conecte-se conosco


Economia

Volume do comércio varejista fecha 2018 com alta de 2,3%

Publicado

O volume de vendas do comércio varejista no país fechou o ano de 2018 com alta de 2,3%. É a maior alta do setor desde 2013, quando havia sido registrado um crescimento de 4,3%

O dado, da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), foi divulgado hoje (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado é superior aos 2,1% de crescimento registrados em 2017.

A receita nominal cresceu 4,8% no ano passado. Apesar disso, de novembro para dezembro, o setor teve quedas de 2,2% no volume e de 3,4% na receita nominal. Na comparação com dezembro de 2017, as altas foram de 0,6% no volume e de 3,9% na receita.

Das oito atividades pesquisadas, quatro tiveram crescimento no volume de vendas, no acumulado do ano: supermercados, alimentos, bebidas e fumo (3,8%), artigos farmacêuticos, médicos e de perfumaria (5,9%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (7,6%) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (0,1%).

Os segmentos em queda foram combustíveis e lubrificantes (-5%), tecidos, vestuário e calçados (-1,6%), móveis e eletrodomésticos (-1,3%) e livros, jornais, revistas e papelaria (-14,7%).

Veja Também  Como ganhar dinheiro na internet? Veja dicas de um milionário do mercado digital

O varejo ampliado, que também analisa as vendas de veículos e de materiais de construção, fechou o ano com alta de 5% no volume de vendas, puxado por aumentos de 15,1% nos veículos e peças e de 3,5% nos materiais de construção. A receita nominal do segmento fechou o ano com alta de 7%.

Na comparação de dezembro com novembro de 2018, o varejo ampliado teve quedas de 1,7% no volume de vendas e de 1,9% na receita nominal. Já na comparação com dezembro de 2018, houve altas de 1,8% no volume e de 4,5% na receita.

Dezembro

A queda de 2,2% no volume de vendas de novembro para dezembro foi puxada por recuos de 0,3% nos supermercados, alimentos e bebidas, de 3,7% nos tecidos, vestuário e calçados, de 5,1% nos móveis e eletrodomésticos, de 5,5% nos equipamentos e material para escritório, informática e comunicação e de 13,1% nos outros artigos de uso pessoal e doméstico.

Tiveram alta no mês os segmentos de combustíveis e lubrificantes (1,4%), artigos farmacêuticos, médicos e de perfumaria (0,4%) e livros, jornais e papelaria (5,7%). Nos outros setores, que são incluídos no varejo ampliado, houve quedas de 2% nos veículos e peças e de 0,4% nos materiais de construção.

Edição: Graça Adjuto
Fonte: EBC
Comentários Facebook

Economia

Governo é adversário, mas sustentabilidade cresce entre as empresas

Publicado

source

IstoÉ Dinheiro

desmatamento na Amazônia arrow-options
Amazônia.org
Enquanto o desmatamento cresce no governo Bolsonaro, empresas adotam práticas mais sustentáveis e lucram com isso

Com o desmatamento crescendo a ritmos alarmantes na Amazônia, surge uma luz no fim da mata: mercado financeiro começa a buscar práticas mais sustentáveis. Há vários – e bons – exemplos. A BrasilPrev, maior empresa de planos de previdência do Brasil, acaba de lançar fundos cuja estratégia de investimentos vai seguir critérios ambientais, sociais e de governança (ASG). A gestora de recursos Votorantim Asset Management, por seu turno, voltou a ser signatária dos Princípios para o Investimento Responsável (PRI). E a Marfrig, gigante do setor alimentício, emitiu, em julho, US$ 500 milhões em títulos sustentáveis.

A meta da BrasilPrev é de que esses fundos funcionem como um catalisador de oportunidades de investimento no segmento ASG. “Algumas empresas abertas já testaram o mercado de capitais com a emissão de títulos verdes e sustentáveis, mas queremos atrair empresas de menor porte”, diz Marcelo Wagner, diretor financeiro da companhia.

Leia também: Amadorismo do governo paralisa negócios de mais de R$ 100 bilhões; entenda

“Queremos mostrar ao mercado que há um agente importante disposto a investir em ativos dessa natureza.” Como há poucos ativos brasileiros com essas características, os primeiros passos da BrasilPrev para colocar sua estratégia em prática vão depender de produtos globais. A saber, quatro fundos negociados em bolsa, os Exchange Traded Funds (ETF), que replicam índices com ações de empresas aderentes aos critérios ASG. À medida em que houver mais alternativas domésticas, o capital será investido nelas.

A Votorantim Asset Management também está de olho nesse mercado. Com R$ 45 bilhões em ativos e ocupando a décima-terceira posição no setor, a companhia está avaliando retornar a esse negócio, que abandonou por um breve período. “Estamos avaliando montar um fundo voltado apenas para emissões verdes”, diz Rafael Fornari, diretor comercial da empresa. Segundo ele, a gestora voltou a ser signatária do PRI, em julho.

Ela havia aderido ao programa no início da década, deixou de participar por dois anos, mas agora retornou ao caminho verde. “Esse intervalo nos fez ter certeza de que o investimento socialmente responsável gera valor, sim”, declara Fornari. Agora, a Votorantim Asset passou a incluir também o filtro ASG na sua análise de risco. Com isso, os fundos decidiram, por exemplo, não comprar um Certificado de Recebível Imobiliário (CRI) pela emissão estar relacionada a um terreno poluído.

Veja Também  Amadorismo do governo paralisa negócios de mais de R$ 100 bilhões; entenda

TÍTULOS VERDES O movimento dos investimentos ecologicamente corretos não se limita aos administradores de dinheiro, mas também vem ganhando importância entre as companhias abertas, que já emitiram cerca de R$ 20 bilhões em títulos verdes, nos últimos cinco anos. A captação da Marfrig foi a mais recente. A demanda foi boa, cerca de US$ 1,5 bilhão, ou o triplo do valor efetivamente captado. Com isso, a companhia conseguiu obter maior prazo em suas emissões globais. Os títulos vencem só daqui a 10 anos, em 2029. Os juros também estiveram entre os mais baixos já pagos pela empresa, com uma taxa fixa de 6,6% ao ano. O apetite foi grande, mas veio quase que totalmente de investidores americanos, europeus e asiáticos. “A demanda por produtos como esse ainda é muito baixa no Brasil”, diz Marco Spada, vice-presidente de finanças e de relações com investidores da Marfrig.

Brumadinho devastada: desastres ambientais, como o da Vale, em Minas Gerais, ajudaram a colocar em pauta a importância do investimento ASG (Crédito:Douglas Magno / AFP)


Com os recursos, a companhia vai comprar gado, seguindo critérios específicos, visando um controle sobre desmatamento, não utilização de terras indígenas e erradicação do trabalho escravo e infantil. Segundo Spada, a intenção é mostrar aos investidores que a Marfrig está atenta aos aspectos ambientais e sociais que a cercam.

Leia também: Confira as capitais e regiões que gastam mais com Previdência no Brasil

“Num momento como o que vivemos, com diversas notícias sobre o tema, a emissão é extremamente importante, pois mostra que as empresas do setor não estão desmatando as florestas”, diz. Segundo ele, o principal ganho que uma postura como essa traz é o de melhorar a imagem da companhia. Para a empresa, é mais caro fazer uma operação seguindo critérios ASG, uma vez que ela tem de seguir os controles devidos para garantir, nesse caso, a compra de gado certificado. “Não há um prêmio de risco acrescido ao título por ele seguir os critérios ASG, o que dificulta o desenvolvimento do mercado entre os investidores”, diz Spada.

MARCHA À RÉ Apesar das iniciativas listadas, a indústria ASG perdeu espaço no Brasil nos últimos anos. Segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), o percentual de empresas do setor que adotam critérios ASG na gestão diminuiu de 38,3%, em 2016, para 32,9%, em 2018. Do patrimônio próximo de R$ 5 trilhões da indústria brasileira de fundos, menos de R$ 1 bilhão (0,02%) são de veículos dedicados ao assunto. Lá fora, a cifra dos investimentos ASG gira na casa dos US$ 30 trilhões. “Isso mostra que a prática por aqui não decolou”, diz o especialista Gustavo Pimentel, da consultoria Sitawi.

Veja Também  Azul promete derrubar duopólio Latam-Gol e baratear passagens no Brasil

Os dados contrastam com o início promissor desse mercado no País na primeira metade da década passada. À época, foram lançados vários produtos, como o fundo Ethical, do então banco Real, em 2001, e o Fundo Itaú de Excelência Social, em 2004. No ano seguinte, a Bovespa lançou o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), que existe até hoje. O movimento, no entanto, não prosperou. “As gestoras de recursos se esforçaram para desenvolver capacidades ASG, mas o retorno comercial foi muito baixo”, afirma Pimentel.

Há dois anos, isso começou a mudar. Catástrofes, como as provocadas pela Vale nas cidades mineiras de Mariana e de Brumadinho, doeram no bolso dos investidores e colocaram a sustentabilidade de novo em pauta. “Sempre que ocorrem desastres ambientais ou sociais causados por corporações, a tese de que os investimentos ASG agregam valor à carteira ganha força”, afirma Pimentel.

Marco Spada, vice-presidente de finanças e RI da Marfrig: “A emissão é extremamente importante, pois mostra que as empresas do setor não estão desmatando as florestas” (Crédito:Divulgação)


As evidências empíricas mostram que os investidores não precisavam ter esperado tanto. “A preocupação com aspectos ASG gera valor ao acionista no longo prazo, com um menor nível de volatilidade”, diz Sonia Favaretto, diretora de sustentabilidade da B3. Basta comparar a diferença de desempenho entre o Ibovespa e o ISE nos últimos anos. Mesmo com o desempenho positivo, o ETF que replica o ISE não recebeu grande atenção dos investidores. O patrimônio dos ETF vinculados a ele soma apenas R$ 21,1 milhões.

Leia também: Seu currículo é avaliado em 8 segundos; saiba quais palavras podem te ajudar

A B3 está preparando mudanças na metodologia para escolher as empresas que fazem parte do ISE – os papéis da Vale, por exemplo, foram retirados da carteira, após a tragédia em Brumadinho, em janeiro deste ano. Até agora, para compor o índice, a B3 leva em consideração as respostas das empresas e documentos comprobatórios. A partir do ano que vem, com a ajuda de big data e inteligência artificial, a B3 vai analisar dados públicos referentes às empresas para incluir na avaliação.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Conselho do FGTS aprova distribuição de 100% do lucro de 2018

Publicado

Uma das mudanças anunciadas no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), a distribuição de 100% dos resultados do ano passado foi ratificada hoje (19) pelo Conselho Curador. A Medida Provisória (MP) 889 aumentou a rentabilidade do fundo, determinando a transferência de todo o lucro do exercício anterior aos cotistas.

Antes da MP, o FGTS rendia 3% ao ano mais a Taxa Referencial (TR), atualmente zerada. Desde 2017, o fundo repassava 50% dos lucros do ano anterior ao cotista. Com a mudança, o fundo renderá 6,18% em 2019 , ultrapassando inclusive a taxa Selic (juros básicos da economia), recentemente reduzida para 6% ao ano.

Até 31 de agosto, serão repassados R$ 12,2 bilhões do lucro de 2018, distribuídos proporcionalmente conforme o saldo de cada conta. O Conselho Curador também aprovou os Relatórios de Gestão do FGTS e do Fundo de Investimento FI-FGTS. Os documentos serão divulgados no site do FGTS assim que o Diário Oficial da União publicar a resolução.

O conselho instituiu ainda um grupo de trabalho, com participação de três representantes do FGTS e três do Comitê de Investimento do FI-FGTS, para acompanhar e propor mudanças nas aplicações do fundo. O grupo também acompanhará a execução das recomendações dos órgãos de controle em parceria com o Grupo de Apoio Permanente (GAP), formado por consultores técnicos vinculados às 12 entidades que compõem o colegiado.

Edição: Fábio Massalli
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Veja Também  Caixa e Banco do Brasil iniciam pagamento de cotas do PIS/Pasep
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana