da certidão para que fosse admitido. O juízo de primeiro grau verificou também que o cargo exercido não justificava a exigência e, por isso, concluiu que a conduta da empresa foi ilegítima e gerou obrigação de indenizar o ajudante de produção pelo dano moral.

Veja Também  Readaptação em outra função não implica recuperação da capacidade de trabalho

O Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região (CE), no entanto, entendeu que a conduta da empresa não havia resultado em lesão aos direitos de personalidade do empregado. Ressaltou ainda que ele havia sido contratado e que a exigência era direcionada a todos os candidatos.

Condições

Ao examinar o recurso de revista do empregado, a Sexta Turma destacou que, no julgamento do Incidente de Recurso de Revista Repetitivo (IRR 243000-58.2013.5.13.0023), o TST firmou o entendimento de que a exigência da certidão de antecedentes criminais somente seria legítima e não caracterizaria lesão moral em caso de expressa previsão em lei ou em razão da natureza do ofício ou do grau especial de confiança exigido do candidato ao emprego. No caso, contudo, a Turma entendeu que o cargo de ajudante de produção não se enquadra nessas hipóteses.

(LT/CF)

Processo: RR-1124-06.2017.5.07.0033

O TST possui oito Turmas, cada uma composta de três ministros, com a atribuição de analisar recursos de revista, agravos, agravos de instrumento, agravos regimentais e recursos ordinários em ação cautelar. Das decisões das Turmas, a parte ainda pode, em alguns casos, recorrer à Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SBDI-1).
Esta matéria tem cunho meramente informativo.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho Tel. (61) 3043-4907
[email protected]
Fonte: TST
Comentários Facebook

TST

Sistema de Malote Digital será atualizado na próxima sexta-feira (22/3)

Publicado

Durante o procedimento, o sistema poderá apresentar intermitência.

Na próxima sexta-feira (22/3), entre 10h e 12h, o sistema Malote Digital será atualizado a fim de resolver problemas de conectividade com os Tribunais Regionais Federais e demais Tribunais que já utilizam certificados digitais de 4.096 bits.

Em razão da atualização, a coordenadoria de Gestão Documental do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) alerta que o serviço apresentará intermitência e que os usuários poderão ter dificuldades temporárias para acessá-lo ou para realizar procedimentos de recebimento, leitura e envio de documentos.

(Con informaçoes do CSJT)

Fonte: TST
Comentários Facebook
Veja Também  Readaptação em outra função não implica recuperação da capacidade de trabalho
Continue lendo

TST

Reforma Trabalhista: TST analisa jurisprudência nesta quarta-feira (20)

Publicado

Os ministros do Tribunal Superior do Trabalho vão analisar, nesta quarta-feira (20), às 10h, proposta elaborada pela Comissão de Jurisprudência e de Precedentes Normativos para adequar as súmulas e as orientações jurisprudenciais do TST à Lei 13.467/2017, que instituiu a Reforma Trabalhista.

A sessão é pública e pode ser acompanhada ao vivo pelo site do TST, pelo canal oficial do Tribunal no Youtube ou presencialmente na sala de sessões do 6º andar do bloco B.

Serviço:

Sessão Pleno do TST Data e horário: 20/3, quarta-feira, às 10h.
Local: 6º andar do bloco B do TST.

(GS/TG)

Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho Tel. (61) 3043-4907
[email protected]
Fonte: TST
Comentários Facebook
Veja Também  Gestante aprendiz tem direito a estabilidade provisória
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana