conecte-se conosco


Tecnologia

Caiu aí? Instagram, Facebook e WhatsApp enfrentam instabilidade em todo o mundo

Publicado


Instagram, WhatsApp e Facebook enfrentam período de instabilidade desde às 12h desta quarta-feira (13)
Reprodução
Instagram, WhatsApp e Facebook enfrentam período de instabilidade desde às 12h desta quarta-feira (13)


Os aplicativos de Mark Zuckerberg enfrentam um período de instabilidade nesta quarta-feira (13). De acordo com informações de usuários, Instagram, Facebook e WhatsApp estão apresentando erros durante a tarde de hoje.

Leia também: Twitter lança “Stories”com compartilhamento de fotos e vídeos em tempo real



Segundo o site Down Detector, que registra problemas de acesso e avalia conexos de sites em tempo real, a instabilidade
nos aplicativos começou por volta das 12h, com maior pico de reclamações às 13h. O problema atinge as três redes sociais em todo o mundo, com ênfase em países como Brasil, Estados Unidos, França, Reino Unido e Alemanha.

No Facebook
, não é possível publicar novos conteúdos ou fazer comentários em postagens no geral. As mensagens “Seu comentário não pode ser adicionado neste momento. Tente novamente mais tarde” e “estamos trabalhando para resolver o problema o mais rápido possível” aparecem. Existem, também, dificuldades para carregar as páginas.

Veja Também  Pais afirmam ver Momo ensinando suicídio em vídeos infantis; YouTube nega

Já no Instagram
, além de a função de comentar também estar bloqueada, os usuários estão impossibilitados de postar fotos ou stories. Outros relatos dizem que as mensagens diretas (Directs) estão indisponíveis. Em muitos casos, os avisos”Erro de rede desconhecido” e “Ops. Ocorreu um erro” estão sendo vistos pelos utilizadores do aplicativo de fotos.

Leia também: Pornhub agradece Bolsonaro: buscas ao termo “golden shower” cresceram 688%

O WhatsApp
também está sofrendo com os erros, dificultando o envio de áudios e imagens.

No Twitter, usuários das redes sociais comentaram a instabilidade
:














Leia também: iFood, Rappi e Uber Eats: conheça as diferenças entre os aplicativos de delivery

Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook

Tecnologia

Pais afirmam ver Momo ensinando suicídio em vídeos infantis; YouTube nega

Publicado


Boneca Momo foi inserida por hackers em alguns vídeos infantis do YouTube e ensina crianças a cometerem suicídio
Reprodução/Twitter
Boneca Momo foi inserida por hackers em alguns vídeos infantis do YouTube e ensina crianças a cometerem suicídio


Pais e responsáveis afirmam que uma boneca macabra está assustando crianças em todo o mundo. Batizada de Momo, a personagem, que tem aparência assustadora, teria sido inserida em diversos vídeos de conteúdo infantil do YouTube Kids, plataforma feita especialmente para crianças, aparecendo em momentos aleatórios, no meio das imagens, com mensagens suicídas. 

Leia também: Conhece os chans? Autores do massacre em Suzano acessavam fóruns da deep web

Sem qualquer aviso prévio, essas imagens da Momo
 estariam aparecento dentro de vídeos feitos para o público infatil. Assim, enquanto as crianças assistem um determinado programa ou o clipe de uma música, as imagens são interrompidas para darem lugar à boneca.

De acordo com depoimentos, a boneca dá instuções, em inglês, de como cometer suicídio
.  Além do áudio ensinando como cortar os pulsos com diversos objetos que podem estar presentes em casa, também há imagens demonstrando o ato, fazendo com que se torne facilmente imitável pelas crianças.

Há relatos de aparição da boneca
no meio de vários vídeos do YouTube Kids
: alguns em que crianças fazem slime, em episódios de desenho e até mesmo roubam alguns minutos de músicas infantis, como a famosa ” Baby Shark
“. 

No Twitter, diversos usuários começaram a confirmar o problema, deixando o assunto entre os mais comentados da rede social. Os internautas afirmam que as crianças de sua família ou de conhecidos já conhecem a  boneca Momo
e que estão com medo dela.

Leia também: Má influência? Gamers rebatem associação de videogames ao massacre em Suzano

Há também relatos de que, além de cometer suicídio, a personagem estimula as crianças a fazerem outros desafios, como esfaquear outras pessoas da casa. Para influenciar os pequenos a realmente fazerem o ato, a boneca retorna no fim do vídeo com ameaças e diz que, caso a criança não cumpra a ordem, ela vai voltar para pegá-la durante a noite. Assim, causando medo, é mais provável que a criança realmente o faça.

Veja Também  Pais afirmam ver Momo ensinando suicídio em vídeos infantis; YouTube nega

Confira:






















YouTube diz que Momo não foi encontrada





Em resposta à polêmica, o YouTube se pronunciou, em nota, alegando que não foi encontrado “nenhum vídeo que promova um desafio Momo no YouTube Kids” e pedindo para que qualquer conteúdo com “atos nocivos ou perigosos” seja denunciado. 

Veja Também  Má influência? Gamers rebatem associação de videogames ao massacre em Suzano

Leia também: Netflix aumenta preço dos serviços no Brasil; confira os novos valores

“Sobre o desafio Momo
: não encontramos nenhum vídeo que promova um desafio Momo no #YouTubeKids. Qualquer conteúdo que promova atos nocivos ou perigos é proibido no YouTube. Se encontrar algo parecido, denuncie”, escreveu a empresa no Twitter.




Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

Má influência? Gamers rebatem associação de videogames ao massacre em Suzano

Publicado


Jogadores de videogames rebateram a fala do vice-presidente brasileiro sobre a relação dos games ao ataque em Suzano
Pixabay
Jogadores de videogames rebateram a fala do vice-presidente brasileiro sobre a relação dos games ao ataque em Suzano

O vice-presidente do Brasil, general Hamilton Mourão, relacionou o uso videogames violentos ao massacre ocorrido na última quarta-feira (13) em Suzano, quando dois assassinos atacaram, armados, a Escola Estadual Professor Raul Brasil e mataram oito pessoas antes de cometerem suicídio. 

Leia também: Conhece os chans? Autores do massacre em Suzano acessavam fóruns da deep web

“Hoje a gente vê essa garotada viciada em videogames
violentos. Só isso que fazem. Quando eu era criança e adolescente, jogava bola, soltava pipa, jogava bola de gude, hoje não vemos mais essas coisas. É isso que temos que estar preocupados”, disse Mourão.

A declaração do vice-presidente veio logo após a informação de que os atiradores, Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25, eram amantes de jogos tidos como violentos, como Call of Duty
, GTA
e Fortnite
.

No dia seguinte, vários internautas utilizaram a hashtag #somosgamersnaoassassinos, que ficou entre os assuntos mais falados no Twitter, para defender os jogadores, também chamados de gamers
, e debater a relação (ou falta de) entre os videogames e o massacre em Suzano
.













Muitos aproveitaram a discussão para afirmar que, muitas vezes, a “culpa” dos acontecimentos acabam sendo jogadas para os jogos, enquanto outros problemais sociais, como a segurança pública, e pessoais, como a saúde mental desses gamers, são ocultados.

Veja Também  Pais afirmam ver Momo ensinando suicídio em vídeos infantis; YouTube nega





















É também o que pensa o estudante do último semestre de Ciências Sociais da PUC-Campinas e jogador semi-profissional de videogames, Lucas Freitas. “Depois que uma tragédia como essa acontece, geralmente é uma saída mais confortável apontar a culpa dos jogos do que enxergar um possível isolamento social, um problema psicológico… Aí acaba virando uma cultura”, explica.

Veja Também  Má influência? Gamers rebatem associação de videogames ao massacre em Suzano

Segundo ele, os incentivos de violência podem vir de diversos lugares além dos jogos (como a televisão, por exemplo), mas isso não necessariamente quer dizer que a pessoa vai reproduzir esse comportamento. “O indício de violência sempre acontece, mas a gente precisa entender que para uma pessoa ser influenciada por isso, tem algo errado no inconsciente, na saúde mental. Precisa observar se ela é isolada, se tem depressão…”, disse.

Leia também: O que já sabe sobre o massacre que deixou oito vítimas fatais em Suzano?

Freitas acrescenta, ainda, que os videogames são um tipo de mídia muito novo, que começou na década de 1990 e que é consumido por pessoas mais jovens. Dessa forma, é natural que quem não utiliza esse tipo de produto o condene. “A tendência é culpar uma mídia que você não consome. Com a ampliação e o público dos games
, envelhecendo, isso deve ser superado”, acrescentou.

Em Oxford, estudo não comprovou relação de videogames e agressividade 


Uma pesquisa feita no Reino Unido não encontrou indícios de agressividade em jovens relacionada à videogames
Getty Images
Uma pesquisa feita no Reino Unido não encontrou indícios de agressividade em jovens relacionada à videogames


Um estudo que reuniu mais de mil jovens entre 14 e 15 anos, além de seus respectivos responsáveis, foi feito por pesquisadores da Universidade de Oxford
, no Reino Unido, e comprovou que o hábito de jogar games violentos não tem relação com a agressividade
de jovens.

De acordo com a pesquisa, que não encontrou nenhuma prova de agressividade vinda desses videogames, o que pode acontecer é que os jogos provoquem sentimentos de raiva ou outras sensações. Apesar disso,  nenhum desses sentimentos pode ser relacionado a comportamentos agressivos.

Leia também: Terceiro suspeito de participar no massacre em Suzano é liberado após depoimento

“A ideia de que videogames
violentos incitam agressões no mundo real é popular, mas isso não foi muito bem testado com o passar do tempo”, explicou o professor Andrew Przybylski, diretor de pesquisa do Oxford Internet Institute.



Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana