conecte-se conosco


Entretenimento

Camilla Camargo, filha de Zezé Di Camargo e Zilu, anuncia que está grávida

Publicado

A filha do meio de Zezé Di Camargo e Zilu, Camilla Camargo, anunciou que está a espera do seu primeiro filho através do seu perfil no Instagram neste sábado (12). Na beira da piscina e com as mãos na barriga, a atriz revelou que gostaria de ter esperado pelo menos três meses para divulgar a informação. A loira, que está em cartaz com a peça “Divórcio”, que terá sua primeira sessão também nesse sábado (12) no Teatro Folha, em São Paulo, é casada com o diretor Leonardo Lessa e irmã da cantora Wanessa. 

Leia também: Camilla Camargo retorna ao teatro e não descarta carreira musical: “Quem sabe?”


Camilla Camargo, filha de Zezé de Camargo e irmã de Wanessa, anuncia gravidez:
Reprodução/Instagram

Camilla Camargo, filha de Zezé de Camargo e irmã de Wanessa, anuncia gravidez: “Estou num momento lindo e especial da minha vida”

Camila Camargo demostrou a felicidade na legenda da foto. “A família cresceu! Grávida sim! Estou num momento lindo e especial da minha vida, um momento que aprendo diariamente o que é ser dois, ter dois corações dentro de mim. Ser com meu marido o sagrado da família e aprender junto com ele”, disse no começo da legenda. 

Veja Também  Aos 97 anos, marido da Rainha Elizabeth II se envolve em acidente de trânsito

“Eu gostaria de ter esperado pelo menos os 3 meses de gestação pra poder dividir com todos essa benção, afinal estou no início ainda, mas não tive essa oportunidade, infelizmente!Estou SIM, gravidíssima! Agradeço imensamente, desde já, todas mensagens lindas que venho recebendo e todo amor, e agradeço a Deus pela benção linda concedida. Tou muito, muito feliz. ❤ #newmom ##familiacresceu #felizdemais #amormaiordomundo #maedeprimeiraviagem”, concluiu a atriz. 

Leia também: Camilla Camargo fala de pressão, carreira e maternidade: “Tudo tem sua hora”


Camilla Camargo e o marido Leonardo Lessa
Reprodução/Instagram

Camilla Camargo e o marido Leonardo Lessa

Nos stories (ferramenta de vídeo e foto do Instagram ), a reinterou que está muito feliz e realizada “É um momento muito lindo, muito mágico. Eu estou muito, muito feliz, agradeço as inúmeras mensagens e ligações que estou recebendo com tanto amor e carinho, mesmo, nós agradecemos”, disse a filha de Zezé Di Camargo

Leia também: Camilla Camargo: “Não quero meu pai pagando minhas contas”

Logo após chamou os seus fãs para ir assistir sua peça que estreia neste sábado. “Mas hoje tem estreia de peça em, quem quizer me dar os parabéns pessoalmente, me dar um beijo. Tá, a gente vai gostar, de ter vocês lá. Primeiro trabalho da criança (risos). Um beijo gente”, concluiu Camilla Camargo

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

Nova série da MTV quer desconstruir jovens e abrir diálogo sobre gênero e drogas

Publicado

Na próxima segunda (21) estreia a série “Feras”, na MTV . Protagonizada por João Vítor Silva, a produção abraça as desventuras de Ciro, um rapaz que termina um relacionamento de longa data e quer se reintroduzir no mundo do amor em pleno século da tecnologia, da ideologia de  gênero, do empoderamento feminino e do hype do assédio.

Leia também: Série que mostra faceta empreendedora de Lindsay Lohan chega à MTV


João Vítor Silva interpreta Ciro na série
Reprodução / Instagram / Divulgação

João Vítor Silva interpreta Ciro na série “Feras” da MTV

Nos primeiros episódios da série da
MTV
, o personagem principal já se esquiva de rótulos como “preconceituoso” e “machista”, com intenção de demonstrar que é desconstruído. Sobre isso, João Vítor Silva declara que “todo homem hétero no mundo já esteve na pele de Ciro em algum momento” e acentua que “o machismo é uma coisa que está enraizada”, por isso, é importante manter-se alerta para não ofender os demais.

Leia também: MTV ensaia fazer com “De Férias com o Ex” o que a Band fez com “Masterchef”

Com 13 episódios garantidos em sua primeira temporada, a série, que é ambientada na noite paulistana, pode ser considerada uma jornada de autoconhecimento. Ao longo de suas aventuras, que envolvem drogas, sexo e libertinagem, Ciro se desconstrói para assim poder dar o devido respeito a todas as pessoas que formam a sociedade.

“Todo homem vai passar por esse processo (de desconstrução), se ainda não passou está travado, por que já deveria estar passando”, comenta o protagonista João Vítor.


João Vítor Silva
Divulgação

João Vítor Silva

O personagem por trás das câmeras

Sendo uma produção da emissora de músicas, que tradicionalmente não têm pudores para tratar de tabus, a série, pelo menos em seus capítulos iniciais, é carregada de liberdade artística.

Veja Também  Momento fofura! Deborah Secco mostra reação de Maria Flor com seu novo visual

Sobre os desafios de interpretar um personagem em uma produção tão livre, João Vítor explica: “O maior desafio é ser o protagonista, por que o meu personagem passa por todos os núcleos. Além disso, têm o fato de estar longe da família, da namorada e os desafios das cenas de sexo, que para mim não é um lugar confortável”.

O ator ainda explica que para evitar o “baque” nas cenas quentes, ele se reunia com o elenco para fazer leituras e criar algum tipo de intimidade. “Durante as cenas eu já estava mais confortável, não era chegar no set e ‘vai tira a roupa’”.


João Vítor Silva
Divulgação

João Vítor Silva

A mensagem de Ciro

Cheio de assuntos relevantes, o personagem principal da série, geralmente, carrega o fardo de levar uma mensagem aos telespectadores. Sobre isso, João Vítor disserta que as pessoas podem aprender muito com Ciro, principalmente, a vontade em ser uma pessoa melhor.

“Além dessa desconstrução, ele sempre é autocentrado, muito corajoso, um cara que se joga. Além disso, ele está inconformado, ele não quer ser machista. É uma palavra que ele odeia. Quando os homens entenderem o que é ser machista, acho que começaremos a ter uma mudança na sociedade. Muitas vezes, a necessidade de não ser machista faz com que eles tomem atitudes bizarras, como próprio Ciro tomou”.

Em continuidade ele acrescentou: “Precisa existir a vontade de entender o que é ser machista, os homens precisam saber como elogiar as mulheres e lidar com as mudanças de padrões”.

Veja Também  Fã de Marília Mendonça, Neymar manda recado para cantora: “Gata demais”

Durante seus romances, o personagem se vê encurralado ao não saber se relacionar amorosamente na era da internet. Sobre isso ser um alerta para os jovens, João Vítor não pestaneja: “Sem dúvida! Quando o Ciro se vê solteiro, ele não entende como as pessoas demonstram interesse com apenas uma curtida no Instagram. A mensagem é: ‘se joga, use a seu favor, mas saiba usar’”.


João Vítor Silva
Divulgação

João Vítor Silva

Os tabus em pauta na MTV

Sobre a produção abordar abertamente sexualidade e drogas, o protagonista da série ressalta a importância destes assuntos serem debatidos: “Já passou da hora,  sempre tivemos muitos produtos de, e para, jovens, no entanto, quando falamos com os jovens temos que falar de maneira que eles entendam. Não podemos fingir que as drogas e o gênero não estão aí. Quanto mais abrirmos o diálogo mais vamos conseguir entender os problemas e onde o sistema ou os pais estão errando”.

Em seguida, declama: “A internet está aí, todo mundo têm acesso a tudo. Quanto mais a gente mascara o assunto, do primeiro amor, da primeira transa, mais romantizamos o jovem em um lugar que ele não cabe mais”.

Além de produzir uma mensagem para o público, João Vítor também explica que Ciro foi um guia para ele: “Ele me fez pensar em lugar de fala, nas coisas que digo em uma roda de mulheres… o Ciro me ensinou que o mundo é livre e a gente tem que se jogar na liberdade, na vida, em conhecer a pessoa e realmente trocar uma ideia, não apenas trocar mensagens”.


João Vítor Silva interpreta Ciro na série
Divulgação

João Vítor Silva interpreta Ciro na série “Feras” da MTV

Leia também: Em celebração a “Nasce Uma Estrela”, Lady Gaga ganha especial na MTV

Com estreia marcada para a próxima segunda-feira (21), “ Feras ” irá ao ar às 23h00, na
MTV

Comentários Facebook
Continue lendo

Entretenimento

Morre Marcelo Yuka, músico e fundador da banda O Rappa, aos 53 anos

Publicado


Músicos lamentam morte de Marcelo Yuka, ex-baterista e fundador do grupo de reggae O Rappa
Reprodução/Instagram

Músicos lamentam morte de Marcelo Yuka, ex-baterista e fundador do grupo de reggae O Rappa

Marcelo Fontes do Nascimento Viana de Santa Ana, o Marcelo Yuka, fundador e ex-baterista do grupo O Rappa morreu no final da noite desta sexta-feira (18) aos 53 anos, no Rio de Janeiro. O músico estava internado no hospital Quinta D’Or, zona norte da capital fluminense, desde o dia 4 de janeiro, quando uma notícia falsa sobre a morte do músico viralizou nas redes sociais. Em seguida a família não divulgou mais informações sobre o estado de saúde de Yuka. A causa da morte foi uma infecção generalizada. 

Em agosto do ano passado, o músico havia sofrido um AVC, no entanto, em seu perfil no Instagram, mostrava que estava ativo com seus projetos pessoais.  Marcelo Yuka  foi um dos fundadores da banda carioca de reggae-rock  O Rappa , em 1993 e após do grupo F.UR.T.O. (Frente Urbana de Trabalhos Organizados).

Leia também: Marcelo Yuka segue internado e família barra informações sobre estado clínico

Veja Também  Aos 97 anos, marido da Rainha Elizabeth II se envolve em acidente de trânsito

Em novembro de 2000, ficou paraplégico após um assalto, quando foi baleado nove vezes ao sair de seu carro para tentar proteger uma mulher que estava sendo assaltada. A tragédia impossibilitou o baterista de continuar na banda de reggae-rock. No entanto,  Marcelo Yuka  continuou com projetos no mundo da música, além de ser filiado ao partido político PSOL desde 2010.

O último trabalho do músico foi o disco “Canções para depois do ódio”, lançado em janeiro de 2017, produzido enquanto  Yuka  estava internado num quarto de hospital, onde passou boa parte do ano. O fundador e ex-baterista do  O Rappa  deixou sua marca na música brasileira através das letras que escreveu para a banda em canções como “A feira”, “Minha alma (A paz que eu não quero)” e “O que sobrou do céu”, nos anos 1990.

Leia também: Marcelo Yuka está internado em estado grave e gera desinformação sobre morte

Em seu trabalho,  Marcelo Yuka  sempre abordou questões da realidade brasileira como desigualdade social e racismo. Com a banda F.UR.T.O. (Frente Urbana de Trabalhos Organizados), criou ainda uma ONG epônima, através da qual lutou em prol das pesquisas com células-tronco.

Veja Também  “Como Treinar o Seu Dragão 3” encerra trilogia com forte elo entre personagens

Leia também: “Me precipitei”, lamenta produtor que anunciou a morte de Marcelo Yuka na web

Além da música,  Yuka  atuou como ativista, participando de entidades como a FASE (Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional do Rio de Janeiro), em parceria com o AfroReggae, e a B.O.C.A. (Brigada Organizada de Cultura Ativista), que tem como objetivo levar atividades culturais para a população carcerária.

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana