conecte-se conosco


Policial

Operação prende cerca de 30 integrantes de facção que coordenava tráfico de drogas em Juína

Publicado

Assessoria | PJC-MT

Investigações da Polícia Judiciária Civil conduzidas pela Delegacia de Juína desarticularam uma organização criminosa que atuava fortemente com o tráfico de drogas no município e região, resultando na prisão aproximadamente 30 pessoas envolvidas em diversos crimes. Ao longo dos trabalhos da operação denominada “Camisa Vermelha”, foram apreendidos cerca de 50 quilos de entorpecentes, aproximadamente R$ 25 mil em dinheiro e 06 armas de fogo.

Apontado como líder da facção, Evandro Luz de Santana, conhecido como “Mano Santana” teve o mandado de prisão cumprido na sexta-feira (08.02), na Penitenciária Central do Estado (PCE) em Cuiabá, de onde mandava as ordens e coordenava a ação do grupo criminoso. A Polícia ainda procura por Ederson Antunes Lopes, conhecido como “Playboy”, acusado de atuar como gerente do grupo e que continua foragido.

As investigações, coordenadas pelos delegados Edison Ricardo Pick e Marco Bortolotto Remuzzi, iniciaram no mês de setembro de 2018 com a prisão de um outro líder da quadrilha, Raffael Aruã Pompeu Amorim Souza, o “Mano Gordão”, responsável por determinar e implantar as primeiras ordens da organização criminosa na cidade de Juína. O suspeito também teve o mandado de prisão cumprido dentro do presídio, Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), onde cumpre pena por outros crimes.

Segundo o delegado, Edison Pick, as determinações visavam estruturar toda a logística do tráfico, desde o cadastramento de “lojistas” (traficante cadastrado, que atua na venda de droga e paga um valor mensal para facação), que eram obrigados a vender drogas somente para a organização criminosa, fazer o recolhimento de dinheiro referente a comercialização de drogas.

“Com o desdobramento das investigações foi revelado que havia uma rede de pessoas cadastradas e aliciadas pela organização criminosa para atuar no controle e estruturação do tráfico de drogas na cidade de Juína e região noroeste”, disse o delegado. Nesse ponto da investigação, foram identificados os dois líderes da organização, responsáveis por dirigir todas as ações e logísticas da facção, com objetivo de determinar e assegurar reiteradamente o comércio de drogas, além de outros crimes relacionados.

Veja Também  PRF intensifica fiscalização de velocidade na região de fronteira

O nome da operação “Camisa Vermelha” está relacionada as pessoas de confiança dos líderes, chamados de “Camisas” que atuavam do lado de fora do presídio. “Os ‘camisas’  funcionavam como braços direitos dos chefes (presos) para estruturar o tráfico de drogas em Juína. Gerenciando a atividade ilícita do lado de fora, eles tinham a função de disciiplinar os integrantes do grupo, falar sobre as regras da organização, fazer cobranças de valores e aplicar punições, cada um em sua localidade determinada” explicou Pick.

Entre as pessoas presas está a traficante, Marta Souza Amorim, 26 anos, acusada de mandar matar a jovem, Raquel Meira Duarte, de 22 anos na  cidade de Castanheira (779 km a Noroeste). A prisão foi efetuada no dia 23 de janeiro, em Juína, e foi motivada por dívida relacionada ao tráfico de drogas. O irmão da vítima estava junto e conseguiu escapar ileso dos tiros disparados por um suspeito, correndo para o outro lado da estrada e se escondendo em uma mata.  Dois homens que participaram da execução foram presos na ocasião do crime.

Durante a operação, foram presos outros traficantes locais (lojistas) que pegavam drogas e pagavam as mensalidades para a organização criminosa. O delegado Edson Pick ressalta que a identificação do grupo e o sucesso da operação foi possível graças ao empenho dos policiais da Delegacia de Juína que não mediram esforços para desarticulação do grupo criminoso. “Quero agradecer toda a equipe de investigadores e escrivães, que participaram dos trabalhos, uma vez que sem a dedicação deles a operação não alcançaria o mesmo êxito. O reconhecimento do empenho da equipe nos deixa de alma leve e nos permite mostrar a quem nos faz bem o quanto é importante acreditar no trabalho das pessoas”, destacou o delegado.

Segue lista de integrantes da facção criminosa, identificados e presos durante a operação..

  • Evandro Luz de Santana, o “Mano Santana”, preso por conta de mandado de prisão, exercia a função de líder e atuava mesmo preso dentro da PCE;
  • Raffael Aruã Pompeu Amorim Souza, o “Mano Gordão”, preso por conta de mandado de prisão, exercia a função de líder e atuava mesmo preso na CRC;
  • Mart Souza Amorim, a “Morena”, presa por conta de mandado de prisão, exercia a função de gerente geral;
  • Ederson Antunes Lopes, conhecido como “Playboy”, está foragido, exerce a função de gerente geral;
  • Lucas Ferreira do Prado, o “Brilhante”, preso por conta de mandado de prisão;

  • Marcos Antonio Rodrigues, conhecido como “Markola”, preso por conta de mandado de prisão;
  • Edson Gomes de Oliveira, conhecido como “Edisinho” ou “Paulistinha”, preso em flagrante;
  • Eric Ruan Bueno Ferreira, o “Derick”, preso em flagrante;
  • João Paulo de Lima Sanzovo, o “Progresso” ou “Polaquinho”, preso em flagrante;
  • Cristian Willian da Silva Rosa, o “Willinha”, prisão em flagrante;
  • João Paulo Vasconcelos Santiago, conhecido como “Nego João”, preso em flagrante;
  • João Paulo de Souza Massarolo, o “Coca” ou “157”, preso em flagrante;
  • Alexsandro Claro da Silva, o “Indião” preso em flagrante
  •  Harisson Patrick de Oliveira Ferreira preso em flagrante
  • Cristiano Rodrigues Correia, preso em flagrante;
  • Luís Fernando da Silva Rosa preso em flagrante;
  • Cleberson Willian Domingues Gonçalves, conhecido como “15” preso em flagrante;
  •  Dalino Marques da Silva, o “Danilo” preso em flagrante
  •  Angélica de Oliveira Renau presa em flagrante
  •  Pedro Henrique Bueno Ventura, preso por conta de mandado prisão;
  • Wesley Freire Gelbari preso em flagrante
  • Daniel Marques Lobato, o “Guey”, preso em flagrante.
  • Alexssandro Dimas Monfardini, o “Neguinho”, preso em flagrante
  • Nayara Aparecida dos Santos, conhecida como “Nay” presa por conta de mandado de prisão.
  • Marcelo Campos de Souza, conhecido como “Teu”, traficante local que pagava mensalidade para a organização
  • Fabiana Moreira da Silva, a “Bia”, traficante local que pagava mensalidade para a organização
  • João Paulo da Silva Souza, o “Nego”, traficante local que pagava mensalidade para a organização
  • Edmar Barbosa Borges, conhecido como “Polaco”, traficante local que pagava mensalidade para a organização
  • Paulo Lopes Ferreira, o “Paulo Cascão”, traficante local que pagava mensalidade para a organização
    •  

Veja Também  Polícias Civil e Militar recuperam carga de botijões roubada em Várzea Grande

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook

Policial

Submetralhadora de facção criminosa é apreendida em Rondonópolis

Publicado

Assessoria | PJC-MT (atualizada às 15h27)

A Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Rondonópolis (212 km ao Sul) de Rondonópolis (212 km ao Sul) apreendeu nesta terça-feira (19.02), uma submetralhadora 9mm, munições calibres 9mm e 40, e uma espingarda calibre 22. Ambas as armas estavam com supressor de ruído.

As armas e munições estavam na posse de pai e filhal (Nelson Martins e Ingrid Andrade Martins), que foram presos em flagrante por posse ilegal de arma de fogo de uso restrito e permitido. O pai seria o dono da espingarda e a filha estaria ocultando a submetralhadora, a pedido de terceiro. A arma foi encontrada enterrada no quintal da casa localizada na região da Vila Operária. 

A apreensão é resultado do cumprimento de dois mandados de busca e apreensão, ocorrido em dois locais distintos na cidade de Rondonópolis. No segundo endereço foram apreendidos R$ 4.730 e duas motocicletas.

O delegado Santiago Rozeno informou que as armas, possivelmente, pertencem a membros de facção criminosa. “Hoje cumprimos dois mandados de busca e apreensão dentro investigações que destinam a combater o crime de organização criminosa”, afirmou.

Veja Também  De Cara Limpa Contra as Drogas realiza palestra para crianças e adolescentes em Nova Lacerda

A ação contou com a participação do Sistema Penitenciário, que efetuou buscas em celas da Penitenciária Central do Estado (PCE), em Cuiabá.

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Videomonitoramento flagra ações criminosas e prende suspeitos

Publicado

Em Cuiabá e Várzea Grande, são 102 câmeras instaladas em pontos estratégicos das regiões central e periférica. Além de atos criminosos, também são registradas boas ações.

Hérica Teixeira | Assessoria/Sesp-MT 

Em janeiro de 2019, o sistema de videomonitoramento da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) captou 169 ocorrências nas principais vias de Cuiabá e Várzea Grande. Deste número, 60% foram flagrantes delitos de tentativa de roubo e furto, ameaça, direção perigosa e tráfico de drogas. Os dados são do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp), que também registra boas ações. 

Uma das tentativas de furto frustrada aconteceu na tarde da última quinta-feira (14), na Travessa João Dias, esquina com a Rua 13 de Junho, no centro de Cuiabá. Mesmo com a movimentação da via pública, um homem segurando um capacete abria o baú das motos estacionadas e depois tentava ligar algumas motocicletas. Neste momento, o operador do Ciosp aproximou a imagem e solicitou apoio policial, que prendeu o homem. Veja o vídeo.

Durante toda a ação, o operador das câmeras de videomonitoramento e o policial que atendeu a ocorrência mantiveram diálogo via rádio até o encerramento da operação.

Em Cuiabá e Várzea Grande são 102 câmeras instaladas em pontos estratégicos da região central e na periferia. Atualmente, seis operadores e quatro supervisores se revezam em turnos – manhã, tarde e noite – no monitoramento das imagens. Cada operador monitora de 10 a 12 câmeras.

“Os operadores estão aptos para identificar atitudes suspeitas e realocar as imagens para flagrar delitos criminais. Quando este tipo de imagem é captada, o operador comunica o supervisor e imediatamente a força policial é acionada”, destacou o gerente técnico do Ciosp, sargento BM Leandro Alves.

Prevenção e repressão

O secretário adjunto de Integração Operacional da Sesp, coronel PM Victor Paulo Fortes Pereira, disse que a meta da atual gestão é ampliar o videomonitoramento. Para o gestor, as câmeras auxiliam na prevenção e repressão.

 “Vamos buscar parceria para garantir a ampliação, pois é um método de trabalho que traz benefícios para a segurança pública. A atuação impede a prática do delito criminal e também reprime”, avaliou.

As câmeras auxiliam nas investigações policiais das Delegacias, Juizados e do Ministério Público. Um acidente flagrado no dia 16 de janeiro de 2019, na Avenida Isaac Póvoas, mostra o momento do choque entre dois veículos, conforme vídeo.

“As imagens são sempre importantes para esclarecer a dinâmica dos acidentes, estabelecer a velocidade dos veículos, eliminando assim, eventuais dúvidas relacionadas ao evento. Na investigação, as imagens auxiliam na identificação de veículos envolvidos, quando há fuga do local, possibilitando a responsabilização do condutor”, enfatizou o titular da Delegacia Especializada em Delitos de Trânsito (Deletran), Christian Cabral.

Diariamente, o Ciosp recebe cerca de cinco processos das instituições solicitando imagens para apuração de delitos criminais.

Boa ação

Cuidado e ajuda ao próximo também são imagens que fazem parte do dia a dia dos operadores do viodeomonitoramento.

Na quinta-feira (14), um veículo teve problemas mecânicos em uma das vias da Avenida Miguel Sutil. O carro ficou na rua, o que dificultava o livre tráfego na região. Ao perceber a situação, motoristas que passavam pelo local pararam e ajudaram o condutor a colocar o carro em local seguro. Veja o vídeo.

Outras boas ações também já foram flagradas pelas câmeras, a exemplo de doação de alimentos a moradores de ruas e ajuda a idosos.
 

Veja Também  NOTA DE FALECIMENTO – mãe de investigadora da DHPP

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana