conecte-se conosco


Esportes

Vídeo tenta provar que a bola não entrou no segundo gol de CR7 pela Juventus

Publicado


A bola na cabeçada de Cristiano Ronaldo entrou ou não entrou?
Reprodução
A bola na cabeçada de Cristiano Ronaldo entrou ou não entrou?

A Juventus eliminou o Atlético de Madri nas oitavas de final da Champions League vencendo em casa por 3 a 0, com direito a três gols de Cristiano Ronaldo – lembrando que, na ida, os espanhóis haviam vencido por 2 a 0.

Leia também: Estudo aponta CR7 ‘imune’ à pressão durante os jogos e Neymar muito afetado

No segundo gol de Cristiano Ronaldo
na partida, de cabeça, o goleiro Oblak chegou a fazer uma linda defesa, mas a tecnologia na linha do gol indicou que a bola entrou. Quando isso acontece, o relógio do árbitro vibra.

Porém, há quem duvide da tecnologia. 

Leia também: Cristiano Ronaldo é criticado por foto em avião após desaparecimento de Sala

Um vídeo que está circulando nas redes sociais tenta provar que a bola na cabeçada de CR7
não ultrapassou por inteiro a linha do gol
. Segundo a mídia, existem três erros: a própria linha, o tamanho da bola e o centro da bola.

Veja Também  Com histórias curiosas, Valencia completa 100 anos perto de título

Confira no vídeo abaixo:

Leia também: Cristiano Ronaldo fala sobre adaptação na Itália e explica ausência na seleção

Depois desse tento, Cristiano Ronaldo
ainda marcou mais uma vez, de pênalti, definindo o triunfo e a classificação da Juventus. Mas e para você, caro internauta. Analisando o vídeo, a bola entrou ou não entrou? Responda na enquete abaixo.


Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook

Esportes

Presidente do Blooming pede suspensão de brasileiro vítima de racismo na Bolívia

Publicado


Juan Jordán, presidente do Blooming, falou sobre o episódio de racismo envolvendo a torcida do clube
Reprodução / Blooming
Juan Jordán, presidente do Blooming, falou sobre o episódio de racismo envolvendo a torcida do clube

O presidente do Blooming, Juan Jordán, concedeu uma entrevista coletiva para falar sobre o episódio de racismo protagonizado pela torcida do clube contra o brasileiro Serginho, do Jorge Wilstermann, no último final de semana, e tentou minimizar o fato, tratando como algo que faz parte do “folclore do futebol”.

Leia também: Inter de Milão é punida por coros racistas contra Franck Kessié, do Milan

“Que não se perca o folclore do futebol. Vocês, amigos da imprensa, estão todos os dias no futebol com os jogadores. Quem não tem apelido, não tem identidade. E não é só com os jogadores, acontece com todos nós, os “cruceños” (de Santa Cruz de La Sierra) e os “não cruceños” que vivemos aqui: “Mono” (macaco, em espanhol) Galarza, Pulga Aguirre, Flecha Vaca, etc”, disse Jordán sobre o caso de racismo
.


Serginho deixou o campo após insultos
Reprodução
Serginho deixou o campo após insultos

Além disso, o presidente do Blooming revelou que pediu a suspensão do jogador brasileiro por um ano, além de punição também ao seu clube, ambos por abandono do campo.

“Queremos esclarecer à família Bluminista que uma denúncia foi feita ao Tribunal de Justiça Desportiva contra o jogador Sergio Enrique Francisco ( Serginho
), com base no artigo 74 do Código de Disciplina da Federação Boliviana de Futebol. Este artigo fala sobre ofensas ao público. Pedimos a suspensão de um ano para o jogador”.

Veja Também  Fágner está convocado para a Seleção Brasileira

“Outra queixa também foi apresentada perante o mesmo tribunal contra o corpo técnico do clube Wilstermann, com base no artigo 57, que fala sobre abandono do campo, também apresentando provas”, acrescentou Jordán.

Após o incidente, atleta brasileiro recebeu apoio de Evo Morales, presidente da Bolívia
, que repudiou a atitude dos torcedores.

“Nossa solidariedade ao Serginho , jogador #Wilstermann, que deixou o campo ontem, como um protesto, depois de receber insultos racistas de maus torcedores. O futebol é um desporto que une as pessoas, não devemos permitir que seja manchado por estes atos discriminatórios”, escreveu  Morales em seu Twitter.

Leia também: Brasileiro é alvo de racismo na Rússia: “é ridículo pessoas de cor na seleção”

Apesar das falas acima, o presidente do Blooming afirmou que o clube repudia qualquer ato discriminatório ou racista, mas não quer que o clube se torne uma espécie de bode expiatório.

“O Blooming está completamente em desacordo e repudia qualquer fato de discriminação e racismo, o que está acontecendo em todos os campos do país”, disse.

“Nada pode ofuscar nossa vitória. Não usem o Blooming como bode expiatório para prejudicar o bom momento no qual se encontra. Que este tema não se torne um tema de questão racial ou de discriminação entre ocidente e oriente. Lastimosamente, isso vem, creio, de toda a vida: se vamos a outra cidade, o “camba” (nome dado a quem é da região de Santa Cruz de La Sierra) tem apelido, e vice-versa. Todo mundo sabe”, completou.

Veja Também  Com histórias curiosas, Valencia completa 100 anos perto de título

Miguel Angel Portugal, técnico do Jorge Wilstermann, se manifestou e pediu que a Justiça cumpra seu papel e não deixe o episódio passar em branco.

“Todo meu apoio para Serginho, que se retirou de campo diante dos insultos racistas de uma importante parte dos torcedores do Blooming, e que a lei atue com contundência para que isso não volte a ocorrer”, escreveu o treinador.

Leia também: Ex-goleiro Jefferson revela ter sido barrado da seleção brasileira por ser negro

Antes de deixar a partida, Serginho já havia relatado as ofensas para o árbitro, e o uruguaio Latorre, do Blooming, chegou a pedir para os torcedores pararem com os gritos, mas isso não aconteceu. Após arrancar e quase fazer um golaço, o atacante voltou a ser vítima de racismo 
e deixou o gramado (confira nos vídeos abaixo).



Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Goleiro Jean, do São Paulo, desabafa em rede social e reclama de Mancini

Publicado

O goleiro Jean foi afastado do grupo do São Paulo na última terça-feira por ter se retirado da reunião com o grupo na segunda e utilizou o Instagram nesta quarta para se posicionar sobre o caso.

Leia também: Mãe de Rabiot afirma que jogador é feito de refém pelo PSG e alfineta Neymar


Goleiro Jean, do São Paulo, desabafa em rede social e reclama de Mancini
Divulgação
Goleiro Jean, do São Paulo, desabafa em rede social e reclama de Mancini

Jean
pediu desculpas ao clube e aos torcedores são-paulinos, mas criticou fortemente o o técnico interino, Vagner Mancini, dizendo que é tratado de forma diferente que o restante do elenco.

O arqueiro do São Paulo
diz que se irritou quando Mancini o culpou pela derrota no clássico para o Palmeiras, mesmo sem ele ter entrado em campo – o titular foi Thiago Volpi.

Além disso, o goleiro diz que Mancini se irritou porque ele foi tomar banho logo após o jogo, antes da tradicional oração conjunta. Ele revela, porém, que não foi o único e que todos saíram do chuveiro quando foram chamados.

Leia também: Com histórias curiosas, Valencia completa 100 anos perto de título

Leia o relato completo de Jean abaixo


Jean, goleiro do São Paulo, publicou longo desabafo em seu Instagram
Reprodução/Instagram
Jean, goleiro do São Paulo, publicou longo desabafo em seu Instagram

“Diante das coisas que li, vi e que chegaram até mim via imprensa nos últimos dias, gostaria de esclarecer e dizer a verdade sobre alguns pontos referente ao ocorrido na última segunda-feira. Antes de mais nada, reconheço o meu erro ao ter deixado o campo de treinamento após o ocorrido e me desculpar publicamente com a instituição São Paulo Futebol Clube, meus companheiros de time e, principalmente, os torcedores são-paulinos. Respeito muito este clube e ajo de forma profissional desde o dia em que cheguei aqui.

Na segunda-feira, em conversa com todo o grupo de jogadores, o técnico interino Vágner Mancini, se dirigiu a todo o grupo e apontou que eu, mesmo sem ter atuado, era um dos grandes responsáveis pela derrota do São Paulo no clássico contra o Palmeiras, no último fim de semana. Em nenhum momento fui cobrado em quesitos técnicos e táticos, já que nem em campo eu estava. Segundo ele, o motivo era que eu, ao término do jogo, fui tomar banho. Quando o jogo terminou, eu e cerca de sete ou oito jogadores fomos para os chuveiros (alguns inclusive que haviam participado do jogo), fato absolutamente rotineiro. Neste meio tempo, alguns atletas chamaram a reza final no vestiário. Saí do chuveiro prontamente e fui para o “fechamento”, como chamamos. Cheguei, inclusive, antes de outros jogadores para participar da roda e da última conversa. Mas, na segunda, no CT, fui cobrado de forma individual por ter ido tomar banho ao chegar no vestiário, o que não fez nenhum sentido para mim.

É bom explicar que desde a sua chegada ao São Paulo, Mancini não me trata da mesma forma que todo o restante do grupo de jogadores, motivado por uma rivalidade nos clubes em que trabalhamos anteriormente. Quando ele foi colocado na posição de técnico, mesmo tendo prometido que não assumiria esta posição, eu já sabia que eu começaria a ser renegado e dificilmente poderia entrar em campo, fazer meu papel e ajudar o São Paulo da melhor forma possível. Ainda assim continuei trabalhando e dando meu melhor nos treinos, como é minha obrigação.

Infelizmente, quando fui cobrado e apontado como culpado por uma derrota mesmo sem ter entrado em campo, não consegui me conter e aceitar ser execrado desta forma. Não considerei justo e me retirei. Como eu disse anteriormente, sei que cometi um erro e me desculpo por isso. Novamente, respeito a instituição, os torcedores e meus companheiros de equipe. Entendo completamente, também, a briga por posição na equipe titular da equipe. Respeito muito o goleiro Tiago Volpi, hoje sendo escalado. Além de um grande goleiro e profissional, Volpi hoje é um amigo no dia-a-dia de clube. Logo, o que aconteceu em nada teve a ver com o fato de eu estar reivindicando uma vaga na equipe, como também li nos últimos dias.

Para finalizar, estou e estarei sempre à disposição do São Paulo Futebol Clube para cumprir o meu dever. Sou feliz neste clube e sempre pretendi brilhar aqui, fazer uma história cumprindo meu contrato, só entendi que era necessário esclarecer uma injustiça que sofri. Desejo sorte aos meus companheiros na partida de hoje em busca da classificação no Campeonato Paulista. Estarei no Morumbi (sic) torcendo por eles e pelo São Paulo.”

Leia também: Aplaudida em NY, Marta chora e defende esporte na busca pela igualdade de gênero

Veja Também  Com histórias curiosas, Valencia completa 100 anos perto de título

Jean treinará em horários diferentes do grupo são-paulino e não ficará nem no banco de reservas na partida desta quarta-feira, contra o São Caetano, no Anacleto Campanella, pela 12ª rodada do Paulistão, que pode definir a classificação ou não para as quartas de final. A decisão foi da diretoria.

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana