conecte-se conosco


Meu Pet

Cachorro idoso que sentia saudade do dono passa a abraçar manequim

Publicado

Os cães são animais de companhia e, por isso, muito dependentes dos donos. Se os tutores ficam algumas horas ou até minutos fora de casa os bichinhos já comemoram loucamente o retorno deles. Mas, para o Pug chamado Shorty, a situação é um pouco mais complicada. O cachorro idoso desenvolveu problemas de ansiedade de separação por saudade do dono Marc – que viaja muito a trabalho -, mesmo tendo a dona Kristen Peralta sempre por perto. 

Leia também: Porque você não deve se despedir do cachorro antes de sair de casa


Marc e o cachorro idoso Shorty são melhores amigos
Reprodução Facebook
Marc e o cachorro idoso Shorty são melhores amigos

O Pug foi adotado por Marc e os dois tem uma relação muito especial e agora que se tornou um cachorro idoso, sente mais saudade do seu melhor amigo. “Marc chama Shorty de seu ‘pequeno anjo’. Shorty é muito feliz quando o Marc o abraça”, contou Kristen ao The Dodo para explicar a cumplicidade da dupla. 

Com tanto companheirismo, quando Marc viaja a trabalho, Shorty fica muito triste, chora e late muito e nada é capaz de acalmá-lo, nem a própria dona, nem os outros cães que vivem com ele no abrigo Vintage Pet Rescue, que é administrado pelos seus tutores. Uma das tentativas falhas foi vestir um travesseiro com uma camisa usada por Marc, mas o cão percebeu que estava sendo ludibriado.


Shorty agora é confortado por um manequim
Reprodução Facebook
Shorty agora é confortado por um manequim

Leia também: Cadela prenha ganha book de grávida; confira as fotos

Veja Também  Conheça o Maine Coon, a raça de gatos gigantes que amam água

Toda a situação só se resolveu quando Kristen decidiu comprar um manequim em tamanho real de uma loja de artigos de Halloween. “Eu coloquei no boneco uma das camisas usadas de Marc  para que ele sentisse o cheiro. Então eu sentei Shorty no colo do manequim e o envolvi com os braços do boneco. Dentro de meia hora ele estava dormindo. Ele dormiu a noite toda desse jeito”, contou a mulher da Marc. 

Mas Shorty não foi o único “enganado” pelo manequim. O irmão mais novo dele, Bug, também acredita se tratar de Marc e fica lambendo e puxando a mão do boneco, na esperança de que ele levante a vá brincar. 

Leia também: Dona de cachorro que morreu após comer brownie faz alerta nas redes sociais

Marc, por sua vez, está feliz que o cachorro idoso
Shorty não sofre mais com a sua ausência. Porém, ao mesmo tempo, ficou um pouco chateado de saber que foi tão facilmente substituído. “Eu disse para ele não se preocupar porque ele é muito mais bonito e inteligente que o manequim”, brincou Kristen. 

Veja Também  No Dia Mundial do Gato, veja porque cada vez mais os bichanos nos conquistam


Fonte: Canal do Pet
Comentários Facebook

Meu Pet

Obesidade em animais atinge mais da metade de cães e gatos, diz pesquisa

Publicado

A obesidade em animais se torna cada vez mais uma realidade. É o que revelou uma pesquisa realizada pela Mars Petcare. De acordo com os resultados, 59% dos cães e 52% dos gatos no mundo sofrem com o sobrepeso, condição que pode causar muito problemas de saúde. 

Leia também:  Cachorro obeso: como evitar e reverter a situação


Mais da metade dos gatos e cachorro do mundo sofrem com a obesidade em animais
shutterstock
Mais da metade dos gatos e cachorro do mundo sofrem com a obesidade em animais

Sedentarismo e má alimentação são os principais hábitos que causam a obesidade em animais
. O costume de oferecer comidas humanas como chocolate, pizza, pão e queijo para os pets, por exemplo, é uma das atitudes que causa o sobrepeso. 

A Dra. Carolina Ferreira, médica veterinária do Hospital Veterinário Cão Bernardo, explica que, ao oferecer alimentos diferentes, o dono acha que está agradando seu animal, mas na verdade está o prejudicando. “Além do risco de infecção, o bicho não precisa desse alimento, que é nosso. Muitas substâncias, inclusive, não são totalmente digeridas pelo organismo deles, portanto, não podem ser dadas”, afirma.

Leia também: Principais doenças causadas pela má alimentação dos pets

Veja Também  Labradores pedem ajuda de vizinha para socorrer dona que sofreu um AVC

Essa prática, somada a pouca atividade física e animais vivendo, a cada dia que passa, em espaços menores, afeta mais ainda a saúde deles. Assim, o pet que não é incentivado a correr, brincar ou não passeia diariamente por pelo menos 30 minutos tem mais probabilidade de sofrer com a obesidade. 


Oferecer alimentos humanos para os pets colabora com o aumento da obesidade em animais
shutterstock
Oferecer alimentos humanos para os pets colabora com o aumento da obesidade em animais

Há ainda os pets que são mais propensos a engordar: os mais velhos e os castrados, principalmente, exigem cuidados redobrados. A raça do animal também exerce influência, algumas estão mais inclinadas a obesidade. São elas: Beagle, Pug, Bulldog inglês, Labrador, Cocker, Rottweiler, Terra Nova, Boxer, Pastor Alemão e Shih Tzu. No caso dos gatos, os mistos ou mestiços têm maior chance de desenvolver a doença.

Mas, como proteger o seu animal de estimação da obesidade? A Dra. Carolina explica que o primeiro passo é analisar as necessidades do animal e escolher a alimentação, a ração, mais adequase para a idade, porte e estilo de vida do bichinho. “O ideal é conversar com o especialista que cuida do animal para avaliar qual a melhor ração, porque há opções especiais para cães que já se enquadram no quadro de obesidade”.  

Veja Também  Obesidade em animais atinge mais da metade de cães e gatos, diz pesquisa

Leia também: Alimentação natural melhora a qualidade de vida dos pets

Outra opção para ajudar no controle de peso é fracionar a refeição, o pet precisa se alimentar de duas a quatro vezes por dia. Os vilões da obesidade são os petiscos extras, por isso, a dica é não consumir alimentos na frente do bichinho. “É preciso evitar alimentar o pet toda vez que comemos, a nossa dieta não é igual a dele. É interessante ter um horário e um padrão de refeições por dia”, finaliza a médica.

Além disso, fazer um enriquecimento do ambiente e estimular que o animal brinque e se exercite pode ajudar. Para os cachorros, passeios diários com mais duração é uma opção para melhorar a obesidade em animais
. No caso dos pets que já sofrem com sobrepeso é preciso tomar cuidado e não forçar que o animal se exercite mais do que pode, um acompanhamento profissional é muito importante. 

Fonte: Canal do Pet
Comentários Facebook
Continue lendo

Meu Pet

Cadela Manchinha vira nome de Hospital Veterinário em Osasco

Publicado

Após a história de  Manchinha, que em 2018 faleceu após ser envenenada e espancada por um funcionário do Carrefour,
ter tomado reconhecimento nacional, a Prefeitura de Osasco, na Grande São Paulo, usou o acidente para fazer uma boa ação. Agora, no próximo dia 23,  a cidade vai inaugurar seu primeiro Hospital Veterinário Público. A data  é marcada pela comemoração da emancipação política e administrativa do munincípio. 


Manchinha morreu após ser agredida por funcionário de rede de supermercados
Reprodução/redes sociais
Manchinha morreu após ser agredida por funcionário de rede de supermercados


No fim de novembro, o caso de  Manchinha
estava por toda a mídia. Agora a vira-lata não será mais esquecida, já que seu nome foi usado para nomear o primeiro Hospital Veterinário Público da cidade de Osasco. 

Leia também: Cadela de Emiliano Sala vai ao velório do dono e emociona público

O hospital fica no Pet Parque, localizado na avenida Franz Voegeli, 930, Jardim Wilson. Além de consultórios, também existe um centro cirúrgico, clínica médica para realização de exames de imagem e sangue, sala de medicação e internação. O local será administrado pela Anclivepa (Associação de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais).

O animal que precisar de atendimento pode visitar o hospital de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. No dia da inauguração, próximo dia 23, os visitantes poderão aproveitar de diversas atividades com seus animais de estimação no Pet Parque, como food trucks, brinquedos e mais.

Veja Também  Cadela Manchinha vira nome de Hospital Veterinário em Osasco

Aumento da pena para crime de maus-tratos aos animais

Após o caso da cadela espancada, a pena para maus-tratos aos animais mudou. Antes, a punição era de detenção que podia variar de 3 meses à 1 ano, e pagamento de multa. Agora, varia de 1 a 4 anos de prisão, com o pagamento de multa mantido. Estabelecimentos comerciais que estiverem envolvidos nos casos também serão punidos. 

Confira a Lei diretamente do site do Senado:

Ementa: 

Altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, para elevar a pena de maus-tratos e estabelecer punição financeira para estabelecimentos comerciais que concorrerem para esta prática.

Explicação da Ementa: 

Altera a Lei de Infrações Ambientais para elevar a pena do tipo penal de prática de maus-tratos a animais e estabelecer multa a estabelecimentos comerciais que concorram para a prática de maus-tratos.

Leia também: No Dia Mundial do Gato, veja porque cada vez mais os bichanos nos conquistam

Na ocasião do acidente com  Manchinha
, o funcionário responsável por sua morte negou que tivesse machucado propositalmente a cadela, alegando que havia recebido ordens de tirá-la do estacionamento do local, e que percebeu que a tinha ferido apenas quando ela já estava sangrando. Agora, Manchinha entrou para a história de Osasco, e jamais será esquecida pelos moradores da região. 

Fonte: Canal do Pet
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana