conecte-se conosco


Economia

Coca-Cola, PepsiCo e Nestlé são responsáveis por 14% da poluição de plásticos

Publicado


Grandes empresas são responsáveis por 65% da poluição de plásticos nos oceanos
Reprodução/Shutterstock
Grandes empresas são responsáveis por 65% da poluição de plásticos nos oceanos

Coca-Cola, PepsiCo e Nestlé estão no topo do ranking das dez marcas que mais poluem os oceanos no mundo. A informação foi divulgada nesta terça-feira (9) pela “Break Free from Plastic” (em português, “Livres de Plástico”), organização global que visa acabar com a poluição de plásticos no mundo, em parceria com o  grupo ambientalista Greenpeace. 

Leia também: Jovem holandês cria ‘serpente gigante’ que promete limpar poluição dos oceanos

De acordo com os dados publicados, que as três multinacionais são responsáveis por 14% da poluição de plásticos
nos mares.

42 países foram percorridos pelo movimento. Em 40 deles, foram encontradas embalagens de produtos
da Coca-Cola, que se classificou entre os três primeiros colocados como mais poluentes em todos os seis continentes visitados.

Em todas as 239 saídas para coleta de lixo, mais de 75% das vezes foram encontrados dejetos da marca de refrigerantes.  

Veja Também  Banco Central estuda medidas para estimular educação financeira

As três multinacionais são seguidas por outros sete grandes nomes: Danone, Mondelez International, Procter & Gamble, Unilever, Perfetti van Melle, Mars Incorporated e Colgate–Palmolive, que completam a lista.

Juntas, essas dez grandes corporações são autoras de 65% do monte internacional de poluentes despejados no oceano
.

A ação, que contou com os 10 mil voluntários, ocorreu no período de 9 a 15 de setembro e encontrou e recolheu mais de 187 mil pedaços de embalagens, das quais a maior parte eram feitas de poliestireno (utilizado em embalagens e copos de café) e de PET, comumente visto em garrafas.

No Brasil, apenas uma limpeza foi realizada. O país com mais ações de coleta foi os Estados Unidos, com 70, seguido por Marrocos, com 29, e  Tanzânia, com 22.

Ainda de acordo com o estudo divulgado pela “Break Free From Plastic”, a intenção era ter uma ideia de como as grandes corporações contribuem para o problema da poluição
, além de fazê-las aceitarem suas responsabilidades e rever os impactos de descartar seus produtos no meio ambiente.

Veja Também  Dólar segue em alta cotado a R$ 4,087

O relatório cita também que é obrigação dessas marcas “parar a crise que começaram”.

 A poluição de plásticos nas redes sociais


Greepeace e
Reprodução Instagram
Greepeace e “Break Free from Plastics” fazem ação contra a poluição de plásticos

Para chamar a atenção do público, a “Break Free from Plástic” apostou na internet. Em seu  Instagram,
a organização posta fotos dos produtos encontrados por eles com a #IsThisYours? (em português, “Isso é seu?”), questionando as marcas.

Leia também: Engenheiros criam bolhas de água “comestíveis” para ajudar a salvar o planeta

Para maior divulgação do problema da poluição de plásticos
no mundo, o movimento também convida os usuários e publicarem suas próprias fotos quando encontrarem dejetos despejados no meio ambiente.

Comentários Facebook

Economia

Bolsonaro ataca IBGE, diz que não é fácil ser patrão e se isenta por desemprego

Publicado


Jair Bolsonaro rindo
Marcos Corrêa/PR
Bolsonaro alfinetou IBGE, voltou a dizer que “ser patrão no Brasil não é fácil” e disse que não pode “obrigar ninguém a empregar”

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta quinta-feira (16), em Dallas, nos Estados Unidos, que o desemprego no Brasil é muito maior do que o indicado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundos dados da pesquisa Pnad Contínua
, divulgados nesta quinta-feira, o desemprego cresceu em 13 estados brasileiros e no Distrito Federal no primeiro trimestre do ano, quando em todo o Brasil 13,4 millhões de pessoas buscavam uma vaga.

Leia também: “Crescimento de curto prazo é voo de galinha”, alerta presidente do BC

“Se fala em milhões de desempregados? Tem, até mais do que isso. O IBGE
tá errado, tem muito mais do que isso. Agora, em parte, essa população não tem como ter emprego porque o mundo evoluiu. Não estão habilitados a enfrentar um novo mercado de trabalho, a indústria 4G. como é que você vai empregar esse pessoal?”, questionou Bolsonaro. “Tenho pena, tenho. Faço o que for possível, mas não posso fazer milagre, não posso obrigar ninguém a empregar ninguém”, complementou o presidente.

Veja Também  Dólar segue em alta cotado a R$ 4,087

A pesquisa do IBGE, além de apontar alta da desocupação no País, também revelou que a dispensa de trabalhadores temporários no primeiro trimestre deste ano foi a maior em sete anos. Segundo a apuração, 5,2 milhões de brasileiros procuram emprego há mais de um ano.

Questionado sobre o desemprego
e a realidade do trabalho no Brasil, o presidente voltou a dizer que “não é fácil ser patrão
“, mas disse que também não é fácil ser empregado.

Leia também: Bolsonaro diz que repórter deveria ‘entrar de novo numa faculdade que preste’

“Eu digo para todo mundo: não é fácil a vida de ser patrão no Brasil. Tá empregado? Também não é fácil. O salário é muito para quem paga, é pouco para quem recebe. A garotada tá aí se formando, bota um papel na parede, em parte, digo, em parte, que não serve para nada. Até jornalista, a gente já teve contato no passado com uma colega de vocês jornalista que tem o português pior do que o meu. É assim que está sendo formada a nossa juventude no Brasil. Isso tem que mudar”, defendeu Bolsonaro
.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Plataforma de marketing ajuda empresas a aumentar engajamento e conversão

Publicado

A internet oferece uma enorme quantidade de informações, numa velocidade muito rápida. Para se ter ideia, por minuto são enviadas 41.6 milhões de mensagens por Whatsapp e Messenger, 3.8 milhões de buscas são feitas no Google e 4.5 milhões de vídeos são assistidos no YouTube. Nesse cenário, as empresas online precisam prender a atenção dos internautas para aumentar o engajamento e a conversão.


representação da quantidade de informações que tem na internet
shutterstock
As empresas devem investir em marketing digital

O objetivo parece difícil de ser alcançado, mas algumas ferramentas disponíveis no mercado podem ajudar. O PowerMarketing, plataforma de marketing
oferecida pela  IG Corporate – empresa do segmento de soluções digitais corporativas
-, por exemplo, monitora e permite interações em tempo real com o internauta que está no site da empresa, mantendo o interesse dele e evitando abandonos no fluxo de compra.

Quando um cliente coloca determinado produto no carrinho e depois retira, uma mensagem de desconto pode aparecer para que ele opte por finalizar a compra. Usuários que procuraram muitas vezes por um produto e ainda não decidiram por compra-lo podem receber mais informações sobre ele. Já quando a pessoa está com algum problema para finalizar a compra, é possível saber o que está acontecendo rapidamente e interagir através de um chat de texto para resolver o problema antes que ela desista.

Veja Também  Sob risco de paralisação, governo quer recursos do FGTS no Minha Casa Minha Vida

O PowerMarketing
também ajuda na criação da estratégia da empresa com o monitoramento dos visitantes. A partir das informações detalhadas de cada internauta e relatórios personalizados que indicam o tempo de visualização dos banners, do abandono de página e outros pontos importantes, é possível traçar uma boa estratégia que atenda ao funil de conversão.


Representação do funil de marketing com o Power Marketing oferece em cada etapa
Divulgação
O Power Mraketing, plataforma de marketing oferecida pela IG Corporate, atende à todo o funil de vendas

Dessa forma, o PowerMarketing
traz uma solução completa para a empresa: facilita o planejamento da comunicação direcionada e eficiente por meio do conhecimento do cliente; aumenta a atenção do internauta e o interesse pelo produto por meio da interação em tempo real; fornece assistência automatizada, segmentada e rápida, além de fazer recomendações customizadas para melhorar a experiência do consumidor; e por fim, conhecendo o cliente é possível colocar em prática o marketing de relacionamento para aumentar a retenção e conversão de vendas.  

Kotler, conhecido como o “guru do marketing”, afirma que “hoje os clientes são mais difíceis de agradar, mais inteligentes, mais conscientes em relação ao preço, mais exigentes, perdoam menos e são abordados por mais concorrentes com ofertas iguais ou melhores”. Assim, para a empresa, ter uma solução como o PowerMarketing é sinônimo de estar um passo à frente da concorrência.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana