Conheça algumas dicas de economia doméstica

Todo mundo quer economizar, mas muita gente não sabe como. Veja aqui algumas dicas que podem te ajudar na economia doméstica do seu lar com um pouco de planejamento e mudanças de alguns hábitos.

1. Mapeie seus gastos familiares

Uma das principais dicas de economia doméstica é conhecer o total da renda e dos gastos da sua casa. Identifique todo o dinheiro que entra e mapeie todas as despesas mensais.

Utilize aplicativos de celular para te ajudar no controle diário para registrar sua movimentação financeira. Tem o app GuiaBolso, Minhas Finanças, Mobills, Organizze, entre outros. Quem prefere as planilhas também é uma alternativa. O importante é ter algum lugar para anotar.

É preciso identificar onde os recursos financeiros da família estão sendo gastos. Qual o principal vilão do orçamento? Contas de consumo, como água e luz? Supermercado? Restaurantes? Sabendo para onde o dinheiro vai, fica mais fácil saber onde concentrar os esforços para colocar em prática essas dicas de economia doméstica.

2. Sempre faça uma lista antes de ir para o supermercado

Uma das maiores fontes de gastos de uma família é o supermercado. Principalmente quem tem crianças pequenas sabe que uma tarde de compras pode desequilibrar o orçamento da família.

PUBLICIDADE 

Para não ir ao supermercado e voltar para casa com a sensação de que gastou bem mais do que devia e não comprou tudo o que realmente precisava (quem nunca?), faça uma lista antes de sair. Coloque no papel todos os itens que estão faltando em casa e se atenha a esta lista, resistindo aos apelos dos pequenos.

Existem alguns aplicativos que também podem ajudar nessa missão, como o BoaLista (que também permite comparar o preço dos produtos em tempo real, com base no que os outros usuários viram em outros supermercados) e o MeuCarrinho.

3. Economize energia

A conta de luz é o calcanhar de Aquiles do orçamento de muitas famílias e, ainda mais agora, em um contexto de restrição de água (lembre que as hidrelétricas são responsáveis por 90% da energia gerada no país), é muito importante aproveitar todas as oportunidades para economizar energia.

Uma das principais dicas de economia doméstica para não gastar tanto com a conta de luz é trocar todas as lâmpadas da casa por modelos fluorescentes que, apesar de custarem um pouco mais, valem a pena pela economia no longo prazo. Uma lâmpada incandescente de 60W, por exemplo, pode ser substituída sem problemas por uma fluorescente de 15W. Só por essa troca você já registra uma economia de 75% na conta de luz.

De qualquer forma, vale lembrar que as lâmpadas incandescentes de 100W e 60W não podem mais ser fabricadas e compradas pelos supermercados desde junho de 2014. Os estoques poderão ser vendidos somente até o final deste ano e, a partir daí, não haverá outras opções a não ser as fluorescentes (que estão ficando mais baratas: já é possível comprá-las por menos de R$ 10,00) e as de LED, bem mais caras, mas ainda mais eficientes até que as fluorescentes (uma lâmpada incandescente de 60W pode ser substituída por uma de LED de 4,5W).

Mudar alguns hábitos também é importante. Sempre que sair de um cômodo apague a luz e recomende que todos da sua família façam o mesmo. Outro ponto importante é passar a aproveitar a luz natural: abra todas as janelas e cortinas durante o dia. Além de economizar na energia elétrica você ainda renova o ar da casa.

4. Reaproveite

Sempre que cozinhar verduras, aproveite a água do cozimento para fazer molhos, sopas ou para cozinhar o arroz. Já as sobras do pão do café da manhã podem ser aproveitadas para fazer pudins, acompanhar sopas e saladas e até mesmo rechear aves. É possível, ainda, economizar gás fazendo vários pratos de forno ao mesmo tempo, para que possam ser assados juntos.

5. Prefira medicamentos genéricos

Os medicamentos genéricos passam por testes e têm o mesmo efeito dos remédios de marca. Uma das nossas dicas de economia doméstica é não se apegar ao nome dos medicamento e, sim, à fórmula. Sempre que for até a farmácia com uma receita médica, pergunte ao farmacêutico se ele tem a opção genérica com o mesmo princípio ativo.

O Procon calcula que os medicamentos genéricos custam em média 56% do que os originais.

6. Use a internet para comparar preços

Não dá mais para sair de casa comprar uma coisa sem pesquisar o preço antes pela internet. Se você não é adepto das compras online, use a web pelo menos como fonte de informação e de barganha na hora de fechar a compra. Os preços variam muito de site para site e loja para a loja e saber esses números pode ajudar muito a conseguir descontos mesmo nas lojas físicas.

Existem sites especialzados na comparação de preços, como o Zoom, Bondfaro, Buscapé, entre outros. Eles chegam até a mostrar a evolução dos preços nas últimas semanas para que você saiba se é um bom momento para comprar aquele produto ou não.

Mais dicas de finanças pessoais clique aqui.

Comentários Facebook