conecte-se conosco


Nacional

Abelhas ‘alienígenas’ podem estar causando extinção de plantas no Egito; entenda

Publicado

Nacional

Pesquisadora afirma que 'abelhas alienígenas' podem causar desequilíbrio na natureza devido restrição de interações
Reprodução/Olivia Norfolk

Pesquisadora afirma que ‘abelhas alienígenas’ podem causar desequilíbrio na natureza devido restrição de interações

A presença de ‘abelhas alienígenas’ pode estar matando diferentes espécies de plantas, levando-as a extinção no Egito. A pesquisa elaborada pela Universidade de Nottingham mostrou que essas abelhas, não originárias de regiões do país egípcio, estão interrompendo o desenvolvimento das flores, uma vez que afastam os insetos nativos, responsáveis pela interação que as mantém vivas e saudáveis. 

Leia também: Onde está a cobra? Caçador cria desafio com réptil escondido em foto de entulhos

De acordo com a pesquisadora Olivia Norfolk, as abelhas nativas não são capazes de competir com as ‘ abelhas alienígenas ’, o que pode causar danos ao meio ambiente, já que elas não têm os hábitos e os cuidados necessários para o mantimento dessas plantas.

“Analisamos as interações com plantas nas regiões montanhosas e notamos o acesso restrito que abelhas locais estão enfrentando. Elas não conseguem visitar nem 55% das espécies, o que tem causado níveis de sobreposição de recursos”, afirmou ao Daily Mail .

Os estudiosos explicam que tal impedimento é perigoso, uma vez que o ambiente árido apresenta uma escassez de recursos, principalmente em períodos de seca. “A competição entre ambas pode causar um desiquilíbrio na natureza. Se as abelhas nativas morrem, as plantas regionais consequentemente não têm chances de sobreviver”.

Leia também: Cavalo consegue salvar a vida de companheira prestes a ser sacrificada; assista

Competição injusta e habitat forçado

Os efeitos da competição floral, onde as abelhas podem lutar com polinizadores mais fortes, ocasionarão uma queda na visitação de espécies locais, diminuindo, assim, a eficácia de sua reprodução.

“É essencial entender que muitas plantas não dependem somente da interação com as abelhas da região, mas que, por serem locais, conhecem melhor as ‘artimanhas’ para manter determinados tipos”, expôs a especialista.

Para Nortfolk, as abelhas alienígenas são muitas vezes trazidas para comunidades que não pertencem por conta de uma estratégia social, onde suas colmeias são introduzidas por instituições de caridade e ONGs que desejam complementar a alimentação e o mercado de trabalho de regiões rurais.

Leia também: Monumento de 5 mil anos é encontrado e revela arena de rituais na Inglaterra

“Acreditamos que a introdução das ‘abelhas alienígenas’ não compense os danos causados ao meio ambiente. Qualquer benefício econômico associado à produção de mel deve ser equilibrado contra os impactos negativos para a vida selvagem local, como a potencial extinção de espécies de plantas endêmicas que precisam ser conservadas”, concluiu.

Comentários Facebook

Nacional

Castro rejeita ‘desespero’ e quer debater sobre réveillon com prefeitos do Rio

Publicado


source
Cláudio Castro, governador do do Rio de Janeiro
Luis Alvarenga / Governo do Estado do Rio de Janeiro

Cláudio Castro, governador do do Rio de Janeiro

No momento em que o mundo discute novas medidas para tentar frear a nova variante da Covid-19 e no Brasil há questionamentos se haverá condições para a realização do carnaval, o governador Claudio Castro diz que primeiro é preciso definir se a festa de réveillon terá condições de ser realizada . O governador do Rio diz estar conversando com os prefeitos fluminenses sobre o tema e irá tomar a decisão sobre a festa na virada junto com os municípios.

O chefe do executivo estadual afirmou ainda que “o estado do Rio é a porta para a entrada de estrangeiros no país” e que está acompanhando junto da Secretaria estadual de Saúde como é a nova variante para evitar que ele chegue no Rio.

“Ontem a noite eu me reuni com o secretário de Saúde e perguntei a questão da variante. (Ele me disse que) a Saúde está atenta sobre o que está acontecendo no mundo. Por enquanto, o que se sabe da variante é que ela é mais transmissível e menos agressiva. Nesse momento, os índices são muito bons. Estamos em na bandeira verde. Temos conversado com os prefeitos e vamos tomar essa decisão (de cancelar o réveillon ou não) juntos. Para essa semana não há necessidade. Estamos recebemos relatórios diários para entendermos até que ponto teremos necessidade”, disse Castro, que completou:

Leia Também

Leia Também

“(Neste momento) Não é hora de falar de carnaval. A hora é olhar para o réveillon. Na fotografia de hoje não há desespero (para evitar a festa). Vou à Brasília, amanhã, para entender o que eles estão pensando. O Rio é a porta de entrada para o país. O meu estado é primeiro a ser impactado por qualquer nova cepa. Temos está está bem preparado com isso”, destacou.

Leia Também

Uso de máscaras em locais fechados não será flexibilizado

O governador ainda afirmou que não haverá flexibilização para o fim do uso das máscaras em locais fechados no momento.

“Um estudo tem sido feito para fazer a retirada das máscaras em locais fechados. Vimos que ela já poderia ser retirada em locais abertos olhando o cenário internacional e número de casos no estado. Nesse momento estamos olhando para a cepa, que preocupa, e por hora não há sinalizações dos técnicos para debater novas flexibilizações. Ou seja, não teremos o fim o uso da máscara.”

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Doria escala Meirelles para equipe econômica e sinaliza alianças para 2022

Publicado


source
Governador de São Paulo, João Doria
Reprodução/Youtube

Governador de São Paulo, João Doria

Eleito pré-candidato do PSDB à Presidência em 2022, o governador João Doria (PSDB) sinalizou que o ex-ministro da Justiça Sergio Moro (Podemos) deve ser prioridade na construção de uma frente ampla para as eleições do ano que vem.

Em entrevista coletiva na sede do diretório estadual paulista nesta segunda, Doria também anunciou o nome do ex-ministro e atual Secretário da Fazenda e Planejamento de São Paulo, Henrique Meirelles, como integrante de sua equipe econômica de campanha.

O tucano venceu as prévias do partido no sábado com 53,99% dos votos, contra 44,66% do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e 1,35% do ex-senador e ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgilio. A votação foi concluída após adiamento de uma semana por pane técnica e suspeitas de ataque hacker.

Assim que voltar de sua viagem aos Estados Unidos, o governador já tem encontro marcado com o ex-juiz e com a presidente do Podemos, deputada Renata Abreu. Segundo Doria, Moro tem “protagonismo” na frente democrática, liberal e social que será colocada como alternativa às candidaturas do presidente Jair Bolsonaro e do ex-presidente Lula, ambos líderes das últimas pesquisas.

Leia Também

Sobre uma possível composição com Moro, onde poderia abrir mão de ser o cabeça de chapa, o tucano disse que “ainda é cedo” e há um longo período para sedimentar a decisão, mas ressaltou que mantém um bom diálogo com o ex-juiz antes mesmo de sua entrada no governo Bolsonaro.

Até o final da próxima semana, o governador pretende anunciar todos os integrantes de sua equipe econômica de campanha. Ao todo, serão seis pessoas, sendo três mulheres. O único confirmado por ele na coletiva foi Meirelles, que chegou até a ser cogitado como possível vice de Lula.

“Não teremos posto Ipiranga. Todos os seis serão protagonistas e vão deliberar a construção de um programa econômico do Brasil”, disse o governador, que quer compartilhar ideias para o país com outras campanhas. Ele estava acompanhado de nomes como o vice-governador Rodrigo Garcia, o secretário de Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo, Marco Vinholi, e o coordenador das prévias, Wilson Pedrosa.

O tucano ainda negou ter convidado Leite para ser coordenador de sua campanha. No entanto, afirmou que o gaúcho terá “papel de protagonismo” na campanha do PSDB ao Planalto.

Doria, que aparece com 3% na última pesquisa do Ipec, minimizou sua má colocação e rejeição em São Paulo, argumentando que o mesmo ocorreu me sua campanha ao governo de São Paulo, em 2018. Ele espera crescer nas pesquisas com “muito trabalho” e rodando todo o Brasil a partir de janeiro de 2022.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso