conecte-se conosco


Carros

Volkswagen Jetta GLI é apresentado com motor de 230 cv

Publicado


Volkswagen Jetta GLI: Mesmo sem previsão de chegar ao Brasil, pode adiantar a chegada de uma versão com este motor
Divulgação
Volkswagen Jetta GLI: Mesmo sem previsão de chegar ao Brasil, pode adiantar a chegada de uma versão com este motor

O Volkswagen Jetta GLI foi finalmente revelado por completo. Equipado com o mesmo motor do Golf GTI, o sedã esportivo será o sucessor do antigo Jetta 2.0 TSI conhecido pelo bom desmepenho. Revelado no Salão de Chicago (EUA), foi confirmado para o mercado norte-americano e argentino desde o ano passado, mas a Volkswagen ainda não bateu o martelo para o Brasil.

LEIA MAIS: Andamos na nova versão de entrada do VW Jetta, que custa menos de R$ 100 mil

Por fora, o Volkswagen Jetta GLI
utiliza bastante preto e vermelho no acabamento, da mesma forma que o VW Golf GTI
, com os pára-choques que foram redesenhados. Tem um pequeno spoiler no porta-malas e saídas duplas de escapamento redondas, ao invés de usar peças trapezoidais. A “cara” invocada do GLI traz uma grade colmeia preta, faróis de LED de série, rodas de 18 polegadas com design exclusivo e freios do Golf R.

Veja Também  Veja 5 equipamentos de carros que vão desaparecer em breve

Como deve andar o Volkswagen Jetta GLI


Volkswagen Jetta GLI traz interior repleto de conectividade e adereços esportivos, além dos modos de condução
Divulgação
Volkswagen Jetta GLI traz interior repleto de conectividade e adereços esportivos, além dos modos de condução

Falando em performance, o GLI traz diferencial blocante nas rodas dianteiras, que ajuda nas curvas, enquanto a traseira recebeu suspensão independente multilink no lugar do eixo de torção usado no modelo 1.4 TSI. Isso ajudará o GLI a apresentar um desempenho mais esportivo. O grande destaque fica por conta do motor 2.0 turbo de quatro cilindros sob o capô, o mesmo usado no Golf GTI, com 230 cv e 35,7 kgfm.

LEIA MAIS: 5 coisas que ninguém te contou sobre o Volkswagen Tiguan Allspace

Para controlar esta potência, a Volkswagen oferece duas alternativas. Ele pode vir do jeito que os puristas gostam, com câmbio manual de 6 marchas, ou com o DSG de dupla embreagem e 7 marchas, que também adiciona o sistema start-stop para melhorar a economia de combustível.

Por dentro, o GLI é um Jetta bem equipado. O interior preto traz detalhes e costuras vermelhas e bancos de couro. De série, vem com bancos aquecidos, ar-condicionado automático, faróis automáticos, iluminação interna ajustável com 10 cores, sensor de chuva e chave presencial. Ainda traz um seletor de modo de condução com quatro opções, incluindo uma personalizável, permitindo que o motorista defina suas preferências para itens como a resposta do acelerador.

Veja Também  Volvo V60 reafirma motivos para salvarem as peruas no Brasil

LEIA MAIS: Nova geração do VW Passat americano é apresentada no Salão de Detroit 2019

Por mais agressivo que pareça, o  sedã esportivo
ainda não será a versão mais quente do sedã. A Volkswagen planeja lançar um modelo de aniversário de 35 anos do modelo, que terá sistema de amortecedores adaptativos e um quinto modo de condução. Ele ainda terá rodas especiais e mais alguns detalhes exclusivos de acabamento, além do emblema comemorativo.

Nos EUA, o Volkswagen Jetta GLI
deve começar a ser vendido em março, com preços ainda não revelados. No Brasil, o grande mistério é se a fabricante irá oferecer o Jetta com motor 2.0 TSI nesta versão esportiva, ajudando a separar do restante da linha com motor 1.4 TSI de 150 cv; ou se seguirá a estratégia usada até a geração anterior, equipando a versão Highline com o motor de 230 cv, mas sem o visual invocado.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook

Carros

VW T-Cross se mostra um SUV compacto acima da média atual

Publicado


VW T-Cross chega às lojas em abril para estabelecer um novo patamar entre os SUVs compactos no Brasil
Cauê Lira/iG Carros
VW T-Cross chega às lojas em abril para estabelecer um novo patamar entre os SUVs compactos no Brasil

Não é exagero dizer que o VW T-Cross 2019 é o lançamento mais importante da marca alemã nesta década. Os SUVs compactos se tornaram um ponto chave para qualquer fabricante que queira expandir seus lucros no mercado, uma vez que são feitos a partir de modelos menores e mais baratos. Em outras palavras, carros compactos pelo preço de modelos médios. E no caso da versão Highline do T-Cross que testamos durante o lançamento, este valor chega a R$ 124.840.

LEIA MAIS: VW T-Cross tem pré-venda de 800 unidades. Versão básica parte de R$ 84.990

O preço da versão mais cara não chega a surpreender, já que a Volkswagen nunca escondeu que este seria o modelo mais equipado da categoria. O VW T-Cross 2019
Highline traz até assistente de estacionamento semi-autônomo que gira o volante sozinho para entrar em vagas no supermercado, ou fazer uma baliza. Claro, este opcional incluirá R$ 6.050 no pacote Tech&Beats.

LEIA MAIS: VW T-Cross vai abalar a prova dos 9 dos SUVs

Se o cliente fizer questão do belo teto-solar panorâmico, deverá acrescentar R$ 4.800, enquanto a central multimídia com GPS integrado e painel de instrumentos digital custam mais R$ 4 mil. Ao todo, os opcionais da versão Highline podem fazer o T-Cross saltar de R$ 109.990 para os R$ 124.840 do modelo mais completo. A fabricante, por outro lado, não revela qual versão terá o maior mix de vendas.

Por fora, o T-Cross foi capaz de se diferenciar dos rivais. Os vincos que cortam a lateral do SUV compacto criam um jogo de luz e sombra, dando uma característica ainda mais robusta. A suspensão, por outro lado, deixa o carro um pouco mais baixo que a média da categoria, fazendo com que o T-Cross tenha uma atmosfera esportiva quando combinada ao teto pintado de preto. Os LEDs fazem uma bela acentuação, tanto nos faróis dianteiros quanto nas lanternas traseiras com acabamento fumê.  

Veja Também  A nova de Elon Musk: Tesla vai liberar patentes para concorrentes

A plataforma modular MQB já provou suas qualidades em Polo
, Virtus, Jetta e Tiguan. No caso do T-Cross fabricado em São José dos Pinhais (PR), a marca estendeu comprimento e largura (para 4,19 m e 1,75 m, respectivamente), fazendo com que a versão nacional seja ainda maior que o modelo europeu. Conversando com um dos engenheiros da Volkswagen, descobri que o nosso VW T-Cross recebeu muitos aplausos da matriz alemã, e poderá inspirar futuras estilizações no velho continente. 


VW T-Cross 2019 tem área do porta-malas variável por causa do banco traseiro deslizante
Divulgação
VW T-Cross 2019 tem área do porta-malas variável por causa do banco traseiro deslizante

Mas isso não impede que o modelo fique livre de alguns deslizes. O acabamento interno abusa de plástico, ainda que seja bem texturizado. Alças de mão para os passageiros não deslizarem no banco em curvas mais fervorosas também fizeram falta. Pelo menos, o espaço traseiro é digno de carros médios, com uma verdadeira sala de estar para os ocupantes mais altos que também não vão raspar a cabeça no teto. 



LEIA MAIS: Hyundai Creta Prestige enfrenta Honda HR-V Touring, ambos topos de linha

A central multimídia é uma das mais intuitivas, contando com GPS integrado, informações sobre o veículo e seletor de modo de condução. Há a possibilidade de fazer o espelhamento de alguns recursos no cluster
digital.

Não imaginava que um SUV desta categoria poderia ser tão legal de dirigir. Num trajeto com cerca de 200 km entre São José dos Pinhais e Balneário Camboriú (SC), tive a oportunidade de acelerar na famosa Serra Catarinense. Ainda que a maior parte do percurso tenha asfalto de boa qualidade, o T-Cross superou bem as imperfeições nas proximidades de Itajaí. Se você procura um SUV valente para enfrentar as crateras da sua cidade, ele o fará com esmero.

Veja Também  Renault Kwid com retoques nodesenho aparece antes da estreia

LEIA MAIS: Ford EcoSport 1.5 Titanium: como anda a versão 1.5 com pneus “run flat”?

O coração deste valente SUV compacto traz o mesmo motor 1.4 TSI do Golf
. Ou seja, 150 cv de potência entregues a 4.800 rpm, além de 25,5 kgfm de torque a 1.400 rpm. Ainda é possível alternar entre três modos de condução: normal, eficiente e esportivo (além de um quarto, customizado pelo motorista). Se o objetivo é deixar o trajeto ainda mais divertido, recomendamos a condução esportiva que altera a curva de torque, transmissão e a resposta do acelerador.

VW T-Cross chega com competitividade ao mercado


Entre os opcionais do VW T-Cross 2019, destaque para a tela touchscreen de oito polegadas
Divulgação
Entre os opcionais do VW T-Cross 2019, destaque para a tela touchscreen de oito polegadas

Curvas rápidas ficam ainda mais seguras com os controles de estabilidade e tração, que desaceleram a roda da parte interna e entregam mais torque para a de fora. Dessa forma, o T-Cross anda sobre trilhos, mesmo que sua dinâmica esteja sendo desafiada pelo motorista. De acordo com a VW, o modelo vai de 0 a 100 km/h em 8,7 segundos.

Infelizmente, o modelo 1.0 TSI não estava disponível para o test-drive de lançamento, mas a Volkswagen prometeu que nos emprestará em breve para compará-lo às versões convencionais dos outros SUVs compactos.

LEIA MAIS: Volkswagen responde ao Ford EcoSport 16 anos depois

O VW T-Cross 2019
é caro na versão Highline. Por este preço, é possível saltar de categoria e comprar um Jeep Compass. Mas ele terá que rivalizar com os SUVs médios do mercado até a chegada de seu principal rival, o Honda HR-V Touring, com o mesmo motor 1.5 turbo, do Civic. Nos resta esperar para saber quem vencerá este embate no futuro.

Ficha técnica: VW T-Cross Highline 1,4 TSI

reço: a partir de R$ 109.990

Motor:  1.4, quatro cilindros, turboflex

Potência (cv):  150 a 4.500 rpm

Torque (kgfm):  25,5  a 1.500 rpm

Transmissão:  automática, seis marchas, tração dianteira

Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / Eixo de torção (traseira)

Freios:  Discos ventilados (dianteiros) / sólidos (traseiros)

Pneus:  205/55 R17

Dimensões: 4,20 m (comprimento) / 1,75 m (largura) / 1,57 m (altura), 2,65 m (entre-eixos)

Tanque: 52 litros

Porta-malas: 373 litros  

Consumo etanol: 7,7 km/l (cidade) / 9,3 km/l (estrada)

Consumo gasolina: 11 km/l (cidade) / 13,2 km/l (estrada)

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Carros

Os números que explicam o que levou a Ford fechar sua fábrica em São Paulo

Publicado


Fábrica da Ford em São Bernardo do Campo (SP), que deixará de fabricar caminhões e o Fiesta ao longo de 2019
Divulgação
Fábrica da Ford em São Bernardo do Campo (SP), que deixará de fabricar caminhões e o Fiesta ao longo de 2019

A Ford é a primeira vítima de uma economia que não consegue se recuperar e de um sistema
que põe antigas certezas ladeira abaixo. Com baixa produção e operação deficitária, a
montadora americana anunciou que fechará a fábrica de São Bernardo do Campo (SP), onde
produz os caminhões Cargo, F-4000 e F-350, além do automóvel New Fiesta. Assim, uma das
empresas pioneiras da indústria automobilística encerrará em 2019 suas atividades no ABC
paulista.

LEIA MAIS:  Ford anuncia fechamento de fábrica em São Paulo e fim do Fiesta no Brasil

A Ford
começou a produzir veículos no Brasil em 1921, no bairro Bom Retiro, em São Paulo. O
famoso modelo T e o caminhão TT foram os pioneiros. Em 1953 a empresa inaugurou uma
fábrica maior na Vila Prudente (zona leste de São Paulo). Só em 1967 foi inaugurada a fábrica
de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, que terá suas atividades encerradas este ano. O
primeiro carro produzido nessa fábrica foi o Galaxie 500. O último será o New Fiesta.

Veja Também  Renault Kwid com retoques nodesenho aparece antes da estreia

Isso porque os números de produção estavam baixíssimos. Caíram ao nível do final dos anos
1950. Em 1974, a Ford abriu uma fábrica de motores em Taubaté (SP). Hoje, essa unidade tem
capacidade para produzir 430 mil motores e 430 mil transmissões por ano. Em 2001, a Ford foi
para a Bahia e abriu uma fábrica em Camaçari (BA), onde passou a produzir o Fiesta e depois o
EcoSport e o Ka. Aos poucos, a fábrica do ABC paulista foi ficando exclusiva dos caminhões. O
único modelo que ainda saía de lá era o New Fiesta
, um bom carro que hoje é vendido em três
versões 1.6, com preços entre R$ 52.690 e R$ 58.090.

LEIA MAIS: Ford e Volkswagen oficializam parceria global

Da euforia ao fechamento da fábrica da Ford


Ford Cargo TorqShift é um dos modelos de caminhões da marca que deixa de ser produzido no Brasil
Divulgação
Ford Cargo TorqShift é um dos modelos de caminhões da marca que deixa de ser produzido no Brasil


Durante um bom tempo, a produção de caminhões foi ótima para a Ford. Os dois melhores
períodos foram de 2007 a 2010 (118,5 mil caminhões produzidos) e de 2011 a 2014 (112,3
mil). Em termos de exportação, o melhor período foi de 2005 a 2006. Nesses três anos, as
exportações tiveram uma média 7,4 mil unidades/ano. Mas, dos 40,7 mil caminhões
produzidos em 2011, a Ford desabou para 9,9 mil em 2016, sendo 3,9 mil para exportação. Em
2017 e 2018 a empresa não divulgou nem a produção nem as exportações. Porém, segundo os
dados da Fenabrave, a Ford terminou a temporada passada em quarto lugar no ranking de
caminhões, com 9,3 mil vendas do Cargo
, do F-4000 e do F-350.

Veja Também  Fiat Mobi ganha novo pacote de equipamentos com apelo aventureiro

LEIA MAIS: Por que fábricas de carros estão fechando? (E o Brasil não está livre disso)

Quanto ao New Fiesta, as vendas em 2018 foram de apenas 14,5 mil unidades do modelo
hatch, num mercado que emplacou 965 mil carros. Ainda houve mais 1,5 mil emplacamentos
do New Fiesta Sedan, que foi descontinuado durante o ano. Com o fechamento da fábrica da
Ford
em São Bernardo do Campo, cerca de 2.800 funcionários ficarão sem emprego, fora o
efeito cascata com fornecedores e concessionários. Para um país que precisa
desesperadamente de uma recuperação econômica e um governo que precisa gerar milhões
de empregos, foi uma péssima notícia.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana