conecte-se conosco


Turismo

Fazer trabalho voluntário durante a viagem é tendência: conheça o volunturismo

Publicado

Você já ouviu falar em volunturismo? Essa é uma recente modalidade de viagem na qual o turista pode explorar um novo destino e uma nova cultura contribuindo com o local através do trabalho voluntário. A ideia é o turista deixar um legado positivo no local visitado, investindo parte do seu tempo em ações de impacto social.

Leia também: Estudar no exterior por um mês é suficiente para obter fluência em inglês?


 O volunturismo é quando o turista quer aproveitar a viagem para fazer um trabalho voluntário para ajudar o local visitado
Creative Commons
O volunturismo é quando o turista quer aproveitar a viagem para fazer um trabalho voluntário para ajudar o local visitado


O fundador e diretor de volunturismo
da operadora Vivalá, Pedro Gayotto, explica que para participar o viajante deve se conectar com algum projeto que ele acha interessante desenvolver de forma voluntária no destino que vai visitar. “Muitas vezes, os pacotes já incluem outros serviços e trâmites logísticos de viagens em geral, como transporte, hospedagem, seguro-viagem, entre outros”, diz.

O bacana é que existem diversos projetos focados em diferentes causas. A operadora em que Pedro atua, por exemplo, busca levar educação empreendedora para comunidades brasileiras, e o viajante é treinado para isso. Para entender a proposta e o que farão no destino é realizado um treinamento com os voluntários: “O objetivo é fortalecer as economias locais e fazer com que essas populações continuem como protagonistas de suas comunidades”.

Volunturismo é tendência no turismo


Existem muitos projetos no Brasil para quem quer vivenciar o volunturismo, e um deles é feito na Amazonas
Divulgação/Vivalá
Existem muitos projetos no Brasil para quem quer vivenciar o volunturismo, e um deles é feito na Amazonas


Essa ideia de viajar para fazer um trabalho voluntário
é algo relativamente novo, mas o profissional da Vivalá ressalta que um relatório da Edelman e Panrotas, lançado em 2018, indica que o volunturismo movimenta 10 milhões de viajantes e US$ 2 bilhões no mundo.

Veja Também  O que fazer em Jundiaí? Veja roteiro de 3 dias para curtir a região

A estimativa é que essa modalidade turística aumente para 20 milhões de viajantes em 2020. “Os números indicam que existe, sim, uma demanda crescente para esse mercado e isso já está se refletindo por aqui. De 2017 para 2018, por exemplo, tivemos um crescimento de 70% em inscrições para esse tipo de viagem”, afirma Pedro.

Leia também: 15 influenciadores de viagem para acompanhar no Instagram

Os destinos mais procurados e mais indicados pelo profissional para esse tipo de viagem são os locais com populações em situações vulneráveis ou com estruturas econômicas pouco desenvolvidas, pois é onde há mais possibilidades de se fazer trabalhos sociais.

Pedro indica algumas comunidades que possuem esse perfil e ainda contam com muitas belezas naturais para aproveitar no horário de lazer. São elas:

  • Lago do Acajatuba, na Amazônia;
  • Flona e Alter do Chão, no Pará;
  • Atins, no Maranhão;
  • Cananéia, em São Paulo;
  • Florianópolis (Frei Damião), em Santa Catarina.

Principais cuidados ao fechar um pacote


É preciso muito cuidado antes de fazer o volunturismo, pois existem muitos projetos que não são verdadeiros
Creative Commons
É preciso muito cuidado antes de fazer o volunturismo, pois existem muitos projetos que não são verdadeiros


Antes de fechar um pacote de viagem
desse estilo, a dica de Pedro é estudar o projeto para entender a causa que vai trabalhar. “Como está se tornando uma atividade grande, isso traz algumas ‘armadilhas’. Existem casos e suspeitas de projetos ‘fakes’ fora do Brasil, como ‘orfanatos’ falsos em países africanos que remuneram os pais das crianças para que eles ‘cedam’  seus filhos. Ou seja, as crianças fingem ser órfãs para os turistas”, alerta.

Veja Também  Veja onde passar o carnaval 2019 fora do Brasil sem precisar gastar uma fortuna

Por isso, é sempre importante filtrar as informações para conseguir escolher um projeto sério e poder viver uma ótima experiência. “O que nós normalmente falamos para os nossos voluntários quando está tudo certo é: ‘Agora é só ir com muita disposição e empatia para entender a nova realidade’.”

Leia também: Para amantes de vinho: dicas para aproveitar o melhor do enoturismo no Brasil

No geral, o volunturismo
não diminui o valor dos pacotes de viagem, pois eles costumam incluir hospedagem, transportes, seguro-viagem e custos operacionais. No entanto, Pedro explica que como o foco da viagem é fazer o trabalho voluntário e vivenciar a realidade do local, os viajantes acabam gastando menos em pontos turísticos e em compras e isso ajuda a economizar.

Fonte: IG Turismo
Comentários Facebook

Turismo

O que fazer em Jundiaí? Veja roteiro de 3 dias para curtir a região

Publicado

O turista que busca um destino próximo a São Paulo para fazer uma viagem rápida pode colocar Jundiaí no roteiro. A cidade fica a cerca de 60 km da capital e a viagem dura pouco mais de uma hora. O turismo por lá vem crescendo e atraindo viajantes que gostam de conhecer a história local do destino, visitar os pontos turísticos e degustar bebidas de produtores locais.

Leia também: Passeios em Brotas: confira roteiro completo para uma viagem de 3 dias


A Catedral de Jundiaí é um dos símbolos dessa cidade que tem atraído turistas que desejam fazer uma viagem rápida
Reprodução/Prefeitura de Jundiaí
A Catedral de Jundiaí é um dos símbolos dessa cidade que tem atraído turistas que desejam fazer uma viagem rápida


Segundo o último ranking do Índice de Desenvolvimento Humano dos Municípios (IDHM), realizado pelo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, Jundiaí
ocupa a 11ª posição entre as cidades mais desenvolvidas do País. Para conhecer bem o local e explorar o turismo, uma sugestão é fazer uma viagem de três dias.

Como é um destino
perto de São Paulo, quem sai da capital pode ir de carro ou de ônibus que saem dos terminais Barra Funda e Tietê. Caso não possa ficar três dias no destino, uma opção é fazer um bate e volta pegando o Trem Expresso na Estação da Luz, que funciona aos sábado, partindo às 8h30 e retornando às 16h30.

Para os turistas que vão passar três dias na cidade, Paulo Brunholi, CEO do complexo turístico e gastronômico Villa Brunholi, sugere um roteiro com as principais atrações
do destino. Confira:

Veja Também  7 dicas para evitar imprevistos nas conexões em uma viagem de avião longa

O que fazer em Jundiaí: dia #1


O Jardim Botânico está entre as sugestões de lugares que o turista pode visitar no primeiro dia em Jundiaí
Reprodução/Prefeitura de Jundiaí
O Jardim Botânico está entre as sugestões de lugares que o turista pode visitar no primeiro dia em Jundiaí


Chegando a cidade, o indicado é já começar explorando os pontos turísticos do centro, como o Museu Ferroviário, o Solar do Barão, o Jardim Botânico ou o Parque da Cidade, que conta com academia ao ar livre, centro náutico, jardim japonês, pista para caminhada, ciclovia, quadras esportivas e outras atrações.

Leia também: O que fazer em Santiago em 3 dias? Roteiro indica as principais atrações

No centro, a arquitetura das igrejas é algo que chama a atenção dos turistas e rende boas fotos. Depois de explorar todos ou alguns desses lugares, se ainda tiver pique, você pode visitar a Biblioteca Municipal, o Sesc da cidade ou conferir a programação do teatro Polythema.

O que fazer em Jundiaí: dia #2


Em Jundiaí, é possível conhecer parreiras de uvas e ver de perto a onde são produzidos os vinhos
Divulgação
Em Jundiaí, é possível conhecer parreiras de uvas e ver de perto a onde são produzidos os vinhos


Tire o segundo dia de viagem para visitar uma das seis rotas turísticas populares em Jundiaí, são elas: Castanho, Centro Histórico, Cultura Italiana, Terra Nova, Rota da Uva e a Rota do Vinho. Cada uma possui atrações específicas, então vale a pena pesquisar para ver qual combina mais com seu perfil.

Nas rotas, você pode encontrar variados atrativos como mini fazendas, adegas, cachaçarias e até um rodízio de massas, por isso, é interessante aproveitar a gastronomia local. Ao optar pela Rota do Vinho, por exemplo, o turista pode percorrer pelas fazendas e conhecer as histórias e os produtores locais.

Veja Também  O que fazer nos cruzeiros da Royal Caribbean? Surfe, escape room e mais

“Uma história que não pode ficar de fora da lista é a da uva niagara rosada, considerada tesouro da cidade. Ela surgiu na região a partir de uma mutação somática espontânea da uva niagara branca, em 1933, e, inclusive, no ano seguinte foi que se deu início a Festa da Uva, que ocorre até hoje entre os meses de janeiro e fevereiro”, comenta Paulo.

Quando a fome bater, as indicações do profissional entre as muitas opções de restaurantes são: O Italianão, que tem rodízio de camarão por R$59,90 por pessoa, o Beraldo Di Cale, que oferece comida típica italiana da fazenda com especialidades como o risoto caipira de bacalhau e costelas suínas à moda do chef, e também o Kiosque Roseira, que é famoso pelas coxinhas de queijo.

O que fazer em Jundiaí: dia #3


A Serra do Japi é uma das atrações de Jundiaí indicadas para quem quer ter mais contado com a natureza
Reprodução/Prefeitura de Jundiaí
A Serra do Japi é uma das atrações de Jundiaí indicadas para quem quer ter mais contado com a natureza


O destino possui muita área verde, então nada melhor do que aproveitar a viagem para se conectar com a natureza. Para isso, a sugestão é conhecer a Serra do Japi, um espaço de trilhas e cachoeiras. Outra ideia é fazer umas compras nas adegas da região que contam com opções de cachaças, vinhos, espumantes e alimentos artesanais. Paulo indica visitar as seguintes: Adega Martins, a Maziero e a tradicional Casa Cereser.

Leia também: Olímpia: veja roteiro de três dias para curtir a cidade com a família

A maioria das adegas deixa o turista degustar as bebidas, então tome cuidado para não exagerar, principalmente se estiver dirigindo.

O turismo em Jundiaí
continua em expansão e a cidade possui outras atrações além dessas, como passeios ciclísticos, feiras de artesanatos e visitas aos parques Wet’n Wild (aquático) e Hopi Hari, pois são próximos de lá.

Fonte: IG Turismo
Comentários Facebook
Continue lendo

Turismo

7 dicas para evitar imprevistos nas conexões em uma viagem de avião longa

Publicado

Fazer uma  viagem de avião
muito longa pode ser trazer uma boa quantia de imprevistos, mas não precisa ser assim. Se você está se preparando para um voo muito longo, que envolverá diversas conexões durante o percurso, conhecer algumas dicas pode minimizar a chance de ocorrerem contratempos como ser barrado na alfândega e ter a mala extraviada.


Imprevistos na viagem de avião podem estragar seu clima, principalmente quando forem muitas conexões na rota
shutterstock
Imprevistos na viagem de avião podem estragar seu clima, principalmente quando forem muitas conexões na rota

Afinal, seja cuidando da sua bagagem, organizando seus documentos ou evitando atrasos nos embarques, quanto mais preparado você estiver, menos dor de cabeça terá na hora de sair de casa e subir para sua viagem de avião
.

1. Prepare a sua viagem de avião com uma única companhia


A preparação para sua viagem de avião começa com escolher o bilhete certo para evitar transtornos maiores
shutterstock
A preparação para sua viagem de avião começa com escolher o bilhete certo para evitar transtornos maiores

Antes de mais nada, de acordo com Izabella Lessa, gerente comercial da Azul Viagens, uma boa forma de evitar imprevistos durante as conexões da sua viagem é comprar tudo com uma única companhia aérea
.

Fazendo isso, você garante que a sua bagagem irá direto para o destino final, e você não precisará retirá-la para despachar em todo aeroporto que for parar, que é o que ocorre quando se compra mais de um bilhete com companhias diferentes.

Outro benefício de seguir essa dica, segundo a empresária Gilsimara Caresia, é que os imprevistos ficam como responsabilidade da companhia. “Se eu perder uma conexão, a companhia é obrigada a te encaixar num outro voo”, avisa.

Este é o procedimento padrão das companhias aéreas brasileiras, que costumam disponibilizar equipes para auxiliar o passageiro. A LATAM, por exemplo, afirma que faz isso para realizar a “atualização de horário de saída do voo, ou ainda a reacomodação em outro voo de mesma origem e destino”. Mas é crucial que você fique no aeroporto para não perder as orientações dadas pela empresa.

Se ainda assim você preferir escolher comprar passagens com empresas diferentes ao longo do seu trajeto, a solução para quaisquer imprevistos como extravio de bagagens ou voos perdidos passam a ser problemas do passageiro.

2. Contrate um seguro de viagem


Um seguro para sua viagem de avião é outra boa forma de se prevenir dos mais diversos contratempos imagináveis
shutterstock
Um seguro para sua viagem de avião é outra boa forma de se prevenir dos mais diversos contratempos imagináveis

Outra precaução, como lembram Gilsimara e Izabelle, é contratar um seguro para a viagem de avião, mesmo que seja num roteiro doméstico. Segundo a gerente comercial da Azul Viagens, estes serviços cobrem desde viroses até problemas mais sérios que o passageiro enfrente durante sua jornada.

O seguro também ajudará a combater empecilhos com relação à bagagem. “A pessoa pode acioná-lo de acordo com a apólice dela, e a companhia leva a mala, assim que localizar, no hotel do passageiro”, explica Gilsimara.

Veja Também  O que fazer em Jundiaí? Veja roteiro de 3 dias para curtir a região

De acordo com a empresária, o seguro de viagem
possibilita também que o viajante seja ressarcido, mediante apresentação da nota fiscal, pelos itens básicos como sabonetes e outros itens de higiene pessoal que tiver que comprar enquanto a companhia tenta localizar a bagagem extraviada.

3. Prepare bem a sua mala de mão para a viagem


Sua viagem de avião ficará muito mais tranquila se você souber o que levar ou não na sua bagagem de mão
shutterstock
Sua viagem de avião ficará muito mais tranquila se você souber o que levar ou não na sua bagagem de mão

Como voos internacionais requerem que a sua bagagem pesada seja despachada, o cuidado no preparo da bagagem de mão deve ser redobrado. Além das regras a serem seguidas de acordo com cada país, Izabelle lembra que todos os seus itens de valor devem ser colocados na mala que não será despachada.

Segundo a LATAM, itens como dinheiro, joias, artigos eletrônicos e de uso pessoal se encaixam nessa categoria, então fique atento a eles na hora de se preparar para embarcar na sua viagem de avião.

Outra boa ideia, segundo Gilsimara é levar uma muda de roupa extra, para evitar imprevistos. “Já aconteceu comigo, eu saí do Brasil, tava indo para a República Tcheca. Cheguei lá sem mala e não tinha nenhum casaco, que estavam todos na mala”, relata a empresária.

Ela também recomenda que os passageiros preencham as etiquetas das malas com os seus dados, e levem consigo um  power bank
, a bateria externa vendida atualmente para os celulares, caso seja necessário manter o seu ligado durante a viagem.

Leia também: Malas de viagem: veja 10 dicas para você organizar a sua e evitar contratempos

4. Organize os documentos necessários


Manter os documentos em dia é um aspecto crucial para uma viagem de avião sem dor de cabeça nos aeroportos
shutterstock
Manter os documentos em dia é um aspecto crucial para uma viagem de avião sem dor de cabeça nos aeroportos

Outro detalhe que entra na questão da bagagem de mão, mas que merece um tópico à parte é a organização dos seus documentos para a viagem de avião. Voos internacionais requerem apenas passaporte e visto mas, segundo a LATAM, é sempre bom saber os requerimentos de cada país – já que alguns pedem carteira de vacinação atualizada também. Informações do tipo podem ser encontradas nos sites das embaixadas e consulados dos países.

Os voos para países do Mercosul, no entanto, são excessões à regra, já que não exigem passaporte. Segundo Izabella, basta apresentar seu documento de identidade (RG) dentro do prazo de validade – que seria de 5 anos.

Também de acordo com a gerente comercial da Azul Viagens, menores de idade desacompanhados, ou que não estão viajando com parentes de primeiro grau, precisam levar consigo uma autorização, devido a exigências do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Veja Também  7 dicas para evitar imprevistos nas conexões em uma viagem de avião longa

Fora isso, vale lembrar que nos voos internacionais, as companhias aéreas impõem restrições aos menores desacompanhados, chegando inclusive a proibir que eles embraquem em voos que farão escalas.

5. Fique de olho no que compra no free shop


O free shop está cheio de produtos irresistíveis, mas comprar o que quiser pode atrapalhar sua viagem de avião
shutterstock
O free shop está cheio de produtos irresistíveis, mas comprar o que quiser pode atrapalhar sua viagem de avião

Como cada país estabelece suas próprias normas alfandegárias, é preciso ter cuidado extra com o que você compra no free shop dos aeroportos, seja no caso de líquidos ou de outros objetos que os agentes de segurança de um país podem achar suspeitos.

“Se eu comprar uma cachaça no free shop no Brasil pra levar pro meu amigo que mora na República Tcheca, e meu voo parar em Paris para eu trocar de aeronave, eles vão confiscar a minha cachaça”, exemplifica Gilsimara a respeito do problema.

Ela explica também que, caso a cachaça tivesse sido comprada em Paris, a alfândega não barraria o passageiro do exemplo – mas, como se tratava de um produto trazido de fora, a situação muda.

6. Prepare-se para problemas como extravio de sua bagagem


Uma viagem de avião com muitas conexões pode ser sinônimo dor de cabeça quando o assunto é bagagem despachada
shutterstock
Uma viagem de avião com muitas conexões pode ser sinônimo dor de cabeça quando o assunto é bagagem despachada

Segundo Gilsimara, uma ocorrência muito comum nos voos com conexões, principalmente no caso daqueles que não seguem a dica número 1, é o extravio de bagagens.

Sobre isso, Izabella lembra que quem faz uma viagem de avião com bilhetes de diversas companhias precisa ter em mente que o procedimento com as bagagens durante as conexões é o mesmo que se adota ao chegar no destino final de um voo direto.

Ou seja, além de precisar despachar a bagagem em todas as paradas, o passageiro também terá de recorrer ao guichê da companhia aérea responsável pelo seu voo de chegada para cuidar de problemas com extravio.

7. Planeje o seu stop over com antecedência


Sair do aeroporto para visitar a cidade é uma boa ideia, desde que você tenha tempo para voltar para a viagem de avião
shutterstock
Sair do aeroporto para visitar a cidade é uma boa ideia, desde que você tenha tempo para voltar para a viagem de avião

Algumas vezes, as conexões podem demorar. E, nessas horas, dar um pulinho na cidade que fica do lado de fora do aeroporto pode ser tentador – mas deve ser algo planejado com parcimônia e até mesmo antecedência.

Se você estiver a fim de fazer um stop over
, Gilsimara recomenda que verifique se é necessário ter um visto para poder sair do aeroporto. Isso porque “em alguns países, para fazer isso você não precisa de visto até 24, 48 ou 72 horas, e geralmente as empresas permitem stop over onde elas têm a sede”.

No entanto, a recomendação de Izabella, da Azul Viagens, é de que o passageiro tente sempre voltar para o aeroporto com 3 horas de antecedência. Tanto ela como Gilsimara alertam para a necessidade de evitar o trânsito local se você não quiser perder o horário para voltar ao aeroporto.

Leia também: Maus passageiros: pessoa deixa garrafa com urina no avião, e foto viraliza

Por fim, se quer evitar quaisquer transtornos na hora que chegar ao aeroporto, a recomendação de Gilsimara é que você vá direto para o portão de embarque – lembrando que alguns aeroportos fazem um segundo check-in, por segurança -, e fique atento a quaisquer mudanças de portão para embarcar novamente na sua viagem de avião
.

Fonte: IG Turismo
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana