conecte-se conosco


Economia

Bolsa de Valores bate recorde e dólar atinge menor valor desde outubro

Avatar

Publicado


O bom desempenho do Ibovespa foi puxado pelas ações da Cosan, dona da Comgás, que dispararam 8,16% hoje
Getty Images
O bom desempenho do Ibovespa foi puxado pelas ações da Cosan, dona da Comgás, que dispararam 8,16% hoje

O Ibovespa, principal indicador de desempenho das ações negociadas na B3, fechou o dia em alta pelo segundo dia consecutivo, batendo novo recorde nominal. Nesta quarta-feira (9), o índice encerrou o pregão em 93.613 pontos, uma variação positiva de 1,72% sobre o patamar registrado ontem (92.031 pontos).

Leia também: Paulo Guedes dá indicações da reforma da Previdência e propõe capitalização

É a primeira vez na história que a Bolsa de Valores brasileira supera os 93 mil pontos. O bom desempenho do Ibovespa
foi puxado pelas ações da Cosan, dona da Comgás, que dispararam 8,16% neste pregão. Dentre os papéis mais negociados, se destacaram os da Vale e Petrobras, que subiram 2,44% e 2,08%, respectivamente.

O dólar comercial, por sua vez, encerrou o dia com queda de 0,75%, cotado a R$ 3,6823. É o menor valor de fechamento da moeda norte-americana desde 26 de outubro de 2018, o último pregão antes do segundo turno das eleições presidenciais. Ontem, o dólar
já havia caído 0,5% e fechado a sessão na casa dos R$ 3,71.

Veja Também  Brasil mais que duplicará produção de gás natural até 2030, estima EPE

Os resultados do Ibovespa e do dólar são justificados, em primeiro lugar, pelo tom otimista que predomina no exterior. Os investidores esperam que Estados Unidos e China evoluam em direção a um acordo bilateral para acabar com a guerra comercial entre os países iniciada ainda no primeiro semestre do ano passado.

Leia também: Cenário externo abafa eleições no Brasil e determina disparada do dólar em 2018

No Brasil, os sinais de avanço quanto à formulação da proposta de reforma da Previdência
colaboraram para o bom desempenho da Bolsa e do câmbio. Ontem, o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou que as mudanças no atual sistema previdenciário serão acompanhadas pela implementação de um regime de capitalização.

Desempenho celebrado



Divulgação/Palácio do Planalto
“Com saúde fiscal e liberdade econômica, vamos resgatar a confiança em nosso país!”, escreveu Bolsonaro no Twitter

Em sua conta oficial no Twitter, Jair Bolsonaro
(PSL) comemorou o resultado histórico anotado pelo Ibovespa nesta quarta-feira. Para o presidente, o recorde é resultado da soma entre o cenário mundial favorável e o otimismo que predomina no País quanto ao governo que assumiu há pouco mais de uma semana. 

Veja Também  Consultoria do Senado diz que trechos da MP Verde Amarela são irregulares

*Com informações da Agência Brasil

Comentários Facebook

Economia

PIB cresce 0,6% no terceiro trimestre, revela IBGE

Avatar

Publicado

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, cresceu 0,6% no terceiro trimestre deste ano, na comparação com o trimestre anterior.

O resultado foi divulgado hoje (3), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BGE). Na comparação com o terceiro trimestre de 2018, o PIB teve crescimento de 1,2%.

No acumulado em quatro trimestres terminados no terceiro trimestre de 2019, o crescimento é de 1,0%, na comparação com mesmo período anterior.

No acumulado do ano até setembro, o PIB cresceu o mesmo percentual em relação a igual período de 2018.

Em valores correntes, o PIB atingiu R$ 1,842 trilhão no terceiro trimestre de 2019. Do total, R$ 1,582 trilhão se refere ao Valor Adicionado e R$ 259,7 bilhões aos Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios.

A agropecuária apresentou a maior alta e registrou 1,3%. Na sequência, ficou a indústria, que subiu 0,8%. Nos serviços, a elevação ficou em 0,4%, todos os percentuais na comparação com o trimestre anterior.

De acordo com o IBGE, o crescimento da indústria foi provocado pela expansão de 12% no setor extrativo, com destaque para o bom desempenho da extração de petróleo, e de 1,3% na construção.

Veja Também  Consultoria do Senado diz que trechos da MP Verde Amarela são irregulares

No entanto, a atividade de eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos caiu 0,9%. Queda também na indústria de transformação: (1%).

Nos serviços, as grandes contribuições ficaram por conta dos resultados positivos das atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (1,2%), do comércio (1,1%), da informação e comunicação (1,1%), das atividades imobiliárias (0,3%) e das outras atividades de serviços (0,1%).

Já as atividades de transporte, armazenagem e correio registraram recuo (-0,1%), como também na administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-0,6%).

Pela ótica da despesa, a formação bruta de capital fixo (2%) e a despesa de consumo das famílias (0,8%), foram os destaques positivos. Já as despesas de consumo do governo reduziram em 0,4% na comparação com o trimestre imediatamente anterior.

As exportações de bens e serviços caíram 2,8%, mas as importações de bens e serviços cresceram 2,9% se comparado ao segundo trimestre de 2019.

Revisão

O IBGE divulgou também a revisão do PIB de 2018. Segundo o instituto, na revisão anual, realizada rotineiramente no terceiro trimestre, o PIB de 2018 variou positivamente 0,2 p.p., e saiu de 1,1% para 1,3%.

Veja Também  Bancos dão início a semana com renegociação de dívidas e descontos de até 92%

A maior alteração entre os setores ficou na agropecuária, que subiu de 0,1% para 1,4%. Segundo a instituição, em grande parte, isso se deve à incorporação de novas fontes estruturais anuais do IBGE, não disponíveis na compilação anterior, como a Produção Agrícola Municipal (PAM), a Produção da Pecuária Municipal (PPM) e a Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (Pevs).

Os serviços variaram 0,2 p.p. passando de 1,3% para 1,5%. Desempenho diferente da indústria, que teve pequena queda e passou de 0,6% para 0,5%.

“Fora a agropecuária, as outras revisões estão dentro dos padrões que a gente sempre tem”, disse a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

* Matéria alterada às 10h12 para acréscimo de informações

Edição: Kleber Sampaio
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Analista diz que alta do PIB ainda não reflete recuperação total

Avatar

Publicado

A coordenadora de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Rebeca Palis, disse hoje (3), que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, a soma de todos os bens e serviços produzidos no país) no terceiro trimestre de 2019, de 0,6%, é uma recuperação em relação ao pior momento da economia do país, que foi no quarto trimestre de 2016, porém não é uma recuperação total.

“A gente está se recuperando, mas ainda em um nível, um patamar pré-crise. Ainda não tivemos a recuperação total para chegar no máximo de PIB que a gente teve, que foi no primeiro trimestre de 2014, mas também não estamos no pior patamar, no pior momento, que foi no quarto trimestre de 2016”, disse.

Para Rebeca Palis o grande destaque pela ótica da demanda é o consumo das famílias, que tem peso de 65% na economia. A recuperação, embora gradual do mercado de trabalho, também influenciou o aumento do consumo das famílias no terceiro trimestre de 2019. Na comparação com o mesmo período de 2018, a alta do consumo das famílias ficou em 1,9%.

O crescimento nominal de 15,5% do saldo de operações de crédito com recursos livres do sistema financeiro nacional para pessoas físicas; a elevação da massa salarial real; a variação do IPCA de 3,2% no terceiro trimestre de 2019 contra 4,4% no mesmo período do ano anterior, foram outros fatores de influência no crescimento da economia no trimestre.

Veja Também  Bancos dão início a semana com renegociação de dívidas e descontos de até 92%

O consumo das famílias foi impactado também pela redução da taxa Selic de 6,5% no terceiro trimestre de 2018 para 6,3% em igual período deste ano, e pelo início da concessão das parcelas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) em setembro.

Atividade econômica

Na ótica da atividade econômica, os três maiores desempenhos foram a construção civil, que cresceu pelo terceiro trimestre consecutivo, puxada pelo setor imobiliário; a extrativa mineral, que subiu no período influenciada pela extração de petróleo e gás, resultado do aumento de produção no pré-sal, incluindo a queda menor de extração de minério de ferro após o rompimento da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais.

A outra atividade em destaque foi serviços. “Olhando para os serviços, a atividade que mais cresceu foi informação e comunicação, que é uma atividade que já vem crescendo há bastante tempo, por causa da internet e da parte de desenvolvimento de sistemas. Essas atividades econômicas, junto com o comércio, que tem tudo a ver com o consumo das famílias, e tem um peso importante na economia. Então, comércio, extrativa mineral, informação e comunicação e construção civil foram os principais destaques, olhando pela ótica da produção, do crescimento desse terceiro trimestre”, explicou Rebeca Palis.

Consumo do governo

Segundo a coordenadora de Constas do IBGE, a economia brasileira está alavancada pelo consumo das famílias e o investimento, que têm registrado crescimento nos últimos trimestres. Observou, no entanto, que as despesas de consumo do governo têm puxado para baixo a economia diante dos problemas fiscais nas esferas federal, estaduais e municipais.

Veja Também  Atividade no comércio tem aumento de 2,9% em outubro, diz Serasa

Além disso, ainda segundo Rebeca Palis, o setor externo também tem contribuição negativa. “A gente está tendo um crescimento da importação de bens e serviços e queda na exportação de bens e serviços. Essa queda na exportação tem a ver com a crise na Argentina, principalmente no caso da indústria automotiva, além de uma baixa da demanda mundial, por minério de ferro, com o problema de [rompimento da barragem] Brumadinho, e com a China crescendo menos”, apontou.

Agropecuária

Na agropecuária, que cresceu 2,1% no terceiro trimestre de 2019, comparado ao trimestre de 2018, o algodão com crescimento de 39,7%, o milho com 23,2% e a laranja com 6,3% foram as contribuições positivas. Já com desempenhos negativos ficaram o café, com redução de 16,5%, e a cana, menos 1,1%. Na comparação do terceiro trimestre de 2019 com o período anterior, a agropecuária subiu 1,3%.

PIB

Em valores correntes, o PIB atingiu R$ 1,842 trilhão no terceiro trimestre de 2019. Do total, R$ 1,582 trilhão se referem ao Valor Adicionado e R$ 259,7 bilhões aos Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios.

Edição: Fernando Fraga
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana